SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.36 número2Dieta artificial para criação de Doru luteipes (Scudder) (Dermaptera: Forficulidae), predador da lagarta-do-cartucho do milho, Spodoptera frugiperda (J.E. Smith) (Lepidoptera: Noctuidae)Descrição de Apiomerus costai sp. nov. do Mato Grosso, com notas taxonômicas sobre Apiomerus Hahn (Hemiptera, Heteroptera: Reduviidae, Harpactorinae, Apiomerini) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Neotropical Entomology

versão impressa ISSN 1519-566Xversão On-line ISSN 1678-8052

Neotrop. Entomol. v.36 n.2 Londrina mar./abr. 2007

https://doi.org/10.1590/S1519-566X2007000200021 

SCIENTIFIC NOTE

 

Pragas da bananeira atacando Heliconia latispatha Benth. (Heliconiaceae)

 

Banana tree pests attacking Heliconia latispatha Benth. (Heliconiaceae)

 

 

Maria A. Watanabe

EMBRAPA MEIO AMBIENTE, C. postal 69, 13820-000, Jaguariúna, SP, watanabe@cnpma.embrapa.br

 

 


RESUMO

Em maio de 2005, foi constatada a infestação de lagartas de Antichloris eriphia (Fabr.) (Lepidoptera: Arctiidae) e Calligo illioneus (Cramer) (Lepidoptera: Nymphalidae), pragas da bananeira, em plantas de Heliconia latispatha Benth. com seis meses de idade, plantadas próximas a cultura de bananeiras em Jaguariúna, SP. Trata-se da primeira observação do ataque de C. illioneus em H. latispatha no Brasil.

Palavras-chave: Antichloris eriphia, Calligo illioneus, helicônia


ABSTRACT

In mid-May 2005, the caterpillars Antichloris eriphia (Fabr.) (Lepidoptera: Arctiidae) and Calligo illioneus (Cramer) (Lepidoptera: Nymphalidae) which are banana tree pests, were found attacking six-month old stalks of Heliconia latispatha Benth., planted near a banana tree plantation in Jaguariuna, SP, Brazil. The attack by C. illioneus is observed by the first time in Brazil.

key words: Antichloris eriphia, Calligo illioneus, heliconia


 

 

As plantas do gênero Heliconia spp. em condições nativas são encontradas em clareiras de florestas tropicais das Américas Central e do Sul (Stiles 1975, Seifert & Seifert 1979, Dobkin 1984) e têm sido cultivadas devido ao seu valor como plantas ornamentais (Castro 1995). Helicônias são plantas herbáceas, eretas, formadoras de touceiras, com caule subterrâneo do tipo rizoma, produzindo vistosas inflorescências (Lorenzi & Souza 2001).

A lagarta-perfuradora-do-limbo-foliar Antichloris eriphia (Fabricius) e a lagarta-destruidora-do-limbo-foliar Calligo illioneus (Cramer) são pragas que atacam as folhas de bananeira. A lagarta de A. eriphia ataca as folhas abrindo perfurações no limbo foliar; cada lagarta consome 78 cm2 de folha para completar seu desenvolvimento. A lagarta de C. illioneus começa a consumir as folhas a partir das bordas do limbo, deixando apenas a nervura central quando em ataque intenso. Ambas as espécies podem causar sérios prejuízos à produção de bananas (Gallo et al. 2002).

De Vries (citado por Penz et al. 1999) afirmou que Heliconia spp. são plantas hospedeiras de C. illioneus, nas condições de Costa Rica. Penz et al. (1999) verificaram que as fêmeas de C. illioneus não ovipositam sobre H. latispatha em condições de casa de vegetação instalada no Panamá.

Em meados de maio de 2005, ambas as espécies foram constatadas atacando folhas de plantas de Heliconia latispatha Benth. com cerca de seis meses de idade plantadas na Embrapa Meio Ambiente, em Jaguariúna, SP, nas proximidades de uma cultura de bananeiras. A cultura de helicônia ocupa uma área de cerca de 50 m2 e as pragas foram constatadas em cerca de 10% a 15% das plantas. Não foi feita nenhuma intervenção para controlar as lagartas, que desapareceram espontaneamente após uma chuva. A. eriphia foi constatada pela primeira vez atacando helicônias na década de 1930 em Piracicaba, SP, (Lima 1930) e em 1968 em duas localidades da Venezuela (Teran 1980).

Na literatura não foram encontradas publicações a respeito do ataque de C. illioneus em helicônia, sendo esta a primeira constatação no Brasil.

Para a bananeira, o limiar de ação para A . eriphia é de 20 lagartas/planta e de duas lagartas para C. illioneus (Gallo et al. 2002); para helicônias esses valores ainda precisam ser estabelecidos. O plantio e manutenção de helicônias nas proximidades de áreas com a cultura da bananeira deve merecer atenção especial com relação a lagartas desfolhadoras, pois pode haver migração de pragas dessa frutífera para aquelas ornamentais.

 

Referências

Castro, C.E.F. 1995. Helicônia para exportação: Aspectos técnicos da produção. Série Publicações Técnicas Frupex. 16. Brasília, Embrapa. 44p.        [ Links ]

Dobkin, D.S. 1984. Flowering patterns of long-lived Heliconia inflorescences: Implications for visiting and resident nectarivores. Oecologia 64: 245-254.        [ Links ]

Gallo, D., O. Nakano, S. Silveira Neto, R.P.L. Carvalho, G.C. Batista, E. Berti Filho, J.R.P. Parra, R.A. Zucchi, S.B. Alves, J.D. Vendramim, L.C. Marchini, J.R.S. Lopes & C. Omoto. 2002. Entomologia agrícola. Piracicaba, FEALQ, 920p.        [ Links ]

Lima, A.C. 1930. Suplemento ao 2º. Catálogo systemático de insectos que vivem nas plantas do Brasil e ensaio da bibliographia entomológica brasileira. Campo 1: 28-31.        [ Links ]

Lorenzi, H. & H.M. Souza. 2001. Plantas ornamentais no Brasil. Nova Odessa, Instituto Plantarum de Estudos da Flora Ltda., 1088p.        [ Links ]

Penz, C.M., A. Aiello & R.B. Srygley. 1999. Early stages of Caligo illioneus, and C. idomeneus (Nymphalidae: Brassolinae) from Panama with remarks on larval food plants for the subfamily. J. Lepidop. Soc. 53: 142-152.        [ Links ]

Seifert, R.P. & F.H. Seifert. 1979. A Heliconia insect community in a Venezuelan Cloud forest. Ecology 60: 462-467.        [ Links ]

Stiles, F.G. 1975. Ecology, flowering phenology, and hummingbird pollination of some Costa Rican Heliconia species. Ecology 56: 285-301.        [ Links ]

Teran B., J. 1980. Lista preliminar de Hymenoptera parasitos de otros insectos en Venezuela. Rev. Fac. Agron. 11: 283-389.        [ Links ]

 

 

Received 06/VI/05. Accepted 22/IX/06.

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons