SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.22 issue3De mãos dadas com hooksDesafios do care: vulnerabilidades, políticas e justiça social author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Estudos Feministas

Print version ISSN 0104-026X

Rev. Estud. Fem. vol.22 no.3 Florianópolis Sept./Dec. 2014

https://doi.org/10.1590/S0104-026X2014000300023 

RESENHAS

 

Contos de fadas da vida real: conhecendo praticantes de crossdressing no Brasil

 

 

Isabel Wittmann

Universidade Federal do Amazonas

 

Sapos e princesas: prazer e segredo entre praticantes de crossdressing no Brasil. VENCATO, Anna Paula. São Paulo: Annablume, 2013, 274 p

 

 

A procura pelo feminino, homens "vestindo-se" de mulher, é certamente um fenômeno muito interessante, principalmente se observado sob a ótica do gênero e se pensarmos que na cultura o masculino sempre teve um valor hierárquico maior que o feminino (Anna Paula VENCATO, 2003, p. 192).

O livro Sapos e Princesas - Prazer e segredo entre praticantes de crossdressing no Brasil é o novo trabalho da pesquisadora Anna Paula Vencato. Até então, ela vinha publicando traba-lhos que abordavam o universo das drag queens, mas, entre 2007 e 2009, passou a pesquisar as crossdressers (cds), homens que se vestem de mulheres, negociando, em sua vida pessoal, o "estar montada1" (princesa) ou "desmontado" (sapo). Tal pesquisa resultou em sua tese de douto-ramento em Sociologia e Antropologia pela UFRJ.

A publicação é estruturada em cinco capí-tulos. O primeiro, "Algumas cenas da pesquisa: As Olim...piadas" relata o contato com o Brazilian Crossdresser Club (BCC), principal meio de encontro da autora com praticantes de crossdressing. O clube promove eventos de cunho regional e nacional, e um desses últimos foi uma espécie de gincana com provas atléticas, promovida em uma pousada ao longo de um fim de semana em 2008, chamada Olim...pia-das, em referên-cias aos Jogos Olímpicos. Nesse capítulo, várias das personagens recorrentes são apresentadas, bem como a relação entre membros do clube, a negociação da presença de mulheres (cha-madas de gg: genetic girls ou mulheres genéti-cas), que podem ser S/O (supportive other, uma pessoa do sexo oposto que apoia a crossdresser e pode ajudá-la a montar-se), geralmente espo-sas ou namoradas.

De uma maneira geral, os homens pratican-tes mencionados na pesquisa têm entre 30 e 60 anos, pertencem a camadas médias e altas do extrato social e, quando desmontados, vestem-se de forma conservadora. Há também um "jogo de espelhos", segundo a autora, que diz respeito à forma como se deve ou não se vestir do outro sexo, lidando com estigmas acerca da prática. A rejeição ao termo "travesti" aparece frequente-mente, marcada pela sua associação à prostitui-ção, à pista e às privações.

O segundo capítulo, "'Uma crossdresser não vai a lugar nenhum sozinha': espaços e lugares no contexto do se montar", aborda ques-tões de sociabilidade do grupo estudado: onde se encontrar en femme. A hierarquia e o funcio-namento do BCC são explicados, bem como espaços de encontro fora do clube, como Le Closet. Esse é o nome dado a um apartamento em São Paulo e outro no Rio de Janeiro, alugados por crossdressers, para que possam se encon-trar e promover festas montadas. Além disso, existem certos restaurantes, bares e boates que frequentam eventualmente.

O clube possui uma página na internet, e as associadas têm acesso a uma lista de discussão. As suas usuárias se dividem em dois grupos: o de associadas virtuais: todas que fazem parte do clube; e de associadas reais: restrito àquelas que já compareceram aos encontros organizados pelo clube. Em geral, no primeiro, discute-se sobre o que é ser crossdresser, bem como a diferença entre crossdressers, travestis e transexuais, além de haver trocas de experiências pessoais relacio-nadas à montaria, como compra de maquia-gens, roupas e acessórios. Já no segundo conver-sa-se sobre os eventos, os encontros, as fotos das atividades e os assuntos relacionados.

No terceiro capítulo, "Crossdressers, Cross-dressings", a autora descreve as diferentes visões que encontrou sobre a prática do crossdressing e as diferenças apresentadas pelas praticantes em relação a grupos vistos como relacionados, travestis e transexuais. É conferido destaque a certos discursos médico-científicos (geralmente da sexologia e da psicanálise), que circulam no meio como justificativa para a prática, bem como a forte marcação de classe social utilizada para distinguir-se de outros, como travestis.

Algumas práticas diferenciadas são apre-sentadas, como o crossplay, variação do cos-play, geralmente praticado por mulheres, em que o participante se fantasia de um personagem do sexo oposto. Além disso, há o crossdressing vincu-lado a práticas fetichistas, geralmente ligadas à dominação e à submissão no contexto do BDSM (Bondage, Disciplina, Sominação, Sadismo e Masoquismo). Normalmente ele não é considera-do um "verdadeiro crossdressing" pelos mem-bros do BCC, justamente por ser vinculado a um desejo de ordem sexual, e não à vontade pura de se vestir de mulher.

Da mesma forma, segundo elas, adeptos homossexuais também não seriam verdadeiros crossdressers, pois estariam apenas dando va-zão a um lado efeminado já presente em sua natureza. Assim, homens homossexuais têm cir-culação restrita no grupo, pois representariam o perigo, devido a uma luxúria que lhes seria própria. A maior parte das associadas se identificam co-mo heterossexuais, embora a prática possa ocor-rer em ambientes voltados ao público LGBT (Lés-bicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros), como bares e boates.

Embora haja tensões com as mulheres tran-sexuais, elas ainda assim gozam de privilégios que as mulheres gg não possuem no BCC. Isso aconte-ce porque compartilham com as crossdressers de um ponto de partida em comum, que é o nascer homem.

Outra questão levantada é a do cross-dressing FtM (female to male), que, segundo as interlocutoras, é "sem graça" ou "de mau gosto". Para elas, as roupas masculinas são básicas demais e até mesmo feias, de maneira que não entendem o apelo dessa prática. Além disso, segundo a autora, falam que os praticantes não alcançam uma imagem verdadeiramente mas-culina. O que não deixa de ser interessante se pensarmos no que se entende por "verdadeira-mente masculino" ou "verdadeiramente femini-no". Qual seria a imagem de feminilidade hege-mônica considerada real, a ponto de ser reivindi-cada pelas crossdressers?

Segundo elas, uma mulher não agride a sociedade ao vestir uma calça e andar de tênis, mas um homem utilizando roupas tidas como fe-mininas ainda recebe estigmas. Conforme rebate a autora, não é qualquer calça que é aceita para mulheres, sendo que o corte da roupa e os acessórios são específicos, dentro de um modelo esperado da marcação de gênero. Uma recla-mação das interlocutoras é de que a masculini-dade do crossdressing FtM é estereotipada, exagerada e caricata, não condizendo com a realidade. Mas mesmo uma interlocutora gg questionou: "Vê se alguém quer se vestir de mulher para lavar a louça? Elas querem é se vestir para participar de concurso de Miss". Novamente chega-se à questão da representação do feminino.

O quarto capítulo, 'Quase uma mulher': ne-gociações entre estar montada e desmontado" trata das alternâncias entre a vida de sapo e de princesa.

Dois conceitos constantemente presentes e relatados em seus cotidianos são urge e purge. O primeiro é o momento em que a vontade de se montar se intensifica, geralmente acompa-nhada de grande investimento financeiro em roupas e acessórios para esse fim. Já o segundo é o momento oposto: uma diminuição na fre-quência com que se monta e consequente afas-tamento do meio.

Ficam patentes as relações entre o sapo e sua princesa em discursos que afirmam que o primeiro sustenta os hábitos de consumo quase incontroláveis da segunda. Também são levan-tadas questões como a dor necessária para ser bela, que vai de andar de salto ao uso de cintas modeladoras, podendo chegar à depilação com laser. Mas embora certas concessões dolorosas sejam feitas visando um resultado final mais bonito, o crossdressing consiste em vestir o que uma mulher vestiria, sem chegar ao exagero das drag queens e, por outro lado, sem pretender ser passáveis como as transexuais.

O capítulo final, "'Vestidos para ir a lugar nenhum': crossdressing e negociações para se estar montada", é sobre as relações dos sujeitos em suas vidas privadas, na convivência com as demais pessoas, especialmente companheiras, levantando questões sobre até onde levar o crossdressing. Escolhas como depilar o corpo, fazer as sobrancelhas, pintar as unhas e mesmo práticas mais avançadas, como ingestão de hormônios, são pesadas de acordo com o impacto das consequências em suas vidas de sapos. A maior dificuldade relatada é o de contar para parceiras sobre sua prática ou ainda relatar para uma possível nova namorada, o que é comparado com o ato de "sair do armário".

Essas negociações entre público e privado também se refletem nas discussões a respeito da visibilidade do BCC na mídia. A diretoria, à época da pesquisa, acreditava que essa visibilidade ajudaria na divulgação do clube, bem como na informação da população em geral e na quebra de estigmas e preconceitos, de maneira que participaram de diversas entrevistas e programas de televisão. Algumas associadas diziam-se incomodadas, pois a visibilidade poderia levar ao reconhecimento de sua versão sapo, o que poderia acarretar grandes prejuízos pessoais e financeiros, a depender de sua posição na sociedade.

Sapos e Princesas - Prazer e segredo entre praticantes de crossdressing no Brasil é um importante trabalho dentro dos estudos de gênero, a respeito da temática de homens que se vestem de mulheres. Temos, no Brasil, vasta literatura sobre travestis e mesmo sobre drag queens, e a obra de Anna Paula Vencato vem a contribuir com o campo, preenchendo uma la-cuna existente a respeito da prática de cross-dressing. É interessante perceber que os adeptos da prática não se vêm como mulheres, mas buscam se montar, geralmente com caracterís-ticas que admiram nelas. Dessa forma, percebe-se a fluidez com que o gênero é produzido e manipulado. A prática do crossdressing possui uma temporalidade própria, pautada pelo vai e vem entre a vida de montada e a de desmon-tado.

O trabalho de Anna Paula Vencato é reali-zado através de etnografia, com uma descrição fluida e bastante clara. Com o foco no BCC, não temos um panorama mais extenso sobre a prá-tica, ficando os seus praticantes resumidos em um perfil de homens heterossexuais de classe média ou alta, o que pode ou não corresponder à realidade das vivências de crossdressers fora do clube. Entretanto, pelo próprio ineditismo da temática, o trabalho já se firma em posição de importância, abrindo as portas para quem queira ampliar os estudos. O livro é uma excelente leitura para quem quer ter contato ou expandir o conhe-cimento a respeito de homens que se vestem de mulheres.

 

Referências

VENCATO, Anna Paula. Confusões e estereótipos: o ocultamento de diferenças na ênfase de semelhanças entre transgêneros. Campinas: Cadernos AEL, v. 10, n. 18-19, p. 187-215, 2003.

______. "Fora do armário, dentro do closet: o camarim como espaço de transformação". Caderno Pagu, Campinas, n. 24, p. 227-247, jan./jun. 2005.         [ Links ]

______. Sapos e princesas: prazer e segredo entre praticantes de crossdressing no Brasil. São Paulo: Annablume, 2013.         [ Links ]

 

Nota

1 Termo relacionado à "montaria", que é o processo de composição de uma personagem, que incluem a vestimenta, a maquiagem, o nome, o falar etc. (VENCATO, 2005, p. 232).

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License