SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24Social inequalities and access to health: challenges for society and the nursing fieldCultural adaptation and validation of the Freiburg Life Quality Assessment - Wound Module to Brazilian Portuguese author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Latino-Americana de Enfermagem

Print version ISSN 0104-1169On-line version ISSN 1518-8345

Rev. Latino-Am. Enfermagem vol.24  Ribeirão Preto  2016  Epub May 03, 2016

https://doi.org/10.1590/1518-8345.0990.2681 

Artigo Original

A influência tecnológica no cuidar dos profissionais de saúde: tradução e adaptação de escalas1

Carlos Manuel Torres Almeida2 

Filipe Nuno Alves dos Santos Almeida3 

Joaquim José Jacinto Escola4 

Vitor Manuel Costa Pereira Rodrigues5 

2PhD, Professor Adjunto, Centro de Investigação em Desporto, Saúde e Desenvolvimento Humano, Escola Superior de Enfermagem de Vila Real, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal

3PhD, Professor Auxiliar, Departamento de Educação e Simulação Médica, Faculdade de Medicina, Universidade do Porto, Porto, Portugal

4PhD, Professor Auxiliar, Escola das Ciências Humanas e Socias, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal

5PhD, Professor Coordenador com Agregação, Centro de Investigação em Desporto, Saúde e Desenvolvimento Humano, Escola Superior de Enfermagem de Vila Real, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal


RESUMO

Objetivos:

este estudo consistiu na validação de dois instrumentos de pesquisa que permitem estudar o impacto da influência tecnológica na prática do cuidar dos profissionais de saúde.

Método:

foram dados os seguintes passos metodológicos: revisão bibliográfica, seleção das escalas, tradução e adaptação cultural e análise das qualidades psicométricas.

Resultados:

as propriedades psicométricas da escala foram avaliadas a partir da sua aplicação a uma amostra de 342 indivíduos (enfermeiros, médicos, estudantes finalistas de enfermagem e de medicina). Foram realizados estudos de validade e de fiabilidade e consistência interna. Obtiveram-se duas escalas: Escala dos Atributos do Cuidar (adaptada) com um valor de coeficiente de alpha de Cronbach de 0,647 e o Questionário da Influência Tecnológica (adaptado) com um valor de 0,777.

Conclusões:

as escalas são de fácil aplicação e revelam propriedades psicométricas confiáveis, sendo uma mais valia na medida em que permitem realizar estudos generalizados sobre um tema tão importante como o impacto da influência tecnológica no cuidar em saúde.

Palavras-Chave: Desenvolvimento Tecnológico; Assistência à Saúde; Escalas

ABSTRACT

Objectives:

in this study, two research tools were validated to study the impact of technological influence on health professionals' care practice.

Methods:

the following methodological steps were taken: bibliographic review, selection of the scales, translation and cultural adaptation and analysis of psychometric properties.

Results:

the psychometric properties of the scale were assessed based on its application to a sample of 341 individuals (nurses, physicians, final-year nursing and medical students). The validity, reliability and internal consistency were tested. Two scales were found: Caring Attributes Questionnaire (adapted) with a Cronbach's Alpha coefficient of 0.647 and the Technological Influence Questionnaire (adapted) with an Alpha coefficient of 0.777.

Conclusions:

the scales are easy to apply and reveal reliable psychometric properties, an additional quality as they permit generalized studies on a theme as important as the impact of technological influence in health care.

Key words: Technological Development; Delivery of Health Care; Scales

RESUMEN

Objetivos:

en este estudio fueron validados dos instrumentos de investigación que permiten estudiar el impacto de la influencia tecnológica en la práctica del cuidar de los profesionales de salud.

Método:

fueron dados los siguientes pasos metodológicos: revisión bibliográfica, selección de las escalas, traducción y adaptación cultural y análisis de las calidades psicométricas.

Resultados:

las propiedades psicométricas de la escala fueron evaluadas a partir de su aplicación a una muestra de 342 individuos (enfermeros, médicos, estudiantes finalistas de enfermería y de medicina). Fueron llevados a cabo estudios de validez y de fiabilidad y consistencia interna. Fueron encontradas dos escalas: Escala de los Atributos del Cuidar (adaptada) con coeficiente de alfa de Cronbach de 0,647 y el Cuestionario de Influencia Tecnológica (adaptado) con valor de 0,777.

Conclusiones:

las escalas son de fácil aplicación y revelan propiedades psicométricas confiables, siendo un valor añadido en la medida en que permiten desarrollar estudios generalizados sobre un tema tan importante como el impacto de la influencia tecnológica en el cuidado en salud.

Palabras-clave: Desarrollo Tecnológico; Prestación de Atención de Salud; Escalas

Introdução

Vive-se, hoje, num mundo marcadamente tecnológico que proporciona avanços em muitas das áreas que afetam a vida do homem. Nesse sentido, talvez os cuidados de saúde representem a área onde esses avanços são mais visíveis e provocam maiores expectativas. No entanto, esse progresso tecnológico "tem gerado diversas inquietações e indagações acerca dos benefícios, riscos e das relações construídas entre trabalhadores, doentes e a utilização de tecnologias"(1) , havendo mesmo quem aponte que, juntamente com esse progresso científico, parece aumentar a insatisfação com os profissionais de saúde. Ao realçar que, ao mesmo tempo em que o conhecimento científico e as novas técnicas de tratamento e diagnóstico evoluem, se vai criando aumento da insatisfação dos doentes com os cuidados de saúde, parecendo apontar a dificuldade em tornar harmoniosa a relação entre o progresso científico e a priorização do humano, no que concerne aos cuidados de saúde.

Em vários países, na atualidade, são imensos os pareceres e os estudos de organizações vocacionadas para a defesa dos utentes e da qualidade dos cuidados de saúde, apresentando resultados muito críticos para os profissionais de saúde, parecendo querer alertar para o fato de esses terem perdido a habilidade de "cuidar"(2-5).

Um dos aspetos mais apontados na bibliografia recai sobre a excessiva tecnicização do agir do homem do século XXI, ou melhor, da extrema racionalização da civilização técnica atual que, como referem Silva e Ferreira(6), exerce controle cultural e social sobre o ser humano, levando, por vezes, ao automatismo racional que substitui a decisão pessoal do indivíduo e do grupo. Essa atitude, associada à forte influência do chamado "modelo biomédico", muito em voga nos cuidados de saúde dos últimos séculos, pode ter levado a uma "confusão" de valores que, no entender da autoria deste estudo, terá sido capaz de desviar as práticas de saúde do seu objetivo central que é o ser humano. Os profissionais de saúde, ao se centrarem quase unicamente no diagnóstico, na doença e nas formas de tratamento, deixam o homem, muitas vezes, na sua doença, entregue a uma solidão despersonalizante, fato que prejudica irremediavelmente a qualidade dos cuidados de saúde, afetando-os precisamente numa das suas características mais nucleares como é a relação terapêutica, ou relação doente/profissional de saúde.

A insatisfação dos doentes com os cuidados de saúde, ou com as atitudes dos profissionais de saúde, pode dificultar o acesso aos cuidados, pois o receio e o desagrado podem gerar o afastamento entre doente e instituições de saúde.

Assim, algumas questões se impõem: será o desenvolvimento tecnológico um obstáculo à implementação de cuidados de saúde de qualidade e centrados nos doentes? Qual o efeito do aumento da influência tecnológica no desempenho dos profissionais de saúde? Será que a tecnologia pode tornar os cuidados mais eficientes, facilitando, dessa forma, o acesso de doentes aos cuidados de saúde?

Já, em 1997, em um estudo(7) encontrava-se nos participantes (14 enfermeiros) uma visão positiva em relação aos benefícios da tecnologia e a sua confiança no potencial que a "máquina" proporcionava. Também, o estudo Describing the Influence of Technologies on Registered Nurses'Work(8) apurou a existência de valorização da tecnologia por parte desse grupo profissional, na medida em que, na sua perspectiva, a tecnologia incentiva a prática mais eficiente e ajuda a economizar tempo eliminando, dessa forma, o desperdício de esforços, bem como melhora o atendimento e aumenta a segurança dos doentes. No fundo, esse estudo aponta como aspetos a serem valorizados na tecnologia o fato de a tecnologia melhorar a prestação de cuidados, melhorar os resultados para o doente, melhorar a prática e melhorar o ambiente de cuidados.

Nesse sentido, o estudo The effect of technology on the caring atributes of a internacional samples of nurses(9) chama, particularmente, a atenção, uma vez que cria a possibilidade de uma nova abordagem sobre essa problemática que, até aqui, apenas se via tratada a partir de metodologia fenomenológica ou qualitativa.

Ante essas constatações, parece de grande utilidade proceder-se à tradução, adaptação e validação de dois instrumentos de colheita de dados - TIQ (Tecnological Influence Questionnaire) e CAQ (Caring Atributes Questionnaire), a fim de se poder iniciar um estudo sobre essa temática. Apesar de esses instrumentos terem sido aplicados apenas a profissionais de Enfermagem, na visão da autoria desta pesquisa, tendo em conta que o fenômeno da influência tecnológica e os seus eventuais efeitos no cuidar afetarão seguramente todos os prestadores de cuidados de saúde, seria interessante a sua aplicação aos vários grupos profissionais dessa área. No entanto, devido a dificuldades de acesso a alguns grupos profissionais que poderiam impedir a obtenção de uma amostra, de acordo com as regras estabelecidas para a validação de instrumentos, optou-se, aqui, por uma aplicação apenas a profissionais de enfermagem, profissionais de medicina, estudantes de enfermagem e estudantes de medicina. Para esse efeito alguns itens das escalas foram ligeiramente alterados.

Método

Escala dos Atributos do Cuidar (CAQ)

A introdução de escalas que permitam uma avaliação quantitativa dos atributos do cuidar é bastante recente, praticamente só a partir da década de 80 é que se desenvolveram grandes esforços nesse sentido. O Caring Attributes Questionnaire (CAQ)(9) é um instrumento já usado em vários países de distintos continentes, apresentando características psicométricas bastante sólidas e mostrando ser de fácil compreensão e preenchimento. É um instrumento que utiliza uma escala de concordância e é constituído por 31 itens, agrupados em 4 subescalas: comunicação do cuidar; cuidar como advocacy; envolvimento no cuidar e aprendizagem do cuidar.

Escala da Influência Tecnológica (TIQ)

O Questionário da Influência Tecnológica(9) é um instrumento unifatorial, constituído por 14 itens no qual utiliza uma escala de concordância.

A aplicação do CAQ e do TIQ é individual e, apesar de serem originalmente dirigidos a profissionais de Enfermagem, foi preocupação, aqui, realizar uma adaptação de modo a poder ser aplicado não só a profissionais de enfermagem, mas, também, a profissionais de medicina, estudantes de enfermagem e estudantes de medicina.

Procedimentos na tradução e validação das escalas

A tradução e adaptação de escalas exigem rigorosos procedimentos que ultrapassam, em muito, a simples tradução. É necessário atender os contextos culturais, quer da cultura de origem do teste, quer da cultura de destino, implicando, assim, não só a tradução, mas uma adaptação global à nova situação. A finalidade é, então, que o teste meça da mesma forma o constructo original, ainda que, para isso, tenha que se ajustar às particularidades da população em estudo(10-11) .

Seguindo as orientações dos peritos em investigação, procedeu-se à tradução das escalas CAQ e TIQ para a língua portuguesa, cumprindo 5 etapas. A primeira, tradução da escala da língua original, no caso o inglês, para o português, foi realizada por dois profissionais bilíngues. Solicitou-se a esses peritos que usassem linguagem simples, mas que, mais do que uma tradução literal, procurassem captar o significado dos diferentes itens. Após as traduções individuais, foi-lhes pedido que analisassem as duas traduções e resolvessem as discrepâncias encontradas, de modo a construir um único documento.

Após essa fase, recorreu-se a outros dois júris bilíngues para efetuarem a retrotradução, ou "tradução inversa"(11) , comparando depois os resultados. Posteriormente, diligenciou-se uma revisão independente por dois peritos, fluentes em inglês. Foram-lhes previamente descritos os objetivos do estudo e a população alvo a ser estudada, solicitando-lhes que comparassem a versão retrotraduzida (em inglês) à escala original. Com o objetivo de afinar possíveis dificuldades na compreensão de algum dos itens, foi aplicado um pré-teste a 12 indivíduos da área da saúde (profissionais e alunos de enfermagem e de medicina).

Procedimentos e critérios de validação das escalas CAQ e TIQ

Para avaliar as capacidades psicométricas das escalas e analisar os resultados obtidos pela sua aplicação, entendeu-se que o mais correto seria manter a metodologia usada pelo autor, no sentido de facilitar a comparação de resultados. Assim, após proceder-se à inversão dos valores dos itens que se apresentavam em sentido contrário, realizaram-se os estudos de validade e fiabilidade, a partir de um conjunto de critérios que vão ao encontro das boas práticas mais utilizadas. Cruzaram-se, assim, os dados obtidos a partir de uma análise fatorial exploratória com os valores de alpha de Cronbach e das correlações entre item e item total. Nesse sentido, estabeleceram-se os critérios apresentados a seguir(12).

- Para a análise fatorial, utilizou-se o método de extração das componentes principais (principal component), forçando-se a quatro componentes principais de modo a respeitar a organização estrutural da escala original, seguido da rotação dos fatores, para que se pudesse obter uma solução fatorial mais clara e objetiva, maximizando, assim, os pesos fatoriais dos itens(12). Tal como o autor da escala, optou-se pelo método de rotação ortogonal (Varimax Rotation).

Para a determinação de fatores e retenção de itens, foram seguidas as recomendações de diversos autores(12-15): a) critério de Kaiser - fatores com valor próprio (eigenvalue) igual ou superior a 1 (EV≥1); b) peso fatorial (fator loadings) dos itens igual ou superior a 0,3 (FL≥0,30), apesar de vários autores sugerirem valores mais altos, nomeadamente de 0,5, entendeu-se, mais uma vez, que deveriam ser mantidos os critérios do autor da escala original; c) inexistência de itens com pesos fatoriais relevantes (acima de 0,30) em mais do que um fator. Se isso acontecer e se a diferença entre eles não for igual ou superior a 0,15, deve-se considerar a eliminação do item; d) a percentagem da variância explicada pelos fatores retidos deve ser no mínimo de, pelo menos, 40% e) cada fator não pode ter menos de três itens.

Para complementar com a análise de fiabilidade, estabeleceu-se que a consistência interna do fator (alpha de Cronbach) deve ser, no mínimo, de 0,60; a correlação item/item total não deve ser inferior a 0,3 e a consistência interna do fator não deve aumentar se o item for eliminado.

Resultados

Tendo em conta os critérios de inclusão no estudo já definidos e com o intuito de reduzir o universo de prestadores de cuidados passíveis de pertencer à população alvo, optou-se por amostragem estratificada de forma a obter uma amostra representativa, segundo algumas variáveis pré-identificadas da população em estudo e não probabilística de conveniência - tipo bola-de-neve. Optou-se, assim, por efetuar uma coleta de dados online, sendo que o instrumento de coleta de dados ficou disponível de junho a dezembro de 2012, tendo os participantes recebido por correio eletrônico o endereço de acesso ao preenchimento do questionário.

Em relação aos procedimentos éticos, a participação no estudo foi de caráter voluntário, tendo sido garantida a confidencialidade dos resultados e o anonimato dos respondentes. O estudo foi validado pela Comissão de Ética de um Centro Hospitalar da Região Norte, em 27/6/2012.

A amostra foi constituída por 342 indivíduos, distribuídos da seguinte forma: verificou-se que 40,4% da amostra era constituída por profissionais de Enfermagem (138), 31,3% (107) são alunos finalistas do curso de licenciatura em Enfermagem, 15,8% (54) são médicos e 12,6% (43) são alunos finalistas do curso de Medicina

Escala dos Atributos do Cuidar (CAQ)

Para servir de critério de adequabilidade de análise fatorial, foram efetuados testes de Kaiser-Meyer-Olkin (KMO) e de esfericidade de Bartlett. O valor obtido de 0,882 do KMO sugere, segundo a literatura, que é claramente recomendável a aplicação de uma AF (valores acima de 0,60 indicam que a análise é boa).

Por outro lado, ainda que não tão fidedigno, o fato de o teste de esfericidade de Bartlett ser significativo (valores associados a um p<0,05), mostra que as variáveis são correlacionáveis(13).

Na Tabela 1, encontram-se os resultados obtidos a partir de uma análise exploratória pelo método de extração das componentes principais (principal component), conseguindo-se quatro componentes principais, de modo a respeitar a organização estrutural da escala original, seguido da rotação dos fatores, pelo método de rotação ortogonal (Varimax Rotation). A organização nos quatro fatores pretendidos justifica, no seu conjunto, 41,685% da variância total (fator 1-13,68; fator 2-11,121; fator 3-8,683 e fator 4-8,198).

Tabela 1 - Matriz dos componentes. Zona Norte de Portugal, Portugal, 2012 

Fator 1 Fator 2 Fator 3 Fator 4
Item Carga Item Carga Item Carga Item Carga
P14 ,596 P2 ,340 P1 ,373 P5 ,521
P15 ,633 P3 ,316 P27 -,465 P10 ,513
P17 ,635 P4 ,488 P28 ,613 P13 ,597
P18 ,600 P6 ,677 P29 ,759 P16 ,484
P19 ,659 P7 ,746 P30 ,637 P22 -,484
P20 ,605 P8 ,673 P31 ,753 P25 ,542
P21 ,477 P9 ,347 P26 ,659
P23 ,662 P11 ,656
P24 ,642 P12 ,611

A distribuição dos itens pelos quatro fatores obtidos, pela análise de componentes principais, diverge da distribuição encontrada na amostra internacional e, por isso, é diferente da proposta pelo autor. No entanto, existe clara predominância dos itens pertencentes a cada uma das escalas iniciais. Existem, ainda, alguns itens cuja aplicação dos critérios estabelecidos sugere a sua eliminação.

Assim, o fator 1 surge composto por 9 itens: 5 itens pertencentes à escala original de advocacy (19, 20, 21, 23 e 24) e ainda os itens 14, 15, 17 e 18 que, teoricamente, seriam da escala da comunicação. De uma análise semântica ao conteúdo desses itens parece que essa divergência é facilmente justificável em decorrência das diferenças culturais, pois ações, como o respeito pela confidencialidade ou a gestão da informação a dar aos familiares, são vistas pelos profissionais mais como uma forma de defender os interesses do doente (advocacy) do que propriamente vistas como critérios de comunicação. Os valores de saturação situam-se entre 0,477 do item 21 ("cuidar é falar em nome do doente...") e 0,659 do item 19 ("cuidar é prevenir a ocorrência de eventuais complicações").

O fator 2 surge, aqui, constituído por 9 itens dos quais 7 pertencem à escala da comunicação (itens 3, 4, 6, 7, 8, 11 e 12), pelo item 2 - "cuidar não é significativo para a condição de saúde do doente" que pertenceria à escala do envolvimento do cuidar, e ainda pelo item 9 -"cuidar é demonstrar competências profissionais" que, originalmente, pertence à escala da advocacy. Os itens da comunicação, com exceção do item 3 que apresenta saturação de 0,316, apresentam valores elevados de saturação (>0,600), sendo que o item 7 "estou a cuidar quando converso com o doente" é o que apresenta maior valor (0,746).

No fator 3, evidenciam-se seis itens, cinco pertencentes à escala da aprendizagem do cuidar, quase todos com valores de saturação altos (0,613; 0,759; 0,637 e 0,753), e, ainda, o item 27 que pertenceria à escala do envolvimento no cuidar. Por fim, no fator 4, encontram-se seis dos oito itens que constituem a escala do envolvimento original (5, 10, 13, 16, 25 e 26), todos com saturações entre 0,484 e 0,659, e ainda o item 22 ("estou a cuidar quando falo em nome do doente em relação aos seus cuidados") que, supostamente, pertenceria à escala de advocacy.

Análise de fiabilidade e consistência interna

Tal como o autor da escala para o objetivo descrito, determina-se o coeficiente de correlação de Pearson entre cada item e a escala a que pertence, sabendo que, no estudo original, foram usados como critério de inclusão os itens com r>0,3, e foi determinado o coeficiente alpha de Cronbach.

Para o fator 1, para o qual será mantida a designação de escala "advocacy", que é constituída por 9 itens, obtém-se um valor de alpha de 0,834 que é superior ao valor do estudo original (0,78). Quanto aos valores de correlação item/total eles se situam entre 0,352, correspondente à questão "cuidar é falar em nome do doente quando o profissional de saúde se apercebe que algo prejudicial (para o doente) pode ser feito" e 0,640 obtidos na questão "cuidar é prevenir ocorrências de eventuais complicações".

Para o fator 2, para o qual se manteve a designação de escala referente à "comunicação do cuidar", obteve-se, na análise fatorial, uma constituição de 9 itens. No entanto, após a análise da desadequação semântica do item 2 e do item 9 do resto do fator e dos valores baixos de comunalidade, juntamente com um valor de correlação item/item total inferior a 0,3, que vai contra os próprios critérios do autor, decidiu-se eliminar esses itens. Assim, para a escala agora constituída por sete itens, obteve-se um alpha de 0,777, mais baixo que o obtido pelo autor (0,89), mas facilmente justificável pela diminuição de número de itens em relação à escala original (de 11 para 7). Se se observar a Tabela 2, verifica-se que as relações item/total se encontram entre 0,334 e 0,538, respeitando, dessa forma, os critérios estabelecidos.

Tabela 2 - Correlação item/total e confiabilidade alfa de Cronbach dos 4 fatores. Zona Norte de Portugal, Portugal, 2012 

Fator 1 Fator 2 Fator 3 Fator 4
Item r Item R Item r Item r
P14 ,488 P3 ,327 P28 ,406 P5 ,404
P15 ,556 P4 ,448 P29 ,569 P10 ,318
P17 ,529 P6 ,495 P30 ,433 P25 ,450
P18 ,507 P7 ,561 P31 ,569 P26 ,541
P19 ,640 P8 ,505
P20 ,577 P11 ,566
P21 ,374 P12 ,482
P23 ,565
P24 ,553
Alpha Cronbach Alpha Cronbach Alpha Cronbach Alpha Cronbach
0,834 0,777 0,709 0,647

Em relação ao fator 3 encontrado, manteve-se a designação de escala da "aprendizagem do cuidar". Após análise cuidadosa, eliminou-se o item 27 por desadequação semântica, e o item 1 por apresentar valor de r<0,3. Assim, para essa escala, agora composta por 4 itens, o alpha obtido (0,709) é superior ao obtido pelo autor na amostra internacional. Quanto aos valores de correlação obtidos, todos os outros itens apresentavam um valor de r superior a 0,3.

Para o fator 4 que se entende representar a escala do "envolvimento do cuidar", foi aquela que, neste estudo, demonstrou resultados que mais se afastam dos obtidos pelo autor e que merecem alguma reflexão. De uma análise dos 7 itens obtidos pela análise fatorial, verificou-se que o item 22, em virtude do seu conteúdo semântico, não se adequa a essa dimensão e, por isso, foi eliminado, e os itens 13 e 16 apresentaram valores de r<0,3, indo contra os critérios estabelecidos, tendo sido, também, eliminados. Assim, essa dimensão passa a ser constituída apenas por 4 itens, acima do valor estabelecido como mínimo (3 itens), mas substancialmente diferente da escala original (8 itens). Com essa composição obteve-se um valor de alpha de 0,647, significativamente mais baixo que o original (0,79), mas que mais uma vez se pode justificar pela redução do número de itens.

Quanto aos valores de correlação item/total obtidos, todos estão dentro dos critérios previamente definidos.

Escala da Influência Tecnológica (TIQ)

Para servir de critério de adequabilidade de análise fatorial, foram realizados testes de Kaiser-Meyer-Olkin (KMO) e de esfericidade de Bartlett. O valor obtido de 0,813 do KMO sugere, segundo a literatura, que é claramente recomendável a aplicação de uma AF (valores acima de 0,60 indicam que a análise é boa).

Por outro lado, ainda que não tão fidedigno, o fato de o teste de esfericidade de Bartlett ser significativo (valores associados a um p<0,05) mostra que as variáveis são correlacionáveis(13).

Apesar de o autor da escala a usar, nos diversos estudos como sendo unifatorial, foi submetida, aqui, à análise fatorial exploratória pelo método de extração dos componentes principais (principal component), utilizando o critério de Kaiser - fatores com valor próprio (eigenvalue) igual ou superior a 1 (EV≥1), de modo a verificar se essa organização se confirmava. Dessa análise fatorial obteve-se uma distribuição dos itens por 3 fatores que explicam 49,712% da variância total (fator 1-22,250; fator 2-16,547 e fator 3-10,914).

A distribuição dos itens pelos três fatores obtidos pela análise de componentes principais (Tabela 3) diverge, assim, da ideia original do autor, mas merece uma análise mais cuidadosa. Assim, o fator 1 surge composto por 6 itens: (4, 6 ,7 ,8 ,9 e 11) itens que se encontram todos na negativa e que, para tratamento, requerem a inversão dos escores. Os valores de saturação situam-se entre 0,390 do item 6 ("devido ao uso de mais tecnologia os profissionais de saúde sentem-se frustrados quando um doente morre") e 0,760 do item 9 ("tenho dúvidas sobre os benefícios da tecnologia para a minha (futura) profissão").

Tabela 3 - Matriz dos componentes. Zona Norte de Portugal, Portugal, 2012 

Fator 1 Fator 2 Fator 3
Item Carga Item Carga Item Carga
P4 ,684 P10 ,629 P1 ,702
P6 ,390 P12 ,706 P2 ,424
P7 ,679 P13 ,655 P3 -,573
P8 ,757 P14 ,795 P5 ,570
P9 ,760
P11 ,726

O fator 2 surge, aqui, constituído por 4 itens (10, 12, 13 e 14), esses redigidos na positiva e no sentido da valorização da tecnologia em saúde. Esses itens apresentam valores de saturação altos, superiores a 0,60.

No fator 3 evidenciam-se 4 itens (1, 2, 3 e 5).

Análise de fiabilidade e consistência interna

Tal como referido nos critérios de validação para análise de fiabilidade e da consistência interna, decidiu-se, aqui, analisar os valores de alpha de Cronbach e determinar o coeficiente de correlação de Pearson entre cada item e a escala à qual pertence. Apenas consideraram-se as correlações item/total da escala com r>0,3.

De uma análise cuidadaosa dos itens, verificou-se que o item 6 não só apresenta um valor de comunalidade baixo (0,220) como o valor de r é inferior aos 0,3 pretendidos. Assim optou-se pela sua exclusão, fato que, inclusive, aumenta o valor de alpha.

Para o fator 1, para o qual será utilizada a designação de escala "influência negativa", agora constituído por 5 itens, obteve-se um valor de alpha de 0,80 que é considerado bom. Quanto aos valores de correlação item/total, são, na sua totalidade, superiores a 0,5.

Para o fator 2, para o qual foi mantida a designação de escala referente à "influência positiva", obteve-se, na análise fatorial, uma constituição de 4 itens. Analisando pormenorizadamente o comportamento de cada item, verificou-se que todos cumprem os critérios estabelecidos (Tabela 4). Assim, para essa dimensão, obteve-se um alpha de 0,709, que é um valor baixo, mas que, para vários autores, é considerado aceitável, sendo que ainda se pode referir que dimensões com poucos itens têm frequentemente valores de alpha mais baixos. Se se observar o quadro verifica-se que as relações item/total se encontram entre 0,438 e 0,527.

Tabela 4 - Correlação item/total e confiabilidade alfa de Cronbach dos 2 fatores. Zona Norte de Portugal, Portugal, 2012 

Fator 1 Fator 2
Item r Item r
P4 ,569 P10 ,481
P7 ,537 P12 ,516
P8 ,558 P13 ,438
P9 ,631 P14 ,527
P11 ,604
Alpha Cronbach Alpha Cronbach
0,800 0,709

Quanto ao fator 3, desde logo pareceu difícil essa associação. Assim, após uma análise mais cuidadosa, verificou-se que todos eles apresentavam valores de r muito abaixo dos estabelecidos e, por isso, optou-se, aqui, pela exclusão desses itens.

Discussão

Após análise dos resultados apresentados, pode-se referir que a tradução e a adaptação da escala dos atributos do cuidar, para a língua Portuguesa, possuem qualidades psicométricas iniciais bastante razoáveis, embora apresentem diferenças na sua constituição em relação à escala inicial, relevando, desde logo, a diminuição do número de itens de 31 para 24 (Figura 1). Mantiveram-se os quatro fatores da escala internacional e, apesar de haver alguma migração entre os itens, a sua grande maioria distribui-se de acordo com a versão inicial, não se podendo explicar totalmente as causas dessa diferença. Pode-se pensar ser, no entanto, importante salientar as diferenças culturais existentes entre a população portuguesa e o conjunto de países do estudo original e, ainda, sendo esse, talvez, o ponto mais significativo, o fato da presente amostra ser mais heterogênea, uma vez que, contrariamente ao primeiro estudo que incidiu apenas em enfermeiros, esta amostra foi composta por enfermeiros, médicos e estudantes de ambas as áreas. Segundo o autor(9), a escala tende a encontrar valores de alpha mais baixos em amostras mais heterogêneas, no entanto, com essas alterações, obteve-se um alpha para o total da escala de 0,848, valor próximo dos 0,88, obtidos pela escala original na amostra internacional.

Em relação ao Questionário da Influência Tecnológica (TIQ), após análise dos resultados apresentados, pode-se referir que a tradução e a adaptação da Escala da Influência Tecnológica para a língua portuguesa possuem qualidades psicométricas iniciais bastante razoáveis, embora também apresentem diferenças na sua constituição, em relação à escala inicial, relevando, desde logo, a diminuição do número de itens de 14 para 9 (Figura 1). Também é de referir que, contrariamente à escala original que se apresenta unidimensional, neste estudo encontrou-se uma organização em duas dimensões, parecendo haver uma separação entre os aspetos positivos e os negativos. Mais uma vez, salientam-se as disparidades culturais e o fato de a população ser agora mais heterogênea como fatores justificadores das diferenças encontradas. Com essas alterações obteve-se, no entanto, um alpha para o total da escala de 0,777 que é superior ao obtido pela escala original (0,75).

Figura 1 - Distribuição final dos itens pelas dimensões das escalas  

Conclusão

O processo de validação da Escala dos Atributos do Cuidar e do Questionário da Influência Tecnológica iniciou-se com o objetivo de construir um instrumento que permitisse estudar a relação entre essas duas variáveis. Após análise dos resultados apresentados, pensa-se ter conseguido alcançar positivamente esse objetivo, uma vez que as escalas demonstram possuir qualidades psicométricas bastante razoáveis. Da análise dos peritos e dos grupos utilizados, quer na análise semântica, quer no pré-teste, é apontada como sendo de fácil compreensão e preenchimento, apresentando apenas como aspecto menos positivo a perda de alguns itens originais, mas que, provavelmente, se deveu à heterogeneidade da população escolhida.

A validação dessas escalas transporta consigo a possibilidade de aprofundar estudos sobre um aspeto essencial dos cuidados de saúde, como é a relação entre a influência tecnológica e os cuidados prestados pelos profissionais de saúde. Como referido na introdução, há várias dissertações teóricas que apontam a influência tecnológica como algo negativo para a prestação de cuidados, mas os poucos estudos científicos vão em sentido contrário. Assim, a validação desses instrumentos e a generalização da sua aplicação permitirá o aprofundamento desse tema.

REFERÊNCIAS

1. Schwonke CR, Lunardi WD Filho, Lunardi VL, Santos SS, Barlem EL. Phylosophical perspectives about the use of tecnology in critical care nursing. Rev Bras Enferm. 2011; jan-fev;64(1):189-92. [ Links ]

2. Commission on Dignity in Care for Older People. Delivering dignity: securing dignity in care for older people in hospitals and care homes. 2012. [Acesso 12 jul 2012]. Disponível em: http://dnyuH.eom/cque4Q.xLinks ]

3. Department of Health. Confidence in caring: a Framework for best practice. 2008. [Acesso 25 jul 2012]. Disponível em: http://dnyuri.com/5m\74dLinks ]

4. Heaslip V, Board M. Does nurses vulnerability affect their ability to care? Br J Nurs. 2012;21(15):914-6. [ Links ]

5. Parliamentary and Health Service Ombudsman. Care and compassion? Report of the Health Service Ombudsman on Ten Investigations into NHS Care of Older People; 2011. [Acesso 27 jul 2012]. Disponívem em: http://dnyiirl.com/clmnu32. [ Links ]

6. Silva RC, Ferreira MA. The technology in health: a psychossociological applied perspective to the care of nursing. Esc Anna Nery. 2009;13(1):169-73 [ Links ]

7. Heskins FM. Exploring dichotomies of caring, gender and technology in intensive care nursing: a qualitative approach. Intensive Crit Care Nurs. 1997;13:16-71. [ Links ]

8. Zuzelo PR, Gettis C, Hansel AW, Thomas L. Describing the influence of technologies on registered nurses' work. Clin Nurse Spec 2008;22(3):132-40. [ Links ]

9. Arthur D, Pang S, Wong T. The effect of technology on the caring atributes of a internacional samples of nurses. Int J Nurs Stud. 2001;38(1):37-43. [ Links ]

10. Muñiz J. Traduccion/adaptación de testes educativos y psicológicos. Papeles Psicólogo. 1994;59:43-4. [ Links ]

11. Muñiz J, Hambleton RK. Directrizes para la traduccion y adaptacion de tests. Papeles Psicólogo. 1996;66:63-70. [ Links ]

12. Almeida CM, Rodrigues VMCP, Escola JJJ. The representations of human vulnerability held by health workers: development and validation of a scale. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2013;21(Spec):29-37. [ Links ]

13. Henson RK, Roberts JK. Exploratory factor analysis reporting practices in published psychological research: common errors and some comment on improved practice. Educ Psychol Meas. 2006;66(3):393-416. [ Links ]

14. Preacher KJ, MacCallum RC. Repairing Tom Swift's electric factor analysis machine. Understand Stat. 2003;2:13-32. [ Links ]

15. Worthington RW, Whittaker TA. Using exploratory and confirmatory factor analysis in scale development research: a content analysis and recommendations for best practices. Couns Psychol. 2006;34(6):806-38. [ Links ]

1 Artigo extraído da tese de doutorado "A representação da vulnerabilidade humana como motor para a recuperação do paradigma do cuidar em saúde", apresentada ao Instituto de Bioética, Universidade Católica Portuguesa, Porto, Portugual. Apoio financeiro do Centro de Investigação em Desporto, Saúde e Desenvolvimento Humano (CIDESD), Portugal, processo nº UID-DTP-04045-2013.

Recebido: 23 de Maio de 2015; Aceito: 18 de Agosto de 2015

Correspondência: Carlos Manuel Torres Almeida Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro Escola Superior de Enfermagem de Vila Real Lugar do Tojal 5000-232, Lordelo, Vila Real, Portugal E-mail: calmeida@utad.pt

Creative Commons License This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License