SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 issue4Spatial variability of yield response and morphological Marandu grass depending on the chemical and topographical.Performance and digestibility of piglets fed with rations containing alfalfa hay and fructooligosaccharide at the initial phase author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal

On-line version ISSN 1519-9940

Rev. bras. saúde prod. anim. vol.16 no.4 Salvador Out./Dec. 2015

https://doi.org/10.1590/S1519-99402015000400003 

Genética e Melhoramento Animal

Diversidade fenotípica de linhagens de ovinos Santa Inês por meio de análise multivariada

Multivariate analysis of phenotypic diversity in Santa Ines sheep

Milton Rezende TEIXEIRA NETO1  * 

Jurandir Ferreira da CRUZ2 

Paulo Luiz Souza CARNEIRO3 

Carlos Henrique Mendes MALHADO3 

Joselito Araújo BARBOSA4 

Luiz Eduardo Barreto de SOUZA1 

1Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Pós-Graduação em Zootecnia, Itapetinga, Bahia, Brasil.

2Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Departamento de Fitotecnia e Zootecnia, Vitória da Conquista, Bahia, Brasil.

3Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Departamento de Ciências Biológicas, Jequié, Bahia, Brasil.

4Associação dos Criadores de Caprinos e Ovinos da Bahia, Bahia, Brasil.


RESUMO

Objetivou-se com este estudo avaliar a diversidade fenotípica de linhagens de ovinos Santa Inês. Doze medidas corporais foram realizadas em 502 fêmeas adultas descendentes de 34 reprodutores pertencentes a 15 linhagens da raça Santa Inês, registrados junto à associação de criadores: Altura Anterior, Altura Posterior, Altura das Pernas, Altura do Tórax, Circunferência Torácica, Circunferência da Canela, Comprimento do Corpo, Comprimento do Pescoço, Comprimento de Orelha, Comprimento da Face, Comprimento do Chanfro e Largura da Face. Os dados foram submetidos à análise de Variáveis Canônicas e à análise de agrupamento pelo método da ligação média entre grupos. As três primeiras Variáveis Canônicas explicaram 81,01% da variação total. As linhagens 1, 10 e 11 foram as mais homogêneas, enquanto que as linhagens 3, 6, 9, 12 e 15 apresentaram grande variabilidade intra-populacional. As linhagens 11 e 15 foram as que apresentaram maior distância (Mahalanobis). A análise de agrupamento mostrou a formação de três grupos. As cinco medidas corporais com maior importância relativa (Circunferência Torácica, Circunferência da Canela, Comprimento da Face, Comprimento de Pescoço e Comprimento de Chanfro), consideradas conjuntamente, explicaram 76,89% da diversidade fenotípica entre as linhagens. As linhagens de ovinos Santa Inês apresentam alta diversidade fenotípica, sendo que as características relacionadas à produção e à caracterização racial apresentam importância semelhante na diferenciação entre linhagens.

Palavras-Chave: análise multivariada; biometria corporal; distância de Mahalanobis; ovinos deslanados

SUMMARY

This study aimed at evaluating the phenotypic diversity of Saint Ines sheep strains. Twelve body measurements were carried out in 502 adult females, descendants from 34 reproducers belonging 15 strains of Santa Ines breed, registered at association of creators: anterior height, posterior height, legs height, chest height, thoracic circumference, shin circumference, body length, neck length, ear length, face length , chamer length and face width. The data were submitted to the canonic variable analysis and cluster analysis by means of the method Unweighted Pair-Group Method Using Arithmetic Averages. The first three canonical variables explained 81.01% of the total variation. Strains 1, 10 and 11 were the most homogeneous, whereas strains 3, 6, 9, 12 and 15 presented large intra-population variability. Strains 11 and 15 presented the longer distance (Mahalanobis). The cluster analysis showed the formation of three groups. The five body measurements with higher relative importance (thoracic circumference, shin circumference, face length, neck length, and chamfer length), jointly considered, accounted for 76.89% of the phenotypic diversity between the lineages. The strains of Santa Ines sheep present high phenotypic diversity, and the characteristics related to production and racial characterization are similarly important in the differentiation between the strains.

Key words: body measurements; Mahalanobis distance; multivariate analysis; wooless sheep

INTRODUÇÃO

A raça Santa Inês, formada no Nordeste brasileiro, mais especificamente no estado da Bahia (PAIVA et al., 2005), é resultante, provavelmente, de acasalamentos entre ecótipos africanos e as raças Morada Nova, Rabo Largo, Somalis e Bergamácia.

Na fase inicial de formação da raça, foram priorizadas as características raciais em detrimento daquelas voltadas para produção, no entanto, existem atualmente alguns programas de melhoramento genético específicos para a raça Santa Inês visando à avaliação e melhoramento das características produtivas (CARNEIRO et al., 2006).

A diversidade fenotípica pode ser um indicador de diferenças adaptativas ou seletivas entre populações (BIAGIOTTI et al., 2013), sendo que a diversidade das características quantitativas entre populações permite fazer inferências sobre o grau de adaptação a determinado ambiente ou sobre a especialização produtiva (DARAMOLA & ADELOYE, 2009).

A manutenção da diversidade intrarracial é fundamental para sobrevivência das populações naturalizadas e, no caso dos programas de melhoramento genético, a garantia de que se possa estabelecer pressão de seleção e aumento de produção em função do sistema de criação (PIRES et al, 2013; DOSSA et al., 2007). A diversidade fenotípica de ovinos, estimada por meio dos marcadores biométricos, pode fornecer informações importantes a respeito do grau de divergência entre grupos estudados (YAKUBU & IBRAHIM, 2011; BIAGIOTTI et al., 2014).

Considerando que as características de importância econômica estão correlacionadas, com magnitudes e sentidos variáveis, a utilização de técnicas de análise multivariada é a mais recomendada no estudo da diversidade, pois quando existe interdependência, as análises univariadas não apresentam a versatilidade de aproveitar as correlações existentes (TORRES FILHO et al., 2005).

Desta forma, buscando gerar informações estratégicas para programas de melhoramento genético, este estudo teve como objetivo avaliar a diversidade fenotípica de ovinos da raça Santa Inês.

MATERIAL E MÉTODOS

Nesse estudo foram mensuradas 502 fêmeas ovinas da raça Santa Inês registradas, adultas, com idade superior a dois anos, filhas de 34 reprodutores pertencentes a 15 linhagens, oriundas de seis fazendas no estado da Bahia, localizadas em cinco municípios: duas em Ipirá (183 animais), duas em Senhor do Bonfim (112 animais), uma Ribeirão do Largo (97 animais) e uma em Serra Preta (110 animais). Consideraram-se como linhagens os grupos de indivíduos descendentes dos principais reprodutores da raça, de acordo com a Associação de Criadores de Caprinos e Ovinos da Bahia (ACCOBA) (Tabela 1).

Tabela 1 Número de animais por linhagem de ovinos da raça Santa Inês 

Linhagem Número de animais Linhagem Número de animais
1 31 9 28
2 41 10 28
3 31 11 27
4 43 12 33
5 51 13 30
6 48 14 31
7 27 15 24
8 29 - -

As medidas corporais de caracterização racial realizadas foram: Altura das Pernas (PR), Comprimento do Pescoço (CP), Orelha (CO), Face (CF) e do Chanfro (CH) e Largura da Face (LF). Enquanto que as medidas corporais relacionadas à produção foram: Altura Anterior (AA), Posterior (AP), e do Tórax (AT), Circunferência Torácica (CT) e da Canela (CN), Comprimento do Corpo (CC).

A aferição do Comprimento do Corpo foi feita medindo-se a distância entre a articulação cérvico-torácica e a base da cauda na primeira articulação intercoccígea, com o animal mantido em posição correta de aprumos. A Altura Anterior foi medida entre o ponto mais alto da região interescapular e o solo, a Altura Posterior, entre a tuberosidade sacral do ílio e o solo, e a Altura Torácica, entre o piso do tórax até a cernelha. A Circunferência Torácica foi feita contornando o tórax, tomando-se como base a cernelha e as axilas. O Comprimento do Pescoço foi obtido medindo-se a distância entre a porção cranial do arco dorsal do atlas e o terço médio da borda cranial da escápula. A Circunferência da Canela foi feita contornando o terço médio da região metacarpiana do membro esquerdo. O Comprimento de Orelha foi feito medindo a distância da base orelha até a sua extremidade. O Comprimento da Face foi obtido pela distância entre a extremidade proximal da cabeça que coincide com a crista da nuca e a parte medial ou central da arcada incisiva inferior, e a Largura da Face pela distância entre a parte livre da borda supra-orbital até a borda supra-orbital esquerda. O Comprimento do Chanfro foi feito medindo da ponta do nariz à linha que une os rebordos internos dos olhos. A Altura das Pernas foi calculada pela diferença entre as medidas AA e AT.

