SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 número61Modelos de rebelião rural e as revoltas rurais do Império Romano Tardio índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Estudos Históricos (Rio de Janeiro)

versão impressa ISSN 0103-2186versão On-line ISSN 2178-1494

Estud. hist. (Rio J.) vol.30 no.61 Rio de Janeiro maio/ago. 2017

https://doi.org/10.1590/s2178-14942017000200001 

Editorial

Revoluções e Revoltas

Marco aurélio Vannucchi1 

Paulo Fontes1 

1Escola de Ciências Sociais da Fundação Getulio Vargas (CPDOC/FGV).


As celebrações do centenário da Revolução Russa inspiram Estudos Históricos a lançar este número intitulado Revoluções e revoltas. O assalto ao céu, as esperanças utópicas, as desilusões revolucionárias, bem como as múltiplas reações globais à tomada do poder pelos bolcheviques marcaram fundamentalmente a história do século XX e redefiniram o próprio conceito de revolução e o significado das revoltas sociais. O número inspira-se na Revolução Russa, mas não se resume a ela ou à sua influência. As análises percorrem um longo caminho de estudos sobre rebeliões, revoltas e processos revolucionários em diferentes períodos e lugares, fornecendo um rico e diversificado mosaico de pesquisas sobre essas temáticas.

O número inicia-se com o artigo "Modelos de rebelião rural e as revoltas rurais do Império Romano Tardio", no qual Uiran Gebara da Silva testa a validade de modelos explicativos elaborados pelas Ciências Sociais para a compreensão de revoltas ocorridas na Gália e na África romanas. No segundo artigo, "As letras de uma Revolução: a implantação da República em Portugal a 5 de outubro de 1910", Ana Paula Pires estuda o processo que levou à derrubada da monarquia e sua substituição pelo regime republicano naquele país. Em seguida, Denise Rollemberg, em "Revoluções de direita na Europa do entre-guerras: o fascismo e o nazismo", debruça-se sobre a Alemanha nazista e a Itália fascista para refletir sobre a aplicabilidade do conceito "revolução" para regimes e movimentos liderados pelas direitas.

Os dois artigos subsequentes concentram-se na história do Brasil. José Manuel Flores, em "Sob o credo vermelho: índios, comunistas e revolta no sul de Mato Grosso em meados do século XX", articula a insurgência dos índios Kaiowá contra a autoridade do Serviço de Proteção aos Índios (SPI) e a atuação do Partido Comunista do Brasil (PCB). E Rodrigo Nabuco Araujo, em "A voz da Argélia. A propaganda revolucionária da Frente de Libertação Nacional argelina no Brasil. Independência nacional e revolução socialista (1954-1962)", examina a recepção da guerra de independência argelina pela intelectualidade brasileira de esquerda nos anos 1950 e 1960.

Já Berthold Unfried e Claudia Martínez, em "El internacionalismo, la solidaridad y el interés mutuo. Encuentros entre cubanos, africanos y alemanes de la RDA", desenvolvem um estudo comparativo entre as ações de solidariedade de Cuba e da Alemanha Oriental em relação aos movimentos e regimes socialistas e nacionalistas em países recém-independentes na África. Em "A new revolutionary practice: operaisti and the 'refusal of work' in 1970s Italy", Nicola Pizzolato analisa a práxis e a elaboração teórica dos grupos "obreiristas" no contexto de radicalização política da Itália dos anos 1970. Em particular, é analisado o conceito de "recusa do trabalho" e seu impacto nas intensas lutas e mobilizações operárias do período.

Na seção Ensaio bibliográfico, Francisco Palomanes Martinho recenseia a literatura recente sobre a transição portuguesa para a democracia, privilegiando os temas do papel do marcelismo e do caráter da revolução que derrubou o salazarismo em 1974.

Finalmente, a seção Colaborações especiais conta com os artigos "Karl Marx e a Revolução Russa" e "Um ano extraordinário: greves, revoltas e circulação de ideias no Brasil em 1917". No primeiro, Angelo Segrillo acompanha a reflexão de Marx acerca das possibilidades de eclosão de uma revolução comunista na Rússia. No segundo, Edilene Toledo trata dos movimentos contestatórios que tiveram lugar em várias partes do país no ano de 1917 e destaca a repercussão da Revolução Russa sobre as organizações de trabalhadores.

Marco Aurélio Vannucchi e Paulo Fontes são professores da Escola de Ciências Sociais da Fundação Getulio Vargas (CPDOC/FGV).

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado.