SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.43 issue7Wheat yield potential estimation using active optical sensor for site-specific nitrogen fertilizationPhenological characterization and thermic requirement of distinct grapevines varieties in São Joaquim, Santa Catarina - Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Ciência Rural

Print version ISSN 0103-8478

Cienc. Rural vol.43 no.7 Santa Maria July 2013  Epub June 07, 2013

https://doi.org/10.1590/S0103-84782013005000075 

ARTIGOS CIENTÍFICOS
FITOTECNIA

 

Caracterização físico-química de novos híbridos de abacaxi resistentes à fusariose

 

Physico-chemical characterization of new hybrids pineapple resistant to fusariosis

 

Eliseth de Souza VianaI, 1; Ronielli Cardoso ReisI; Jaciene Lopes de JesusI; Davi Theodoro JunghansII; Fernanda Vidigal Duarte SouzaIII

IEmbrapa Mandioca e Fruticultura, Laboratório de Ciência e Tecnologia de Alimentos, 44380-000, Cruz das Almas, BA, Brasil. E-mail:eliseth.viana@embrapa.br
IIEmbrapa Mandioca e Fruticultura, Melhoramento Genético, Cruz das Almas, BA, Brasil
IIIEmbrapa Mandioca e Fruticultura, Laboratório de Cultura de Tecidos, Cruz das Almas, BA, Brasil

 

 


RESUMO

Cinco genótipos de abacaxi (Gold, Pérola, Smooth Cayenne, BRS Vitória, BRS Imperial) e quatro novos híbridos (SC x PRI-21, SC48 x PRI-02, PE x SC-73 e PA x PE-01) foram avaliados quanto às suas características físico-químicas. A cultivar 'Gold' apresentou os maiores teores de carotenoides totais (7,82µg g-1) e vitamina C (51,0mg 100g-1), enquanto que a cultivar 'BRS' Imperial destacou-se pelos elevados teores de açúcares redutores (5,12%), açúcares totais (15,23%), sólidos solúveis (18,41°Brix), pH (3,96) e ratio (35,28). Os híbridos SC 48 x PRI-02, PE x SC-73 e PA x PE-01 apresentaram teores de sólidos solúveis, açúcares totais e redutores superiores aos das cultivares Smooth Cayenne, Pérola e BRS Vitória, destacando-se o híbrido PE x SC-73 por apresentar polpa amarela mais intensa, doçura elevada, elevado teor de carotenoides totais e vitamina C, sendo, portanto, um híbrido promissor para substituição de cultivares comerciais.

Palavras-chave: vitamina C, carotenoides totais, cor, Ananas comosus var. Comosus.


ABSTRACT

Five pineapple genotypes (Gold, Pérola, Smooth Cayenne, BRS Vitória and BRS Imperial and four new hybrids - SC x PRI-21, SC48 x PRI-02, PE x SC-73 and PA x PE-01), were evaluated for their physicochemical characteristics. The 'Gold' cultivar presented the highest contents of total carotenoids (7.82mg g-1) and vitamin C (51.0mg 100g-1), whereas the 'BRS' Imperial stood out for its high levels of reducing (5.12%) and total (15.23%) sugars, soluble solids (18.41°Brix), pH (3.96) and ratio (35.28). Improved hybrids SC 48 x PRI-02, PE x SC-73 and PA x PE-01 had the soluble solids, reducing and total sugars contents higher than those of cultivars 'Smooth Cayenne', 'BRS Vitória' and 'Pérola', highlighting the 'PE x SC-73' hybrid for its pulp of intense yellow color, high sweetness, high content of total carotenoids and vitamin C and which was considered as a promising hybrid to replace commercial cultivars.

Key words: vitamin C, total carotenoids, color, Ananas comosus var. Comosus.


 

 

INTRODUÇÃO

O abacaxi (Ananas comosus var. comosus) é uma fruta tropical com características sensoriais e nutricionais atrativas, tais como sabor, cor, odor, teor de ácido ascórbico, minerais, fibras e presença de antioxidantes (RAMALLO & MASCHERONI, 2012).

Internacionalmente, há uma tendência de aumento do consumo do abacaxi in natura, em detrimento do abacaxi processado. Isso se deve, em grande parte, à substituição da cultivar 'Smooth Cayenne' pela cultivar 'Gold' ou 'MD-2', a qual apresenta melhores atributos para consumo in natura, tais como maiores ratio, teores de vitamina C e carotenoides totais, quando comparados à Smooth Cayenne (LOEILLET, 2003; LOEILLET, 2006; RAMSAROOP & SAULO, 2007).

O Brasil destaca-se como centro de origem e de diversidade do abacaxizeiro, além de ser um dos maiores produtores mundiais dessa cultura. Entretanto, a exportação de seus frutos ainda é inexpressiva, já que, no território nacional, observa-se o predomínio da cultivar 'Pérola', que apresenta características consideradas obstáculos ao comércio internacional, tais como: formato cônico, polpa de coloração branca e presença de espinhos nas folhas. A variedade Smooth Cayenne é a segunda mais cultivada e prevalece nos estados de Minas Gerais e São Paulo (ALMEIDA et al., 2004).

O cultivo de poucas variedades no território brasileiro pode ter consequências graves, como a maior vulnerabilidade da cultura pelo surgimento de pragas e a erosão genética, que leva à perda de cultivares locais, suplantadas pelas variedades comerciais (CABRAL et al., 1999). Como agravante, as cultivares 'Pérola' e 'Smooth Cayenne' são suscetíveis à fusariose, a doença mais prejudicial para a cultura no Brasil. Os métodos mais recomendados para controle da fusariose é a utilização de material propagativo sadio e de cultivares resistentes (PLOETZ, 2006).

Em vista disso, programas de melhoramento genético buscam o desenvolvimento de híbridos superiores de abacaxizeiro resistentes à fusariose e com características físico-químicas e sensoriais que atendam aos anseios dos consumidores da fruta. A obtenção desses híbridos, além de contribuir para diversificação de variedades no país, contribui igualmente para a segurança alimentar, com consequente redução dos custos de produção (CABRAL et al., 2003). Características como aparência, tamanho, formato de fruto, qualidade nutricional, entre outras, devem ser consideradas, a fim de satisfazer às exigências do mercado internacional, levando o Brasil à condição de grande exportador.

O programa de melhoramento genético do abacaxizeiro da Embrapa, criado em 1984, desenvolve cultivares resistentes à fusariose e com características comerciais iguais ou superiores às cultivares 'Pérola' e 'Smooth Cayenne'. As fontes de resistência à fusariose nesse programa são, atualmente, as cultivares 'Perolera' (originária dos Andes da Colômbia/Venezuela) e 'Primavera' (originária da Amazônia), por apresentarem características desejáveis, como: folhas sem espinhos nas bordas, grande produção de mudas, frutos cilíndricos, teor de sólidos solúveis e acidez próximos aos das variedades comerciais (CABRAL et al., 2003). Como resultado desse programa de melhoramento, a Embrapa já desenvolveu e lançou as 'cultivares' BRS Imperial (CABRAL & MATOS, 2005), 'BRS-Ajubá' (CABRAL & MATOS, 2008) e a 'BRS Vitória' (VENTURA et al., 2009).

Como o programa de melhoramento genético é contínuo e evolui de acordo com a demanda do mercado por novos produtos, vários híbridos de abacaxi estão em avaliação. Neste estudo, frutos de híbridos resistentes à fusariose foram avaliados quanto às características físico-químicas relevantes para o mercado e comparados com frutos de cultivares tradicionais e de cultivares lançadas pela Embrapa, a fim de verificar seu potencial para serem lançados como novas variedades comerciais.

 

MATERIAL E MÉTODOS

Genótipos avaliados

Foram avaliados frutos provenientes de nove genótipos de abacaxi, sendo três cultivares comerciais ('Gold', 'Pérola' e 'Smooth Cayenne'), duas cultivares desenvolvidas e lançadas pela Embrapa Mandioca e Fruticultura (BRS Vitória e BRS Imperial), e quatro novos híbridos oriundos do mesmo programa de melhoramento (SC x PRI-21, SC 48 x PRI-02, PE x SC-73 e PA x PE-01), cujas características estão descritas na tabela 1. O experimento foi conduzido no delineamento inteiramente casualizado, sendo o plantio realizado em numa área reduzida do campo experimental da Embrapa Mandioca e Fruticultura, onde cada fileira representou uma cultivar ou híbrido. Para a amostragem, foram utilizados 15 frutos de cada cultivar, divididos em três lotes com cinco frutos cada, totalizando três repetições do experimento. Os frutos foram mantidos em câmara climatizada a 10°C por um período de 48 horas, para serem analisados no Laboratório de Ciência e Tecnologia de Alimentos da Embrapa.

Caracterização físico-química

A cor da polpa dos frutos foi avaliada utilizando-se o colorímetro Minolta®, modelo CR400 (MINOLTA, 2007) e a escala de cor CIELAB. A calibração do aparelho foi realizada por meio de placa de cerâmica branca, utilizando-se o iluminante D65 (z=93,6; x=0,3133; y=0,3195). Os frutos foram divididos ao meio (transversalmente), realizando-se duas leituras na base, duas na região equatorial e duas no ápice, para os parâmetros de cor luminosidade (L*), croma ou intensidade da cor (C*) e ângulo de cor (h*).

Para as demais avaliações, os frutos de cada repetição/lote foram triturados em mixer, a fim de obter uma amostra homogênea de cada repetição do experimento. O teor de sólidos solúveis (SS) (°Brix), a acidez titulável (% de ácido cítrico), a relação SS/acidez titulável (ratio), o pH, as cinzas (%) e a umidade (%) FORAM determinados de acordo com o IAL (2008). Por espectrofotometria, determinaram-se os teores de carotenoides totais (µg g-1) (RODRIGUEZ-AMAYA & KIMURA, 2004), vitamina C (mg 100g-1) (SOUZA, 2007) e açúcares redutores (% de glicose) e totais (% de glicose) (NELSON, 1944; SOMOGYI, 1945), sendo a etapa de hidrólise ácida para o açúcar total realizada segundo o IAL (2008). As análises foram realizadas em triplicata.

Análise estatística

O experimento foi conduzido no delineamento inteiramente casualizado com três repetições. Os dados obtidos foram submetidos à análise multivariada de agrupamento, considerando a distância euclidiana como medida de dissimilaridade entre os genótipos. O número de grupos foi definido pela média da matriz de dissimilaridade, pelo método de UPGA (Unweighted Pair-Group Average). Foram calculadas estatísticas descritivas para os grupos formados (média e desvio padrão). As análises estatísticas foram realizas com auxílio do programa Statistica 7.0 (STATSOFT, 2008).

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os resultados da análise de agrupamento dos nove genótipos avaliados estão apresentados na figura 1. Observa-se a formação de três grupos distintos, sendo o primeiro formado pela cultivar 'Gold'; o segundo, pela cultivar 'BRS Imperial'; e o terceiro, formado pelas cultivares 'Smooth Cayenne', 'Pérola', 'BRS Vitória' e pelos híbridos SC x PRI-21, SC 48 x PRI-02, PA x PE-01 e PE x SC-73. Os novos híbridos apresentaram características físico-químicas semelhantes às cultivares 'Pérola' e 'Smooth Cayenne', representam alternativas interessantes para substituição dessas cultivares, já que são resistentes à fusariose. É importante destacar que, no presente estudo, todas as plantas dos nove genótipos foram cultivadas no mesmo ambiente e período e receberam os mesmos tratos culturais. Assim, pode-se afirmar que as diferenças observadas devem-se unicamente ao genótipo.

 

 

A tabela 2 apresenta os valores médios das características físico-químicas para cada grupo formado pela análise de agrupamento. A cultivar 'Gold' (Grupo I) e as cultivares 'Pérola', 'Smooth Cayenne', 'BRS Vitória' e os híbridos melhorados (Grupo III) apresentam características físico-químicas semelhantes, mas diferem quanto ao teor de carotenoides totais e vitamina C. A cultivar 'Gold' (Grupo I) destaca-se quanto aos elevados teores de carotenoides totais e vitamina C. Valores diferentes foram obtidos por RAMSAROOP & SAULO (2007), em que a mesma cultivar apresentou valores inferiores de carotenoides totais (1,36µg g-1) e superiores de vitamina C (68mg 100g-1). Ressalta-se que vários fatores podem interferir na composição físico-química dos frutos, tais como tipos de solo, adubação (COELHO et al., 2007; VELOSO et. al., 2001), balanço entre N e K aplicado ao solo (SPIRONELLO et al., 2004), tratos culturais, clima e diferentes estádios de maturação.

Os maiores valores de acidez titulável foram verificados para as cultivares pertencentes ao Grupo I e Grupo III. ABÍLIO et al. (2009) verificaram maior acidez para as cultivares 'Pérola' e 'Smooth Cayenne' em relação às cultivares 'Gold' e 'BRS Imperial'. Em estudos conduzidos por BERILLI et al. (2011), a cultivar 'BRS Vitória' apresentou maior acidez do que as cultivares 'Pérola' e 'Gold'.

A cultivar 'BRS Imperial' (Grupo II) apresentou elevados teores de açúcares redutores (5,12%), açúcares totais (15,23%), sólidos solúveis (18,41°Brix), pH (3,96) e ratio (35,28) (Tabela 2). Resultado semelhante foi verificado por ABÍLIO et al. (2009) para o teor de sólidos solúveis (17,67°Brix) e pH (3,74) para a mesma cultivar. Entretanto, os autores obtiveram valores inferiores para os teores de açúcares totais (6,06%), redutores (4,60%) e superiores para ratio (42,56) do que os constatados no presente estudo. Vale ressaltar que o ratio é um índice de qualidade que está relacionado com a doçura do fruto, portanto frutos com maior ratio apresentam doçura mais pronunciada e consequentemente uma maior aceitação pelo consumidor. Esse fato foi constatado por RAMSAROOP & SAULO (2007), já que frutos da cultivar 'Gold' apresentaram maior ratio e tiveram o sabor preferido em relação à cultivar 'Smooth Cayenne'. O mesmo resultado foi obtido por ABÍLIO et al. (2009) ao comparar a BRS Imperial com as cultivares 'Gold', 'Pérola' e 'Smooth Cayenne'. Assim, a BRS Imperial é uma cultivar de grande potencial de comercialização devido a essas características físico-químicas e por ser resistente à fusariose.

A aparência de um produto é a combinação de seus atributos geométricos e atributos cromáticos. Os atributos cromáticos estão associados à cor e são expressos pelos parâmetros L*, C* e h*. O ângulo de cor (h*) é amplamente usado como uma ferramenta analítica, por ser o atributo pelo qual a cor é percebida como vermelha, amarela, verde ou azul. Os valores de h* variam de 0 (vermelho puro), 90 (amarelo puro), 180 (verde puro) a 270 (azul puro) (RAMALLO e MASCHERONI, 2012). Observa-se na tabela 2 que, em média, todas as cultivares apresentam valores de h* superiores a 90, indicando que a cor da polpa desses genótipos é amarela. Quanto ao croma (C*), este foi superior para a cultivar 'Gold' (C*=43,93), indicando uma polpa de cor amarela mais intensa do que os demais genótipos. O menor valor de L* (60,20) encontrado para a cultivar 'BRS Imperial', indica uma coloração de polpa mais escura do que as demais. A cor da polpa, no melhoramento do abacaxizeiro, é relevante, principalmente por sua correlação com o teor de carotenoides e é quase determinante para a exportação, já que o mercado externo tem preferência por frutos de polpa amarela e com maiores valores de ratio.

Comparando as características físico-químicas dos híbridos melhorados com as das cultivares comerciais pertencentes ao mesmo grupo (tabela 3), verifica-se que os híbridos SC48 x PRI-02, PE x SC-73 e PA x PE-01 apresentam teores de sólidos solúveis, açúcares totais e redutores superiores aos das cultivares 'Smooth Cayenne', 'Pérola' e 'BRS Vitória'. Entretanto, o ratio foi superior nos híbridos PE x SC-73, PA x PE-01 e 'Pérola', em decorrência dos menores valores de acidez titulável desses genótipos (entre 0,48 e 0,75% de ácido cítrico). Os híbridos PE x SC-73 e PA x PE-01 apresentaram os maiores teores de vitamina C, sendo que o híbrido PE x SC-73 destacou-se ainda pelo maior teor de carotenoides totais (3,85µg g-1) e por uma coloração amarela mais intensa (C*=33,67).

 

CONCLUSÃO

Os resultados obtidos contribuirão para a indicação de genótipos promissores para o consumo e para direcionar as ações do programa de melhoramento de abacaxi da Embrapa.

O híbrido PE x SC-73 destacou-se por apresentar polpa amarela intensa, doçura elevada, elevado conteúdo de vitamina C e carotenoides, sendo, portanto, um híbrido promissor para substituição das cultivares tradicionais 'Pérola' e 'Smooth Cayenne', podendo também representar uma alternativa para o mercado internacional, com a vantagem de ser resistente à fusariose.

 

AGRADECIMENTOS

À Fundação de Pesquisa do Estado da Bahia (FAPESB), pelo suporte financeiro para a realização da pesquisa.

 

REFERÊNCIAS

ABÍLIO, G.M.F. et al. Extração, atividade da bromelina e análise de alguns parâmetros químicos em cultivares de abacaxi. Revista Brasileira de Fruticultura, v.31, n.4, p. 1117-1121, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-29452009000400027&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em 05 de maio, 2012. doi: 10.1590/S0100-29452009000400027.         [ Links ]

ALMEIDA, C.O. et al. Peso médio do abacaxi no Brasil: um tema em discussão. In: Bahia Agrícola. Bahia citros: fortalecimento da citricultura baiana. Salvador - Seagri, v.6, n.3, p.41-46, 2004 Disponível em: <http://www.seagri.ba.gov.br/pdf/v6n3_11Abacaxi.pdf>. Acesso em: 23 maio, 2012.         [ Links ]

BERILLI, S.S. et al. Avaliação sensorial dos frutos de cultivares de abacaxi para consumo in natura. Revista Brasileira de Fruticultura, v.33, p.592-598, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbf/v33nspe1/a81v33nspe1.pdf>. Acesso em: 25 ago. 2012. doi: 10.1590/S0100-29452011000500081.         [ Links ]

CABRAL, J.R.S. et al. Variabilidade genética e melhoramento do abacaxi. In: RECURSOS GENÉTICOS E MELHORAMENTO DE PLANTAS PARA O NORDESTE BRASILEIRO, 1999, Petrolina, PE. Anais... Petrolina: Embrapa Semi-Árido, Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia/Brasília-DF, 1999. V.1, 9p.         [ Links ]

CABRAL, J.R.S et al. Desenvolvimento de híbridos de abacaxi resistentes à fusariose. Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura. 2003. 4p. (Comunicado Técnico, 88).         [ Links ]

CABRAL, J.R.S.; MATOS, A.P. Imperial, nova cultivar de abacaxi. Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura, 2005. 4p. (Comunicado Técnico, 114).         [ Links ]

CABRAL, J.R.S.; MATOS, A.P. BRS Ajubá, nova cultivar de abacaxi. Cruz das Almas: Embrapa Mandioca e Fruticultura. 2008. 4p. (Comunicado Técnico, 126).         [ Links ]

COELHO, R.I. et al. Estado nutricional e características de crescimento do abacaxizeiro 'Jupi' cultivado em latossolo amarelo distrófico em função da adubação com NPK. Ciência e Agrotecnologia, v.31, n.6, p.1696-1701, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cagro/v31n6/a14v31n6.pdf>. Acesso em: 18 de maio, 2012. doi: 10.1590/S1413-70542007000600040.         [ Links ]

IAL (INSTITUTO ADOLFO LUTZ). Métodos físico-químicos para análise de alimentos. 4.ed. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2008. 1018p.         [ Links ]