A aferição das medidas CC, AA, AP, AT e CF foram realizadas com o auxílio da Bengala de Lydtin, enquanto que a aferição da CT, CN, CP e CH foram feitas com o auxílio de uma fita métrica. Para obtenção da LF, foi utilizado um paquímetro e para CO uma régua milimetrada, conforme sugerido por Searle et al. (1989).

Os dados biométricos das diferentes linhagens foram submetidos à análise de variância em função da linhagem, e comparação das médias pelo teste Scott-knott (p<0,05). As correlações entre as medidas corporais foram avaliadas por meio da correlação linear de Pearson (p<0,05). Ambas as análise realizadas mediante o programa Genes versão 6.0 (CRUZ, 2008).

Para determinar a diversidade fenotípica entre linhagens, foi utilizada a análise discriminante, mediante o procedimento Candisc do programa estatístico SAS, versão 8.0 (SAS, 2003) e o agrupamento pelo método hierárquico Unweighted Pair Group Method With Arithmetic Mean (UPGMA), mediante o programa Genes (versão 6.0).

A identificação e descarte das características redundantes (aquelas que explicaram a mesma variação entre linhagens) foram feitas por meio de análise discriminante, sendo descartadas todas as medidas com maior autovetor nas Variáveis Canônicas de autovalor <0,70, conforme sugerido por Jolliffe (1972). Ainda como critério de descarte, foi considerado os coeficientes de correlação de Pearson entre as medidas. Após o descarte das medidas redundantes, procedeu-se nova análise discriminante com as medidas selecionadas.

Para o agrupamento das linhagens pelo método UPGMA, adotou-se a distância generalizada de Mahalanobis (D2) como medida de dissimilaridade. O ponto de corte do dendrograma foi definido pela média da matriz da D2 e para avaliar a consistência do agrupamento calculou-se o coeficiente de correlação cofenética.

A importância relativa das características para a divergência foi obtida por meio da partição dos componentes D2, relativos a cada característica, no total da dissimilaridade observada, conforme sugerido por Singh (1981).

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Os Coeficientes de Variação (CV) para as características analisadas oscilaram entre 3,25% e 6,85%, sendo que as medidas que obtiveram maiores CV foram o Comprimento de Pescoço, Altura das Pernas e Comprimento de Orelha (Tabela 2). Os maiores CV verificados para estas três medidas refletem, provavelmente, a variabilidade dos genótipos que deram origem à raça Santa Inês. Os ovinos Santa Inês são resultantes do acasalamento entre ecótipos africanos e as raças Morada Nova, Rabo Largo e Somalis, todas caracterizadas por possuírem orelhas pequenas, pescoço curto e porte pequeno ou mediano. Por outro lado, houve contribuição significativa da raça Bergamácia, a qual apresenta orelhas longas, pescoço comprido e grande porte.

Tabela 2 Valores médios e Coeficientes de Variação das medidas corporais de 15 linhagens de ovinos da raça Santa Inês 

Linhagem Altura (cm) Circunferência (cm)

Anterior Tórax Posterior Pernas Torácica Canela
L1 70,00e 32,25d 70,20e 37,75b 87,83d 8,54b
L2 72,17d 33,90b 72,12d 38,26b 92,24c 8,54b
L3 70,17e 31,95d 71,11d 38,22b 86,59d 7,74d
L4 73,29c 33,27c 73,48c 40,01a 90,98c 8,39c
L5 72,85c 32,30d 73,07c 40,54a 87,20d 8,43c
L6 70,84e 33,02c 71,52d 37,82b 89,84c 8,30c
L7 69,96e 31,03e 71,33d 38,92b 83,64e 7,87d
L8 74,98b 33,87b 75,17b 41,10a 91,10c 8,31c
L9 74,05c 34,67b 74,28b 39,37a 96,14b 8,64b
L10 69,78e 31,75d 71,42d 38,00b 85,58d 7,85d
L11 66,87f 30,14f 68,94e 36,79c 80,35f 7,38e
L12 71,65d 33,48c 71,90d 38,12b 91,54c 8,46b
L13 72,26d 34,01b 73,18c 38,25b 91,76c 8,38c
L14 68,43f 32,22d 69,12e 36,20c 87,48d 8,27c
L15 77,10a 36,47a 78,27a 40,77a 104,22a 9,35a

CV (%) 4,34 5,04 4,06 6,55 5,75 5,49

Comprimento (cm) Largura da face (cm)

Corpo Orelha Face Pescoço Chanfro

L1 72,29d 18,07a 22,00d 34,11d 17,30b 13,78a
L2 73,95c 16,82c 22,56c 33,45d 17,19b 13,67b
L3 73,91c 16,33c 21,77d 36,04c 16,83b 13,26c
L4 74,91b 17,55a 22,21c 38,43a 16,66c 13,35c
L5 73,58c 17,67a 21,42e 38,16a 16,04d 13,00d
L6 72,28d 17,03b 22,00d 35,06c 17,15b 13,83a
L7 72,83c 17,00b 21,48e 33,61d 16,46c 13,19c
L8 75,27b 16,52c 22,27c 38,91a 16,67c 13,66b
L9 77,07b 17,20b 23,08b 35,37c 16,60c 13,66b
L10 72,03d 16,73c 21,42e 35,16c 16,98b 13,45c
L11 70,61d 16,81c 20,27f 33,05d 15,88d 13,02d
L12 73,54c 17,51a 22,71c 35,34c 17,66a 13,83a
L13 76,05b 17,14b 22,61c 34,88c 16,40c 13,54b
L14 71,93d 17,16b 22,00d 34,12d 17,20b 13,70b
L15 79,85a 17,72a 23,58a 36,56b 17,31b 13,99a

CV (%) 4,72 6,02 4,26 6,85 4,93 3,25

*Médias seguidas de letras diferentes na coluna diferem entre si ao nível de 5,0% de probabilidade pelo teste Scott-knott.

A linhagem 15 foi a mais alta e a mais comprida, sugerindo influência da raça Bergamácia, enquanto que a linhagem 11 foi a de menor estatura e corpo mais curto denotando influência da raça Somalis. A linhagem 3 apresentou porte mediano, porém com orelhas pequenas, o que pode ser indicativo de influência das raças Rabo Largo e Morada Nova (Tabela 2). As demais linhagens se alternaram nas diferentes medidas, evidenciando grande diversidade fenotípica dentro da raça Santa Inês.

Em estudo da caracterização morfométrica dos ovinos Santa Inês criados no estado do Piauí, Biagiotti et al. (2013), verificou-se que as populações das oito microrregiões analisadas apresentaram características fenotípicas diferenciadas entre si e, semelhantemente ao presente estudo, encontraram elevada diversidade dentro da raça Santa Inês.

As medidas que expressam o padrão racial (CP, CH, CO, LF, CF e PR) apresentaram correlações baixas (0,00 <r<0,30) ou não significativas (p>0,05). Por outro lado, as demais medidas (AA, AT, AP, CC, CT e CN) apresentaram correlações moderadas ou elevadas (0,50 ≤ r < 0,91) (Tabela 3).

Tabela 3 Correlações entre medidas corporais de ovinos da raça Santa Inês 

AT AP CC CT CN CP CH CO LF CF PR
AA 0,69* 0,91* 0,69* 0,64* 0,51* 0,50* 0,20* 0,22* 0,25* 0,57* 0,84*
AT - 0,65* 0,66* 0,85* 0,61* 0,31* 0,32* 0,16* 0,48* 0,68* 0,18*
AP - - 0,71* 0,64* 0,52* 0,50* 0,21* 0,23* 0,25* 0,56* 0,75*
CC - - - 0,63* 0,49* 0,33* 0,18* 0,22* 0,28* 0,58* 0,44*
CT - - - - 0,70* 0,28* 0,34* 0,17* 0,55* 0,67* 0,22*
CN - - - - - 0,25* 0,39* 0,35* 0,53* 0,63* 0,23*
CP - - - - - - 0,10ns 0,14* 0,08ns 0,24* 0,44*
CH - - - - - - - 0,29* 0,54* 0,61* 0,02ns
CO - - - - - - - - 0,18* 0,33* 0,18*
LF - - - - - - - - - 0,58* 0,02ns
CF - - - - - - - - - - 0,26*

AA = Altura Anterior; AP = Altura Posterior; AT = Altura do Tórax; CC = Comprimento do Corpo; CT = Circunferência Torácica; CN = Circunferência de Canela; CP = Comprimento de Pescoço; CH = Chanfro; CO = Comprimento de Orelha; LF = Largura da Face; CF = Comprimento da Face; PR = Altura das pernas.

*Valores significativos (p < 0,01).

ns Não significativo.

Em estudo com bovinos de corte, foram encontradas correlações moderadas e elevadas entre CN e peso da carcaça quente (0,42), peso vivo (0,60), CT (0,72) e CC (0,63) (GILBERT et al., 1993). De forma semelhante, em estudo com a espécie caprina, foram encontradas correlações elevadas entre CN e peso vivo (0,80), CT (0,69) e CC (0,72) (YAKUBU & MOHAMMED, 2012).

No processo de melhoramento de uma raça, é imprescindível que todas as medidas biométricas e as suas possíveis inter-relações sejam consideradas na definição dos critérios de seleção (PESMEN & YARDIMCI, 2008). Nesse sentido, De La Barra et al. (2014) salientam que a seleção baseada na conformação tem sido amplamente utilizada como ferramenta para melhorar a produtividade na ovinocultura. No presente estudo, as correlações positivas e significativas entre CN e AA, AT, AP, CC e CT sugerem que a utilização da maior CN como critério de seleção pode proporcionar a obtenção de animais mais produtivos.

Na primeira análise discriminante, as seis últimas Variáveis Canônicas (VC) apresentaram autovalor inferior a 0,7, sugerindo que até seis medidas poderiam ser descartadas. No entanto, foram descartadas apenas duas medidas (Altura Anterior e Altura das Pernas), uma vez que a Altura Anterior apresentou o maior autovetor em cinco VC, enquanto que a Altura das Pernas apenas em uma.

Das três medidas relacionadas à estatura animal, apenas a Altura Posterior foi mantida, indicando que, em futuros estudos, apenas essa medida é suficiente para caracterização da estatura. O descarte das medidas Altura Anterior e Altura das Pernas não provocou perda de informação, devido às elevadas correlações (r > 0,7) com algumas das medidas mantidas (CC, CT e AP).

Após o descarte, as três primeiras VC representaram, de forma conjunta, 81% da diversidade fenotípica entre linhagens. O descarte das medidas Altura Anterior e Altura das Pernas levou ao acréscimo de 2,97% em relação às três VC obtidas anteriormente. Individualmente, as três primeiras VC representaram 36,51%, 32,02% e 12,47% da variância total, respectivamente.

A importância da VC depende das heterogeneidades inter (variâncias e covariâncias fenotípica) e intra-populacional (variâncias e covariâncias residuais). Quanto menor a heterogeneidade inter-pupulacional e maior intra-populacional, maior será o número de VC necessárias para explicar a diversidade total. Em estudo com os ovinos locais em Burkina Faso, 100% da variância total foi explicada pelas duas primeiras VC (TRAORÉ et al., 2008), enquanto que em ovinos espanhóis, as três primeiras VC explicaram apenas 60,20% da variância total (LEGAZ et al., 2011).

Em relação à variabilidade intra-populacional, a linhagem 15, apesar de concentrar todos os seus indivíduos em um único quadrante, apresentou maior dispersão que as linhagens 1, 10 e 11, as quais mostraram maior homogeneidade. As linhagens 3, 6, 9 e 12 também apresentaram grande variabilidade, sendo que a linhagem 6 foi a mais dispersa, uma vez que apresentou número semelhante de indivíduos em todos os quadrantes (Figura 1).

A = Linhagem 1; B = Linhagem 2; C = Linhagem 3; D = Linhagem 4; E = Linhagem 5; F = Linhagem 6; G = Linhagem 7; H = Linhagem 8; I = Linhagem 9; J = Linhagem 10; K = Linhagem 11; L = Linhagem 12; M = Linhagem 13; N = Linhagem 14; O = Linhagem 15.

Figura 1 Dispersão gráfica dos indivíduos das 15 linhagens de ovinos da raça Santa Inês em relação às Variáveis Canônicas 1 e 2 

Dentre todas as linhagens, as maiores distâncias ocorreram entre a 5, 11 e 15, enquanto que as linhagens 6 e 12 apresentaram as menores médias de distâncias em relação às demais linhagens (Tabela 4). Essa heterogeneidade das distâncias entre as linhagens não deve ser compreendida como reflexo exclusivo da diversidade de genótipos que deram origem à raça Santa Inês, mas também, como consequência de fatores ambientais e de seleção a que os animais foram submetidos por diferentes criadores ao longo das gerações.

Tabela 4 Matriz das distâncias generalizadas de Mahalanobis (D2) entre as linhagens de ovinos da raça Santa Inês 

L2 L3 L4 L5 L6 L7 L8 L9 L10 L11 L12 L13 L14 L15
L1 4,49 9,04 7,68 10,60 2,40 5,63 11,01 9,69 5,14 8,67 2,27 7,15 1,44 15,46
L2 - 7,14 7,86 13,23 2,53 6,01 8,19 3,60 5,95 12,00 1,83 2,88 2,94 8,46
L3 - - 5,41 10,59 4,92 3,03 5,25 8,91 2,11 5,27 5,29 6,15 4,92 19,55
L4 - - - 2,13 6,11 6,44 3,24 5,24 6,58 10,77 5,63 4,28 7,26 11,03
L5 - - - - 11,03 8,64 6,98 10,55 10,50 11,93 11,61 8,52 12,09 16,39
L6 - - - - - 4,43 5,26 7,03 2,00 7,22 1,05 4,80 1,34 13,13
L7 - - - - - - 7,31 8,67 1,98 2,41 5,55 5,05 4,49 18,68
L8 - - - - - - - 6,90 5,36 11,68 6,81 5,12 8,96 12,88
L9 - - - - - - - - 10,85 16,32 5,58 1,02 8,17 4,45
L10 - - - - - - - - - 3,08 3,75 7,18 3,28 19,47
L11 - - - - - - - - - - 10,41 10,76 7,31 28,88
L12 - - - - - - - - - - - 4,38 1,24 11,03
L13 - - - - - - - - - - - - 5,63 8,16
L14 - - - - - - - - - - - - - 16,57

Considerando que genitores de bom desempenho, com certo grau de diversidade, possam apresentar constituição genética complementar que proporciona maior produtividade a F1 (YAKUBU et al., 2011), o acasalamento de indivíduos entre as linhagens 5, 11 e 15 pode proporcionar a obtenção de animais com maior produtividade, em virtude do incremento causado pelo fenômeno da heterose, principalmente em relação às características relacionadas à produção de carne, Circunferência Torácica, Comprimento do Corpo e Altura do Tórax. Evidentemente que esse procedimento demanda definição prévia de critérios norteadores do processo de seleção. Bem como, do mérito genético de cada genitor em relação às características de importância econômica.

O ponto de corte do dendrograma, definido pela média da matriz de dissimilaridade (7,50), possibilitou a formação de três grupos (Figura 2). O primeiro grupo contendo 11 linhagens (1; 2; 3; 6; 7; 9, 10; 11; 12; 13 e 14), com indivíduos de menor porte. O segundo grupo constituído por três linhagens (4, 5 e 8) cujos indivíduos apresentaram as medidas corporais medianas. O terceiro grupo, composto apenas pela linhagem 15 caracterizada por apresentar indivíduos com maiores dimensões.

G1 = Grupo um; G2 = Grupo dois; G3 = Grupo três.

Figura 2 Dendrograma das linhagens de ovinos da raça Santa Inês, obtido pelo método UPGMA 

Os animais do primeiro grupo, apesar das dimensões medianas para a maioria das medidas corporais, apresentaram altos valores para Comprimento de Perna. Considerando que animais altos tendem a ser tardios (COSTA JÚNIOR et al., 2006), os animais integrantes dessas linhagens devem ser incluídos em futuros programas de seleção da raça, uma vez que essa característica pode se constituir em limitação para alcance de maior produtividade de carne.

Por outro lado, enquanto o maior tamanho corporal do terceiro grupo suscita maiores necessidades nutricionais, o menor porte do primeiro grupo pode ser indicativo de maior precocidade no crescimento (MALHADO et al., 2008). Dessa forma, o acasalamento criterioso entre as diferentes linhagens pode ser proposto como diretriz para compatibilizar produtividade e adaptabilidade em função das condições ambientais e do sistema de produção.

No que ser refere à acurácia do agrupamento das linhagens, o coeficiente de correlação cofenética foi de 74,38%. Considerando que o coeficiente de correlação cofenética equivale à correlação de Pearson entre a matriz de dissimilaridade original e aquela obtida após a construção do dendrograma, quanto mais próximo de um, menor será a distorção provocada pelo agrupamento das linhagens.

Todas as medidas corporais contribuíram, em maior ou menor proporção, para a determinação da divergência fenotípica entre as linhagens. Enquanto que as medidas ligadas à produção contribuíram com 53,40% da diversidade entre as linhagens, aquelas relacionadas ao padrão racial contribuíram com 46,59%. As cinco medidas de maior importância contribuíram com 76,89% da diversidade entre as linhagens, das quais, três relacionadas ao padrão racial e duas à produção (Tabela 5).

Tabela 5 Importância relativa das medidas corporais (S.j) para diversidade fenotípica em linhagens de ovinos da raça Santa Inês 

Medidas corporais S.j (%)
Circunferência torácica 20,53
Circunferência de canela 19,49
Comprimento de face 14,87
Comprimento de pescoço 14,37
Comprimento de chanfro 7,63
Altura posterior 7,08
Altura do tórax 5,69
Comprimento de orelha 5,24
Largura de face 4,48
Comprimento do corpo 0,61

O padrão racial é utilizado como importante parâmetro na avaliação e inclusão dos animais controlados nos livros de registro, mas a seleção baseada apenas nas características relacionadas ao aspecto racial não promovem elevação da produção de carne. Nesse sentido, Cezar & Sousa (2010)salientam que a utilização das medidas ligadas à produção como critério de seleção promove o incremento no rendimento de carcaça.

Assim, as linhagens de ovinos Santa Inês apresentam elevada diversidade fenotípica, sendo que as características relacionadas à produção e a caracterização racial apresentam importância semelhante na diferenciação entre linhagens. A diversidade devida às medidas de caracterização racial sugere que as linhagens foram submetidas a pressões seletivas distintas, remetendo à necessidade de definição de objetivos e critérios de seleção para os indivíduos da raça Santa Inês.

REFERÊNCIAS

BIAGIOTTI, D.; SARMENTO, J.L.R.; Ó, A.O.; RÊGO NETO, A.A.; SANTOS, G. V.; SANTOS, N.P.S.; TORRES, T.S.; NERI, V.S. Caracterização fenotípica de ovinos da raça Santa Inês no Estado do Piauí. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal [online], v.14, n.1, p.29-42, 2013. [ Links ]

BIAGIOTTI, D.; GUIMARÃES, F.F.; SARMENTO, J.L.R.; SANTOS, G. V.; RÊGO NETO, A.A.; SANTOS, N.P.S.; SARAIVA, T.T.; FIGUEIREDO FILHO, L.A.S.; SENA, L.S. Uso de estatística multivariada para estudo de caracterização racial de ovinos. Acta Tecnológica , v.9, n.1, p.16-26, 2014. [ Links ]

CARNEIRO, P.L.S.; MALHADO, C.H.M.; AZEVEDO, D.M.M.R.; SOUZA, L.G.R.; SILVA, D.C.; ALVES, A.A.; CAMPELO, J.E.G.;COSTA JÚNIOR, G.S. Estudo de populações de Ovinos Santa Inês utilizando técnicas de análise multivariada.Revista Científica de Produção Animal , v.8, n.1, 2006. [ Links ]

Cezar, M.F.; Sousa, W.H. Proposta de avaliação e classificação de carcaças de ovinos deslanados e caprinos. Tecnologia & Ciência Agropecuária , v.4, n.4, p.41-51, 2010. [ Links ]

COSTA JÚNIOR, G.S.; CAMPELO, J.E.G.; AZEVÊDO, D.M.M.R.; MARTINS FILHO, R.; CAVALCANTE, R.R.; LOPES, J.B.; OLIVEIRA, M.E.D. Caracterização morfométrica de ovinos da raça Santa Inês criados nas microrregiões de Teresina e Campo Maior, Piauí. Revista Brasileira de Zootecnia , v.35, n.6, p.2260-2267, 2006. [ Links ]

CRUZ, C.D. Programa Genes: aplicativo computacional em genética . Versão 6.0. Viçosa, MG: Universidade Federal de Viçosa, 2008. [ Links ]

DARAMOLA, J.O.; ADELOVE, A.A. Physiological adaptation to the humid tropics with special reference to the West African Dwarf (WAD) goat,Tropical Animal Health and Production , v.41, p.1005–1016, 2009. [ Links ]

DE LA BARRA, R.; LATORRE, E.; MARTÍNEZ, M.E.; CALDERÓN, C. Morphostructural Differentiation and Variability of Merino Sheep Breed Under Sustained Directional Selection. International Journal of Morphology , v.32, n.3, p.1069-1073, 2014. [ Links ]

DOSSA, L.H.; WOLLNY, C.; GAULY, M. Spatial variation in goat populations from Benin as revealed by multivariate analysis of morphological traits. Small Ruminant Research , v.73, p.150–159, 2007. [ Links ]

GILBERT, R.P.; BAILEY, D.R.; SHANNON, N.H. Body dimensions and carcass measurements of cattle selected for postweaning gain fed two different diets. Journal Animal Science , v.71, p.1688-1698, 1993. [ Links ]

JOLLIFFE, I. T. Discarding variables in a principal component analysis. II. Real data. Applied Statistics , v.22, p.21-31, 1972. [ Links ]

LEGAZ, E.; CERVANTES, I.; PÉREZ-CABAL, M.A.; DE LA FUENTE, L.F.; MARTINEZ, R., GOYACHE, F.; GUTIÉRREZ, J.P. Multivariate characterisation of morphological traits in Assaf (Assaf.E) Sheep. Small Ruminant Research , v.100, p.122– 130, 2011. [ Links ]

MALHADO, C.H.M.; CARNEIRO, P.L.S.; CRUZ, J.F.; OLIVEIRA, D.F.D.; AZEVEDO, D.M.M.R.; ROCHA, J.L. Curvas de crescimento para caprinos da raça Anglo-Nubiana criados na caatinga: rebanho de elite e comercial. Revista Brasileira de Saúde e Produção Animal , v.9, n.4, p.662-671, 2008. [ Links ]

PAIVA, S.R.; SILVÉRIO, V.C.; EGITO, A.A.; MCMANUS, C.; FARIA, D.A.; MARIANTE, A.S.; CASTRO, S.R.; ALBUQUERQUE, M.S.M.; DERGAM, J.A. Genetic variability of the Brazilian hair sheep breeds. Revista Agropecuária Brasileira , v.40, n.9, p.887-893, 2005. [ Links ]

PESMEN, G.; YARDIMCI, M. Estimating the live weight using some body measurements in Saanen goats. Archiva Zootechnica , v.11, n.4, p.30-40, 2008. [ Links ]

PIRES, L.C.; MACHADO, T.M.M.; ARAÚJO, A.M.; SILVA, J.B.L.; EUCLYDES, R.F.; COSTA, M.S.; OLSON,T.A. Cluster evaluation of Brazilian and Moroccan goat populations using physical measurements. Revista Brasileira de Zootecnia , v.42, n.10, p.713-720, 2013. [ Links ]

SAS/STAT. User´s guide . Versão 8.0. Cary: SAS Institut Inc., 2003. [ Links ]

SEARLE, T.W.; GRAHAM, M.C.; DONNELLY, J.B. Change of skeletal dimensions during growth in sheep: the effect of nutrition. Journal of Agricultural Science , v.112, n.3, p.321-327, 1989. [ Links ]

SINGH, D. The relative importance of characters affecting genetic divergence. The Indian Journal of Genetic and Plant Breeding , v.41, n.1, p.237-245, 1981. [ Links ]

TORRES FILHO, R.A.; EUCLYDES, R.F.; TORRES, R.A.; LOPES, P.S.; BREDA, F.C. Estudo da divergência genética entre linhas de suínos utilizando técnicas de análise multivariada. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia , v.57, n.3, p.390-395, 2005. [ Links ]

TRAORÉ, A.; TAMBOURA, H.H.; KABORÉ, A.; ROYO, L.J.; FERNÁNDEZ, I.; ÁLVAREZ, I.; SANGARÉ, M.; BOUCHEL, D.; POIVEY, J.P.; FRANCOIS, D.; TOGUYENI, A.; SAWADOGO, L.; GOYACHE, F. Multivariate characterization of morphological traits in Burkina Faso sheep. Small ruminant research , v.80, p.62-67, 2008. [ Links ]

YAKUBU, A.; SALAKO, A.E.; IMUMORIN, I.G. Comparative multivariate analysis of biometric traits of West African Dwarf and Red Sokoto goats.Tropical Animal Health and Production , v.43, n.3, p.561-566, 2011. [ Links ]

YAKUBU, A.; IBRAHIM, I.A. Multivariate analysis of morphostructural characteristics in Nigerian indigenous sheep. Italian Journal of Animal Science , v.10, n.17, 2011. [ Links ]

YAKUBU, A.; MOHAMMED, G. L. Application of path analysis methodology in assessing the relationship netween body weight and biometric traits of Red Sokoto goats in Northern Nigeria. Biotechnology in Animal Husbandry , v.28, n.1, p.107-117, 2012. [ Links ]

Recebido: 05 de Julho de 2015; Aceito: 14 de Outubro de 2015

*Endereço para correspondência:rezendeteixeira@yahoo.com.br

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.