SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.81 issue2Occurrence of antibodies anti-Brucella ovis in ovine with history of reproductive disorders in São Paulo, Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos do Instituto Biológico

On-line version ISSN 1808-1657

Arq. Inst. Biol. vol.81 no.2 São Paulo Apr./June 2014

http://dx.doi.org/10.1590/1808-1657ed8122014 

Editorial

O papel da pós-graduação no incremento da sanidade animal no Brasil

Silvio Arruda Vasconcellos1 

1Professor Titular Aposentado e Colaborador Sênior da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ-USP)


Com 200 milhões de cabeças de bovinos e líder mundial em exportação de carne bovina desde 2004, terceiro produtor mundial e líder de exportações de aves e, ainda, quarto lugar na produção mundial de suínos, o Brasil ocupa uma posição de destaque na área de produção animal. Quanto aos animais de companhia, a movimentação financeira anual do país ultrapassa o valor de 10 bilhões de reais. Todo esse contingente de animais exige a implantação e o aprimoramento contínuo de práticas destinadas à promoção e à preservação das condições de saúde.

Em uma análise da evolução dos serviços veterinários voltados para a saúde animal, Kalvin Schwabe (1982) considerou a existência de cinco períodos distintos: ações locais (tempos primitivos até o primeiro século a.C., organização de serviços veterinários militares); militar (primeiro século a.C. até 1762, criação da primeira Faculdade de Medicina Veterinária); polícia sanitária veterinária (1762 a 1884, revolução microbiológica, Bruce, Pasteur, Koch, Jenner); campanhas massais (1884 a 1960, criação de serviços de epidemiologia veterinária); vigilância e ações seletivas (a partir de 1960). O paradigma do quinto período foi o estabelecimento da etiologia multifatorial das doenças, a tríade epidemiológica (agente-hospedeiros-ambiente) e as suas interações, bem como o diagnóstico epidemiológico apoiado em uma análise epidemiológica qualitativa, quantitativa e econômica.

A marcante influência dos programas massais de vacinação antirrábica canina sobre a redução na ocorrência dos casos de raiva em seres humanos e a emergência de novos ciclos epidemiológicos com a raiva humana transmitida por quirópteros, além do registro da leishmaniose visceral nos estados do Centro-Oeste e Sudeste do Brasil em áreas periurbanas e urbanas, são exemplos da dinâmica das relações intrínsecas e extrínsecas hospedeiros-parasitas-ambiente. Os registros de agentes etiológicos de doenças cruzando a barreira das espécies animais e acometendo seres humanos, como na encefalite espongiforme bovina e na influenza aviária e suína, têm desafiado as autoridades sanitárias internacionais e estimulado o conceito de saúde única.

Os programas sanitários nas áreas humana e animal aplicados ao controle das doenças transmissíveis ocupam posição de destaque e, apoiando-se nas ações de vigilância epidemiológica, sanitária e ambiental, buscam o aprimoramento permanente das ações de controle seletivas dirigidas a prioridades assentadas na análise das relações custo/benefício. A implantação da fase de ataque dos programas sanitários depende da iniciativa privada que produz os insumos necessários: raticidas, inseticidas, domissanitários, quimioterápicos, ecto/endoparasiticidas, vampiricidas, desinfetantes e imunobiológicos.

O crescimento da consciência sanitária desencadeou o estabelecimento de serviços privados e da atuação de profissionais autônomos preocupados com sanidade, fisiopatologia e biotecnologia dos rebanhos de animais de produção, controle de pragas urbanas, responsabilidade técnica de empresas que processam, distribuem e comercializam alimentos de origem animal e a responsabilidade técnica de canis, gatis, biotérios e zoológicos.

Novos paradigmas passaram a vigorar e todos, de alguma forma, estão correlacionados ao conceito de sustentabilidade (utilização dos recursos disponíveis sem prejudicar a disponibilidade de tais recursos para as gerações futuras): globalização, manejo ambiental integrado, bem-estar animal, posse responsável, ecologia com preservação da fauna, da flora e da biodiversidade, agricultura e pecuária orgânicas, controle da presença de resíduos no ambiente e nos alimentos, ações destinadas a controlar as mudanças climáticas, agricultura e pecuária sustentável com reciclagem e reaproveitamento de dejetos e subprodutos, biossegurança, bioética e zooterapia.

O conceito de saúde única se consolida com o reconhecimento da intersecção estabelecida entre as saúdes humana e animal, criando-se a área denominada como saúde pública veterinária, que apresenta quatro vertentes: controle de zoonoses; higiene alimentar e inspeção dos alimentos de origem animal; controle da poluição ambiental de origem animal; e medicina comparada, uso de modelos animais para o estudo de doenças dos seres humanos.

A partir da Reforma Universitária, efetivada no Brasil nos anos de 1969 e 1970, foi implantado no país o modelo americano de pós-graduação, senso estrito, com os respectivos cursos de mestrado e doutorado destinados à busca da excelência e da internacionalização da pesquisa científica com a formação de pessoal de alto nível, capacitado para o planejamento, execução, análise e interpretação dos resultados de investigações científicas originais aplicadas na fronteira do conhecimento de um determinado assunto. Essa política fez com que as Universidades e os Institutos de Pesquisa se adequassem à nova realidade e implantassem os programas de pós-graduação em ciência animal com vertentes para ciências básicas, clínica, cirurgia, patologia, epidemiologia, medicina veterinária preventiva, epidemiologia, bem como saúde e reprodução animal. O novo modelo propiciou a formação de docentes/pesquisadores estimulados a conceber projetos de pesquisa e a buscar recursos para a sua execução em agências de fomento à pesquisa com julgamento, análise e avaliação pelos próprios pares. A consequência desse processo foi o crescimento exponencial do número de projetos implantados, os quais, por retroalimentação, passaram a ter uma ação direta na formação de novos pesquisadores.

As linhas de pesquisa dos programas de pós-graduação em ciência animal passaram a contemplar: desenvolvimento e aprimoramento de recursos diagnósticos, terapêuticos e profiláticos aplicados às doenças dos animais; desenvolvimento de ações destinadas ao saneamento ambiental e análise de fatores de risco; desenvolvimento e aprimoramento de ações destinadas à inspeção sanitária e higiene dos alimentos de origem animal; aproveitamento racional de subprodutos da indústria, agricultura e pecuária; desenvolvimento e aprimoramento de sistemas de manejo de criações com reduzido impacto ambiental; desenvolvimento e aprimoramento de biotécnicas aplicadas à reprodução animal; e controle de populações de animais selvagens em vida livre ou em cativeiro.

Retornando aos períodos de evolução do conhecimento científico voltado para a sanidade animal, propostos por Schawbe, ousamos sugerir que o quinto período iniciado em 1960 e referido como de Vigilância e Ações Seletivas encerrou-se por volta de 1990 com a revolução causada pela busca do desenvolvimento e aprimoramento de recursos diagnósticos e profiláticos, com vistas à melhoria dos indicadores de eficiência, eficácia e efetividade aplicados à redução de resultados falso-positivos e falso-negativos, acidentes pós-vacinais, interferência dos programas de imunização no diagnóstico e que culminaram com o desenvolvimento da biologia molecular.

A partir de 1990, iniciou-se o período da biologia molecular, biotecnologia, engenharia genética, vacinas e procedimentos diagnósticos produzidos com antígenos recombinantes, epidemiologia molecular, modelagem matemática, ecopatologia, geoprocessamento e análise de fatores de risco no qual nos encontramos e que dependem fundamentalmente da pós-graduação, senso estrito, para que consolidem e propiciem o equilíbrio e a harmonia das relações estabelecidas entre a saúde humana e animal.

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License, which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.