SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número45A imagem incomum: a fotografia dos atos de fé no Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Estudos Avançados

versão impressa ISSN 0103-4014versão On-line ISSN 1806-9592

Estud. av. v.16 n.45 São Paulo maio/ago. 2002

https://doi.org/10.1590/S0103-40142002000200016 

HOMENAGEM

 

Alberto Carvalho da Silva, um entusiasta da pesquisa

 

 

Mauro Bellesa*

 

 

 

A USP e toda a comunidade de formuladores e analistas de políticas de ciência e tecnologia perderam um dos seus mais tenazes entusiastas, o fisiologista Alberto Carvalho da Silva, que morreu no dia 30 de junho em São Paulo, aos 85 anos. Professor emérito da USP, presidente de honra da SBPC e ex-diretor presidente da Fapesp, da qual foi um dos fundadores, Carvalho da Silva era professor honorário do IEA desde 1994, onde desempenhou intensa atividade até o final de 2001, quando sua saúde começou a ficar debilitada.

Nascido no Porto, Portugal, em 1916, Carvalho da Silva era médico, formado pela Faculdade de Medicina da USP em 1940. No ano seguinte já passou a trabalhar no Departamento de Fisiologia da faculdade, primeiro como assistente e depois como livre-docente (1954), professor-adjunto (1960) e professor catedrático (1964). Também freqüentou dois outros cursos da USP: Filosofia e Ciências Sociais (1936-37) e Química — como ouvinte — (1942-44).

Foi bolsista da Fundação Rockefeller no Departamento de Nutrição da Universidade Yale (1946-47), Departamento de Fisiologia da Universidade de Chicago (1959) e Departamento de Nutrição do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) (1960). Em 1969, com a edição do Ato Institucional nº 5, foi afastado compulsoriamente da USP pela ditadura militar. Passou a trabalhar na Fundação Ford como consultor técnico em ciência, tecnologia e nutrição junto aos escritórios do Rio de Janeiro, Santiago e Lima (1969-80). Atuou também como consultor do Banco Mundial em programas de nutrição no Brasil (1974-79), Indonésia (1979) e México (1982). De 1979 a 1983, integrou o Advisory Group of Nutrition do Subcomitê de Nutrição da ONU. Trabalhou ainda como consultor da Universidade das Nações Unidas em Moçambique e Angola (1981) e da Interamerican Foundation em Santiago (1982).

Reintegrado à USP em 1980, foi diretor do Departamento de Fisiologia do Instituto de Ciências Biomédicas (ICB). Na Fapesp, foi diretor científico (1968-69) e diretor presidente (1984-93). Nos anos 1990, presidiu a Academia de Ciências do Estado de São Paulo. Além de presidente de honra da SBPC e professor emérito da USP, era professor emérito da Faculdade de Medicina e do ICB. Era o representante titular do IEA no Conselho de Pesquisa da Pró-Reitoria de Pesquisa e integrava, também como titular, a Comissão de Ética na Pesquisa Envolvendo Seres Humanos do ICB. Agraciado com a Ordem do Rio Branco, assessorou e coordenou atividades e programas de análise sobre política científica e tecnológica do governo federal e do governo do estado de São Paulo.

Autor de 40 trabalhos de natureza experimental — a maioria deles em nutrição, com boa parte publicada em revistas internacionais — e de 53 trabalhos experimentais apresentados em reuniões científicas no país e no exterior, Carvalho da Silva escreveu também inúmeros trabalhos e relatórios sobre política científica e tecnológica e política de saúde, alimentação e nutrição.

No IEA, Carvalho da Silva coordenou a Área de Política Científica e Tecnológica do instituto até 2001, além de participar de várias outras atividades, como a comissão que produziu o documento "A Presença da Universidade Pública" (1998) e a comissão que elaborou o Código de Ética da USP (2000/01). Contribuiu várias vezes com a revista ESTUDOS AVANÇADOS e organizou muitos encontros e seminários sobre política científica e tecnológica, segurança alimentar, política industrial brasileira e relações universidade-empresa.

Além de ser uma perda irreparável para toda a comunidade acadêmica, a morte do "professor Alberto" — como todos o chamavam — abre uma lacuna no debate sobre a política científica e tecnológica do país, empreendido por ele sempre de maneira objetiva e bem fundamentada, serena, mas firme. Sabemos o quão difícil é prestar a merecida homenagem à memória de um homem do porte intelectual e da iniciativa de Carvalho da Silva, mas o IEA e a revista ESTUDOS AVANÇADOS procurarão, oportunamente, honrá-lo da melhor forma ao nosso alcance.

 

 

* Mauro Bellesa é jornalista do IEA.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons