SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 issue2Effects of cadmium on the anatomy and photosynthesis of two aquatic macrophytesMosses (Bryophyta) from a fragment of Atlantic Forest in the Jibóia Mountains, Santa Terezinha municipality, Bahia State, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Acta Botanica Brasilica

Print version ISSN 0102-3306On-line version ISSN 1677-941X

Acta Bot. Bras. vol.23 no.2 São Paulo Apr./June 2009

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-33062009000200007 

ARTIGOS

 

Estrutura sazonal e espacial do microfitoplâncton no estuário tropical do rio Formoso, PE, Brasil

 

Seasonal and spatial structure of microphytoplankton in the tropical estuary of Formoso River, Pernambuco State, Brazil

 

 

Marcos Honorato da Silva1; Maria da Glória Gonçalves da Silva-Cunha; José Zanon de Oliveira Passavante; Christiana Kelly da Silva Grego; Kátia Muniz

Universidade Federal de Pernambuco, Av. Arquitetura s.n., Cidade Universitária, 50730-540 Recife, PE, Brasil

 

 


RESUMO

Este trabalho teve como objetivo determinar as variações espaço-temporal do microfitoplâncton e variáveis ambientais no estuário do rio Formoso, litoral sul do estado de Pernambuco. As coletas ocorreram em três pontos, no período chuvoso (maio a julho/2002) e estiagem (outubro a dezembro/2002). As amostras do plâncton foram obtidas através de arrastos horizontais superficiais, com rede de abertura de malha de 64¼m. Foram registrados in situ dados sobre temperatura e transparência e, concomitantemente, coletadas amostras de água utilizando a garrafa tipo Kitahara para a análise de salinidade, pH, oxigênio dissolvido, sais nutrientes e biomassa. Foram identificados 204 táxons predominando o grupo das diatomáceas (75%), destacando-se como dominantes Chaetoceros costatus Pavillard, Chaetoceros curvisetus Cleve, Chaetoceros sp., Coscinodiscus centralis Ehrenberg, seguidas dos dinoflagelados (10,79%), cianofíceas (6,37%), clorofíceas (3,92%), euglenofíceas (3,43%) e silicoflagelados (0,49%). As concentrações de oxigênio demonstraram uma alta capacidade de renovação do ambiente devido ao aporte de águas marinhas; maiores concentrações de nutrientes e biomassa algácea ocorreram durante o período chuvoso e nas baixa-mares. A pluviometria e o aporte marinho foram os parâmetros que mais influenciaram na hidrologia e na distribuição da comunidade fitoplanctônica com reflexo na riqueza taxonômica.

Palavras-chave: distribuição espacial, ecologia, estuários, fitoplâncton, sazonalidade, taxonomia


ABSTRACT

This work aimed to evaluate spatial and temporal variations of the microphytoplankton and environmental variables in the Formoso River estuary, southern coast of Pernambuco state. The samples were collected at three stations, in the rainy season (May to July/2002) and dry season (October to December/2002). The plankton samples were obtained through horizontal superficial hauls, with a 64ìm-mesh net. Temperature and transparency were recorded in situ and, at the same time, water samples were collected using a Kitahara bottle to analyze salinity, pH, dissolved oxygen, nutrients and biomass. A total of 204 taxa were identified with the diatom group (75%) ranking first; dominant species were Chaetoceros costatus Pavillard, Chaetoceros curvisetus Cleve, Chaetoceros sp., Coscinodiscus centralis Ehrenberg, followed by the dinoflagellates (10.79%), cyanophycea (6.37%), chlorophycea (3.92%), euglenophycea (3.43%) and silicoflagellates (0.49%). Oxygen concentrations evidence a high capacity of environment renewal due to sea-water input; higher concentrations of nutrients and microalgae biomass occurred during the rainy season and at low tide. The parameters rainfall and sea-water input influenced hydrology and phytoplankton community distribution to the greatest degree, contributing to species richness.

Key word: ecology, estuary, phytoplankton, seasonality, spatial distribution, taxonomy


 

 

Introdução

Estudos sobre o fitoplâncton e suas respostas às variáveis ambientais representam importantes ferramentas para a compreensão e diagnóstico dos impactos, naturais e/ou antropogênicos, que ocorrem nos ecossistemas aquáticos no nível dos produtores primários.

Nos ecossistemas estuarinos, esta comunidade é influenciada pela combinação dos fatores biológicos, climatológicos e hidrológicos, sendo afetada pelas variações sazonais e diárias do ambiente, como pluviosidade, profundidade da zona eufótica, alterações do padrão de circulação da água e mudanças na sua composição química, sendo as alterações na composição do fitoplâncton refletidas em toda a biota estuarina (Rezende & Brandini 1997).

A estrutura da comunidade fitoplanctônica associada aos fatores ecológicos tem sido objeto de pesquisa há vários anos. No Estado de Pernambuco, os estudos sobre a comunidade fitoplanctônica foram iniciados na década de 1960 com o trabalho de Eskinazi & Satô (1963), com a descrição e ilustração das diatomáceas da praia de Piedade, Jaboatão dos Guararapes.

A partir deste, vários trabalhos que visam o conhecimento desta comunidade vêm sendo realizados em diversos ambientes costeiros, destacando-se as regiões estuarinas. O primeiro trabalho nestes ecossistemas foi desenvolvido por Ottmann et al. (1965/1966), que fizeram referência a algumas espécies de microalgas ocorrentes no estuário de Barra das Jangadas, Jaboatão dos Guararapes.

Estes estudos foram intensificados na década de 1970 e um dos ecossistemas mais estudados é o de Itamaracá, litoral norte do estado, abrangendo o canal de Santa Cruz e os rios que nele deságuam. Entre os trabalhos realizados nesta área estão os de: Eskinazi-Leça et al. (1980), que destacaram as diatomáceas como o grupo mais importante, Barros-Franca et al. (1981), dando início ao estudo quantitativo do fitoplâncton pelo método de Utermöhl no estuário do rio Botafogo; Passavante (1987/1989) contribuiu com o primeiro trabalho sobre produtividade e biomassa fitoplanctônica no canal de Santa Cruz; Silva-Cunha et al. (1987/1989), que estudou a comunidade fitoplanctônica na área estuarina do rio Timbó, entre outros.

