SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.48 issue6The new WHO classification of breast tumorsIgM antibody reactivity to Treponema pallidum in seroconversion and in the serologic response to syphilis treatment author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial

Print version ISSN 1676-2444

J. Bras. Patol. Med. Lab. vol.48 no.6 Rio de Janeiro Dec. 2012

https://doi.org/10.1590/S1676-24442012000600003 

RESUMOS ABSTRACTS

 

Bioquímica

 

 

ESTABELECIMENTO DE UM PROTOCOLO DE HARMONIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS ANALISADORES DE GASES SANGUÍNEOS E ELETRÓLITOS EM CONFORMIDADE COM OS PROGRAMAS DE ACREDITAÇÃO LABORATORIAL

EBNER, PAR; MENDES, ME; ANNA, AS; ROMANO, P; SUMITA, NM

Fundação Faculdade de Medicina


OBJETIVO: Este trabalho tem como objetivo estabelecer um protocolo para fins de harmonização de equipamentos analisadores de gases sanguíneos e eletrólitos para atender ao programa de Acreditação de Laboratórios Clínicos (PALC) da SBPC/ML.
CASUÍSTICA E MÉTODOS:
O programa de acreditação laboratorial do PALC da SBPC/ML determina a necessidade de harmonizar múltiplos equipamentos, mesmo sendo da mesma marca ou não, quando estes se encontram em uso na rotina do laboratório. O protocolo avaliou os equipamentos ABL800 Flex (Radiometer®) e OMNI-S (Roche Diagnostics®) para os seguintes parâmetros: pH, PO2, PCO2, cálcio ionizado (CaI), sódio (Na), potássio (K), glicose e lactato. Os princípios metodológicos utilizados em ambos os equipamentos foram: potenciometria para pH, PCO2 e eletrólitos; eamperometria para glicose e lactato. Foram avaliadas 40 amostras para cada parâmetro, concomitantemente em três equipamentos ABL800 Flex e um equipamento OMNI-S. Para fins de análise estatística dos dados, foram calculadas as médias, os desvios padrão e os coeficientes de variação, além da análise de variância, utilizando-se os pacotes estatísticos EP Evaluator® versão 9,3 e Minitab versão 15.0.
RESULTADOS:
pH (p = 0,983); pO2(p = 0,991); pCO2 (p = 0,353); lactato (p = 0,584); glicose (p = 0,995); CaI (p = 0,983); Na (p = 0,991); K (p = 0,926). Os índices de erros calculados para todos os equipamentos e analitos apresentaram valores menores do que aqueles preconizados pela literatura. As diferenças entre os resultados obtidos não foram estaticamente significantes.

CONCLUSÃO: O processo de harmonização de múltiplos equipamentos que realizam os mesmos parâmetros laboratoriais é fundamental para a garantia da qualidade e confiabilidade dos resultados laboratoriais.

 


 

Gestão da qualidade

 

 

USO DA FERRAMENTA SIX SIGMA NO PLANEJAMENTO E NA GESTÃO DA FASE ANALÍTICA NO LABORATÓRIO

BARBOSA, IV; TORRES-FILHO, HMT; CASTRO, DAP; RABELLO, ML

Laboratório Richet Pesquisas Physiopathologia Humana S/C Ltda.

OBJETIVOS: Aplicar a ferramenta six sigma nos parâmetros que atenderam, em avaliação anterior, à especificação do erro total estabelecida na referência do Carmen Ricós, atualizada em 2012.
CASUÍSTICA E MÉTODOS: Aos resultados do coeficiente de variação analítica e do Bias dos 14 parâmetros que atendiam à especificação do erro total, aplicamos a ferramenta six sigma Westgard, usando a tabela definida como "short-term sigma" com valor do shift de 1,5 sigma. As determinações foram realizadas no Aeroset®/Architect® c8000 Clinical Chemistry Systems. Os erros sistemáticos foram obtidos pela avaliação externa da qualidade e pela análise dos resultados de 2011 do programa de proficiência da Control Lab®.
RESULTADOS E CONCLUSÃO: Dos 14 parâmetros analisados, sete atenderam six sigma, ou mais. Significa dizer que o desempenho desses parâmetros esteve abaixo de 25% do erro total e, portanto, excelente. Cinco parâmetros atenderam de três a cinco sigma, tendo desempenho bom. Um parâmetro (Lactato) apresentou sigma de 2,1, com desempenho regular, e apenas um parâmetro,CK-MB, ficou abaixo de um sigma, (desempenho inaceitável). Valor de sigma de 3,85 pode ser considerado excelente qualidade; valor de 4,6 sigma é considerado qualidade excepcional, segundo Westgard. O uso da ferramenta, ainda que de forma incipiente, nos permitirá, com a manutenção do seu uso e a busca de melhor entendimento de sua aplicabilidade, promover melhoria contínua na especificação da qualidade do setor de bioquímica do laboratório. Os dados aqui observados também nos permitiram avaliar o erro sistemático crítico dos parâmetros estudados. Esse indicador é considerado o melhor indicador individual de desempenho do método analítico.

 


 

Segurança e risco do paciente

 

 

SISTEMÁTICA PARA ANÁLISE DE RISCOS DO PROCESSO E DA SEGURANÇA DO PACIENTE EM LABORATÓRIO CLÍNICO DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

CICARELLI, LM; MACHADO, JBA; ZANVETTOR, D; MARTINEZ, MB

Hospital Universitário da Universidade de São Paulo

INTRODUÇÃO: Nos EUA, são estimadas anualmente 7.000 mortes devido a erros médicos. Resultados laboratoriais contribuem para 70% do diagnóstico médico, representando, assim, importante fonte de erros. A gestão dos riscos e da segurança do paciente é um assunto atualmente muito importante nos serviços de assistência à saúde, nos quais o laboratório clínico (LC) está inserido.
OBJETIVO: Sistematizar a identificação de perigos associados a cada etapa do processo laboratorial e seus controles; a estruturação para redução de perigos; e a utilização de metodologia de cálculo e classificação dos riscos relacionados com a segurança do paciente.
CASUÍSTICA E MÉTODOS: A adequação do LC ao requisito 17 do PALC foi realizada pela identificação de perigos relacionados com etapas pré-analítica, analítica e pós-analítica, sendo utilizada a ferramenta failure mode and effect analysis (FMEA) para criação do modelo de avaliação dos riscos. O mapeamento e a classificação das etapas do processo e seus perigos foram realizados a partir de brainstorming com colaboradores.
RESULTADOS E CONCLUSÃO: A metodologia criada permitiu comparar diferentes perigos, pouco comparáveis entre si, e definir prioridades para ações de redução de riscos. A pontuação pelo valor de risco classificou os riscos em baixo, médio e alto, avaliando impactos e ações de contenção. Identificaram-se melhorias na revisão de procedimentos, implementação de novas etapas de controle, ampliação da capacitação de colaboradores e melhorias de infraestrutura e equipamentos.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License