SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.14 issue32From hoe to trowel: occupational trajectories of social unstable works in civil constructionMostra FSESP - três décadas da experiência Fundação Serviço de Saúde Pública: fragmentos da imagem da educação em saúde author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Interface - Comunicação, Saúde, Educação

Print version ISSN 1414-3283

Interface (Botucatu) vol.14 no.32 Botucatu Jan./Mar. 2010

https://doi.org/10.1590/S1414-32832010000100021 

TESES

 

Representações sociais sobre a situação de vida, saúde e doença na concepção indígena Potiguara

 

Social representations about the conditions of life, health and disease according to the Potiguara indians concept

 

 

Rita de Cassia Cordeiro de Oliveira

Dissertação (Mestrado), 2009. Programa de Pós-Graduação em Enfermagem, Universidade Federal da Paraíba rita.oliveira@funasa.gov.br

 

 


Palavras-chave: População indígena. Representações sociais. Enfermagem. Processo saúde/doença.


Keywords: Indigenous population. Social representations. Nursing. Health-disease process.


Palabras clave: Población indígena. Representaciones Sociales. Enfermería. Proceso salud-enfermedad.


 

 

A questão da saúde indígena brasileira vem sendo debatida desde a década de 1990, com reivindicações constantes dos indígenas ao governo e à sociedade nacional devido ao agravamento progressivo das condições de saúde deste povo, caracterizado por altos índices de morbimortalidade e pela oferta inadequada e ineficaz dos serviços de saúde. Esta pesquisa teve como objetivos: averiguar a situação de vida, saúde e doença na concepção dos índios Potiguara, salientando as representações sociais interfaceadas aos aspectos epidemiológicos; identificar o perfil socioeconômico, cultural e epidemiológico dos índios participantes deste estudo; apreender representações sociais sobre saúde e doença na concepção dos índios Potiguara; verificar aspectos socioeconômicos e culturais a partir das representações sociais sobre saúde e doença e evidenciar as práticas adotadas pelos índios Potiguara frente à doença. Trata-se de uma pesquisa exploratória, documental, com abordagem quanti-qualitativa, tendo como aporte a Teoria das Representações Sociais. A unidade amostral foi definida como sendo o núcleo familiar de acordo com o cadastro das famílias no Sistema de Informação de Atenção à Saúde Indígena (SIASI), sendo identificado 01 membro por família de ambos os sexos e acima de 18 anos. Participaram do estudo 55 famílias sorteadas ao acaso, pertencentes à aldeia São Francisco em Baia da Traição/PB, tomando-se como parâmetro uma tabela de números aleatórios simples para seleção e identificação da família no SIASI. A técnica para coleta de dados foi uma entrevista individual seguida de um roteiro semiestruturado, com questões relativas à caracterização socioeconômica dos participantes, além de questões abertas sobre a temática, com utilização de gravador para registro das informações. Esta pesquisa seguiu as observâncias éticas contempladas nas Resoluções 196/1996 e 304/2000 do Conselho Nacional de Saúde, que tratam da ética em pesquisas envolvendo seres humanos e da temática em especial: população indígena. O tratamento do corpus foi submetido à análise por meio dos softwares: Statistical Package for the Social Sciences (SPSS) 14.5 e, posteriormente, a Análise Lexical por Contexto de um Conjunto de Segmentos de Texto (ALCESTE) versão 4.8. Os resultados apontam a necessidade das instituições, lideranças indígenas e demais atores que têm responsabilidade social com os índios de se reunirem para adoção de propostas voltadas para a melhoria das condições de vida desta população, em que a Equipe Multidisciplinar de Saúde Indígena promova a integração entre o sistema local de saúde e a sabedoria indígena, tornando, assim, as intervenções de controle mais eficazes, sobretudo em relação às doenças infecciosas e parasitárias. Observamos, por um lado, representações sociais em que os índios Potiguara associam saúde a "ser ou estar saudável" e doença a "ser ou estar doente" capaz de atender às necessidades básicas como: alimentação, assistência à saúde, ocupação, trabalho e moradia. Por outro lado, as representações sociais de saúde e doença são ancoradas nos aspectos econômicos, culturais e sociais. No campo da saúde pública, evidencia-se a relevância deste estudo, uma vez que as representações sociais podem proporcionar fundamentos teóricos contextualizados socialmente para elaboração e avaliação de estratégias e/ou programas adotados pelas instituições responsáveis pela saúde dos índios no Brasil.

 

 

Texto na integra disponível em: http://www.ccs.ufpb.br/gepaie/lib/exe/fetch.php?id=home%3Apublica%C3%A7%C3%B5es&cache=cache&media=home:representa%C3%A7%C3%B5es_sociais_sobre_a_situa%C3%A7%C3%A3o_de_vida_sa%C3%BAde_e_doen%C3%A7a_na_concep%C3%A7%C3%A3o_ind%C3%ADgena_potiguara.pdf

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License