No estuário do rio Formoso, situado no litoral sul do estado, em uma área de proteção ambiental, estes estudos são bastante escassos existindo apenas a contribuição de Lira & Fonsêca (1980), que abordaram a flora diatomológica na distribuição faciológica e de Honorato da Silva et al. (2004), que avaliaram a distribuição da biomassa fitoplanctônica correlacionada aos parâmetros ambientais, não existindo trabalhos sobre as variações espaço-temporal do microfitoplâncton e sua inter-relação com as variáveis ambientais.

Os ecossistemas estuarinos vêm sendo afetados drasticamente, devido às perturbações antrópicas, resultado do aumento populacional e crescimento industrial nos últimos anos. Além disto, os estuários são caracterizados como zonas de transição e onde persistem condições de instabilidade, havendo ocorrência de constantes alterações determinadas pelos parâmetros físicos e químicos, com períodos de maior influência terrestre e outros de maior influência oceânica. Essas alterações promovem respostas fisiológicas e estruturais causando profundas modificações no desenvolvimento, sobrevivência e dispersão dos organismos fitoplanctônicos (Eskinazi-Leça et al. 2004).

Diante disto e da importância do estuário do rio Formoso para população local, vários estudos vêm sendo realizados na área, visando o conhecimento da ecologia bem como o monitoramento de ação antropogênica. Dentre estes podem ser citados os trabalhos de: Lira et al. (1979), que avaliaram os aspectos da dinâmica do rio; Neumann-Leitão et al. (1994/1995), que determinaram a composição da comunidade zooplanctônica; Sônia-Silva & Rocha (1999), que estudaram a prospecção da macrofauna bêntica no manguezal; Sônia-Silva et al. (2000) avaliaram as atividades pesqueiras artesanais e a relação com a malacofauna; Sônia-Silva et al. (2006) estudaram a pesca artesanal do camarão Litopenaeus schimitt.

Para contribuir com os estudos neste ecossistema, foi desenvolvido este trabalho com o objetivo de determinar a estrutura e as variações espaço-temporal da comunidade fitoplanctônica e das variáveis ambientais.

 

Material e métodos

O município de Rio Formoso está situado na região fisiográfica da Mata Meridional de Pernambuco, a 92 km de Recife. Parte de seu território está incluída em uma Área de Proteção Ambiental - APA (Decreto Estadual n. 19.635, de 13 de março de 1997), denominada APA de Guadalupe, que se localiza na porção meridional do litoral sul do estado de Pernambuco, abrangendo parte dos municípios de Sirinhaém, Rio Formoso, Tamandaré e Barreiros (CPRH 1998).

Hidrograficamente este município está inserido nas bacias dos rios Sirinhaém e Una, além de pequenos grupos de rios litorâneos. Destaca-se neste complexo fluvial, o estuário do rio Formoso (Fig. 1), situado entre as coordenadas geográficas 8º39'-8º42'S e 35º10'-35º05'W, com uma área aproximada de 2.724 hectares (FIDEM 1987).

 

 

O rio Formoso tem uma extensão de 12 km e nasce na porção noroeste do município de mesmo nome. Próximo à desembocadura, localizada entre o pontal de Guadalupe e a praia dos Carneiros, recebe o Ariquindá e seu afluente União, dois importantes componentes de sua bacia. Ao longo do seu percurso recebe despejos domésticos e resíduos provenientes da agroindústria açucareira (CPRH 1999).

Para realização deste trabalho, foram feitas coletas para o estudo do microfitoplâncton e variáveis ambientais durante o período chuvoso (maio a julho/2002) e de estiagem (outubro a dezembro/2002), nas baixa-mares e preamares de um mesmo dia, em três pontos de coletas, em maré de sizígia, na camada superficial, exceto para temperatura e salinidade, analisadas em superfície e fundo.

O ponto de coleta 1, localizado à montante do estuário, na parte onde ainda é navegável durante a baixamar; o ponto 2, na confluência do rio Formoso com o rio dos Passos, e o ponto 3 na foz do estuário próximo à desembocadura do rio Ariquindá (Fig. 1).

Os dados de precipitação pluviométrica foram provenientes da Estação Meteorológica de Porto de Galinhas, PE. As coletas de água foram realizadas através de garrafas oceanográficas de Kitahara. A temperatura foi determinada através de um termômetro digital; a transparência da água por meio do disco de Secchi; a salinidade pelo método indireto de Morh-Knudsen; o oxigênio dissolvido pelo método de Winkler, estes últimos descritos por Strickland & Parsons (1972); para taxa de saturação do oxigênio foi utilizado a International Oceanographic Tables (UNESCO 1973); o pH através de um pH-metro Beckman, tipo Zeromatic II; os sais nutrientes (nitrito, nitrato e fosfato) foram determinados de acordo com Strickland & Parsons (1972) e o silicato, segundo Grasshoff et al. (1983).

A biomassa fitoplanctônica foi estimada através da determinação da clorofila a pelo método espectrofotométrico da UNESCO (1966) após extração em acetona a 90% por 24 horas. As leituras foram obtidas no espectrofotômetro Micronal B-280 e os resultados expressos em mg.m-3.

As amostras de plâncton foram coletadas em arrastos horizontais superficiais com duração de 3 minutos, à velocidade de um nó (1852 m/h), com uma rede de plâncton de abertura de malha igual a 64 μm, sendo o material coletado e imediatamente fixado em formol neutro a 4% e armazenadas no Laboratório de Fitoplâncton do Departamento de Oceanografia da Universidade Federal de Pernambuco.

A identificação das algas foi realizada com o auxílio de um microscópio óptico Bausch & Lomb com aumento final de 400x utilizando-se as obras de Perágallo & Perágallo (1897-1908); Cupp (1943), Hustedt (19611966) e Round et al. (1992), para as diatomáceas; Sournia (1967; 1986) e Wood (1968) para dinoflagelados; Chretiénnot-Dinnet et al. (1990) e Desikachary (1959) para clorofíceas, euglenofíceas e cianofíceas, respectivamente. Para o enquadramento ecológico dos táxons identificados foram utilizados os trabalhos de Silva-Cunha & Eskinazi-Leça (1990) e Moreira Filho et al. (1994/1995).

