SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 número1Candidatos e candidaturas: enredos de campanha eleitoral no BrasilO aparecimento do manicômio Judiciário na passagem do século índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Mana

versão impressa ISSN 0104-9313versão On-line ISSN 1678-4944

Mana v.6 n.1 Rio de Janeiro abr. 2000

https://doi.org/10.1590/S0104-93132000000100009 

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. 1998. O Trabalho do Antropólogo. Brasília/ São Paulo: Paralelo Quinze/Editora da Unesp. 220 pp.

 

Regina M. de Carvalho Erthal
Pesquisadora do CNPq — Convênio Museu Nacional — UFRJ/Museu Amazônico — UA

 

 

A unidade deste livro pode ser encontrada na explicitação, pelo próprio autor, de uma "história de vida" marcada pela disposição de buscar o conhecimento em seu sentido mais geral e, ao mesmo tempo, no seu encontro com a antropologia, buscar o "conhecimento produzido na prática profissional". O exercício da antropologia é referenciado por uma epistemologia que se realimenta da sua prática, ambas se constituindo a partir de uma relação dialógica, no encontro de culturas.

Os artigos que compõem o livro foram escritos no período de 1992 a 1997. São textos produzidos, na sua versão original, para apresentações em "Aula Inaugural", "Seminário", "Conferência", "Comunicação", em diferentes instituições de ensino e pesquisa ou ainda em congressos promovidos no Brasil e no exterior. Alguns trabalhos já haviam sido publicados anteriormente, caso dos capítulos 2, 3, 5, 7 e 9. As revisões e/ou ampliações ocorridas em alguns ensaios para a presente publicação foram, no entanto, realizadas sob a condição de não descaracterizá-los em relação aos contextos originais em que foram produzidos e apresentados.

O livro divide-se em três partes que remetem a uma obra anterior do autor, de significado especial para a temática enfocada. A primeira parte, sob o título "O Conhecimento Antropológico", que abrange os cinco capítulos iniciais, está especialmente referida ao livro Sobre o Pensamento Antropológico, que reúne artigos produzidos durante a década de 80. Tomando esta obra como referência para a discussão sobre a formação da "matriz disciplinar" — expressão cara ao autor, e que aponta para a articulação "tensa" de um conjunto de paradigmas constitutivos de uma antropologia moderna —, Cardoso de Oliveira sublinha a necessidade de compatibilizar o momento metódico e o não metódico (explicar e compreender) na construção do conhecimento.

A segunda parte do livro, constituída pelos capítulos 6, 7 e 8, trata das "Tradições Intelectuais". A questão da constituição da antropologia em regiões "periféricas", transplantada a partir dos países centrais onde se dá o seu desenvolvimento original, já está anunciada pelo autor em trabalhos anteriores, reunidos no livro Estilos de Antropologia (1995), que serve de referência para essa seção. Organizado em conjunto com o antropólogo Guillermo R. Ruben, este livro é uma compilação dos trabalhos apresentados no "Seminário sobre Estilos de Antropologia" (Unicamp, 1990), resultado das pesquisas propostas ao "Programa de Pesquisa sobre Estilos de Antropologia", coordenado por Cardoso de Oliveira. Esses trabalhos tiveram como referência a antropologia realizada em países como Índia, Austrália, Argentina, Venezuela, Canadá e Brasil, países "periféricos" em relação aos centros "fundadores" da disciplina (França, Inglaterra e Estados Unidos), onde a antropologia pôde se desenvolver e "florescer com um estilo próprio". Cardoso de Oliveira localiza na década de 70 o início de seu interesse pela constituição da "singularidade" da antropologia na "periferia", e sua relação com a "universalidade" expressa na matriz disciplinar. Esse tema é, ainda hoje, o "principal foco" de suas preocupações de caráter epistemológico e histórico.

Na terceira parte, sobre "Eticidade e Moralidade", desenvolvida nos capítulos 9 e 10, a referência é o livro Ensaios Antropológicos sobre Moral e Ética" (1996) publicado com Luiz Roberto Cardoso de Oliveira. Este livro é também constituído por ensaios produzidos para o cumprimento de diferentes compromissos acadêmicos. O propósito dos autores é discutir questões de moral e ética a partir do olhar antropológico, no que chamam de "consórcio cognitivo" estabelecido pelo convívio interdisciplinar com a filosofia, o direito, a história, a ciência política e a sociologia.

Essa forma de organizar O Trabalho do Antropólogo, um tanto temporal, um tanto temática, parece sugerir uma estratégia do autor, mais uma vez pedagógica, de apresentar suas preocupações fundamentais, apontadas como questões seminais para a constituição da própria antropologia enquanto ciência, e o posicionamento do antropólogo nos seus compromissos com as sociedades que estuda e sua constituição enquanto sujeito político: primeiro, a construção do conhecimento unificada através do olhar/ouvir/escrever, atos cognitivos disciplinados "pela disciplina", invocando sua natureza epistêmica; segundo, a renúncia a um objetivismo "perverso", mediante o questionamento da posição de poder do investigador e da historicização do "encontro etnográfico" indicada pelo paradigma hermenêutico; e terceiro, ainda o desenvolvimento da antropologia nos países "periféricos", seu sentido político e ético, indicando a constituição de um "estilo" próprio no fazer antropológico.

Desse modo, nos capítulos 1, 3, 4 e 5, Cardoso de Oliveira retoma e amplia o tema da antropologia enquanto modalidade de conhecimento, recusando-se, por esta via, a diagnosticar um momento de "crise" da antropologia moderna, localizada como crise de perda de objeto. A antropologia estaria, ao contrário, sendo constantemente revigorada pela tensão existente, em sua matriz disciplinar, entre os diferentes paradigmas que a compõem e suas possibilidades de articulação/complementaridade.

O conhecimento antropológico tem se realizado historicamente através de diferentes "escolas" representantes dos paradigmas racionalista, estrutural-funcionalista, culturalista e hermenêutico, com os quais Cardoso de Oliveira estrutura a matriz disciplinar. Os três primeiros, "paradigmas da ordem", que realizam uma "exclusão metódica" da subjetividade, do indivíduo e da história, puderam ser questionados a partir de um posicionamento crítico desenvolvido por uma "antropologia interpretativa", implementada pelo paradigma hermenêutico.

A intensificação de uma tensão entre os paradigmas que compõem a matriz disciplinar com a introdução do paradigma hermenêutico se fez tanto por meio da atualização dos temas da relação sujeito/objeto, no que diz respeito ao condicionamento histórico desse encontro — fato que se desdobra, conseqüentemente, na necessidade de se questionar a posição de poder que nessa relação se estabelece —, como também pela discussão sobre os limites da razão científica. Nesse sentido, o autor chama a atenção para o lugar central da relação sujeito cognoscente/objeto cognoscível na constituição do conhecimento.

Se as disciplinas e os seus paradigmas condicionam o nosso ouvir e olhar (cap. 1:22), então não somente há que se discutir o "verdadeiro encontro etnográfico", que capta o "excedente de sentido" que escapa àquelas metodologias de cunho positivista, explicativas da realidade que se observa e se pode controlar; há também que se estar atento para a qualidade do encontro interdisciplinar que se tem realizado, cada vez com mais freqüência, nos estudos junto a comunidades indígenas sobre problemas colocados pela perda de qualidade do meio ambiente e da saúde, estruturados, via de regra, a partir de uma profunda descontinuidade entre o "saber científico" e os "saberes locais".

As ciências naturais, em especial as ciências da saúde, têm procurado parcerias com a antropologia exatamente por intermédio das escolas com as quais se identificam na busca primordial pela objetividade, descrevendo o funcionamento do fenômeno observável, desvinculando-o de suas condições de produção e reprodução, em que a noção de "doença" se coaduna com a de "desvio", a ser submetido a mecanismos de controle, preservando a integridade do sistema. Nesse esquema, trabalha-se com categorias universais de classificação de doença, o que pode ser estatisticamente anotado e comparado, impossibilitando então aos "cientistas" o "ouvir" e entender os fenômenos expressos a partir dos conhecimentos locais, que são tratados como pertencentes ao pensamento "mágico" e/ou "irracional", ou são simplesmente ignorados.

Apontando caminhos para o enriquecimento da questão esboçada acima (parte das minhas preocupações), o autor indica a necessidade de uma vinculação entre o "explicar" e o "compreender", no sentido da construção de "empreendimentos cognitivos específicos" (:69), eliminando ilusões objetivistas, "revelando uma instância não-metódica, porém provedora de conhecimentos igualmente tangíveis" (:92). Essa postura, a qual Cardoso de Oliveira denomina "hermenêutica moderna, ou dialética", não tendo por objetivo a eliminação de nenhum outro modo de interpretação, propõe-se a exercer uma "dupla interpretação", reconhecendo a "explicação" (nomológica/busca da objetividade) e a "compreensão" (hermenêutica/busca do sentido) como fases do processo de conhecimento.

Nos capítulos 6, 7 e 8, Cardoso de Oliveira trata das formas singulares que assume a antropologia nos países "periféricos", a partir de uma "abordagem estilística" que destaca as suas pretensões à universalidade, e o seu exercício em contextos socioculturais específicos. Já no capítulo 2, acompanhando o "movimento dos conceitos", Cardoso de Oliveira indica uma constituição específica da disciplina na América Latina, um "deslocamento crítico" em face das abordagens correntes, solidárias a conceitos elaborados no interior dos "paradigmas da ordem" inscritos na matriz disciplinar. Essa constituição crítica da disciplina é localizada, em especial, nos estudos indígenas, não ocorrendo de forma tão evidente nas pesquisas que têm por objeto a sociedade nacional. Assim, os conceitos de fricção interétnica e etnodesenvolvimento (trabalhados por Cardoso de Oliveira e Rodolfo Stavenhagen) implicam propostas que: (1) levam em consideração as relações de conflito/poder estabelecidas no contato interétnico; e (2) propõem um desenvolvimento "alternativo" que atenda às necessidades da população alvo e que por ela seja definido e controlado. É este compromisso político e ético, impresso no fazer científico, que especifica a antropologia realizada na América Latina, que constrói seu objeto em um cenário de relações assimétricas entre populações indígenas e Estados nacionais.

Nos capítulos finais, o autor nos conduz a fechar o circuito do aprendizado, reforçando a importância da antropologia enquanto disciplina por excelência, propiciadora das "condições de possibilidades de diálogo" entre indivíduos inseridos em campos semânticos diversos. O "diálogo interétnico" deve instaurar-se tendo por base o reconhecimento e neutralização das questões de poder envolvidas no encontro de etnias no qual, no entanto, o discurso ocidental é hegemônico e impõe sua estrutura e suas normas de comunicação. Nesse sentido, Cardoso de Oliveira propõe posturas, o olhar antropológico informando a necessidade do estabelecimento de uma "nova normatividade" (:194), construída por um processo democrático, ancorado em um "imperativo moral" em que a negociação do consenso se dá como questão de direito.

Vale destacar, finalmente, na discussão sobre questões éticas, a importância e a atualidade de temas que envolvem as práticas intervencionistas, ou seja, temas que envolvem a "aceitação voluntária" e, por conseguinte, participação da comunidade e controle social das (nem sempre) novas propostas de ação junto a populações indígenas.

Todas essas questões, enfrentadas de forma magistral por Roberto Cardoso de Oliveira, fazem do livro um instrumento indispensável tanto para aqueles que se iniciam nas lides antropológicas, ressaltando o compromisso do autor com o exercício da docência, quanto para os que se vêem cada vez mais envolvidos em trabalhos com abrangência interdisciplinar (antropólogos, médicos, enfermeiros, engenheiros sanitaristas e florestais, zootécnicos etc.), nas suas diferentes esferas de atuação junto a populações indígenas.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons