SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.6 número2Prevenção socioespacial da violência: Inibindo a violência em Caracas através do planejamento espacialA mensuração do potencial interno de desenvolvimento de um Arranjo Produtivo Local: uma proposta de aplicação prática índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana

versão On-line ISSN 2175-3369

urbe, Rev. Bras. Gest. Urbana vol.6 no.2 Curitiba maio/ago. 2014

https://doi.org/10.7213/urbe.06.002.AC01 

ARTIGOS CIENTÍFICOS

 

A centralidade e o multiplicador do emprego: um estudo sobre a Região Metropolitana de Curitiba

 

Centrality and the employment multiplier: a study on the Metropolitan Region of Curitiba, Paraná state, Brazil

 

 

Udo StrassburgI; Jandir Ferrera de LimaII; Nilton Marques de OliveiraIII

IDoutorando em Desenvolvimento Regional e Agronegócio (Unioeste), professor da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Toledo, PR - Brasil, e-mail: udo@udostrassburg.com.br
IIDoutor em Desenvolvimento Regional (Université du Québec), professor do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Agronegócio, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Toledo, PR - Brasil, e-mail: jandir.Lima@unioeste.br
IIIDoutorando em Desenvolvimento Regional e Agronegócio (Unioeste), professor da Universidade Federal do Tocantins (UFT), Palmas, TO - Brasil, e-mail: niltonmarques@mail.uft.edu

 

 


RESUMO

O objetivo deste artigo é identificar e analisar os níveis de centralidade existentes entre as cidades da Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Em 1974, o governo estadual instituiu a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec), com o objetivo de coordenar as ações e planejar o desenvolvimento integrado dos 29 municípios que compõem a RMC. A RMC tem 3.493.742 habitantes, correspondendo a 33,45% do total da população do Paraná, a densidade demográfica é de 153,06 habitantes por km² e é composta, em sua maioria, de cidades consideradas pequenas no que se refere ao número de habitantes. A abordagem metodológica adotada foi a Teoria do Lugar Central, proposta por Walter Christaller. Essa pesquisa foi realizada com os dados sobre população, valor adicionado fiscal e sobre os empregos na Região Metropolitana de Curitiba divididos por ramos de atividade econômica para melhor identificar quem mais contribui para o crescimento regional. Foram estimados indicadores de análise regional para complementar a análise, tais como o quociente locacional, base econômica, multiplicador do emprego e o índice de centralidade. Os resultados apontaram que na década de 2000 o lugar central da RMC foi e continua sendo Curitiba, com índice de centralidade bem superior às demais cidades. Foi constatada uma hierarquia dos lugares relacionada com as áreas de mercado, definidas tanto pelo contingente populacional quanto pela capacidade de multiplicar empregos. O município de Curitiba emprega 71,8% dos trabalhadores da RMC, apresenta um índice de centralidade alto e influencia de maneira significativa os municípios circunvizinhos. E essa centralidade não apresentou alterações nos últimos anos, mas se fortaleceu.

Palavras-chave: Polarização. Economia urbana. Desenvolvimento urbano. Região Metropolitana.


ABSTRACT

This paper aims to identify and analyze the levels of centrality among the cities of the Metropolitan Region of Curitiba (MRC), Paraná state, Brazil. In 1974, the Government established the Coordination of the Metropolitan Region of Curitiba (Comec) in order to coordinate actions and plan the integrated development of the twenty-nine cities that comprise the MRC. The MRC has 3,493,742 inhabitants, representing 33.45% of the total population of Paraná state; the population density of the area is 153.06 inhabitants per km², composed mostly by cities considered small in relation to the number of inhabitants. The "Central Place Theory" proposed by Walter Christaller was adopted as the methodological approach. This research was carried out with data about population, value added tax, and jobs in the MRC, divided into types of economic activity, aiming to identify the largest contributors to regional growth. Indicators of regional analysis, such as locational quotient, economic base, employment multiplier, and centrality index were estimated to complement this analysis. Results showed that, in the 2000s, Curitiba was and still remains the central place of the MRC, with a centrality index much higher compared with the other cities. Hierarchy of places related to the market areas was observed, defined not only by the population quota, but also by the ability to multiply jobs. The municipality of Curitiba employs 71.8% of the workers in the MRC, presents a high centrality index, and significantly influences its surrounding municipalities. This centrality has not changed in recent years, but it has grown stronger.

Keywords: Polarization. Urban economy. Urban development. Metropolitan Region.


 

 

Introdução

O objetivo deste artigo é identificar e analisar os níveis de centralidade existentes entre os municípios que compõem a Região Metropolitana de Curitiba (RMC).

Os objetivos específicos foram: descrever o perfil das cidades da Região Metropolitana de Curitiba - RMC; estimar o multiplicador do emprego para cada cidade da Região Metropolitana de Curitiba - RMC; e encontrar os índices da centralidade entre as cidades da Região Metropolitana de Curitiba - RMC.

A RMC, além de ter em seu rol de municípios a capital do estado do Paraná, Curitiba, tem um forte aliado, o governo estadual, que instituiu em 1974 a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba - Comec (PARANÁ, 1974), criada para coordenar as ações de interesse público e planejar soluções conjuntas para as necessidades da região, estando vinculada à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano do Paraná (Sedu). Entre as suas atribuições, estão o planejamento e a gestão do desenvolvimento integrado dos 29 municípios da RMC bem como a elaboração do planejamento integrado da região, fazer cumpri-lo e controlá-lo, promover pesquisas, coordenar serviços comuns etc.

Atualmente, na RMC está concentrado, aproximadamente, 1/3 da população do estado do Paraná. Por isso, essa análise se justifica ao trazer à tona a intensidade das relações econômicas entre os municípios da RMC. Essas relações permitem conhecer a rede de interdependência em relação à produção de bens e serviços e o seu consumo, além da capacidade de produção e consumo dos espaços urbanos, por meio da sua capacidade de gerar postos de trabalho.

A pesquisa foi realizada com base no referencial teórico proposto por Walter Christaller, denominado Teoria do Lugar Central. Para estimar o indicador de centralidade proposto por Christaller (1966) foram utilizados dados sobre o emprego formal na RMC, distribuídos nos ramos de atividade econômica. Além do indicador de centralidade, também foram estimados indicadores de localização para complementar a análise, como o quociente locacional e o multiplicador do emprego.

 

O perfil da Região Metropolitana de Curitiba

Como a Região Metropolitana de Curitiba - RMC é o objeto deste estudo, cabe fazer apontamentos sobre sua constituição e sobre os municípios que a compõem. A RMC está localizada a leste do estado do Paraná, não contempla municípios litorâneos e foi constituída pela Lei Complementar nº 14, de 8/6/1973 (BRASIL, 1973). Em 1973, a RMC foi iniciada com 14 municípios: Curitiba, Almirante Tamandaré, Araucária, Bocaiúva do Sul, Campo Largo, Colombo, Contenda, Piraquara, São José dos Pinhais, Rio Branco do Sul, Campina Grande do Sul, Quatro Barras, Mandirituba e Balsa Nova, mas atualmente possui 29 (Figura 1).

Para fins desta análise, optou-se pela classificação da RMC de acordo com a Lei Complementar Federal nº 14, de 1973, e seus desmembramentos, que ocorreram por meio das de leis estaduais, cuja última foi a Lei 139/2011.

Novos municípios foram incorporados à RMC - um em 2002 (Lapa), três em 2012, (Campo do Tenente, Rio Negro e Piên) - agregados e não desmembrados de um município já pertencente à RMC, caso dos anos de 1992 e 1995, em que foram criados novos municípios.

Segundo dados do Censo Demográfico de 2010, a RMC possui 3.493.742 habitantes, correspondendo a 33,45% do total da população do estado do Paraná, ou seja, praticamente 1/3 da população do estado. A área ocupada pela RMC é de 16.383,60 km2, que corresponde a 11,45% da área total do estado, indicando uma densidade demográfica de 153,06 habitantes por km2, bem superior à do restante do estado, de 39,38 (IBGE, 2010).

A Região Metropolitana de Curitiba é composta, em sua maioria, de cidades consideradas pequenas no que se refere ao número de habitantes. A Tabela 1 apresenta o número de municípios em relação à sua população. Somente três municípios tinham mais que 150 mil habitantes - Colombo, Curitiba e São José dos Pinhais - , ou seja, a capital do estado e mais duas cidades situadas no seu entorno.

 

 

A maioria das cidades que compõem a RMC tem PIB acima de R$ 450 milhões, situando-se em um corredor cuja cidade central é Curitiba (13) (Figura 2).

O corredor apresentado na Figura 2 refere-se a uma rede de cidades na qual a proximidade entre elas estimula a localização de atividades econômicas complementares, diminuindo, assim, custos com transportes (ABLAS, 1982).

Em termos de desenvolvimento humano, apenas quatro municípios paranaenses tinham em 2000 um IDH superior a 0,800, considerado elevado, quais sejam: Araucária, 0,801; Curitiba, 0,856; Pinhais, 0,815; e Rio Negro, 0,801. Todos os outros tinham um IDH entre 0,627 e 0,800, considerado médio. Comparando-se o IDH de 1991 com o de 2000, observa-se que em todos os municípios houve elevação desse índice, ou seja, houve uma sensível melhora nas condições de vida na RMC.

Já o Produto Interno Bruto (PIB) da Região Metropolitana de Curitiba representou em 2009 cerca de 46,22% do PIB do Paraná (IBGE, 2010).

 

A centralidade em uma região

A região, no sentido geográfico, é composta por aglomerações, ou seja, é uma organização espacial que possui aglomerações humanas em um espaço limitado, as quais demandam por atividades especializadas. Na região, cada aglomeração tem características próprias, com formas de vida diferenciadas, em função do grau de urbanização, da infraestrutura e das atividades ali desenvolvidas, sejam elas nos setores primário, secundário ou terciário (SINGER, 1990).

Já para Breitbach (1988), a região representa a localização específica de atividades produtivas e características geográficas. Porém, a caracterização de região muda conforme as especificidades da sua territorialidade e os critérios de classificação do pesquisador.

Por exemplo, no caso desta pesquisa, a abrangência escolhida para a Região Metropolitana de Curitiba foi levada a efeito pela lei que a concebeu, optando pelos municípios mais próximos à metrópole Curitiba. Outros autores, como Piacenti (2012), já classificaram a RMC com 37 municípios, distribuídos em cinco microrregiões, incluindo os municípios litorâneos, numa posição mais a leste do estado do Paraná, os quais, nessa pesquisa, não foram contemplados.

Indiferente ao número de municípios que compõem uma região, em especial a RMC, sabe-se que para seu desenvolvimento harmônico há necessidade de se estabelecerem relações inter e intrarregionais ligadas ao comércio, à prestação de serviços e à cooperação, para as necessidades da população poderem ser atendidas.

Dessa forma, as cidades procuram se organizar em redes, para que a soma das transações efetuadas pelos diversos agentes, sejam eles pessoas físicas ou jurídicas, possa fluir com certa intensidade, de forma que o excedente venha a ser oferecido a outras cidades ou regiões. O grau de intensidade dessas ações é que irá determinar a centralidade de um município em relação a outros (SINGER, 1990). Nesse sentido, a integração torna-se uma das prerrogativas para se estabelecerem externalidades positivas na organização em rede e assim se auferir um maior grau de cooperação entre as municipalidades, o que envolve desde uma boa governança até um perfil mais equitativo na distribuição e nas interrelações produtivas no espaço regional (FERRERA DE LIMA, 2010a). Para analisar as interrelações entre os espaços urbanos e suas áreas de influência surgiu a teoria dos lugares centrais.

A Teoria do Lugar Central afirma que o desenvolvimento e o crescimento das áreas urbanas dependem do tipo de serviço fornecido ao seu entorno, ou seja, das áreas de mercado de cada aglomeração urbana. A partir das áreas de mercado ou de influência, estabelece-se a hierarquia das aglomerações no espaço regional. Ou seja, quanto maior a centralidade, maior a área de influência e mais aglomerações na "órbita" de um centro (CHRISTALLER, 1966).

A centralidade, além de demonstrar a organização e hierarquização do espaço, também apresenta o padrão de formação da rede de cidades e o papel da especialização de cada uma delas nessa rede. A especialização em diversas atividades é o que determinará o crescimento e desenvolvimento como um centro ou uma centralidade. Quanto maior a área de influência de uma aglomeração, maior a sua polarização. Nesse caso, a densidade tem um papel preponderante para determinar a polarização.

Em geral, o avanço dos lugares centrais ou polos dependerá da densidade, seja ela populacional, do nível de renda e do número de atividades produtivas, em particular do setor terciário (no caso da teoria dos lugares centrais). Como o setor terciário depende dos dois primeiros elementos, seu crescimento é um indicador natural da capacidade de polarização dos centros urbanos. No caso, o setor terciário compõe as funções do lugar central, quais sejam: diversos tipos de comércio e serviços, desde serviços públicos, financeiros e bancários, especializados, grandes ou pequenos; religiosos e espirituais; de ensino em todos os níveis culturais; serviços de saúde etc.

De acordo com Christaller (1966), a hierarquização dos lugares centrais se dá como exposto na Figura 3.

 

 

A Figura 3 mostra como Christaller (1966) teorizou a organização do espalho a partir dos lugares centrais. A figura demonstra que os centros se organizam conforme o tamanho e sua área de influência. No caso, as linhas representam as áreas de influência e os pontos, o tamanho das aglomerações. Quanto maior a aglomeração, maior a área de influência. No caso, o tamanho dos pontos indica também o posicionamento das aglomerações na hierarquia regional.

Os bens e serviços poderão ser consumidos por qualquer um, seja do lugar central ou de regiões complementares, só que o custo geral para obtenção desses serviços não será igual para todos, justamente pelo fator transporte e fricção espacial (tempo e restrições de deslocamento). Isso se torna uma restrição ao consumo e à mobilidade da força de trabalho.

Para analisar a centralidade dos municípios da Região Metropolitana de Curitiba foram verificados os índices de centralidade apresentados a seguir.

 

Indicadores da centralidade e questões metodológicas

A racionalização em torno do lugar central está na interdependência e complementariedade. De um lado, há a demanda de bens e serviços e, de outro, o fornecimento de bens e serviços, bem como a demanda de fatores de produção. Tanto o polo como a periferia são dependentes um do outro, porém o polo exerce o poder de influência e dinamismo. E é neste sentido que Piffer et al. (2002) analisaram o comportamento da base econômica2 do estado do Paraná, a reestruturação das atividades produtivas e a sua inserção na economia brasileira por meio da identificação de padrões de concentração ou dispersão espacial do emprego setorial. Na pesquisa de Piffer et al. (2002) foram utilizados os seguintes indicadores: o quociente locacional, o multiplicador do emprego e o índice da centralidade.

Com a mesma metodologia identificou-se a centralidade entre os municípios da Região Metropolitana de Curitiba, utilizando-se como variável principal a ocupação dos trabalhadores nos 29 municípios que compõem a RMC, verificando-se quais são os lugares centrais e os complementares. A base de dados utilizada foi obtida com dados informados na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS, 2010) e também da população de cada município, informada no Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2010). Para a elaboração desta análise foram utilizados dados da distribuição do emprego nas cidades da RMC dos anos de 2000 e 2010, divididos em oito ramos, que representam as atividades exercidas nos municípios.

