SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.5 issue2The effect of breastfeeding practices on infant growth author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil

Print version ISSN 1519-3829On-line version ISSN 1806-9304

Rev. Bras. Saude Mater. Infant. vol.5 no.2 Recife Apr./June 2005

https://doi.org/10.1590/S1519-38292005000200001 

EDITORIAL EDITORIAL

 

Economia e avaliação da saúde*

 

Economics and health evaluation

 

 

"Nenhuma idéia importante é totalmente nova". Winslow

 

Em maio de 1955, portanto, há exatos cinqüenta anos, a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) lançou a Publicação Científica n.º 16, intitulada "Lo que cuesta la enfermedad y lo que vale la salud", de autoria de C.E.A. Winslow. Talvez constitua um dos enfoques precursores do propósito de reduzir o reconhecimento de que a saúde é uma necessidade primordial entre todas àquelas que o ser humano ambiciona satisfazer. Nesse sentido, Winslow foi convincente ao referir que

"... será mais fácil obter o apoio que se necessita para desenvolver um programa que não só enriquecerá a vida de cada ser humano, senão que também aportará benefícios econômicos tangíveis à comunidade que inverte fundos no fomento da saúde".

Outras contribuições se sucederam, ampliando a percepção da trajetória histórica do setor saúde e relevando que a mesma tem sido marcada por transformações radicais nas bases técnicas, organizacionais e financeiras da produção de serviços. Por sua vez, o evoluir do processo de globalização, cujas características marcantes são o aprofundamento das desigualdades e da exclusão social, requer a implementação de políticas sociais eficazes em seu impacto e eficientes em sua gestão, de modo a encurtar a distância entre expectativas e realidades. O Estado parece despontar como a única instância capaz de mediar um processo redistributivo, impondo limites à exclusão.

Nesse intuito, torna-se preciso deslocar o enfoque das políticas sociais, concebendo-as predominantemente como fator de desenvolvimento e situando o capital humano como um dos capitais básicos para promovê-lo. Daí a importância de se estimular o estreitamento do convívio da economia com as profissões do campo da saúde, de modo que haja uma compreensão satisfatória do potencial do conhecimento econômico a ela aplicável, das formas de combinação de recursos públicos e privados que estão sendo testadas e implementadas para prover saúde, e das múltiplas faces do papel da economia para o atendimento do mercado de serviços dessa área. Evidencia-se, então, que não é possível manter nenhum tipo de assintonia entre ciências médicas e ciências econômicas, mormente porque se verifica, no setor saúde, uma crescente incorporação de novas técnicas e dos insumos e/ou equipamentos correspondentes. Ademais o processo de trabalho em saúde diversifica-se tanto horizontalmente, pela especialização, como verticalmente, devido a uma maior hierarquização dos conhecimentos e habilidades requeridos para as atividades de atenção. Admite José Maria Corella em seu livro "La gestión de servicioas de salud", Madrid, 1996, que: "... o assincronismo entre a medicina e economia, longe de apresentar hoje um sentido de oposição substancial, parece estar em vias de uma maior sintonia".

Por conseguinte, impõe-se avaliar tendências e reavaliar papéis de setores governamentais, visando a incorporação dos avanços no terreno da gestão e da eficiência, pois todo desperdício implica em necessidades não atendidas: a adoção de uma atitude conseqüente com as avaliações sobre a eficácia, a efetividade e o benefício, em relação aos custos; a superação da incapacidade costumeiramente atribuída as instituições de saúde, a fim de que implementem melhores formas de gestão e aproveitamento dos recursos existentes, uma vez que, paralelamente à escassez de recursos públicos, os contigentes populacionais a serem cobertos pelos programas sociais atingem enormes proporções. Com um relacionamento mais estreito entre economistas e profissionais de saúde, haverá a possibilidade de atender às interrogações que reclamam respostas, não só de natureza técnica, também de ordem econômica e administrativa.

Aliás, Bárbara Starfield em sua obra "Atenção primária" editada pela Unesco e Ministério da Saúde, em 2002, enfatiza que, "... quanto maiores as disparidades de riqueza em qualquer população, maiores as disparidades de saúde", circunstância que, a nosso ver, deve motivar a concepção construtiva de uma focalização guiada pelo realismo visível, que gera interesse pelas conexões de cunho social e político, e suscita a participação de diversas áreas do conhecimento. Outrossim, em recente análise situacional (Economia da Saúde no Brasil. Coopmed, 2004) foi detectada a progressiva importância da Economia da Saúde, principalmente como suporte ao processo decisório dos gestores de saúde, fornecendo subsídios essenciais ao processo de decisão, pois os mesmos vivenciam a dificuldade cotidiana de alocar recursos escassos em um contexto de demandas crescentes. Esses fatos sinalizam para a ampliação de uma nova abordagem do conhecimento: aquele que é modulado por uma atualização constante e não está baseado na fragmentação, isto é, os recortes dos conhecimentos não se constituem de retalhos superpostos.

Por isso, o Instituto Materno Infantil Professor Fernando Figueira (IMIP), no cumprimento da sua missão social, procura estimular as capacidades de análise interdisciplinar, de antecipação e de perspectiva, sempre atento à dinâmica das mudanças e aos grandes temas da atualidade, sob o prisma da inquietude, que é levantar problemas e questões, na busca de melhores enfoques e soluções. Nesse afã, o seu empenho é no sentido de estabelecer alianças para inovar, a exemplo do que ocorre hoje com entidades e especialistas participantes deste "Primeiro Seminário sobre Economia e Avaliação da Saúde", o primeiro de uma série de três que constam da agenda de comemorações dos 45 anos do Instituto, para uma convivência positiva que possibilite refletir, crítica e propositivamente, a fim de consensualizar o pensamento e a atuação acerca desses temas, com a característica que Eduardo Giannetti rotula de "realismo construtivo", que significa analisá-los de modo isento e com a máxima objetividade, para oferecer alternativas concretas aos assistidos.

Finalmente, estamos conscientes, todos, do desafio que representa a abrangência da economia da saúde, um vasto campo para exploração, propiciando oportunidades para economia e saúde coexistirem, campo que tem como marcos estruturadores no Brasil, a criação da Associação Brasileira de Economia da Saúde (AbrES) e a instituição do Departamento de Economia da Saúde no Ministério da Saúde.

Assim, devem ser envidados esforços para reduzir os espaços de conflito, de resistência e a influência de elementos dificultadores, com vistas a obter a otimização das ações de saúde, produzindo mais e com qualidade, usando a mesma quantidade de recursos. Diante dessas considerações e do panorama que visualizamos, tinha razão Vicente Ortún, da Universidade Pompeu Fabra, de Barcelona, ao prenunciar no seminário internacional promovido pela FIOCRUZ e a AbrES, no Rio de Janeiro, em 1966:

"... é possível que o século XXI reconheça o triunfo da metodologia econômica, mas faça isto num contexto em que a vitalidade pertença a outras ciências sociais, pois ainda estamos muito distantes de ter vencido a pobreza e a falta de desenvolvimento".

 

Bertoldo Kruse Grande de Arruda

Presidente do Instituto Materno Infantil Professor Fernando Figueira, IMIP

 

 

* Este Editorial é a alocução do Prof. Bertoldo Kruse Grande de Arruda, presidente do IMIP, na abertura do Seminário sobre Economia e Avaliação da Saúde. Recife, 24 de maio de 2005.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License