SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.13 issue37O campo de Terezin author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Estudos Avançados

Print version ISSN 0103-4014On-line version ISSN 1806-9592

Estud. av. vol.13 no.37 São Paulo Sept./Dec. 1999

http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141999000300001 

EDITORIAL

 

 

DA MEMÓRIA disse Santo Agostinho (o primeiro memorialista do Ocidente) que é o ventre da alma. A metáfora tem força, pois abraça matéria e espírito numa só expressão. E a sua verdade resiste. Não é por acaso que dedicamos à Memória este número final de 1999.

Quase findo o milênio que assistiu às mais extraordinárias invenções de toda a história dos homens, e tendo já entrado no turbocapitalismo, parece que já não nos seria concedido mais tempo sequer para sentir o tempo passar e, menos ainda, para habitá-lo e vivê-lo plenamente. No entanto, por força de um movimento dialético saído das entranhas mesmas da cultura pós-moderna, irrompe neste último quarto de século, e vem crescendo por toda a parte, a necessidade de lembrar.

"A memória que os homens desenterra" nasce como desejo indestrutível de reviver o tempo: aquela duração da existência que não é mercadoria nem tem valor de troca, mas penetra e envolve toda experiência humana; tempo denso que está fora e dentro de nós, enquanto História, enquanto Memória.

O leitor de ESTUDOS AVANÇADOS é convidado a percorrer os escritos do Dossiê Memória. Ouvirá então as vozes de um passado que ressoam aqui e agora. Vozes de judeus compelidos a representar no campo de Theresienstadt a farsa trágica de um cotidiano tranqüilo que seria, na verdade, a antecâmera de gás de Auschwitz. Vozes brasileiras (e mineiras) de um militante comunista preso e torturado pela repressão nos anos finais da ditadura militar. Vozes de um índio "aculturado", mas lúcido, rememorando a sua infância. Vozes pernambucanas de um operário que romanceou a própria biografia chamando-a (sem conhecer Victor Hugo) de Os miseráveis. E outras lembranças baianas (que remontam à Revolução dos Alfaiates!), alagoanas, cariocas ou paulistas que compõem o coro de contrastes de um Brasil sofrido mas capaz de esperança.

No meio da travessia pode acender-se a luz que mostra o sentido do futuro: é a mensagem de Walter Benjamin de que fala o texto de uma pensadora suiço-brasileira... Nem é outro o horizonte da ópera Café, cuja letra inacabada de Mário de Andrade foi posta em música por um compositor teuto-brasileiro: obra aberta como a história do nosso povo.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License