 

O quociente locacional

Os resultados do QL apresentam o padrão locacional dos ramos de atividades econômica. O indicador também aponta os setores mais especializados (potenciais) nas diferentes regiões, comparando-as a uma macrorregião de referência. (ALVES, 2012). O QL é estimado de acordo com a seguinte equação:

em que:

QL = Quociente locacional;

Si = Emprego na atividade i na cidade;

St = Emprego total na cidade;

Ni = Emprego na atividade i na Mesorregião Metropolitana de Curitiba; e

Nt = Emprego total na Mesorregião Metropolitana de Curitiba.

O multiplicador do emprego básico é utilizado com o intuito de quantificar o impacto do emprego básico nos municípios da Região Metropolitana de Curitiba, dividido por ramos da economia. O emprego básico é aquele com QL>1, também chamado de emprego ou atividade motora. A metodologia utilizada foi descrita em Piffer et al. (2002) e Piffer (2012), utilizando-se a seguinte equação:

em que:

Bi = emprego básico da atividade na cidade;

Si = emprego na atividade i na cidade;

St = emprego total na cidade;

Ni = total de emprego nas atividades na Mesorregião Metropolitana de Curitiba; e

Nt = total de empregos na Mesorregião Metropolitana de Curitiba.

Levando em consideração a Equação 2, chega-se a:

em que:

E = emprego total;

EB = emprego básico; e

EM = emprego não-básico

Esse indicador apresenta resultados que indicam a capacidade de o município criar postos de trabalho no momento em que a atividade motora é estimulada. Ou seja, a cada emprego criado na atividade motora (que tem QL>1), um número de empregos é criado nas atividades complementares.

 

A centralidade

Na busca de identificar e analisar a centralidade das cidades que compõem a Região Metropolitana de Curitiba (RMC), utilizaram-se os parâmetros e indicador estabelecidos por Walter Christaller, baseado em Colla, Queiroz e Ferrera de Lima (2007).

O período base para a análise dos dados foi correspondente aos anos 2000 e 2010. A centralidade é estimada pela seguinte equação:

em que:

C = medida de centralidade;

Tz = emprego total na cidade;

Ez = população total na cidade;

Tg = emprego total da Região Metropolitana de Curitiba; e

Eg = população total da Região Metropolitana de Curitiba.

A apresentação dos resultados obtidos foi feita por meio de tabelas e figuras. As tabelas foram dispostas para representar a indicação do emprego, o quociente locacional, a base econômica e o multiplicador do emprego para as cidades da Região Metropolitana de Curitiba. Os dados obtidos serão analisados com base na Teoria do Lugar Central.

 

Resultados e discussões

Antes de entrar no processo de análise dos resultados serão feitos alguns esclarecimentos sobre o emprego na RMC e o período pesquisado.

A Tabela 2 mostra que, numa primeira análise, a maioria dos municípios apresentou aumento no número de empregos, comparando-se os dois períodos. Somente os municípios Quatro Barras (21) e Doutor Ulysses (28) tiveram redução nesse número, de 13,72% e 13,35%, respectivamente.

Em relação aos ramos de atividade econômica, quase todos os municípios apresentaram um pequeno aumento no número de postos de trabalho. Em termos percentuais isso representou uma variação de 0,4% a 2,65% em relação ao total de empregos da RMC. Os ramos que tiveram esses percentuais diminuídos em relação ao total foram Extrativa Mineral (1) e Administração Pública (7), com - 0,1% e - 6,7%, respectivamente.

Analisando-se sob o aspecto individual, esses aumentos parecem ser significativos. Comparando-se o total de postos de trabalho em cada ano pesquisado, seu aumento foi de 41%. Também, nesse mesmo sentido verificou-se crescimento do número de empregados em cada município que compõe a RMC, ficando sua variação entre 20,17% e 80,61% no período analisado, excluindo-se as duas cidades que sofreram diminuição de empregos. Isso mostra que os municípios cresceram e estão se dinamizando, não significando que tenha havido desenvolvimento socioeconômico da RMC mas que os dados mostram que ela tem apresentado crescimento econômico. Segundo Brose (2000) e Haddad (2009), o desenvolvimento socioeconômico depende de complexa, demorada e contínua interação e sinergia entre fatores econômicos, políticos, sociais e culturais para acontecer, o que implica no fortalecimento de fatores intangíveis, ou capitais intangíveis.

Os maiores aumentos no número de empregos ocorreram no ramo de atividade Serviços Industriais de Utilidade Pública (3), nos municípios de Fazenda Rio Grande (5.700%), Pinhais (16.500%), São José dos Pinhais (14.050%) e Colombo (28.500%). E esses aumentos ocorreram no setor três em 13 cidades diferentes. Outro destaque está no ramo da Construção Civil e no ramo do Comércio, com aumentos significativos em 18 e 11 municípios, respectivamente. Quanto aos municípios que se destacaram em aumentos consideráveis em relação ao número de ramos, citam-se Agudos do Sul e Tunas do Paraná, que tiveram esses aumentos em seis dos oito setores destacados. Apenas os municípios de Curitiba (13) e Rio Branco do Sul (23) não tiveram aumentos acima de 200% em termos absolutos no período estudado.

No que concerne à retração, ou seja, à ocorrência de diminuição do número de empregos no período estudado, os seguintes ramos de atividades foram destaque: Extrativa Mineral (1), com dez municípios com redução de emprego, e o setor Agropecuário, extração vegetal, caça e pesca (8), com oito municípios. As maiores reduções (100%) foram verificadas nos ramos Extrativa Mineral (1), Serviços Industriais de Utilidade Pública (3) e Construção Civil (4), nos municípios de Doutor Ulysses, Itaperuçu e Adrianópolis, respectivamente. Já em relação aos municípios que obtiveram o maior número de ramos (quatro) com redução do número de empregados, cita-se o município de Doutor Ulysses. Há de se destacar que, nos ramos Comércio (5) e Administração Pública (7) não houve redução de empregos em nenhum município. Também é interessante destacar que em 11 municípios da RMC não ocorreu redução de emprego em nenhum ramo de atividade. Para nove municípios, apenas em um ramo houve redução, e para oito municípios os empregos foram reduzidos em dois ramos de atividades.

Em uma análise geral, as diminuições ocorridas foram pequenas em relação ao número de postos de trabalho alcançados no período analisado. Ou seja, em termos de dinamismo, a RMC no seu conjunto tem conseguido expandir sua oferta de postos de trabalho.

Entre os oito ramos analisados na Tabela 2, quatro deles correspondem à absorção de 91,2% de todos os postos de trabalho da RMC, ficando para os quatro restantes somente 8,8% do total. O ramo que absorve o maior número de empregados é o de Serviços (6), que corresponde a 37,2% do total, em seguida vem o setor Indústria da Transformação (2), com 18,2%, logo após o setor Administração Pública (7), com 18,1%, e o Comércio (5), com 17,7%. Vale ressaltar que o setor Administração Pública teve uma redução em termos percentuais, comparativamente ao total dos empregos da RMC, já que em 2000 correspondia a 24,9% e em 2010, a 18,1%. Mesmo assim, em 11 anos houve contratação de mais 43.258 novos servidores públicos. A Tabela 3 apresenta os dados diversificados, tanto para os ramos como para os municípios, com uns aumentando o número de postos de trabalho, outros diminuindo, isso em uma região próspera.

No sentido de explicar essa variação será apresentado o valor adicionado dividido por ramos de atividades para cada município que compõe a RMC.

Segundo Dias (2005, p. 2),

o VAF - Valor Adicionado Fiscal resulta da diferença entre os valores das operações de saída de mercadorias e serviços, sujeitos ao ICMS, em relação aos de entrada, consideradas as variações de estoque.

Assim é obtido o registro daquilo com que cada município contribuiu para a formação do Produto Interno Bruto (PIB).

A Tabela 3 apresenta o VAF dos municípios da RMC nos anos de 2000 e 2010.

A Tabela 3 foi elaborada levando-se em consideração os quatro ramos correspondentes às atividades básicas de um município. Em uma análise geral da Tabela 3 percebe-se que em 2000 os ramos de atividade Indústria e Comércio e Serviços corresponderam a 81,76% do valor adicionado da RMC, tendo ele no ano de 2010 atingido o patamar de 85,94%, sendo o ramo da Indústria o mais significativo. O valor adicionado através da indústria está predominando em 19 municípios no ano de 2000 e em 18, em 2010. O ramo Comércio e Serviços está predominando em seis municípios no ano de 2000 e em nove municípios em 2010. Para o restante dos municípios, predominou a produção primária.

Ao analisar a contribuição ao Valor Adicionado Fiscal total dos municípios da RMC verificou-se que somente o ramo Comércio e Serviços teve um aumento percentual de 2000 para 2010, passando de 26,58% para 34,66%. Comparando-se a contribuição ao valor adicionado fiscal por município de 2000 e 2010, percebe-se que a produção primária reduziu sua contribuição ao VAF em 16 municípios. No ramo Indústria, a redução ocorreu em 17 municípios e no ramo de Recursos/Altos, em 18 municípios. O ramo que teve redução em menor número de municípios foi o de Comércio e Serviços, cuja redução se efetivou somente em nove municípios.

Em síntese, houve crescimento em três dos quatro ramos analisados: Produção primária cresceu em termos nominais 305,64%; Indústria, 235,72%; e Comércio e Serviços, 250,61%. O ramo Recursos/Altos teve redução de 38,19%. Cabe ressaltar que no conjunto do espaço paranaense a RMC possui a ocupação menos expressiva da mão de obra nas atividades primárias. O incremente no VAF, nesse caso, se dá em função de melhorias na produtividade, na valorização dos gêneros agrícolas produzidos na RMC e na reconversão de espaços de uma atividade à outra.

Comparando-se os municípios da RMC com o centro polarizador (Curitiba), nota-se que a contribuição de Produção primária e Indústria para o VAF de 16 cidades foi menor de 10%. Em contrapartida, o ramo Comércio e Serviços é nelas cada vez mais significativo. Ou seja, enquanto as atividades de transformação se concentram, o setor terciário se espraia no entorno do município de Curitiba. Cabe ressaltar que 13 municípios exercem a produção primária de forma acentuada, exportando esses produtos para os núcleos urbanos do entorno. No entanto, os produtores de bens primários necessitam de serviços especializados de maior valor agregado, precisando satisfazer suas necessidades em outras localidades, transferindo dessa forma também a sua renda.

Percebe-se então que os postulados de Christaller (1966) quanto ao papel dos centros consumidores e da estrutura de comércio e prestação de serviços são válidos para a RMC. A área de mercado de Curitiba se ampliou em função da complexidade de sua base produtiva e pela expansão das atividades de prestação de serviços de alto nível. O entorno de Curitiba se fortaleceu nas atividades primárias. Apesar de alguns municípios possuírem uma estrutura urbano-industrial de alto valor adicionado, como é o caso de Araucária (indústria petroquímica) e São José dos Pinhais (metal mecânica), outros municípios ainda têm como carro chefe a indústria tradicional (madeira, mobiliário, confecções, cerâmica, alimentos), cujo valor adicionado é menor.

 

A localização e o multiplicador de emprego na RMC

Na Tabela 4 os dados foram distribuídos por municípios e pelos oito ramos de atividade econômica anteriormente nominados. Nas colunas e linha totais, os setores/cidades que têm o quociente locacional maior que a unidade estão demonstrando que as atividades com especialização significativa são atividades de base, ou seja, motoras na economia do município em termos de emprego da força de trabalho.

No ano de 2010, os ramos Extrativa Mineral (1), Indústria da Transformação (2), Administração Pública (7) e Agropecuária, extração vegetal, caça e pesca (8) se apresentavam em mais da metade do total dos municípios com o quociente locacional maior que a unidade, significando que esses são os ramos básicos que contribuem significativamente para a economia regional.

O ramo Agropecuária (8) estava em destaque em relação ao quociente locacional, pois 23 dos 29 municípios da RMC apresentavam esse quociente maior que a unidade. Outros ramos que estavam com um avanço significativo e QL maior que a unidade foram: Extrativa Mineral (1), com 19 dos 29 municípios; e Indústria da Transformação (2), com 20 dos 29 municípios. No que se refere aos ramos, situação bem parecida ocorreu no ano de 2000.

Após a estimativa do quociente locacional da RMC, foi estimado o multiplicador de emprego de cada município, com base nos valores do emprego básico e do emprego não básico em relação à região, para ano de 2010 (Tabela 5).

Os valores do multiplicador de emprego apontaram a seguinte conjuntura: o município de Adrianópolis obteve índice multiplicador de emprego de 1,25, baixo, que mostra as condições que as atividades motoras têm para alavancar as condições de emprego e renda no local. Ou seja, cada emprego básico no município estimula a geração de 1,25 empregos no setor não básico. Isso significa que os empregos básicos correspondem a 1,25% dos empregos totais, e que os empregos não básicos correspondem a 98,75% do total. Isso também caracteriza o efeito empuxo que o crescimento dos empregos básicos fomenta na economia urbana e mesmo regional.

Como destaque, observa-se, em 2010, o município Campina Grande do Sul (7), que estava com o multiplicador de emprego na faixa de 12,19; o município Curitiba (13), com 151,42; e o município Mandirituba (17), com 20,60. Em relação aos outros 26 municípios perceberam-se dois grupos: o primeiro, com quatro municípios que estão com o multiplicador de emprego entre 3,00 e 5,44; e o segundo, com 22 municípios apresentando o multiplicador de emprego entre 1,25 e 2,94. Essa divisão destaca a quantidade de municípios com multiplicador de emprego baixo e que certamente estavam dependendo de outros centros para satisfazer suas necessidades de consumo, sejam elas de serviços comuns ou especializados.

Já em 2000 essa situação se encontrava da seguinte forma: os municípios Curitiba (13), com 17,12; Mandirituba (20), com 6,83; e Colombo (29), com 8,46. Os outros 26 municípios também foram divididos em dois grupos: um com 16 municípios cujo índice variava de 3,00 a 5,44, e o outro com 10, com variação pouco significativa, índice entre 1,95 e 2,80.

Para se observar melhor a evolução do multiplicador de emprego entre os anos de 2000 e 2010 foi elaborado um mapa, Figura 4, que mostra a evolução do multiplicador de emprego na RMC, dividido em quatro níveis distintos.

Os dados demonstram que o poder de centralidade de Curitiba se manteve ao longo dos anos, apesar do avanço de Mandirituba e Campina Grande do Sul. A capacidade de multiplicar empregos é um dos fortes atrativos de população. Pois quanto maior a capacidade de multiplicar empregos, maior a capacidade de ampliar a disponibilidade de postos de trabalho e atrair mão de obra. Isso reforça a área de mercado do município. Além do efeito polarizador, Curitiba ainda tem um potencial de criação de postos de trabalho mais significativo que seu entorno.

 

O perfil da centralidade da RMC

Com o intuito de mostrar os locais centrais da RMC, foram elaboradas estimativas do índice de centralidade dos anos de 2000 e 2010 para verificar a evolução dos municípios neste período. A unidade base para a análise do presente cálculo é o emprego.

Na Tabela 6 estão transcritas as estimativas do índice da centralidade e sua variação no período analisado, mostrando que apenas cinco cidades entre as vinte e nove tiveram uma variação negativa, as demais vinte e quatro tiveram um aumento do seu índice de centralidade.

Pôde-se perceber que o índice de centralidade do município Curitiba (13) em 2010, 2.443,88, foi 17.357% maior que o menor índice da RMC, ou seja, 173 vezes maior que o da cidade Tunas do Paraná (27) (14,08) e 4,54 vezes maior que a cidade Colombo (29), que tem o segundo maior índice de centralidade da RMC. Na Tabela 6, também foram colocados em destaque os índices de centralidade com três dígitos, considerados índices altos. Para o ano de 2000, as cidades são: Almirante Tamandaré (3), Piên (18), Pinhais (19), Piraquara (20), São José dos Pinhais (25), Tijucas do Sul (26) e Colombo (29). E para o ano de 2010: Almirante Tamandaré (3), Araucária (4), Campo Largo (9), Fazenda Rio Grande (14), Lapa (16), Pinhais (19), Piraquara (20), São José dos Pinhais (25) e Colombo (29). Essas cidades são praticamente coladas em Curitiba, inferindo-se que quanto mais próximo do lugar central mais o município complementar cresce. Em relação aos municípios que não foram destacados, pode-se dizer que será necessário um investimento grande para a implantação de novas indústrias, comércios e prestadores de serviços.

De acordo os dados da Tabela 6, Curitiba é o lugar central de toda a RMC, com um índice de centralidade de 2.443,88. Logicamente não se pode deixar de destacar os outros lugares centrais citados acima, que estão em busca de melhoria de crescimento e de desenvolvimento.

Staduto et al. (2008) reforçam que a localização das atividades produtivas ao longo dos últimos anos sempre favoreceu a região metropolitana de modo geral. Para os autores, a concentração do emprego foi favorável à RMC nas atividades industriais, serviços e comércio. Tanto que a RMC é muito atrativa e adensada em relação ao restante do estado do Paraná nos ramos ligados às indústrias dinâmicas (de maior valor adicionado) e ao setor terciário. Mesmo que a cidade de Curitiba esteja com uma ocupação expressiva no seu espaço territorial, seu efeito de transbordamento beneficia imediatamente os municípios no seu entorno, em detrimento de outras mesorregiões paranaenses.

Na Figura 5 foram postos em destaque os municípios e o seu nível de centralidade para os anos de 2000 e 2010, destacando-se a evolução ou involução no período analisado, em termos de centralidade, em quatro níveis distintos.

Analisando-se a Figura 5 percebe-se que alguns municípios permaneceram com a centralidade em alta, outros a aumentaram e outros a diminuíram. Ou seja, não houve uma situação estática entre os municípios no período de análise. E para melhor visualizar essa questão foi elaborada a Tabela 7, destacando os municípios que aumentaram ou diminuíram a centralidade de acordo com quatro níveis de centralidade distinguidos pelas diferentes cores.

Na Figura 5 estão visíveis as cidades que permaneceram no mesmo nível, as que diminuíram um ou dois níveis e as que aumentaram um ou dois níveis. O destaque foi para a cidade Fazenda Rio Grande (14), que aumentou do nível médio baixo para o nível alto. Essa cidade é contígua de Curitiba. Também as cidades Lapa (16) e Rio Branco do Sul (23) aumentaram do nível baixo para o médio alto. Os destaques negativos ficaram para as cidades Piên (18) e Tijucas do Sul (26), que passaram do nível alto para o nível médio baixo. Ou seja, o efeito espraiamento da cidade de Curitiba se dá fortemente na contiguidade do município, reforçando um efeito de difusão por contiguidade. Segundo Ferrera de Lima (2010b), a contiguidade tem relação direta com a distância, assim como o poder de polarização. Apesar de as regiões mais contíguas aos polos sofrerem o efeito direto do polo, elas também se beneficiam das externalidades positivas dos espraiamentos dos polos. No caso da difusão por contiguidade, a difusão será mais significativa com a proximidade.

 

Conclusões

O objetivo desta pesquisa foi identificar e analisar os níveis de centralidade existentes entre as cidades que compõem a Região Metropolitana de Curitiba (RCM).

A abordagem metodológica utilizou como parâmetro os conceitos de centralidade propostos por Walter Christaller, no século XX. Com base nos pressupostos teóricos, foram utilizados dados de população, valor adicionado fiscal e sobre os empregos das 29 cidades da RMC, divididos por ramos de atividade produtiva. Com essas informações foram estimados o quociente locacional, base econômica, multiplicador de emprego e índice de centralidade. Essas informações foram usadas para melhor identificar e analisar os níveis de centralidade que apresentavam os municípios que fazem parte da RMC.

Os resultados apontaram que ao longo dos últimos dez anos (2000-2010), período da análise, o lugar central da RMC foi e continua sendo Curitiba, com índice de centralidade bem superior às demais cidades (Tabela 6). Também nessa tabela pode-se perceber que nessa região estão nove cidades que têm seu índice de centralidade com três dígitos, 4,54 a 20,56 vezes menor que o lugar central. Já para as 19 cidades com o índice de centralidade com dois dígitos, ele é de 25,29 a 173,57 vezes menor que o de Curitiba. Nesse sentido, foi identificada uma hierarquia dos lugares relacionada com as áreas de mercados, definida tanto pelo contingente populacional quanto pela capacidade de multiplicar empregos, ou seja, agregar atividades motoras.

Cabe ressaltar que Curitiba empregava 71,8% dos trabalhadores da RMC. Com isso, Curitiba, com o seu índice de centralidade alto, influencia toda a área da RMC, principalmente as cidades circunvizinhas, pois são elas que tiveram os índices de centralidade mais próximos do lugar central. Em relação aos ramos, Curitiba empregava 41,87% dos empregados no setor de serviços, 20,88% no setor público, 17,60% no setor de comércio, 11,83% no setor da indústria de transformação e o restante distribuído pelos demais ramos. Com níveis de oferta de bens e serviços significativos, a capacidade de atração de Curitiba faz com que sua influência e domínio na RMC se fortaleçam, apesar da melhora significativa nos indicadores dos municípios contíguos.

Com a identificação dos lugares centrais e também dos níveis de centralidade de cada município, podem-se definir ações em termos de causas e efeito relacionadas ao que já foi feito e também elencar prioridades na execução das necessidades que cada município tem e na elaboração de políticas de atuação para uma aproximação maior e mais rápida entre as regiões complementares e o lugar central.

 

Referências

ABLAS, L. A. Q. A teoria do lugar central: bases teóricas e evidências empíricas. São Paulo: IPE-USP, 1982.         [ Links ]

ALVES, L. R. Indicadores de localização, especialização e estruturação Regional. In: PIACENTI, C. A.; FERRERA DE LIMA, J. (Org.). Análise regional: metodologias e indicadores. Curitiba: Camões, 2012. p. 33-50. PMid:22817135.         [ Links ]

BRASIL. Lei Complementar n. 14, de 8 de junho de 1973. Estabelece as regiões metropolitanas de São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador, Curitiba, Belém e Fortaleza. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 11 jun. 1973. Seção 1, p. 5585.         [ Links ]

BREITBACH, Á. C. M. Estudo sobre o conceito de região. Porto Alegre: Fundação de Economia e Estatística Siegfried Emanuel Heuser, 1988.         [ Links ]

BROSE, M. Fortalecendo a democracia e o desenvolvimento local: 103 experiências inovadoras no meio rural gaúcho. Santa Cruz do Sul: EdUNISC, 2000.         [ Links ]

COLLA, C.; QUEIROZ, S. S.; FERRERA DE LIMA, J. A centralidade e o multiplicador do emprego: um estudo comparativo das cidades de Cascavel e Corbélia no Oeste do Paraná. Revista da FAE, v. 10, n. 1, p. 101-113, jan./jun. 2007.         [ Links ]

CHRISTALLER, W. Central places in Southern Germany. New Jersey: Prentice Hall, 1966.         [ Links ]

DIAS, M. V. F. A indústria mineral paranaense e sua participação no número de estabelecimentos, de empregos e no valor adicionado fiscal da indústria do estado e de suas regiões - 1999 e 2003. Curitiba: MINEROPAR/IPARDES, 2005. Disponível em: <http://www.mineropar.pr.gov.br/arquivos/File/publicacoes/industria_mineral.PDF>. Acesso em: 10 nov. 2012.         [ Links ]

FERRERA DE LIMA, J. Integração e desenvolvimento regional: elementos teóricos. Ideação, v. 12, p. 9-20, jan./jun. 2010a.         [ Links ]

FERRERA DE LIMA, J. La diffusion spatiale du développement économique regional: l'analyse de la diffusion au sud du Brésil dans le XXº siècle. Sarrabruck: EUE, 2010b.         [ Links ]

HADDAD, P. Capitais intangíveis e desenvolvimento regional. Revista de Economia, Curitiba, v. 35, n. 3, p. 119-146, set./dez. 2009.         [ Links ]

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Dados populacionais. IBGE, 2010. Disponível em: <www.ibge.gov.br>. Acesso em: 10 nov. 2012.         [ Links ]

INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL - IPARDES. Banco de dados estadual. IPARDES, 2012. Disponível em: <www.ipardes.gov.br>. Acesso em: 10 nov. 2012.         [ Links ]

PARANÁ. Governo do Estado. Lei Estadual nº 6517, de 2 de janeiro de 1974. Institui a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba - COMEC. Diário Oficial do Estado do Paraná, Curitiba, PR, 4 jan. 1974.         [ Links ]

PIACENTI, C. A. O potencial de desenvolvimento endógeno dos municípios paranaenses. Curitiba: Camões, 2012. PMCid:PMC3286858.         [ Links ]

PIFFER, M. et al. A base de exportação e a reestruturação das atividades produtivas no Paraná. In: CUNHA, M. S.; SHIKIDA, P. F. A.; ROCHA Jr. W. F. Agronegócio paranaense: Potencialidades e desafios. Cascavel: Edunioeste, 2002. p. 56-72.         [ Links ]

PIFFER, M. Indicadores de base econômica. In: PIACENTI, C. A.; FERRERA DE LIMA, J. (Org.). Análise regional: metodologias e indicadores. Curitiba: Camões, 2012. p. 51-62.         [ Links ]

RAIS: Relação Anual das Informações Sociais. Base de dados. RAIS, 2010. Disponível em: <www.anuariorais.caged.com.br>. Acesso em: 01 nov. 2012.         [ Links ]

SINGER, P. I. Economia política de urbanização. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990.         [ Links ]

STADUTO, J. A. R. et al. Análise locacional das ocupações nas regiões metropolitana e não metropolitana do Estado do Paraná. Revista de Economia, v. 34, n. 2, p. 117-139, maio/ago. 2008.         [ Links ]

 

 

Recebido: 04/04/2013
Received: 04/04/2013

Aprovado: 02/08/2013
Approved: 08/02/2013

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons