SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.39 número1A emergência epistemológica das Ciências da Comunicação no Brasil na obra 'Pensamento Comunicacional Brasileiro' índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Intercom: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação

versão impressa ISSN 1809-5844versão On-line ISSN 1980-3508

Intercom, Rev. Bras. Ciênc. Comun. vol.39 no.1 São Paulo jan./abr. 2016

https://doi.org/10.1590/1809-58442016115 

Resenhas

'Número Zero': Jornalismo zero ou mil?1

Maria das Graças Targino1 

1Universidade Federal da Paraíba, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, João Pessoa – PB, Brasil

ECO, Umberto. Número zero. 4.ed. Rio de Janeiro: Record, 2015. 208 pp.


Umberto Eco é um nome que atravessa gerações e campos de interesse. Isto porque o professore, como é chamado na Itália, seu país natal, tem se destacado em diferentes áreas, incluindo Filosofia, Semiótica, Linguística e Literatura. Neste caso, seu maior sucesso é, sem dúvida, O nome da rosa, romance lançado em 1980, traduzido em diferentes idiomas, como alemão, francês, inglês e português, e que chegou ao cinema, 1986, dirigido por Jean-Jacques Annaud, protagonizado por Sean Connery e transformado em sucesso mundial.

Mais recentemente, no ano de 2015, lançou o "Numero zero" (titulo original em italiano), traduzido para o português por Ivone Benedetti, editado pela Record e que recebeu o título homônimo no Brasil. Assim, a obra se junta a outras renomadas – como O pêndulo de Foucault (1988) ou O cemitério de Praga (2011) – de autoria desse italiano, nascido em Alexandria, e que consegue, ao discorrer sobre temas diversificados e atualizados, na efervescência de seus 84 anos, uma atuação impecável como colaborador incansável junto a diversos títulos acadêmicos e revistas semanais, como a italiana L'Espresso.

Em Número zero, sem deixar de lado críticas recursivas ao hermetismo acadêmico, Eco monta sua trama conspiratória na redação de um jornal da capital da região da Lombardia, a bela Milão, do ano de 1992. Resistente à ideia de que "[...] quem vive cultivando esperanças impossíveis já é um perdedor" (p.19), a personagem Colonna, revisor de manuscritos em editoras de quinta categoria, e que, decerto, nunca seriam publicados, eventual tradutor, eterno candidato a escritor e a jornalista de sucesso, persiste a alimentar o sonho que todos os fracassados nutrem de algum dia conseguir escrever um livro que lhes assegure glória e fama. E diz (p.21):

[...] Para aprender a ser um grande escritor trabalhei até como nègre (ou ghost-writer, como se diz hoje para ser politicamente correto) para um autor de romances policiais, que, por sua vez, para vender assinava com nome americano [...] Era bom trabalhar à sombra, coberto por duas cortinas (o Outro e o nome do Outro).

Isto se dá até Colonna receber o convite para coordenar a redação de um jornal. Não se trata de um jornal qualquer. Trata-se, sim, de um diário que nunca será editado. Fictício desde o título meticulosamente escolhido – Amanhã. O intuito do proprietário do jornal – o comendador Vimercate – é apenas utilizá-lo contra os inimigos. E aqui entra mais uma vez um dos recursos recorrentes ao longo dos romances do escritor: lançar mão de ambientes históricos em suas obras ficcionais para favorecer a imaginação do leitor.

Isto é, o público de Número zero fica totalmente livre para associar a ambiência romanesca à presença do ex-premiê Silvio Berlusconi, considerado pela Forbes como o 194º homem mais rico do mundo e, por conseguinte, um dos empresários e políticos italianos mais poderosos. Segundo a polêmica enciclopédia colaborativa Wikipedia2, Berlusconi ocupou o cargo de presidente do Conselho de Ministros (primeiro-ministro da Itália) durante nove anos ao total, sendo o governante que por mais tempo permaneceu no cargo no período pós-guerra, e o terceiro com mais tempo desde a unificação do país, aquém somente de Benito Mussolini e Giovanni Giolitti. E mais, Berlusconi é o acionista controlador da Mediaset, poderoso conglomerado midiático da Itália e proprietário do clube de futebol A. C. Milan, lembrando que esse esporte é o mais apreciado pelos italianos.

E, então, de forma direta, sem preâmbulos, Eco desperta a desconfiança do público rumo à mídia que aí está a serviço do poder econômico e político. "Brincando", afinal se trata de obra ficcional, planta a dúvida no coração e na mente dos menos desavisados, ao afirmar, na página 43, ipsis litteris:

Os jornais mentem, os historiadores mentem, a televisão hoje mente. Você não viu nos telejornais há um ano, com a Guerra do Golfo, o pelicano coberto de óleo, agonizando no Golfo Pérsico? Depois foi apurado que naquela estação era impossível haver pelicanos no Golfo, e as imagens eram de oito anos antes, no tempo da Guerra Irã-Iraque. Ou então, como disseram outros, pegaram uns pelicanos no zoológico e lambuzaram de petróleo. O mesmo deveriam ter feito com os crimes fascistas. Veja bem, não [...] quero fazer de conta que não houve massacre de judeus [...] Mas não confio em mais nada. Os americanos foram mesmo até a lua? [...] E a Guerra do Golfo aconteceu mesmo ou nos mostraram só trechos de velhos repertórios? Vivemos na mentira e, se você sabe que lhe estão mentindo, precisa viver desconfiado. Eu desconfio [...] sempre [...].

Na esfera de um jornal inexistente, conspiração, farsa e amores aparentemente improváveis mesclam-se, sobretudo, quando um redator aparentemente paranoico, Braggadocio, conduz diálogos intermitentes com Colonna (às vezes, de extrema monotonia) sobre fatos inacreditáveis e diabólicos. Há de tudo. Loja maçônica, assassinato de papa, golpe de Estado, atuação da CIA e de serviços secretos... O ápice fica por conta da possibilidade da sobrevivência do ditador Mussolini após a Segunda Guerra Mundial. Tudo transcorre vertiginosamente por longos 20 anos até o assassinato do fantasioso Braggadocio, levando consigo o futuro de um jornal que não chegou a existir, mas deixa prever como se faz, com excelência, o mau Jornalismo.

1NE: Resenha escrita e recebida antes da morte de Umberto Eco no dia 19 de fevereiro de 2016.

2SILVIO Berlusconi. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Silvio_Berlusconi>. Acesso em: 5 fev.2016.

Maria das Graças Targino (autora da resenha)

Professora Pós-Doutora em Jornalismo. Doutora em Ciência da Informação. Docente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal da Paraíba. E-mail: gracatargino@hotmail.com

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution Non-Commercial, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que sem fins comerciais e que o trabalho original seja corretamente citado.