SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.29 issue1IMPLEMENTATION AND VALIDATION OF STATISTICAL TESTS IN RESEARCH'S SOFTWARE HELPING DATA COLLECTION AND PROTOCOLS ANALYSIS IN SURGERYCOMPARATIVE STUDY ON LIVER TRANSPLANTATION WITH AND WITHOUT HEPATOCELLULAR CARCINOMA WITH CIRRHOSIS: ANALYSIS OF MELD, WAITING TIME AND SURVIVAL author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva (São Paulo)

Print version ISSN 0102-6720On-line version ISSN 2317-6326

ABCD, arq. bras. cir. dig. vol.29 no.1 São Paulo Jan./Mar. 2016

http://dx.doi.org/10.1590/0102-6720201600010005 

Artigo Original

A MAIOR EXPERIÊNCIA OCIDENTAL COM HEPATOPANCREATODUODENECTOMIA: LIÇÕES APRENDIDAS COM 35 CASOS

Eduardo de Souza Martins FERNANDES1  2 

Felipe Tavares de MELLO2 

Joaquim RIBEIRO-FILHO1 

Asterio Pinto do MONTE-FILHO1 

Moacir Martins FERNANDES3 

Romulo Juventino COELHO2 

Monique Couto MATOS2 

Antonio Augusto Peixoto de SOUZA1 

Orlando Jorge Martins TORRES4 

1Departamento de Cirurgia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ

2Departamento de Cirurgia e Transplante do Rio de Janeiro, Hospital Adventista, Rio de Janeiro, RJ

3Departamento de Cirurgia Digestiva, Hospital Pio XII, São José dos Campos, SP

4Departamento de Cirurgia, Universidade Federal do Maranhão, MA, Brasil


RESUMO

Racional

: Hepatoduodenopancreatectomia é uma das operações abdominais mais complexas indicadas principalmente no carcinoma biliar avançado.

Objetivo

: Apresentar experiência de 10 anos executando esta operação em tumores malignos avançados.

Métodos

: Trata-se de estudo descritivo e retrospectivo. De 2004 a 2014, 35 hepatopancreatoduodenectomias foram realizadas em três diferentes instituições. A indicação mais comum foi carcinoma biliar avançado em 24 pacientes (68,5%).

Resultados

: Dezoito tinham câncer de vesícula biliar, oito tumores de Klatskin, cinco tumores neuroendócrinos com metástase hepática, uma metástase colorretal invadindo a cabeça do pâncreas, uma neoplasia mucinosa papilar intraductal com metástase hepática, uma recorrência do câncer gástrico com comprometimento hepático e um melanoma ocular com metástase na cabeça do pâncreas e no lobo direito do fígado. Todos os pacientes foram submetidos a duodenopancreatectomia com ressecção hepática da seguinte forma: oito triseccionectomias direitas, cinco lobectomias direitas, quatro lobectomias esquerdas, e 18 lobectomias centrais (IVb, V e VIII). A mortalidade global foi de 34,2% (12/35) e a taxa de morbidade global foi de 97,4%.

Conclusão

: Alta mortalidade é vista quando grande ressecção hepática é realizada junto à duodenopancreatectomia, incluindo lobectomia e triseccionectomia direita. Insuficiência hepática em combinação com deiscência do pâncreas é invariavelmente letal. Esforços para garantir fígado remanescente em 40-50% do volume total são a chave para obter sobrevida.

Palavras-Chave: Neoplasia pancreática; Hepatectomia; Pancreatectomia

ABSTRACT

Background

: Hepatopancreatoduodenectomy is one of the most complex abdominal operations mainly indicated in advanced biliary carcinoma.

Aim

: To present 10-year experience performing this operation in advanced malignant tumors.

Methods

: This is a retrospective descriptive study. From 2004 to 2014, 35 hepatopancreatoduodenectomies were performed in three different institutions. The most common indication was advanced biliary carcinoma in 24 patients (68.5%).

Results:

Eighteen patients had gallbladder cancer, eight Klatskin tumors, five neuroendocrine tumors with liver metastasis, one colorectal metastasis invading the pancreatic head, one intraductal papillary mucinous neoplasm with liver metastasis, one gastric cancer recurrence with liver involvement and one ocular melanoma with pancreatic head and right liver lobe metastasis. All patients were submitted to pancreatoduodenectomy with a liver resection as follows: eight right trisectionectomies, five right lobectomies, four left lobectomies, 18 central lobectomies (IVb, V and VIII). The overall mortality was 34.2% (12/35) and the overall morbidity rate was 97.4%.

Conclusion

: Very high mortality is seen when major liver resection is performed with pancreatoduodenectomy, including right lobectomy and trisectionectomy. Liver failure in combination with a pancreatic leak is invariably lethal. Efforts to ensure a remnant liver over 40-50% of the total liver volume are the key to obtain patient survival.

Key words: Pancreatic Neoplasms; Hepatectomy; Pancreatectomy

INTRODUÇÃO

Hepatoduodenopancreatectomia (HPD) é operação abdominal altamente complexa, principalmente usada para tratar o carcinoma biliar avançado que inclui câncer de vesícula biliar e colangiocarcinoma peri-hilar. Nos países ocidentais, é conhecida como "operação japonesa", e apenas poucos centros têm desenvolvido interesse em realizar tais intervenções no tratamento de doenças malignas. Centros especializados japoneses desenvolveram grande experiência em HPDs, delineando o seu papel no tratamento de carcinomas biliares avançados5,18,22.

Os avanços na tecnologia de imagem durante a última década levaram ao diagnóstico precoce de tumores gastrointestinais. Os pacientes que não compartilham essa fortuna, tipicamente apresentam icterícia e comprometimento vascular ao diagnóstico. Os cânceres de vesícula disseminam para os linfonodos locais e distantes; também disseminam-se para a submucosa - que drena a árvore biliar, especialmente para o corpo da vesícula biliar -, e por veias através da vesícula biliar para ramos portais intra-hepáticos do segmento IV, V e VIII. O colangiocarcinoma peri-hilar geralmente cresce radialmente e com menos rotas de disseminação à distância, tais como os observados em carcinoma da vesícula biliar10.

Insuficiência hepática, deiscências pancreáticas e sepse, são as complicações mais catastróficos após HPDs. Prevenção destas complicações por aplicação sistemática de embolização da veia porta, drenagem biliar, reposição do fluxo biliar e otimização nutricional pré-operatórios, são de importância primordial3.

O objetivo deste estudo foi apresentar os resultados com este procedimento complexo, o qual representa a maior experiência ocidental.

MÉTODOS

Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética do Hospital Adventista do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

De março de 2004 a setembro de 2014, 35 HPDs consecutivas foram realizadas em três instituições no Brasil. Análise retrospectiva foi baseada na revisão de prontuários. A maioria dos pacientes tinha câncer avançado das vias biliares (68,5%) e todos os casos foram realizados por cirurgião sênior experimente na área.

Procedimentos

Todos os procedimentos incluíram grandes ressecções hepáticas (pelo menos três segmentos) e duodenopancreatectomias. A abordagem cirúrgica sempre começou com a duodenopancreatectomia seguida da ressecção hepática, principalmente porque reconstruções vasculares foram frequentemente aplicadas (48,5%) e a transecção do fígado torna-se mais fácil sem o bloco pancreaticoduodenal. Para o câncer das vias biliares, espécime cirúrgico en-bloc foi sempre preferível. As indicações para HPD estão detalhadas na Tabela 1.

TABELA 1 - Indicações para duodenopancreatectomia hepática 

Diagnóstico Indicação n
Câncer de vesícula (n=18) Metástase peripancreática linfonodal 4
Infiltração biliar difusa 4
Invasão duodenopancreática 10
Tumor de Klatskin (n= 8) Infiltração de ducto biliar distal 3
Invasão pancreática direta 5
Tumor neuroendócrino (n=5) Invasão duodenal de câncer recorrente 1
Metástase colorretal (n=1) Metástase intraductal papilar Metástase hepática e tumor pancreático 4
Tumor hepático recorrente com invasão duodenal 1
Neoplasia mucinosa (n=1) Infiltração direta do fígado 1
Metástase de melanoma (n=1) Metástase de melanoma ocular 1
Câncer gástrico recorrente (n=1) Invasão tumoral para fígado e cabeça do pâncreas 1

Foram separados os pacientes que se submeteram à pancreaticoduodenectomia com hepatectomia direita (Grupo 1), triseccionectomia direita (Grupo 2), hepatectomia esquerda (Grupo 3) e hepatectomia central (Grupo 4). A reconstrução do coto do pâncreas foi feita por três técnicas diferentes: 1) pancreatojejunostomia em sete casos; 2) pancreatogastrostomia em 17 casos; e 3) ligadura do coto pancreático em 11 casos. Reconstrução padrão em Y-de-Roux da árvore biliar foi realizada em todos os casos

RESULTADOS

A mortalidade global em 30 dias foi de 34,2% (12/35), independente do tempo de hospitalização inicial. A mortalidade foi especialmente elevada nos pacientes submetidos às grandes ressecções hepáticas (Grupo 1 e 2 - Tabela 2). As causas mais comuns de morte foram: insuficiência hepática, conforme definido pela Broek27, seguido de sepse abdominal relacionada à deiscência pancreática, pneumonia e insuficiência renal. Os grupos 3 e 4 tinham menores taxas de complicações, e a insuficiência hepática não estava presente em nenhum destes pacientes. No entanto, fístula pancreática era ainda significativa morbidade neste grupo.

TABELA 2 - Tipos de ressecção na hepatoduodenopancreatectomia  

Ressecções hepáticas n n (mortalidade - %)
Hepatectomia direita (Grupo 1) 8 5 (62.5%)
Triseccionectomia D Group 2) 5 2 (40%)
Hepatectomia E (Group 3) 4 0
Hapatectomia central (Group 4) 18 5 (22.7%)

Vinte e três pacientes que sobreviveram à intervenção cirúrgica e receberam alta do hospital, 11 casos foram perdidos follow-up ao longo dos 10 anos de estudo. Doze estão vivos até a data deste trabalho (Tabela 3). Sete (20%) fora da coorte original, estão vivos e livres de recorrência, no momento.

TABELA 3 - Seguimento dos pacientes operados 

Idade/ Sexo Grupo Ano Diagnóstico Recorrência Vivo Causa da morte Sobrevida
66M 1 2005 GBC Não Sim NA 9 anos
70F 2 2006 Melanoma Não Sim NA 8 anos
63M 2 2006 Hilar CC Sim Não Recorrência 39 meses
71F 3 2008 Hilar CC Não Não Sepsis 15 meses
69M 4 2008 GBC Não Sim NA 6 anos
59M 1 2009 GBC Sim Não Recorrência 9 meses
61F 4 2010 GBC Sim Não Recorrência 27 meses
52M 4 2010 GBC Sim Não Recorrência 22 meses
56F 4 2012 GBC Não Sim NA 2 anos
53F 4 2013 NET Não Sim NA 1 ano
55M 3 2014 CA gástrico Não Sim NA 1 ano
49F 4 2014 GBC Não Sim NA 6 meses

GBC=câncer da vesícula biliar; NET=tumor neuroendócrino; Hilar CC=colangiocarcinoma hilar; NA=não conhecida

DISCUSSÃO

HPD foi introduzida no Japão nos anos 70 para tratar carcinoma biliar avançado13,21,25. Cirurgiões especializados japoneses desenvolveram experiência significativa no tratamento cirúrgico de pacientes com câncer hepatopancreaticoduodenal avançado1,14,17,19,23. No hemisfério ocidental muito poucos grupos ficaram interessados ​​em reproduzir essa experiência. Até agora, apenas Hemming et al.9 publicou trabalho com HPD nos países ocidentais. No entanto, um número crescente de cirurgiões estão envolvidos no desenvolvimento de mais experiência com ele nesta década. No hemisfério sul, os nossos grupos têm a maior experiência em HPD, fora do Japão.

Ebata et al.6 o define como ressecção multivisceral, combinando grande ressecção hepática e duodenopancreatectomia, que obtém espécime en-bloc que circunda todo o sistema biliar extra-hepático. Neste estudo, todos os tipos de grandes ressecções hepáticas com duodenopancreatectomia realizada simultaneamente foi chamado HPD7. Trabalhos japoneses na década de 1990 com este foco, incluindo séries iniciais de Nimura com 24 casos, verificaram 25% de mortalidade, principalmente por insuficiência hepática e sepse20. Tsukada et al.26 relataram sete HPDs com taxa de mortalidade de 29%. Miyagawa et al.16, em 1996, publicaram mortalidade de 0% em sete casos com rotineira embolização da veia porta pré-operatória. Shirai et al.24 em 1997, relataram 17 casos de câncer de vesícula biliar estágio IV com sobrevida em cinco anos de de 29%, e naqueles com ressecção R0 ela foi de 50%.

Os autores desta série aprenderam que HPD é operação muito complexa e a combinação de lobectomia direita ou triseccionectomia direita têm alta taxa de mortalidade e tais procedimentos exigem embolização de veia porta obrigatória para garantir remanescente de fígado grande o suficiente para evitar a disfunção hepática. Da mesma forma, a drenagem biliar pré-operatória e reposicionamento biliar também são ferramentas importantes para garantir melhor estado clínico. O assim chamado "protocolo de Nagoya" parece ser fundamental para atingir menor mortalidade pós-operatória18. Os benefícios da drenagem biliar pré-operatória e re-infusão biliar melhora a função mitocondrial, promovendo a regeneração hepática adequada e melhorando também a imunidade da mucosa intestinal para proteger contra a translocação bacteriana. Isto tem sido bem documentado2,11.

Ebata et al.4 relataram que as taxas de insuficiência hepática diminuiram de 56% para 14% após a embolização da veia porta pré-operatória de rotina. Nos anos 2000, devido a que a embolização da veia porta era amplamente utilizada no tratamento pré-operatório, foi observada menor incidência de insuficiência hepática e muitos trabalhos referiram mortalidade zero após HPD. Curiosamente, muitos estudos mostraram pior sobrevida no câncer de vesícula biliar quando comparado com colangiocarcinoma. Todo este conhecimento acumulado tem encorajado muitos cirurgiões orientais a executar HPD no colangiocarcinoma com muito bom resultado9. Ebata et al.12 relataram 10 anos de sobrevida em 32,1% por colangiocarcinoma. Kaneoka et al.12 e Miwa et al.25 também relataram excelente cinco anos de sobrevida para HPD no colangiocarcinoma com 52% e 64%, respectivamente. Wakai et al.28, em 2008, publicou 28 casos com mortalidade peri-operatória de 21%.

Nós reconhecemos as fraquezas do presente trabalho, pois 11 pacientes (31,4%) foram perdidos para follow-up. Isto está relacionado, principalmente, ao sistema público de saúde em um país muito grande, onde os pacientes precisam viajar longas distâncias para chegar a centros especializados e muitos deles, voltando para casa, eram cuidados por médicos sem expertize para acompanhar estes casos complexos. Apenas 12 casos (34,2%) tiveram seguimeno a longo prazo nesta série8.

Durante o período de 10 anos, muitas melhorias e experiências foram coletadas no tratamento do carcinoma biliar pelos parceiros deste estudo. O uso do protocolo de Nagoya refinou a abordagem para HPD aplicada pelos autores deste estudo. Todas as complicações observadas nesse período foram as mesmas observadas pelos cirurgiões japoneses na década de 90. A combinação de triseccionectomia direita, lobectomia direita com duodenopancreatectomia é viável, mas é obrigatória embolização de veia porta para obter boa sobrevida pós-operatória, porque os nossos resultados sugerem que a mortalidade é superior a 40% naqueles pacientes que se submeteram a HPD (Grupo 1 e 2). Até agora foi observada sobrevida a longo prazo (nove anos) em apenas um paciente que teve triseccionectomia direita mais duodenopancreatectomia e reconstrução da veia porta para câncer da vesícula biliar, e dois pacientes com hepatectomias centrais complexas mais duodenopancreatectomia também estão livres de tumores recorrentes nesta série. Outros quatro pacientes estão vivos e livres de doença, mas o intervalo de seguimento é curto.

CONCLUSÃO

HPD é operação abdominal complexa com elevada taxa de mortalidade e longa curva de aprendizado. Ressalta-se que esta operação deve ser limitada aos centros especializados com experiência em transplante de fígado e cirurgia hepatobiliopancreática avançada. Manejo pré-operatório agressivo com drenagem biliar e embolização de veia porta são manobras cruciais para obtenção de resultados satisfatórios. HPDs para câncer de vesícula biliar é viável, mas requer seleção cuidadosa dos pacientes.

REFERÊNCIAS

1. Araida T, Oshikawa T, Azuma T, Ota T, Takasaki K, Hanyu F. Indications for pancreatoduodenectomy in patients undergoing lymphadenectomy for advanced gallbladder carcinoma. J Hepatobiliary Pancreat Surg 2004;11:45-49. [ Links ]

2. Diamond T, Dolan S, Thompson RL, Rowlands BJ. Development and reversal of endotoxemia and endotoxemia-related death in obstructive jaundice. Surgery. 1990;108:370-4. [ Links ]

3. Ebata T, Kamiya J, Nishiro H, Nagasaka T, Nimura Y, Nagino M. The concept of perihilar cholangiocarcinoma is valid. Br J Surg 2009; 96:926-34 [ Links ]

4. Ebata T, Nagino M, Nishio H, Arai T, Nimura Y. Right hepatopancreatoduodenectomy: improvements over 23 years to obtain acceptability. J Hepatobiliary Pancreat Surg 2007; 14: 131-5. [ Links ]

5. Ebata T, Watanabe H, Ajioka Y, Oda K, Nimura Y. Pathological appraisal of lines of resection for bile duct carcinoma. Br J Surg 2002; 89: 1260-7. [ Links ]

6. Ebata T, Yokoyama Y, Igami T, Sugawara G, Mizuno T, Nagino M. Review of hepatopancreatoduodenectomy for biliary cancer: an extended radical approach of Japanese origin. J Hepatobiliary Pancreat Sci .2014;21:550-5. [ Links ]

7. Ebata T, Yokoyama Y, Igami T, Sugawara G, Nimura Y, Nagino M. Hepatopancreatoduodenectomy for Cholangiocarcinoma. A Single center Review of 85 consecutive patients. Ann Surg, 2012; 256:297-305. [ Links ]

8. Fernandes E, . 26th Meeting of Japanese Society of Hepato-biliary-pancreatic surgery - 11-14 Jun 2014 Wakayama - Japan. [ Links ]

9. Hemming AW, Magliocca JF, Fujita S, Kayler LK, Hochwald S, Zendejas I, et al. Combined resection of the liver and pancreas for malignancy. J Am Coll Surg. 2010;210:808-14. [ Links ]

10. Igami T, Nagino M, Oda K, Nishio H, Ebata T, Yokoyama Y, Shimoyama Y. Clinicopathologic study of cholangiocarcinoma with superficial spread. Ann Surg 2009; 249: 296-302. [ Links ]

11. Kamiya S, Nagino M, Kanazawa H, Tagaki K, Asahara T, Nimura Y. The value of bile replacement during external biliary drainage; an analysis of intestinal permeability, integrity and microflora. Ann Surg 2004;239:510-17. [ Links ]

12. Kaneoka Y, Yamaguchi A, Isogai M. Hepatopancreatoduodenectomy: Is it suitable for bile duct cancer versus gallbladder cancer. J Hepatobiliary Pancreat Surg. 2007;14: 142-8. [ Links ]

13. Kasumi F, Tagagi K, Konishi T, Sakamoto G. Surgical treatment of carcinoma of the gallbladder, analyzing its modes of spread (in Japanese). Nippon Shokaki Geka Gakkai Zasshi (Jpn J Gastroenterol Surg) 1976;9: 170-7. [ Links ]

14. Makuuchi M, Thai BL, Takayasu K, et al. Preoperative portal embolization to increase safety of major hepatectomy for hilar bile duct carcinoma: a preliminary report. Surgery 1990; 107:521-7. [ Links ]

15. Miwa S, Kobayashi A, Akahane Y. Is major hepatectomy with pancreatectomy justified for advanced biliary malignancy? J Hepatobiliary Pancreat Surg. 2007; 14:136-41. [ Links ]

16. Miyagawa S, Makuuchi M, Kawasaki S, Hayashi K, Kitamura H. Outcome of major hepatectomy with pancreatoduodenectomy for advanced biliary malignancies. World J Surg. 1996; 20: 77-80. [ Links ]

17. Mizumoto R, Ogura Y, Matsuda S, Kusuda T, Taoka H, Kaneda M, Yajlma Y, Tabata M. Cooperative study of surgical treatment of carcinoma of the biliary tract in Japan (in Japanese). Tan to Sui (Biliary tract and Pancreas)1990;11: 869-82. [ Links ]

18. Nagino M, Ebata T, Yokoyama Y, Igami T, Sugawara G, Takahashi Y, Nimura Y. Evolution of surgical treatment of perihilar cholangiocarcinoma. Ann Surg 2013; 258: 129-40. [ Links ]

19. Nakamura M, Hanyu F, Araida T, Koshikawa T, SuzukiM, Azuma T, Hirano H, Ohta T, Toda H. Pancreatoduodenectomy with hepatic resection (in Japanese). Tan to Sui (Biliary Tract and Pancreas 1992;13:1305-13. [ Links ]

20. Nimura Y, Hayakawa N, Kamiya J, Toda K. Hepatopancreatoduodenectomy for advanced carcinoma of the biliary tract. Hepatogastroenterology. 1991;38:170-5. [ Links ]

21. Nishi M, Nemoto T, Misumi A, Nakamura K, NozatoH. Cancer of Gallbladder: A clinical and pathological study of 18 operative cases (in Japanese). Gan no Rinsho (Jpn J Cancer Clin) 1964;10:869-77. [ Links ]

22. Sakamoto E, Nimura Y, Hayakawa N, Kamiya J, Kondo S, Nagino M, et al. The pattern of infiltration ate the proximal border of hilar bile duct carcinoma: a histologic analysis of 62 resected cases. Ann Surg 1998; 227:405-11. [ Links ]

23. Shinohara T, Mizuno Y, Okada M, Takasaki K, Mutoh H, Yoshikawa T. A patient with advanced carcinoma of gallbladder surviving for 4 years and 6 months, following extended right hepatic lobectomy combined with pancreaticoduodenectomy (in Japanese). Nippon Rinsho Geka Gakkai Zasshi (J Jpn Soc ClinSurg) 1986;47:1656-60. [ Links ]

24. Shirai Y, Ohtani T, Tsukada K. Combined pancreatoduodenectomy and hepatectomy for patients with locally advanced gallbladder carcinoma: long term results. Cancer. 1997;80: 2484-92. [ Links ]

25. Takasaki K, Kobayashi S, Mutou H, Akimoto S, Toda K, Asado H, Fukushima Y, Yoshikawa T, Imajizumi Y, Satoh Y, Takada T, Nakamura M, Hanyu F, Shinohara M. Our experiences (five cases) of extended hepatectomy for carcinoma of the gallbladder (in Japanese). Tan to Sui (Biliary Tract and Pancreas)1980;7:923-32. [ Links ]

26. Tsukada K, Yoshida K, Aono T, Koyama S, Shirai Y, Uchida K. Major hepatectomy and pancreatoduodenectomy for advanced carcinoma of the biliary tract. Br J Surg 1994; 81:108-10. [ Links ]

27. Van den Broek MA, OldeDamink SW, Dejong CH, Lang H, Malago M, Jalan R. Liver failure after partial hepatic resection: definition, pathophysiology, risk factors and treatment. Liver Int 2008;28:767-80. [ Links ]

28. Wakai T, Shirai Y, Tsuchyia Y, Nomura T, Azakawa K. Combined major hepatectomy and pancreatoduodenectomy for locally advanced biliary carcinoma: long term results. World J Surg . 2008;32: 1067-74. [ Links ]

Fonte de financiamento: não há

Recebido: 11 de Agosto de 2015; Aceito: 10 de Dezembro de 2015

Correspondência: Eduardo de Souza Martins Fernandes Email: esmfernandes@hotmail.com

Conflito de interesses: não há

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License