SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 número40Wamrêmé Za'ra, nossa palavra. Mito e história do povo XavanteO quinto século, André Rebouças e a construção do Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Ciências Sociais

versão impressa ISSN 0102-6909versão On-line ISSN 1806-9053

Rev. bras. Ci. Soc. v.14 n.40 São Paulo jun. 1999

https://doi.org/10.1590/S0102-69091999000200013 

Patrimônio da nação: os índios & a história da Antropologia

 

Luís Donisete Benzi GRUPIONI. Coleções e expedições vigiadas: os etnólogos no Conselho de Fiscalização das Expedições Artísticas e Científicas no Brasil. São Paulo, Hucitec/Anpocs, 1998. 341 páginas.

 

Mariza Corrêa

 

José Albertino Rodrigues certamente teria se orgulhado se visse seu nome associado a este livro — que mereceu o prêmio, que leva seu nome, de melhor dissertação de mestrado, concedido pela Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais (Anpocs) em 1997. Estudioso do sindicato como organização burocrática, penso que gostaria dessa análise de uma outra instituição, nascida à mesma época, e que guarda na sua história algumas semelhanças com a instituição sindical.

Muitas foram as circunstâncias que levaram Luís Donisete a passar da pesquisa de campo propriamente dita para esta pesquisa de "etnografia histórica" e abandonar momentaneamente os nativos da terra para dedicar-se aos nativos da Antropologia. Benditas circunstâncias, por duas excelentes razões. A primeira é que, ao focalizar uma instituição tão pouco conhecida como o Conselho, Luís Donisete abriu também espaço para analisar a atuação de um grupo de etnólogos em sua relação com ele — seu querido Curt Nimuendaju está presente, mas aqui estão também Charles Wagley, William Lipkind e Buell Quain, David Maybury-Lewis e Claude Lévi-Strauss. O que já seria uma razão de júbilo para os interessados na história, tão magrinha nas prateleiras, de nossa disciplina. A segunda razão é que, no âmbito de uma bibliografia escassa sobre nossa história, são ainda mais escassas as análises de instituições: boa parte da história de nossa disciplina é escrita da perspectiva de um personagem, ou de um grupo, deixando na sombra o contexto institucional no qual ele, ou eles (raras vezes, ela ou elas), produziram suas pesquisas.1  

Parece particularmente importante a pletora de conselhos, institutos e comissões criados na década de 30 — quando também é criado o Conselho de Fiscalização —, justamente no período em que as ciências sociais também começam a se institucionalizar no país.2 Como tantos outros desses órgãos, o Conselho de Fiscalização estava na "interface de dois campos: o político e o intelectual" (p. 44), e é justamente ao alargar a dimensão do campo indigenista, "de modo a incorporar a produção de conhecimento sobre esses grupos, [as populações indígenas], buscando esclarecer as relações entre os antropólogos e o Estado neste período" (p. 43), que a pesquisa de Luís Donisete oferece um panorama do período cujo interesse é bem mais amplo do que a já em si interessantíssima história do Conselho de Fiscalização. Na mesma época em que começam a se constituir as Faculdades de Filosofia de onde sairia a geração que criou os cursos de pós-graduação no país, a pesquisa antropológica estava quase toda ela sendo feita por estrangeiros — que foram o objeto principal da fiscalização do Conselho — e ainda estava concentrada nos museus.

O que é interessante é que, das duas vertentes mais bem explicitadas da disciplina na época — os estudos sobre relações raciais e os estudos sobre grupos indígenas —, só a segunda tenha sido objeto de acompanhamento cuidadoso por parte do Conselho. Essa ênfase pode ser lida não apenas nos nomes dos pesquisadores cujos dossiês Donisete analisa, mas também na ausência de nomes de pesquisadores estrangeiros vinculados à primeira vertente nas discussões da Diretoria nas quais se expressavam os conflitos institucionais do campo antropológico.3 Ainda que os nomes de Ruth Landes, Melville Herskovits ou Donald Pierson apareçam na relação de nomes anexada ao final, escassa menção é feita a eles nessas discussões. Sobre Ruth Landes, protagonista de uma série de equívocos a respeito de sua vinda ao Brasil para estudar relações raciais na Bahia — e apresentada pelos jornais como tendo vindo à procura de "índios nas tabas" —, Donisete observa que no documento impresso do Conselho "estão riscados os campos `para exploração da região' e `fazer pesquisas', que foram substituídos, respectivamente, por `visitar' e `fazer exclusivamente estudos sociológicos'" (p. 79). Há nessa vinheta toda uma série de questões que mereceriam ser exploradas — e uma delas poderia ser a de que "estudos sociológicos" não implicavam pesquisas. A estranheza causada por uma pesquisadora que vinha por conta própria ao país — creio que, além de Emilia Snethlage, ornitóloga alemã já falecida à época da criação do Conselho, e de Vanda Hanke, sobre quem pouco se sabe, ela foi a única estrangeira a fazer pesquisa sozinha nesse período de presença intensa de pesquisadores estrangeiros — aparece nas entrelinhas e será explicitada mais tarde, nas suas tensas relações com Arthur Ramos e Melville Herskovits.4 Havia várias outras pesquisadoras em cena, como Frances Herskovits, Dina Lévi-Strauss e Yolanda Murphy (aliás, nem ela nem seu marido, Robert Murphy, aparecem na lista de pesquisadores que teriam pedido licença ao Conselho), mas todas elas subsumidas na condição de "esposas": é sempre com o marido que as negociações são feitas.

Outra questão interessante que aparece aí — e é reforçada pela ausência, na lista dos pesquisadores que tiveram relação com o Conselho, de todo o grupo de antropólogos que veio da Universidade de Columbia para a Bahia, nos anos 50, para fazer pesquisa de campo, no âmbito de um convênio coordenado por Thales de Azevedo e Charles Wagley — é a preocupação do Conselho com artefatos indígenas: não parece ter havido qualquer preocupação com a saída de material de culto dos candomblés (veja-se a descrição de Ruth Landes de sua saída da Bahia), de imagens ou gravuras religiosas ou de documentação histórica, ainda que tais materiais e documentos fossem explicitamente mencionados no seu regulamento. Já as discussões sobre o direito à posse dos artefatos indígenas coletados pelos pesquisadores são o ensejo para explicitar vários conflitos no campo ainda incipiente da Antropologia — entre o Museu Nacional e a Universidade de São Paulo, no caso da segunda viagem de pesquisa de Lévi-Strauss, e entre o Museu Nacional e o Museu Emilio Goeldi, no caso das viagens de Curt Nimuendaju. Conflitos que parecem uma refração de um conflito maior, entre os museus do país e o Museu do Homem, num caso, e os museus alemães, no outro. As coleções vigiadas a que alude o título do livro são, de fato, as coleções de artefatos indígenas, o que sugere que pesquisadores que estavam vinculados a departamentos universitários — como Ruth Landes e, mais tarde, toda a equipe do convênio Bahia-Columbia —, e não a museus, e cujo objeto de estudo não fossem os naturais do país, assim quase naturalizados como objetos museológicos, pouco ou nada interessavam ao Conselho. "O que interessava, portanto, aos olhos do Conselho, não eram os índios em si, mas o que eles simbolizavam numa época em que se tratou de afirmar o caráter nacional mediante a integração do território e da unificação da gestão do Estado. Os índios, juntamente com a fauna e a flora, representavam o que de genuinamente havia de origem nacional e é nesse sentido que deveriam ser preservados. Mais do que índios reais, o que estava em pauta era sua contribuição simbólica à nacionalidade brasileira, e uma contribuição que era vista como parte do passado. Daí o empenho em promover a coleta de artefatos desses representantes primeiros da nação, coletar e depositar em museus para ficarem disponíveis às futuras gerações. É assim, como herança, que eles importavam ao Conselho, cujas ações visavam à proteção de seus testemunhos." (pp. 268-269).

O que explica bem o pouco interesse que o Conselho demonstrou pela outra herança demográfica do país, a população de origem africana. Ainda que Luís Donisete seja cuidadoso em afirmar que seu interesse neste trabalho se concentra na relação dos etnólogos com o Conselho, uma rápida olhada no inventário analítico do seu arquivo (MAST, 1988) permite generalizar suas observações para toda a atuação deste órgão, enquanto ele existiu.

É, assim, extremamente irônico que a principal agente dessa história — que aparece como uma linha de fuga que atravessa todo o campo indigenista na época, e que teve enorme influência no Conselho e em outras agências do campo —, Heloisa Alberto Torres, tenha sido a encarregada de montar uma Coleção Etnográfica para representar o país na Exposição Histórica do Mundo Português (1940), em Lisboa, e tenha escolhido para isso, ao lado de alguns artefatos indígenas, bonecas baianas e orixás africanos. Aparentemente expostos no dia da abertura da Exposição, tais artefatos foram retirados em seguida porque, como disse uma testemunha contemporânea, a comissão organizadora do evento "julgou deprimente apresentar o Brasil como um país de negros e macumbas".5

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AZEREDO, Paulo Roberto. (1986), Antropólogos e pioneiros. A história da Sociedade Brasileira de Antropologia e Etnologia. São Paulo, FFLCH/USP.