A abundância relativa de cada táxon foi calculada a partir da contagem direta dos organismos e os resultados transformados em porcentagens, utilizando-se a seguinte fórmula: A = N.100/n, onde: A = abundância relativa; N = número de indivíduos do táxon identificado e n = número total de indivíduos.

Para sua interpretação foram utilizadas as categorias espécies abundantes e dominantes de acordo com Lobo & Leighton (1986).

A freqüência de ocorrência (F) foi expressa em porcentagem, levando-se em consideração o número de amostras, nas quais cada táxon ocorreu e o número total de amostras analisadas, tendo sido aplicada a fórmula: F = A. 100/a, onde, A = número de amostras em que o táxon ocorreu e a = número total de amostras.

Em função do valor da freqüência de ocorrência, os táxons foram classificados em muito freqüente (ocorreram em mais de 70% das amostras analisadas), freqüente, (ocorreram em mais de 40% e menos de 70% das amostras), pouco freqüente (ocorreram em mais de 10% e menos de 40% das amostras) e esporádica (ocorreram em menos de 10% das amostras).

A riqueza específica (número de táxons) correspondeu ao número total de táxons presentes em cada amostragem. Com os dados obtidos na análise quantitativa da comunidade fitoplanctônica, foram estimados a diversidade específica (H'), baseada em Shannon (1948), e a eqüitabilidade (J) segundo Pielou (1977), considerando-se eqüitativa os valores superiores a 0,50.

A análise multivariada dos resultados foi realizada através da análise dos componentes principais, obtida do coeficiente de correlação momento-produto de Pearson, com a matriz inicial formada com as espécies com freqüência de ocorrência >80%, juntamente com os parâmetros ambientais, e do cálculo dos autovetores e autovalores da matriz de dispersão através do programa NTSYS (Numerical Taxonomy and Multivariate Analysis System), da Exeter Software, New York - EUA.

Para verificar a existência de diferenças entre as variáveis estudadas em relação aos períodos sazonais, pontos de coletas e marés foi utilizado o Teste de Student (teste-t), onde p < 0,05 foi considerado significativo.

 

Resultados e discussão

A média mensal de chuvas para região mostrou a ocorrência de um ciclo sazonal bem definido com diferença significativa entre os períodos (p = 0,002), caracterizado por um período chuvoso (março-agosto) e um de estiagem (setembro-fevereiro), tendo valor máximo sido registrado em junho/2002 (446 mm) e o mínimo em dezembro/2002 (20 mm) (Fig. 2).

 

 

Vários pesquisadores têm salientado a influência e importância que a precipitação pluviométrica exerce sobre os parâmetros bióticos e abióticos. Segundo Sassi (1991), em áreas tropicais e subtropicais o regime pluviométrico é um dos principais fatores que controlam a distribuição, abundância e dinâmica sazonal do fitoplâncton.

Para o litoral sul de Pernambuco, verificou-se que durante a realização deste trabalho, a pluviometria alcançou índices semelhantes ao registrado pela média dos últimos 20 anos para região (Fig. 2). Desta forma, evidenciou-se a influência sazonal direta ou indireta sobre os parâmetros hidrológicos e biológicos do estuário do rio Formoso, condicionando, durante o período chuvoso, menores valores de temperaturas, transparência da água e salinidade, além de maiores concentrações de sais nutrientes (Tab. 1). Estas variações no regime pluviométrico e conseqüente alterações na dinâmica do estuário também foram observadas em outras regiões como no estuário do rio Timbó, PE (Grego et al. 2004) e no rio Una, PE (Bastos et al. 2005).

A temperatura da água apresentou pequenas variações oscilando de 24,5 a 29,5 ºC (Tab. 1), com valores mais elevados durante o período de estiagem apresentando diferença significativa entre os períodos (p = 0,002). Entretanto essa diferença não foi observada entre os pontos de amostragem, padrão também evidenciado no sentido superfície/fundo, indicando não haver estratificação térmica na coluna deágua (p = 0,440).

A transparência da água variou de 0,25 a 3,67 m, com menores valores durante o período chuvoso (Tab. 1), mas não houve diferença significativa entre os períodos (p = 0,280). A redução da transparência no período chuvoso não chegou a limitar o desenvolvimento do fitoplâncton, uma vez que foi verificado um aumento da biomassa fitoplanctônica, diferentemente do que foi observado por Feitosa et al. (1999), na bacia do Pina, PE, onde a transparência da água foi um fator limitante promovendo a redução da biomassa fitoplanctônica durante este período.

A salinidade apresentou valores que variaram de 1,33 a 36,30‰, observando-se uma sazonalidade, com maiores teores no período de estiagem com um gradiente crescente do ponto de coleta 1 para o ponto 3 (Tab. 1). Assim como a temperatura, a distribuição vertical da salinidade não revelou diferença significativa (p = 0,080), coincidindo com o observado por Lira et al. (1979) que, ao analisarem a dinâmica deste ecossistema e baseados no princípio de estratificação e circulação de Hansen & Rattray (1966), classificaram-no como tipo 1, ou seja, bem misturado. Este parâmetro foi um dos mais significativos, segundo a Análise dos Componentes Principais (Tab. 2), onde pôde-se observar uma relação direta com a maré, transparência, temperatura, profundidade e pH.

 

 

O oxigênio dissolvido (OD) e a taxa de saturação de oxigênio não apresentaram variação sazonal significativa (p = 0,600), estando relacionados ao fluxo das marés (p = 0,001). Os menores valores foram registrados durante a baixa-mar, revertendo-se na preamar com maiores valores em decorrência dos processos dominantes de mistura pela penetração das águas marinhas. O ambiente apresentou valores de oxigênio dissolvido entre 2,92 e 6,25 mL L-1 e os valores de saturação de oxigênio variaram de 54,2 a 135,7% (Tab. 1). A variação do oxigênio dissolvido em relação às marés também foi observada por Santiago et al. (2004), no estuário do rio Pisa Sal, RN, e Melo-Magalhães et al. (2004), no sistema estuarino lagunar Mundaú/Manguaba, AL.

Mediante o sistema de classificação de Macêdo & Costa (1978), a área estudada apresentou-se, durante a baixa-mar, como zona insaturada (50-100%) e, na preamar, como zona saturada (>100%). Portanto, este parâmetro foi um importante indicador de que a área apresenta uma grande capacidade de renovação devido ao aporte de águas marinhas mesmo recebendo impactos oriundos do lançamento de efluentes domésticos em sua porção superior, como relataram Lima et al. (2000).

O pH da água apresentou-se alcalino variando de 7,05 a 8,88 (Tab. 1), com valores mais elevados durante as preamares (p = 0,030). Estes resultados são justificados pelo maior aporte de águas marinhas uma vez que, de acordo com Lira et al. (1979), a área estudada, além de apresentar condições favoráveis à livre penetração de maré salina, não se verifica um fornecimento expressivo de água doce pelos cursos de água que lá deságuam.

A distribuição da concentração dos sais nutrientes foi bem caracterizada por variações entre os dois regimes de marés, com teores mais elevados durante a baixamar e no período chuvoso. Os teores de nitrito e nitrato variaram de valores indetectáveis a 0,48 e 6,30 μM respectivamente, apresentando uma diferença significativa entre os períodos (p = 0,020 e p = 0,004). O fosfato variou de valores indetectáveis a 0,77 μM, enquanto o silicato oscilou de 7,14 a 75,63 μM, sendo significativamente diferentes em relação às marés (p = 0,002) (Tab. 1). Estes valores mais elevados durante o período chuvoso e nas baixa-mares devem-se ao maior aporte de água doce no estuário, tanto em decorrência da contribuição dos rios como pela lixiviação do solo devido ao aumento do índice pluviométrico no período.

Os valores de sais nutrientes registrados no estuário do rio Formoso foram considerados semelhantes aos descritos por Rosevel et al. (2005) na baia de Tamandaré, PE, porém baixos quando comparados aos registrados por Persich et al. (1996), no estuário da Lagoa dos Patos, RS; por Gianesella et al. (2000), no canal de Bertioga, SP; Grego et al. (2004), no estuário do rio Timbó, PE; estuários estes considerados como ambientes que vêm sofrendo grandes impactos antropogênicos.

Os baixos valores dos nutrientes registrados no estuário do rio Formoso podem ser explicados pelo consumo através do fitoplâncton, uma vez que os valores de biomassa foram relativamente altos, e pela diluição, devido ao aporte de águas marinhas.

A comunidade fitoplanctônica identificada esteve representada por 204 táxons infragenéricos distribuídos nas divisões: Bacillariophyta (153), Dinophyta (22), Cyanophyta (13), Chlorophyta (oito), Euglenophyta (sete) e Chrysophyta (um), com predomínio de espécies marinhas neríticas e/ou oceânicas em todos os pontos de coleta (Tab. 3).

A diversidade fitoplanctônica registrada na área pode ser atribuída à heterogeneidade ambiental composta pelo mangue, recifes de arenito na desembocadura do rio Formoso, além da mistura dos fluxos marinhos e limnéticos e as características físicas e químicas, peculiares dos estuários.

Este número de táxons é compatível com os estudos de outras regiões: Santiago et al. (2004) encontraram 210 táxons no estuário do rio Pisa Sal, RN; Macêdo et al. (2005) registraram 266 táxons em Barra das Jangadas, PE; Rosevel et al. (2005) identificaram 203 táxons na baía de Tamandaré e estuários dos rios Ilhetas e Mamucaba, PE. Nestes ecossistemas, também foi observado o predomínio das diatomáceas, destacando-se tanto na diversidade de espécies quanto no número de células.

Dentre as diatomáceas de maior destaque na área estudada, tanto em freqüência de ocorrência como em abundância relativa, foram registradas: Chaetoceros curvisetus Cleve, Chaetoceros costatus Pavillard, Chaetoceros sp. 1, Chaetoceros lorenzianus Grunow, Gyrosigma balticum (Ehrenberg) Cleve, Surirella febigerii Lewis, Entomoneis alata Ehrenberg, Petrodictyon gemma (Ehrenberg) D.G. Mann; Bellerochea malleus (Brightwell) van Heurck, Cerataulus turgidus Ehrenberg, Fragilaria capuccina Desmazières, Pleurosigma sp., Cylindrotheca closterium (Ehrenberg) Reiman & Lewis, Coscinodiscus centralis Ehrenberg, Thalassionema nitzschioides Grunow, Odontella mobiliensis (Bailey) Grunow, Bacillaria paxillifera (Müler) Hendey, Lithodesmium undulatum Ehrenberg, Paralia sulcata (Ehrenberg) Cleve e Nitzschia sigma (Kutzing) Wm. Smith.

Segundo Procopiak et al. (2006), as diatomáceas constituem o grupo mais representativo em regiões estuarinas e correspondem aos principais produtores desses ecossistemas. A abundância destes organismos nestas áreas está condicionada às suas características de eurialinidade, associados às condições eutróficas. Este fato vem sendo observado em várias regiões, como os reportados por Sassi & Kutner (1982), em Cananéia, São Paulo; Brandini (1985), na baía de Paranaguá, PR; Avaria et al. (1999) no estrecho de Magallanes, Chile; Lacerda et al. (2004) no estuário do rio Botafogo, PE; Melo-Magalhães et al. (2004) no estuário lagunar Mundaú/Manguaba, AL.

A maioria das espécies fitoplanctônicas identificadas é de origem marinha representando 86,49% de todos os táxons específicos, englobando as formas planctônicas neríticas com 22,97%, as planctônicas oceânicas com 27,70% , ticoplanctônicas marinhas com 35,82%, dulciaquícolas com 7,43% e estuarinas com 6,08% (Tab. 3), evidenciando segundo Honorato da Silva et al. (2004), a forte influência das águas marinhas costeiras, o que ratifica a predominância de espécies eurialinas. Este fato foi também verificado por outros autores em áreas estuarinas (Lacerda et al. 2004; Santiago et al. 2004).

AAnálise dos Componentes Principais indicou que os parâmetros bióticos e abióticos analisados explicaram grande parte das variações ocorridas no estuário do rio Formoso, demonstrando que as espécies e fatores com maior papel ecológico no ambiente foram Lithodesmium undulatum Ehrenberg, Odontella mobiliensis (Bailey) Grunow e Bacillaria paxillifera (Muller) Hendey, que apresentaram uma correlação direta com a salinidade, a temperatura, a transparência da água, a maré e o pH, e a espécie Nitzschia sigma (Kützing) Smith, com a pluviometria, nitrito e nitrato (Tab. 2). Segundo Moreira Filho et al. (1999), estas espécies são marinhas eurialinas, o que ratifica a importância do aporte de águas marinhas na área.

Outro fator que contribuiu como indicador do aporte de águas marinhas na área foi a presença das espécies de diatomáceas Coscinodiscus centralis Ehrenberg e Chaetoceros lorenzianus Grunow, como, respectivamente, dominante e muito freqüente, principalmente nos pontos de coleta 2 e 3. Estas espécies foram consideradas por Rosevel Silva et al. (2005) como as mais representativas na baia de Tamandaré, PE, situada ao sul, a 3 km da desembocadura do rio Formoso. Também foram registradas como muito freqüentes por Koening et al. (2002), no estuário do rio Ipojuca, PE, e Feitosa et al. (1999), no estuário do rio Goiana, PE.

Também foi observado que nos pontos de coleta 2 e 3 ocorreu maior diversidade dos dinoflagelados do gênero Ceratium. Sabe-se que alguns destes representantes têm preferências por mares tropicais, porém algumas espécies podem ser encontradas em áreas estuarinas cujos teores de salinidades variam entre 15 e 30‰ (Smayda 1958; Taylor 1987). Outro bioindicador da influência marinha na área de estudo foi a presença do silicoflagelado Dictyocha fibula Ehrenberg, que é exclusivamente marinho e planctônico, comumente encontrado em ambientes oligotróficos (Chretiénnot-Dinnet 1990).

O fluxo limnético influenciou a ocorrência das espécies Phacus acuminatus Stokes e Trachelomonas sp., consideradas dominantes no período de estiagem no ponto de coleta 1 durante a baixa-mar. Segundo Palmer (1969) e Prescott (1975), estas espécies são bioindicadoras de áreas ricas em material orgânico. Isto pode ser justificado por ação antrópica, decorrente do aporte de substâncias orgânicas derivadas de esgotos domésticos na cidade de Rio Formoso, uma vez que no período foi registrado um leve aumento de fosfato neste ponto de coleta (Tab. 1).

No período de estiagem foi registrada a ocorrência de 154 espécies dentre as quais foram consideradas dominantes e/ou abundantes: Chaetoceros costatus (Brigthwell) Sundström e Coscinodiscus centralis Ehrenberg nos pontos 1, 2 e 3; Phacus acuminatus Stokes e Trachelomonas sp., no ponto 1. No período chuvoso, o número de espécies foi maior (186) e as dominantes foram Chaetoceros curvisetus Cleve e Coscinodiscus centralis Ehrenberg nos pontos 1, 2 e 3 e Chaetoceros sp. no ponto 1 (Fig. 3).

 

 

Este período também contribuiu para que algumas espécies de diatomáceas se destacassem, não por terem sido freqüentes e/ou abundantes, mas por terem sido registradas apenas na estação chuvosa, sendo elas: Cerataulina pelagica (Cleve) Hendey, Chaetoceros coarctatus Lauder, Chaetoceros pseudocurvisetus Mangin, Chaetoceros didymus Ehrenberg, Corethron hystrix Hensen, Chaetoceros peruvianus Brigthwell, Nitzschia longissima var. reversa Grunow, Nitzschia obtusa Smith, Proboscia alata (Brigthwell) Sundström, Pseudosolenia calcaravis (Schultze) Sundström, Rhaphoneis amphiceros (Ehrenberg) Bailey; enquanto outras foram características do período de estiagem: Chaetoceros costatus (Brigthwell) Sundström e Nitzschia circunsuta (Bailey) Grunow. Estas espécies também foram registradas por Eskinazi-Leça et al. (1980) como sendo características destes períodos, em estudos realizados no canal de Santa Cruz, Itamaracá, PE.

As concentrações de clorofila a variaram de 2,45 mg m-3 na preamar de dezembro/2002 no ponto 3 a 70,22 mg m-3 na baixa-mar de junho/2002 no ponto 1 (Tab. 4), com maiores valores no período chuvoso e nas baixa-mares, porém, não sendo significativa a diferença entre os períodos (p = 0,20) e marés (p = 0,15). Valores semelhantes de clorofila a foram registrados por Santos-Fernandes et al. (1998), no estuário do rio Jaguaribe, PE e por Figueiredo et al. (2006) no canal de Santa Cruz, PE.

Nos sistemas estuarinos a concentração de clorofila a é governada por fatores que atuam no crescimento (nutrientes, luz e temperatura) e na remoção (advecção, pastagem e sedimentação) do fitoplâncton (Day et al. 1989). No estuário do rio Formoso, a transparência da água, a maior disponibilidade de nutrientes promovida pelo aporte fluvial e a ressuspensão do sedimento causado pelo fluxo e refluxo das marés foram importantes fatores que influenciaram nos maiores teores de clorofila a.

De acordo com as concentrações da clorofila a e dos nutrientes registradas na presente pesquisa, pôde-se caracterizar o ambiente estudado como produtivo e que ainda não apresenta elevado grau de eutrofização.

A riqueza taxonômica apresentou variação sazonal considerada significativa (p = 0,02), onde o período chuvoso destacou-se devido a um maior aporte de nutriente e de espécies limnéticas. Lira & Fonseca (1980), em estudos nesta área, registraram uma flora diatomológica extremamente diversificada, composta por espécies tanto marinhas eurialinas, quanto fluviais indicadoras da proximidade com os manguezais.

Em áreas tropical e subtropical, o regime de precipitação pluviométrica apresenta-se como o maior fator controlador da distribuição, abundância e dinâmica sazonal do fitoplâncton estuarino. Da mesma forma, as flutuações sazonais de densidade, biomassa e produção fitoplanctônica em estuários e outras áreas costeiras do Brasil têm sido frequentemente associadas à precipitação pluviométrica (Santos-Fernandes et al. 1998). Segundo Eskinazi-Leça et al. (2004), este padrão de variação sazonal é característico de regiões costeiras tropicais com pequena influência terrígena onde a densidade do fitoplâncton aumenta durante o período chuvoso, estando na dependência do aporte de nutrientes carreados do continente.

Os valores de diversidade específica apresentaram uma variação de 0,89 a 3,91 bits cel.- 1 e a eqüitabilidade de 0,17 a 0,72. Os menores valores foram obtidos na preamar de julho/2002 no ponto de coleta 2 e os maiores na preamar de dezembro/2002 no ponto 2 (Tab. 4). Na área estudada a diversidade específica foi considerada baixa e os valores de eqüitabilidade confirmaram que as populações do fitoplâncton apresentaram uma distribuição não eqüitativa.

Quando a comunidade é dominada por uma ou poucas espécies, a diversidade decresce (Omori & Ikeda 1984). A diminuição do índice de diversidade específica esteve relacionada à dominância das espécies: Coscinodiscus centralis Ehrenberg, Chaetoceros costatus Pavillard, Chaetoceros curvisetus Cleve, Trachelomonas sp. e Phacus acuminatus Stokes, que são consideradas espécies oportunistas, com altas taxas de reprodução.

Estes resultados comprovam que a estrutura da comunidade fitoplanctônica no estuário do rio Formoso é condicionada pelo aporte marinho e precipitação pluviométrica que atuaram com maior sinergia, favorecendo a manutenção da qualidade da água e maior oferta de nutrientes. Esta influência mútua contribuiu para melhores condições do desenvolvimento desta comunidade com reflexo na riqueza taxonômica.

 

Agradecimentos

Os autores agradecem ao Departamento de Oceanografia da Universidade Federal de Pernambuco, pela concessão do uso dos Laboratórios de Fitoplâncton e Química.

 

Referência bibliográfica

Avaria, S.; Jorqueira, L.; Munõz, P. & Vera, P. 1999. Distribución del microfitoplancton marino en la zona de águas interiores compreendida entre el golfo de Penas y el estrecho de Magallanes, Chile, en la Primavera de 1996 (Crucero Climar-Fiordo 2). Ciencia y Tecnologia del Mar 22: 81-110.         [ Links ]

Barros-Franca, L.M. & Silva, M.G.G. 1981. Estudos ecológicos da região de Itamaracá, Pernambuco-Brasil. XVI. Microfitoplâncton do estuário do rio Botafogo. Pp. 207-220. In: Congresso Brasileiro de Engenharia de Pesca. Recife, SUDENE.         [ Links ]

Bastos, R.B.; Feitosa, F.A.N. & Muniz, K. 2005. Variabilidade espaçotemporal da biomassa fitoplanctônica e hidrologia no estuário do rio Una (Pernambuco - Brasil). Tropical Oceanography 33: 1-18.         [ Links ]

Brandini, F.P. 1985. Seasonal succession of the phytoplankton in the bay of Paranaguá (Paraná State, Brazil). Revista Brasileira de Biologia 45: 687-694.         [ Links ]

Chretiénnot-Dinnet, M.J.; Bilard, C. & Sournia, A. 1990. Chlorarachniophycées, Chlorophycées, Chrysophycées, Cryptophycées, Euglénophycées, Eustigmatophycées, Prasinophycées, Prymnesiophycées, Rhodophycées et Tribophycées. Paris, Editions du Centre National Recherche Scientifique. (Atlas du phytoplankton marin 3).         [ Links ]

Companhia Pernambucana do Meio Ambiente (CPRH). 1998. Plano de Gestão, Zoneamento Ecológico Econômico Costeiro - ZEEC - APA de Guadalupe Litoral Sul de Pernambuco. Recife, CPRH.         [ Links ]

Companhia Pernambucana do Meio Ambiente (CPRH). 1999. Diagnóstico sócio-ambiental e ZEEC - Zoneamento Ecológico Econômico Costeiro Litoral sul de Pernambuco. Recife, CPRH.         [ Links ]

Cupp, E.D. 1943. Marine plankton diatoms of the west coast of North America. Bulletin of the Institution of Oceanography 6: 1-237.         [ Links ]

Day, J.W. Jr.; Hall, C.A.S.; Kemp, W.M. & Yañes-Arancibia, A. 1989. Estuarine Ecology. New York, Jonh Wiley & Sons.         [ Links ]

Desikachary, T.V. 1959. Cyanophyta. New Delhi, Indian Council of Agricultural Reserch.         [ Links ]

Eskinazi, E. & Satô, S. 1963. Contribuição ao estudo das diatomáceas da praia de Piedade (Pernambuco-Brasil). Trabalhos Oceanográficos 5/6: 63-104.         [ Links ]

Eskinazi-Leça, E.; Macêdo, S.J. & Passavante, J.Z.O. 1980. Estudo ecológico da região de Itamaracá, Pernambuco - Brasil. V. Composição e distribuição do microplâncton na região do canal de Santa Cruz. Trabalhos Oceanográficos 15: 185-262.         [ Links ]

Eskinazi-Leça, E.; Koening, M.L. & Silva-Cunha, M.G.G. 2004. Estrutura e dinâmica da comunidade fitoplanctônica. Pp 353-373. In: E. Eskinazi-Leça; S. Newmann-Leitão & M.F. Costa (org.). Oceanografia um cenário tropical. Recife, Edições Bagaço.         [ Links ]

Feitosa, F.A.N.; Silva-Cunha, M.G.G.; Passavante, J.Z.O.; Neumann-Leitão, S. & Lins, I.C. 1999. Estrutura do microfitoplâncton no sistema estuarino do rio Goiana, Pernambuco, Brasil. Trabalhos Oceanográficos 27: 17-25.         [ Links ]

FIDEM. 1987. Proteção das áreas estuarinas. Recife. (Séries Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente).         [ Links ]

Figueiredo, J.A.; Muniz, K.; Macedo, S.J.; Flores-Montes, M.J. & Feitosa, F.A.N. 2006. Hidrologia e biomassa fitoplanctônica nas barras Orange e Catuama (canal de Santa Cruz), em Itamaracá-PE: variação nictemeral. Arquivos de Ciências do Mar 39: 5-17.         [ Links ]

Gianesella, S.M.F.; Saldanha-Corrêa, F.M.P. & Teixeira, C. 2000. Tidal effects on nutrients and phytoplankton distribution in Bertioga Channel, São Paulo, Brazil. Aquatic Ecosystem Health and Management 3: 533-544.         [ Links ]

Grasshoff, F.K.; Emrhardt, M. & Kremling, K. 1983. Methods of seawater analysis. 2nd ed. New York, Verlag Chemie.         [ Links ]

Grego, C.K.S.; Feitosa, F.A.N.; Honorato-da-Silva, M. & Flores Montes, M.J. 2004. Distribuição espacial e sazonal da clorofila a fitoplanctônica e hidrologia do estuário do rio Timbó (Paulista - PE). Tropical Oceanography 32: 135-236.         [ Links ]

Hansen, D.V. & Rattray Jr., M. 1966. New dimensions in estuary classification. Limnology Oceanography 11: 319-326.         [ Links ]

Honorato-da-Silva, M.; Passavante, J.Z.O.; Silva-Cunha, M.G.G.; Nascimento-Vieira, D.A.; Grego, C.K.S. & Muniz, K. 2004. Distribuição espacial e sazonal da biomassa fitoplanctônica e dos parâmetros hidrológicos no estuário do rio Formoso (Rio Formoso, Pernambuco, Brasil). Tropical Oceanography 32: 89-106.         [ Links ]

Hustedt, F. 1961-1966. Die Kieselaagen. Deutschlands, Österreichs und der Schweiz unter Berücksichtigung der übrigen Länder Europas sowie der angrenzenden Meeresgebiete. Leipzig, Akademische Verlagsgesellschaft Geest & Portig K-G. (L.Rabenhorst, Kryptogamen-Flora von Deustschland, Österreich und der Schwiz 7: 1-4.         [ Links ]

Koening, M.L.; Eskinazi-Leça, E. & Neumann-Leitão, S. 2002. Impactos da construção do Porto de Suape sobre a comunidade fitoplanctônica no estuário do rio Ipojuca (Pernambuco-Brasil). Acta Botanica Brasilica 16: 407-420.         [ Links ]

Lacerda, S.R.; Koening, M.L.; Neumann-Leitão, S. & Flores-Montes, M.J. 2004. Phytoplankton nyctemeral variation at a tropical river estuary (Itamaracá - Pernambuco - Brazil). Brazilian Journal Biology 64: 81-94.         [ Links ]

Lima, D.G; Rego, R.C.P.; Silva, V.L.; Silva, A.M.B.; Paiva, S.C. & Salgueiro, A.A. 2000. Qualidade da água do rio Formoso desde a nascente até o estuário, Pernambuco, Brasil. In: International Conference. Sustainable use of estuaries and mangroves: Challenges and prospects. Mangrove. Recife. CD-ROW         [ Links ]

Lira, L.; Zapata, M.C. & Fonseca, V.G. 1979. Aspectos da dinâmica do estuário do Rio Formoso, Pernambuco. Caderno Ômega 3: 133-156,         [ Links ]

Lira, L. & Fonseca, V.G. 1980. Composição e distribuição faciológica do estuário do rio Formoso - PE. Anais da Universidade Federal Rural de Pernambuco 5: 77-104.         [ Links ]

Lobo, E. & Leighton, G. 1986. Estructuras comunitárias de las fitocenosis planctonicas de los sistemas de desembocaduras de rios y esteros de la zona central de Chile. Revista Biologia Marina 22: 1-29.         [ Links ]

Macêdo, S.J. & Costa, K.M.P. 1978. Estudo ecológico da região de Itamaracá Pernambuco - Brasil, condições hidrológicas do estuário do rio Botafogo. Ciência e Cultura 30: 1-368.         [ Links ]

Macêdo, S.J.; Neumann-Leitão, S.; Koening, M.L.; Araújo Filho, M.; Schwamborn, R.; Feitosa, F.A.N.; Muniz, K.; Lacerda, S.R. & Flores-Montes, M.J. 2005. Status of the Barra das Jangadas estuary (North-eastrn Brazil): an ecological approach. Pp. 709-719. In: E. Tiezzi; C.A. Brebbia; S.E. Jorgensen & D. Almorza Gomar (org.). Ecosystems and Sustainable Development V. Southampton, Wit Press.         [ Links ]

Melo-Magalhães, E.M.; Koening, M.L. & Sant'Anna, C.L. 2004. Fitoplâncton e variáveis ambientais nos canais do sistema estuarino lagunar Mundaú/Manguaba, Alagoas, Brasil. Hoehnea 31: 73-86.         [ Links ]

Moreira Filho, H.; Eskinazi-Leça, E. & Valente-Moreira, I.M. 1994/ 1995. Avaliação taxonômica e ecológica das Diatomaceae (Chrysophyta-Bacillariophyceae) marinha e estuarinas nos estados do Espírito Santo, Bahia, Sergipe e Alagoas, Brasil. Biologica Brasilica 6: 87-110,         [ Links ]

Neumann-Leitão, S.; Gusmão, L.M.O. & Nascimento-Vieira, D.A.; Paranhos, J.D.N. 1994/1995. Zooplâncton da área estuarina do rio Formoso - PE. Trabalhos Oceanográficos 23: 55-64.         [ Links ]

Omori, M. & Ikeda, T. 1984. Methods in marine zooplankton ecology. New York, Wiley Interscience Publication.         [ Links ]

Ottmann, F.; Okuda, T.; Cavalcanti, L.B.; Silva, O.C.; Araújo, J.V.A.; Coêlho, P.A.; Paranaguá, M.N. & Eskinazi, E. 1965/1966. Estudos de Barra das Jangadas. Parte V - Efeitos da poluição sobre a ecologia do estuário. Trabalhos do Instituto Oceanográfico da Universidade Federal de Pernambuco 7-8: 7-16.         [ Links ]

Palmer, M.C. 1969. A composite rating of algae toleriating organic pollution. Journal of Phycology 5: 78-92.         [ Links ]

Passavante, J.Z.O. 1987/1989. Primary Production of Phytoplankton from Santa Cruz Channel. Trabalhos Oceanográficos 20: 157-172.         [ Links ]

Péragallo, H. & Péragallo, M. 1897-1908. Diatomées marines de France et des districtsmaritimes voisins. Paris, M.J. Tempère.         [ Links ]

Persich, G.R.; Odebrecht, C.; Bergesch, M. & Abreu, P.C. 1996. Eutrofização e fitoplâncton : comparação entre duas enseadas rasas no estuário da Lagoa dos Patos. Atlântica 18: 27-41.         [ Links ]

Pielou, E.C. 1977. Mathematical Ecology. New York, John Wiley & Sons.         [ Links ]

Prescott, G.W. 1975. Algae of the Western great lakes area. 6th ed. Duduque, Wm C. Brow Company Publishers.         [ Links ]

Procopiak, L.K.; Fernandes, L.F. & Moreira Filho, H. 2006. Diatomáceas (Bacillariophyta) marinhas do Paraná, Sul do Brasil: lista de espécies com ênfase em espécies nocivas. Biota Neotropica 6: 1-28.         [ Links ]

Rezende, K.R.V. & Brandini, F.P. 1997. Variação do fitoplâncton na zona de arrebentação da praia de Pontal do Sul (Paranaguá - Paraná). Nerítica 11: 49-62.         [ Links ]

Round, F.E.; Crawford, R.M. & Mann, D.G. 1992. The diatoms: Biology and Morphology of the genera. Cambrige, Cambrige University Press         [ Links ]

Rosevel-da-Silva, M.; Silva-Cunha, M.G.G.; Feitosa, F.A.N. & Muniz, K. 2005. Estrutura da comunidade fitoplanctônica na baía de Tamandaré (Pernambuco, nordeste do Brasil). Tropical Oceanography 33: 157-175.         [ Links ]

Santiago, M.F.; Silva-Cunha, M.G.G. & Passavante, J.Z.O. 2004. Fitoplâncton como indicador da qualidade ambiental em ecossistema hipersalino (estuário do rio Pisa Sal, Galinhos, RN, Brasil). Pp. 854-856. In: Anais XIV Congresso Brasileiro de Engenharia de Pesca. Fortaleza 2005. Fortaleza, Sociedade Brasileira de Pesca.         [ Links ]

Santos-Fernandes, T.L.; Passavante, J.Z.O.; Koening, M.L. & Macedo, S.J. 1998. Fitoplâncton do estuário do Rio Jaguaribe, (Itamaracá, Pernambuco, Brasil): Biomassa. Tropical Oceanography 26: 1-18.         [ Links ]

Sassi, R. & Kutner, M.B.B. 1982. Variação sazonal do fitoplâncton da região do Saco da Ribeira (Lat. 23º30'S - Lng. 45º07'W), Ubatuba, Brasil. Boletim do Instituto Oceanográfico 31: 43-55.         [ Links ]

Sassi, R. 1991. Phytoplankton and environmental factors in the Paraíba do Norte river estuary, northeastern Brazil: composition, distribution and qualitative remarks. Boletim do Instituto Oceanográfico 39: 93-115.         [ Links ]

Silva-Cunha, M.G.G.; Eskinazi-Leça, E. & Almeida, C.D.P. 1987/1989. Taxonomia e Ecologia do Microfitoplâncton do Estuário do Rio Timbó. Trabalhos Oceanográficos 20: 35-52.         [ Links ]

Silva-Cunha, M.G.G. & Eskinazi-Leça, E. 1990. Catálogo das diatomáceas (Bacillariophyceae) da plataforma continental de Pernambuco. Recife, SUDENE.         [ Links ]

Shannon, C.E. 1948. A mathematical theory of communication. Bulletin of System TechnologyJournal 27: 379-423.         [ Links ]

Smayda, T.J. 1958. Biogegraphical studies of marine phytoplankton. Oikos 9:158-191.         [ Links ]

Sônia-Silva, G. & Rocha, D.P. 1999. Prospecção da macrofauna bêntica no manguezal de Rio Formoso, litoral Sul de Pernambuco, Brasil. Revista Symposium 1: 31-35.         [ Links ]

Sônia-Silva, G.; Mello, R.L.; Nascimento, A.E.; Messias, A. & Araújo, S.F.S. 2000. A sustentabilidade ecológica das atividades pesqueiras artesanais e a relação com a malacofauna no manguezal do Rio Formoso - PE - Brasil. Trabalhos Oceanográficos 2: 155-169.         [ Links ]

Sônia-Silva, G.; Brito, V.B.; Nascimento, A.E. & Takaki, G.M.C. 2006. Águas estuarinas e sustentabilidade social local: um estudo da pesca artesanal do camarão-branco Litopenaeus schimitti (Crustacea, Decapoda, Penaeidae) no estuário do Rio Formoso, Pernambuco, Brasil. Revista de Biologia e Ciências da Terra 1: 40-47.         [ Links ]

Sournia, A. 1967. Le genre Ceratium (Peridinien Planctonique) dans le Canal Mozambique : contribuition a une révision mondiale. Vie et Milieu, Serie A, Biologie Marine 2: 375-499.         [ Links ]

Sournia, A. 1986. Introdution, Cyanophycées, Dictyochophycées, Dinophycées et Rhaphidophycées. In: Atlas du phytoplankton marin. Paris, Centre Nationale de la Recherche Scientifique.         [ Links ]

Strickland, J.D.H. & Parsons, T.R. 1972. A practical handbook of seawater analysis. 2 Ed. Bulletin Fisheries Research Board of Canada 167: 1-211.         [ Links ]

SUDENE. 1974a. Região Nordeste do Brasil: Praia dos Carneiros (1:25000). Sudene, folha SC.25-V-A-V-2-SE.         [ Links ]

SUDENE. 1974b. Região Nordeste do Brasil: Rio Formoso (1:25000). Sudene, folha SC.25-V-A-V-2-SO.         [ Links ]

Taylor, F.J.R. 1987. Dinoflagellates morphology. Pp. 24-91. In:

F.J.R. Taylor (ed.). The Biology of Dinoflagellates. London, Blackwell Scientific Publications. Botanical Monographs.

UNESCO. 1966. Determination of photosynthetic pigments in sea waters. Report of SCOR/UNESCO working group 17 with meat from 4 to 6 June 1964. Paris, (Monographys on Oceanology Methodology).         [ Links ]

UNESCO. 1973. International Oceanographic Tables. 2. Paris, UNESCO.         [ Links ] Wood. E.J.F. 1968. Dinoflagellates of the Caribean Sea and adjacents areas. Florida, University of Miami Press.         [ Links ]

 

 

Recebido em 5/11/2007
Aceito em 15/07/2008

 

 

1 Autor para correspondência: honorato@ufpe.br

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License