LOEILLET, D. The world pineapple market - When growth goes hand in hand with diversity. FruitTrop, v.100, p.9-10, 2003. Disponível em: <ftp://ftp.fao.org/unfao/bodies/ccp/ba-tf/04/ad627e.pdf>. Acesso em: 22 out. 2012.         [ Links ]

LOEILLET, D. The International pineapple trade - The great years. FruitTrop, v.132, p.2-6, 2006. Disponível em: <http://publications.cirad.fr/en/une_notice.php?dk=531735>. Acesso em: 15 out. 2012.         [ Links ]

MINOLTA, Chroma meter CR-400/410: Instruction manual. Osaka, 2007. 156p.         [ Links ]

NELSON, N. A photometric adaptation of the Somogyi method for the determination of glucose. Journal of Biological Chemistry, v.153, n.1, p.375-380, 1944.         [ Links ]

PLOETZ, R.C. Fusarium-induced diseases of tropical, perennial crops. Phytopathology, v.96, n.6, p.648-652. 2006. Disponível em: <http://apsjournals.apsnet.org/doi/pdf/10.1094/PHYTO-96-0648>. Acesso em: 25 jun. 2012. doi: 10.1094/PHYTO-96-0648.         [ Links ]

RAMALLO, L.A.; MASCHERONI, R.H. Quality evaluation of pineapple fruit during drying process. Food and Bioproducts Processing, v.90, p.275-283, 2012. Disponível em: <http://www.apepcr.com/wp-content/uploads/2012/06>. Acesso em: 04 jun. 2012. doi:10.1016/j.fbp.2011.06.001.         [ Links ]

RAMSAROOP, R.E.S.; SAULO, A.A. Comparative consumer and physicochemical analysis of Del Monte Hawai'i Gold and Smooth Cayenne pineapple cultivars. Journal of Food Quality, v.30, p.135-159, 2007. Disponível em: <http://onlinelibrary.wiley.com>. Acesso em: 29 maio, 2012. doi: 10.1111/j.1745-4557.2007.00111.x.         [ Links ]

RODRIGUEZ-AMAYA, D.; KIMURA, M. HarvestPlus handbook for carotenoid analysis. Cali: IFPRI: CIAT, 2004. 58p.         [ Links ]

SOMOGYI, M. A new reagent for the determination of sugar. Journal of Biological Chemistry, v.160, n.1, p.61-68, 1945.         [ Links ]

SOUZA, M.C. Qualidade e atividade antioxidante de frutos de diferentes progênies de açaizeiro (Euterpe oleracei Mart). 2007. 124f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Alimentos) - Curso de Pós-graduação em Tecnologia de Alimentos, Universidade Federal do Ceará, CE.         [ Links ]

SPIRONELLO, A. et al. Pineapple yield and fruit quality effected by NPK fertilization in a tropical soil. Revista Brasileira de Fruticultura, v.26, n.1, p.155-159, 2004. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452004000100041>. Acesso em: 15 maio, 2012. doi: 10.1590/S0100-29452004000100041.         [ Links ]

STATSOFT. Statistics for Windows 7.0. Tulsa, OK, 2008.         [ Links ]

VELOSO, C.A.C. et al. Resposta do abacaxizeiro à adição de nitrogênio, potássio e calcário em latossolo amarelo do nordeste paraense. Revista Brasileira de Fruticultura, v.23, n.2, p.396-402, 2001. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbf/v23n2/7990.pdf>. Acesso em: 17 maio, 2012. doi: 10.1590/S0100-29452001000200040.         [ Links ]

VENTURA, J.A. et al. 'Vitória': new pineapple cultivar resistant to fusariosis. Acta Horticulturae, v.822, p.51-56, 2009. Disponível em: <http://www.actahort.org/books/822/822_4.htm>. Acesso em: 15 maio, 2012.         [ Links ]

 

 

Recebido 20.06.12
Aprovado 08.12.12
Devolvido pelo autor 20.05.13
CR-2012-0426.R2

 

 

1 Autor para correspondência.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License