FREIRE, Carlos Augusto da Rocha. (1990), Indigenismo e Antropologia: o Conselho Nacional de Proteção aos Índios na gestão Rondon (1939-1945). Rio de Janeiro, dissertação de mestrado em Antropologia Social, Museu Nacional/UFRJ.

GOLDE, Peggy (ed.). (1986 [1970]), Women in the field: anthropological experiences. Berkeley/Los Angeles, University of California Press.

LANDES, Ruth. (1967), A cidade das mulheres. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾. (1970), "A woman anthropologist in Brazil", in P. Golde, Women in the field, Chicago, Aldine.

LIMA, Antonio Carlos de Souza. (1985), Aos fetichistas, ordem e progresso: um estudo do campo indigenista no seu estado de formação. Rio de Janeiro, dissertação de mestrado, PPGAS/Museu Nacional/UFRJ.

MAIO, Marcos Chor. (1997), A história do Projeto Unesco: estudos raciais e ciências sociais no Brasil. Rio de Janeiro, tese de doutorado em Sociologia, Iuperj.

(MASSI), Fernanda Peixoto. (1989), "Franceses e norte-americanos nas ciências sociais brasileiras (1930-1960)", in S. Miceli (org.), História das ciências sociais no Brasil, vol. 1, São Paulo, Vértice/Idesp.

MAST — Museu de Astronomia e Ciências Afins. (1988), Arquivo do Conselho de Fiscalização das Expedições Artísticas e Científicas no Brasil. Inventário analítico. Rio de Janeiro, MAST.

MICELI, Sergio (org.). (1989), História das ciências sociais no Brasil, vol. 1. São Paulo, Vértice/Idesp.

¾¾¾¾¾¾¾¾¾¾. (1995), História das ciências sociais no Brasil, vol. 2. São Paulo, Sumaré/Idesp.

RUBINO, Silvana. (1991), As fachadas da história: os antecedentes, a criação e os trabalhos do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 1937-1945. Campinas, dissertação de mestrado, IFCH/Unicamp.

VILHENA, Luís Rodolfo. (1997), Projeto e missão. O movimento folclórico brasileiro, 1947-1964. Rio de Janeiro, Funarte/Fundação Getúlio Vargas.

 

 

MARIZA CORRÊA
é professora do Departamento de Antropologia da Unicamp.

 

 

1 Se corro o risco de esquecer alguém, é porque as poucas análises institucionais disponíveis estão ainda, em sua maioria, na forma de teses e são acessíveis apenas aos iniciados. Lembro, por exemplo, os excelentes trabalhos de Carlos Augusto da Rocha Freire (1990), Silvana Rubino (1991) e Marcos Chor Maio (1997). Além deles, há alguns bons artigos, que mostram a importância de se aprofundar essa perspectiva de análise, nos dois volumes organizados por Sergio Miceli (1989 e 1995) sobre a história das ciências sociais, o trabalho de Lima (1985) sobre o SPI, e o inovador trabalho recentemente publicado de Luís Rodolfo Vilhena (1997).

2 A maioria dessas instituições foi criada por iniciativa de agentes do Estado, e seria interessante comparar a longa vida de algumas delas, por exemplo, a CAPES ou o SPHAN, com a vida brevísssima de associações profissionais do mesmo período, como a Sociedade Brasileira de Antropologia e Etnologia (ver Azeredo, 1986 ). Ver a página 23 do livro para um rol dessas instituições oficiais; quanto às sociedades e associações, lembro apenas que o professor Castro Faria há tempos reclama uma análise do papel importante que a Sociedade de Geografia, por exemplo, teve no início da institucionalização da Antropologia no Brasil, ao oferecer espaços para discutir a Etnografia nas sessões de seus congressos.

3 Sobre a grande presença de pesquisadores estrangeiros no país na época, ver Fernanda Peixoto (Massi) (1989).

4 Ruth Landes publicou o resultado de suas pesquisas em 1949; o livro foi traduzido para o português e publicado no Brasil em 1967. Sobre suas desavenças com outros pesquisadores do campo das relações raciais, ver suas lembranças do Brasil em P. Golde (1986 [1970]).

5 Othon Leonardos, em carta no acervo de Heloisa Alberto Torres, no Departamento de Antropologia do Museu Nacional.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons