SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 issue2Floristic and structural analyses of riparian forest of the "Alto Rio Paraná", Taquaruçu, MSFirst record of Scleroderma polyrhizum Pers. (Gasteromycetes) from Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Acta Botanica Brasilica

Print version ISSN 0102-3306

Acta Bot. Bras. vol.14 no.2 Feira de Santana May/Aug. 2000

https://doi.org/10.1590/S0102-33062000000200005 

Distribuição espacial de bromélias na restinga de jurubatiba, Macaé, RJ

 

Spatial distribution of bromeliads at "restinga" of Jurubatiba, Macaé, RJ

 

 

André F. N. FreitasI,II; Luciana Cogliatti-CarvalhoI,II; Monique Van SluysI; Carlos Frederico D. RochaI

IUniversidade do Estado do Rio de Janeiro, Instituto de Biologia Roberto Alcântara Gomes, DBAV, Setor de Ecologia, Rua São Francisco Xavier, 524, CEP 20559-900, Maracanã, Rio de Janeiro, RJ, Brasil
IIPrograma de Pós-Graduação em Ecologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, Brasil

 

 


RESUMO

Nas restingas, devido aos microhábitats favoráveis, como as moitas, não ocorrerem de forma homogênea, mas em manchas, e devido à elevada taxa de reprodução vegetativa em bromélias, testa-se a hipótese de que o padrão de distribuição espacial das bromélias em uma restinga seria agregado. Utiliza-se como área para o teste de hipótese a restinga do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba. Analisa-se o padrão de distribuição espacial de cada espécie encontrada através do índice de dispersão de Morisita (Id). Encontra-se 10 espécies de bromélias, com 10179 indivíduos em 0,98 ha amostrados. Na área estudada, nove espécies possuíram um padrão de distribuição agregado (Id > 1). Sugerimos que o padrão de distribuição agregado de bromélias em restinga pode ser explicado pela taxa de reprodução vegetativa, distribuição de condições abióticas favoráveis e substratos disponíveis nas moitas, as quais ocorrem em manchas na restinga estudada, favorecendo a ocorrência de bromélias.

Palavras-chave: Distribuição agregada, reprodução vegetativa e manchas de moitas


ABSTRACT

In "restingas", because favorable microhábitats have patchy distribution, and due to the high vegetative reproduction rate in bromeliads, we tested the hypothesis that the pattern of spatial distribution of bromeliads in a "restinga" habitat would be aggregated. We used the "restinga" of the Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba as our hypothesis test area. We analyzed the spatial distribution pattern of each studied species using Morisita dispersion Index (Id). We found 10 bromeliad species, with 10179 individuals in the 0,98 ha sampled. In the study area, nine species had an aggregated distribution pattern (Id > 1). We suggest that the aggregated distribution pattern of bromeliads may be explained by the rate of vegetative reproduction, distribution of the favorable abiotic conditions and availability substrates in clumps, which occur in patches in the study area, favoring the bromeliads occurrence.

Key-words: Aggregated distribution, vegetative reproduction and clumps patches


 

 

Texto completo disponível apenas em PDF.

Full text available only in PDF format.

 

 

Agradecimentos

Este estudo é parte dos resultados do Programa de Ecologia, Conservação e Manejo de Ecossistemas do Sudeste Brasileiro e do Projeto Vertebrados do Leste Brasileiro, Setor de Ecologia, Instituto de Biologia Roberto Alcântara Gomes, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. E. Leme e A. Costa identificaram as espécies de bromeliáceas. Durante o estudo, A. F. N. Freitas (CAPES) e L. Cogliatti-Carvalho (CNPq) receberam bolsas de Mestrado. C. F. D. Rocha (Processo Nº 300 819/94-3) e M. Van Sluys (Processo Nº 301117/95-0) receberam bolsas de Produtividade em Pesquisa do Conselho Nacional do Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq. Este estudo foi subvencionado com auxílio à Pesquisa do CNPq para C. F. D. Rocha.

 

Referências Bibliográficas

Ackerman, J. D. 1986. Coping with the epiphytic existence: pollination strategies. Selbyana 9: 52-60.         [ Links ]

Almeida, D. R. 1997. Composição, riqueza e diversidade das comunidades de bromeliáceas em diferentes ambientes da área de Mata Atlântica da Vila Dois Rios, Ilha Grande, RJ. Monografia de Bacharelado. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, RJ.         [ Links ]

Aragão, M. B. 1967. Condições de habitat e distribuição geográfica de algumas Bromeliaceae. Sellowia 19: 83-95.         [ Links ]

Araújo, D. S. D.; Scarano, F. R.; Sá, C. F. C; Kurtz, B. C; Zaluar, H. L. T.; Montezuma, R. C. M. & Oliveira, R. C. 1998. Comunidades Vegetais do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba. Pp. 39-62. In: F. A. Esteves (Ed.) Ecologia das Lagoas Costeiras do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba e do Município de Macaé (RJ). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.         [ Links ]

Baracho, G. S. 1997. Propagação vegetativa em Bromeliaceae. Bromélia 4(2): 23-28.         [ Links ]

Benzing, D. H. 1980. The Biology of Bromeliads. Mad River Press, California.         [ Links ]

Brower, J. E. & Zar, J. H. 1984. Field & Laboratory methods for general ecology. Wm. C. Brown Publishers, Dubuque, Iowa.         [ Links ]

Cogliatti-Carvalho, L. 1999. Distribuição espacial e substrato preferencial de Neoregelia johannis (Bromeliaceae) em uma área de Floresta Atlântica secundária da Ilha Grande, RJ. Monografia de Bacharelado. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, RJ.         [ Links ]

Cook, R. E. 1983. Clonal plant populations. American Scientist 71: 244-253.         [ Links ]

Crawley, M. J. & May, R. M. 1987. Population dynamics and plant community structure: competition between annuals and perennials. Journal of theoretical Biology 125: 475 489.         [ Links ]

Crawley, M. J. 1990. The population dynamics of plants. Philosophy Transactions of the Royal Society of London B 330: 125-140.         [ Links ]

Fialho, R. F. 1990. Seed dispersal by a lizard and a treefrog - effect of dispersal site on seed survivorship. Biotropica 22(4): 423-424.         [ Links ]

Fialho, R. F. & Furtado, A. L. S. 1993. Germination of Erythroxylum ovalifollum (Erythroxylaceae) seeds within the terrestrial bromeliad Neoregelia cruenta. Biotropica 25(3): 359-362.         [ Links ]

Fischer, E. 1994. Polinização, fenologia e distribuição espacial de bromeliaceae numa comunidade de Mata Atlântica, litoral sul de São Paulo. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas, SP.         [ Links ]

Franco, A. C; Valeriano, D. M.; Santos, F. M.; Hay, J. D.; Henriques, R. P. B. & Medeiros, R. A. 1984. Os microclimas das zonas de vegetação da praia da restinga de Barra de Maricá, Rio de Janeiro. Pp. 413-425. In: L. D. Lacerda, D. S. D. Araújo, R. Cerqueira & B. Turcq (Eds.), Restingas: Origem, estrutura e processos. CEUFF, Niterói.         [ Links ]

Freitas, C. A. 1997. Crescimento clonal em duas espécies de Nidularium (Bromeliaceae) sobre solo inundado em Mata Atlântica. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.         [ Links ]

Henriques, R. P. B.; Meirelles, M. L. & Hay, J. D. 1984. Ordenação e distribuição de espécies das comunidades vegetais na praia da restinga de Barra de Maricá, Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Botânica 7(1): 27-36.         [ Links ]

Henriques, R. P. B.; Araújo, D. S. D. & Hay, J. D. 1986. Descrição e classificação dos tipos de vegetação da restinga de Carapebus, Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Botânica 9(2): 173-189.         [ Links ]

Janzen, D. H. 1980. Ecologia Vegetal nos Trópicos, v. 7, Coleção temas de Biologia, 79 pp. EDUSP, São Paulo.         [ Links ]

Johanson, D. 1974. Ecology of vascular epiphytes in west African rainforest. Acta Phytogeographical Succ 59:1-136.         [ Links ]

Lacerda, L. D. & Hay, J. D. 1982. Habitat of Neoregelia cruenta (Bromeliaceae) in coastal sand dunes of Maricá, Brazi 1. Revista de Biologia Tropical 171-173.

Pereira, O. J. & Araújo, D. S. D. 1995. Estrutura da vegetação de entre moitas da formação aberta de Ericaceae no Parque Estadual de Setiba, ES. Oecologia Brasiliensis 1: 245-257.         [ Links ]

Pittendrigh, C. S. 1948. The bromeliad-anophelesmalaria complex in Trinidad I - the bromeliad flora. Evolution 2: 58-89.         [ Links ]

Poole, R. W. 1974. An Introduction to Quantitative Ecology. McGraw-Hill, Inc. Nova Iorque, EUA.         [ Links ]

Reitz, R. 1985. Na trama da malária. Ciência Hoje 4: 50-57.         [ Links ]

Silva, J. G. & Somner, G. V. 1984. A vegetação da restinga na Barra de Maricá, RJ. Pp. 217-232. In: L. D. Lacerda, D. S. D. Araújo, R. Cerqueira & B. Turcq (Eds.), Restingas: Origem, estrutura e processos. CEUFF, Niterói.         [ Links ]

Sugden, A. M. 1979. Aspects of the ecology of vascular epiphytes in Columbian cloud forest. I. The distribution of the epiphytic flora. Biotropica 11:173-188.         [ Links ]

Wikberg, S. 1995. Fitness in clonal plants. Oikos 72(2): 293-297.         [ Links ]

Wilbur, H. M. 1977. Propagule size, number, and dispersion pattern in Ambystoma and Asclepias. American Naturalist 111: 43-68.         [ Links ]

Zaluar, H. L. T. 1997. Espécies focais e a formação de moitas na restinga aberta de Clusia. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.         [ Links ]

 

 

Recebido em 27/07/1999.
Aceito em 24/02/2000

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License