SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.15 issue1Action of Davilla elliptica St. Hill. (Malpighiaceae) methanolic and ethanolic extracts in the immune responseEpimers of labdane diterpenes from the rhizomes of Hedychium coronarium J. Koenig author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Farmacognosia

Print version ISSN 0102-695XOn-line version ISSN 1981-528X

Rev. bras. farmacogn. vol.15 no.1 João Pessoa Jan./Mar. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-695X2005000100011 

ARTIGO

 

Ecdisteróide e iridóide glicosilado de Vitex gardneriana Schauer (Verbenaceae)

 

Ecdysteroid and iridoid glycoside from Vitex gardneriana Schauer (Verbenaceae)

 

 

L.C.L. de Sá BarretoI*; H.S. XavierI; J. M. Barbosa-FilhoII; R. Braz-FilhoIII

IDepartamento de Ciências Farmacêuticas, Laboratório de Farmacognosia, Universidade Federal de Pernambuco, Av. Prof. Arthur de Sá, s/n, 50740-521, Recife, PE, Brasil
IILaboratório de Tecnologia Farmacêutica "Delby Fernandes de Medeiros", Universidade Federal da Paraíba, Caixa Postal 5009, 58051-970, João Pessoa, PB, Brasil
IIISetor de Química de Produtos Naturais, Universidade Estadual do Norte Fluminense, 28015-620, Campos, RJ, Brasil

 

 


RESUMO

O extrato metanólico das cascas do caule de Vitex gardneriana Schauer forneceu o ecdisteróide, 20-hidroxi-ecdisona e o iridóide glicosilado, aucubina. As estruturas foram caracterizadas por métodos químicos e espectroscópicos.

Unitermos: Vitex gardneriana, b-ecdisona, aucubina.


ABSTRACT

The methanolic extract of the stem bark of Vitex gardneriana Schauer afforded the ecdysteroid, 20-hydroxy-ecdysone and the iridoid glycoside, aucubin. Their structures were established on the basis of chemical and spectroscopic studies.

Keywords: Vitex gardneriana, b-ecdysone, aucubin.


 

 

INTRODUÇÃO

Farmacoetimologicamente, Vitex deriva do latim vitilium, ou do grego vieo que significa trançado, entrelaçado, unido, uma alusão aos ramos duros, mas flexíveis, usados na construção de cercas, vergas, e ripas (Maia et al, 2001; Plowden, 1968). O nome da espécie, gardneriana, por sua vez, é uma homenagem feita pelo botânico alemão Johan Konrad Schauer, que descreveu a espécie, ao pesquisador inglês George Gardner, que em meados do século XVII, excursionou pelo Vale do Jaguaribe (CE), tendo habitado durante muito tempo o cariri cearense (Braga,1976).

Árvore de pequeno porte, Vitex gardneriana Schauer, é uma das poucas Verbenaceae encontradas no sertão nordestino, freqüentemente às margens ou leito dos rios, como na ribanceira do rio Piranhas e rio Espinharas, na Paraíba; às margens do rio Moxotó, em Pernambuco, e em Taperuaba, no Ceará. Apresenta folhas simples, opostas, decussadas, obovado-lanceoladas com limbo coriáceo e face dorsal pubescente. Suas inflorescências são axilar-terminais, densamente pubérulas, cálice sinsépalo, subcampanulado, piloso, 5-lanciniado, sua corola apresenta coloração roxa clara com tubo torcido para cima e comprimido lateralmente na porção superior, com o lacínios superior mais desenvolvido. Possui drupa comestível, carnosa, ovóide a elipsóide, com apículo diminutivo, verde oliva, passando, quando seco, a quase negro, apresenta cálice sinsépalo, permanente no fruto, com paredes espessas e rígidas, com 1 semente por lóculo, de coloração castanha clara, com superfície fosca, em pequenas câmaras (Lima, 1989).

Pesquisa bibliográfica na literatura disponível indicou a ausência de citações sobre esta espécie do ponto de vista farmacognóstico. Entretanto, outras espécies de Vitex são bastante conhecidas quimicamente, destacando-se V. agnus-castus (Sorensen, 2000)e V. negundo (Singh, 1999). O presente trabalho busca oferecer maiores subsídios ao conhecimento dos metabólitos secundários deste vegetal.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Material vegetal

Vitex gardneriana Schauer foi coletada em agosto de 2002, no município de São José das Espinharas, Paraíba, Brasil. A espécie foi identificada pela Profa. Dra. Rita de Cássia e o material testemunho (60308) foi depositado no Herbário Dárdano de Andrade Lima, da Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária, Recife, Pernambuco.

Procedimentos gerais

Foram realizadas colunas cromatográficas utilizando Sephadex LH 20 (Pharmacia Chemicals) e gel de sílica 70-230 Mesh (MERCK). Cromatografias em camada delgada foram desenvolvidas utilizando placas cromatográficas de gel de sílica Art. 015533 (MERCK). Manchas em CCD foram visualizadas após revelação com vanilina clorídrica. Para a determinação estrutural as substâncias foram dissolvidas em CD3OD e submetidas a análise espectrofotométrica utilizando 13C-RMN (125 MHz, BRUKER DRX 500), 1H-RMN (500 MHz, BRUKER DRX 500), 13C-RMN (75 MHz, Varian Unity Plus 300), 1H-RMN (300 MHz, Varian Unity Plus 300), para a determinação estrutural de VA e VB, respectivamente. O espectro de massas de VB foi obtido em espectrômetro Finnigan GCR MAT Íon-traq.

Extração e isolamento

Cascas do caule secas (100 g) foram submetidas à infusão metanólica. Após evaporação do solvente sob pressão reduzida (30 0C), o resíduo foi dissolvido em MeOH e submetido a cromatografia em coluna, utilizando Sephadex LH 20 empacotada e eluída com MeOH. As frações 11 a 18, apresentavam 500 mg de material cristalino, que foram recromatografados em gel de sílica, utilizando uma mistura de AcOEt : MeOH (9 : 1), eluindo-se 160 frações de 15 mL. As frações 98 a 109 constituiam-se de material cristalino (50 mg). Estes cristais foram solubilizados em MeOH e pré-purificados após cromatografia em coluna de gel de sílica eluída com uma mistura de CHCl3: MeOH (5 : 1). Setenta frações de 15 mL foram monitoradas através de CCD desenvolvidas em AcOEt:HCOOH:AcOH:H2O (100:11:11:27) e reveladas com vanilina clorídrica. As frações 19 a 60 apresentaram a substância VA (100 mg). A purificação foi obtida após concentração à vácuo, solubilização em MeOH, seguido de lavagem com benzeno a frio e à quente, obtendo-se VA puro (40 mg). A partir das frações 121-158 da primeira coluna sobre gel de sílica, obteve-se 410 mg de material cristalino. A purificação do composto VB foi realizada por recristalização e lavagem com acetato de etila, obtendo-se 400 mg.

20-Hidroxi-ecdisona (VA): sólido branco cristalino; 1H-RMN e 13C-RMN: Tabela 1.

Aucubina (VB): sólido branco cristalino; EM m/z (int. rel. %): 346 [M]+ (2,0), 148 (11,5), 147 (12,9), 120 (13,3), 119 (35,6), 118 (100); 1H-RMN e 13C-RMN: Tabela 2.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os compostos VA e VB, obtidos na forma cristalina, foram identificados espectroscopicamente como o ecdisteróide, 20-hidroxi-ecdisona (cf. Figura 1) e o iridóide glicosilado, aucubina, respectivamente (cf. Figura 2).

 

 

 

 

Os espectros obtidos de VA (cf. Tabela 1) evidenciam tratar-se de uma estrutura esteróide, pela presença de 27 átomos de carbono. Na análise do APT observa-se a presença de 7 carbonos quaternários, 5 grupos metilas, 8 metilenos e 7 metinos. O espectro 1H-RMN permitiu verificar a presença de 38 prótons.

Baseando-se nos deslocamentos químicos de sinais superpostos atribuídos através dos espectros 2D 1H-1H-COSY, 1H-1H-NOESY, HMQC, HMBC e nos dados descritos na literatura (Faten e Manfred, 2003), pode-se afirmar que a substância VA é a 20-hidroxi-ecdisona, de fórmula molecular C27H44O7 e peso molecular 480. Este esteróide está sendo relatado pela segunda vez na natureza, sendo descrito para a família Verbenaceae pela primeira vez.

Analisando os espectros (cf. Tabela 2), 13C-RMN, 1H-RMN, HETCOR, DEPT, HMBC, 1H-1H-COSY e massas de VB em comparação com relatos da literatura (Akdemir et al; 1991), pode-se verificar que a substância VB apresenta a estrutura do iridóide glicosilado, aucubina, de fórmula molecular C15H22O9. Esta substância, pela freqüência com a qual tem sido descrita em Vitex,poderá vir a ser considerada como um marcador taxonômico (Okuyama et al; 1998; Rao et al; 1997; Kooiman, 1975; Hansel et al; 1965).

 

AGRADECIMENTOS

Nossos agradecimentos ao CNPq, pelo suporte financeiro à aluna de mestrado Lívia Cristina Lira de Sá Barreto. Agradecemos também a Profa. Dra. Rita de Cássia, da Empresa Pernambucana de Pesquisa Agropecuária - IPA, pela identificação botânica. Ao Banco de dados NAPRALERT.

 

REFERÊNCIAS

Akdemir Z, Calis I, Júnior P 1991. Iridoid and Phenylpropanoid glycosides from Pedicularis condensate. Phytochemistry 30: 2401-2402.         [ Links ]

Braga, R. Plantas do Nordeste, especialmente do Ceará. Fortaleza: Coleção Mossoroense, 1976.         [ Links ]

Faten MMD, Manfred GR 2003. Ecdysteroids and other constituints from Sida spinosa L. Phytochemistry 62: 1179-1184.         [ Links ]

Hansel R, Leuckert CH, Rimpler H, Schaaf KD 1965. Chemotaxomic investigation of the genus Vitex L. Phytochemistry 4: 19-27.         [ Links ]

Kooiman P 1975. The occurrence of iridoid glycosides in the Verbenaceae. Acta Bot Neerl 24: 459-468.         [ Links ]

Lima DA 1989. Plantas das Caatingas. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências.         [ Links ]

Maia ACCM, Soares FCC, Martins Jr, HB, Baptista ER 2001. Vitex agnus castus: Etnobotanical end etnopharmacological study. Revista Virtual da Iniciação Acadêmica da UFPA 1: 15. http://www.ufpa.br/revistaic, acessada em julho de 2001.         [ Links ]

Okuyama E, Fujimori S, Yamazaki M, Deyama T 1998. Pharmacologically active components of Viticis fructus (Vitex rotundifolia), the components having analgesic effects. Chem Pharm Bull 46: 655-662.         [ Links ]

Plowden CC 1968. A Manual of plant names. London: George Allen and Unwin Ltd.         [ Links ]

Rao RVK, Satyanarayan T, Jena R 1997. Phytochemical studies on Vitex leucoxylon Linn. Indian Drugs 34: 50-51.         [ Links ]

Singh V, Dayal R, Bartley JP 1999. Volatile constituents of Vitex negundo leaves. Planta Med 65: 580-582.         [ Links ]

Sorensen JM, Katsiotis ST 2000. Parameters influencing the yield and composition of the essential oil from Cretan Vitex agnus-castus fruits. Planta Med 66: 245-250.         [ Links ]

 

 

Recebido em 09/09/04
Aceito em 10/01/05

 

 

* E-mail: liviabarretofarm@hotmail.com, Tel. + 55-81-34652497

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License