SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.68 número2Tribo Olyreae (Poaceae: Bambusoideae) na Ilha de Santa Catarina, BrasilRubiaceae na Serra Geral de Licínio de Almeida, Bahia, Brasil índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Rodriguésia

versão impressa ISSN 0370-6583versão On-line ISSN 2175-7860

Rodriguésia vol.68 no.2 Rio de Janeiro abr./jun. 2017

https://doi.org/10.1590/2175-7860201768219 

Artigos Originais

Flora da Região de Xingó, Alagoas e Sergipe (Brasil): Turneraceae

Flora of Xingó Region, Alagoas and Sergipe (Brazil): Turneraceae

Lamarck Rocha1  5 

Ramiro Gustavo Valera Camacho2 

Margareth Ferreira de Sales3 

José Iranildo Miranda de Melo4 

1Universidade Estadual de Feira de Santana, Prog. Pós-graduação em Botânica, Av. Universitária s/n, 44031-460, Feira de Santana, BA, Brasil.

2Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Prog. Pós-graduação em Ciências Naturais, Depto. Ciências Biológicas, Av. Prof. Antônio Campos s/n, 59633-010, Mossoró, RN, Brasil.

3Universidade Federal Rural de Pernambuco, Depto. Biologia, Prog. Pós-graduação em Botânica, R. Dom Manuel de Medeiros s/n, 52171-030, Recife, PE, Brasil.

4Universidade Estadual da Paraíba, Centro de Ciências Biológicas e da Saúde, Depto. Biologia, Av. das Baraúnas 351, 58429-500, Campina Grande, PB, Brasil.


Resumo

Este trabalho compreende o levantamento taxonômico da família Turneraceae para a Região de Xingó: Alagoas e Sergipe, Nordeste brasileiro. Foram encontradas nove espécies, distribuídas em dois gêneros: Piriqueta cistoides, P. guianensis, P. racemosa, Turnera calyptrocarpa, T. cearensis, T. chamaedrifolia, T. hermannioides, T. pumilea e T. subulata. O tratamento taxonômico inclui chave de identificação, descrições, ilustrações e comentários sobre os táxons.

Palavras-chave: Caatinga; florística; nordeste brasileiro; Piriqueta; Turnera

Abstract

This work comprises the taxonomic survey of the family Turneraceae for the Xingó Region: states of Alagoas and Sergipe, Brazilian northeastern. Nine species distributed in two genera were found: Piriqueta cistoides, P. guianensis, P. racemosa, Turnera calyptrocarpa, T. cearensis, T. chamaedrifolia, T. hermannioides, T. pumilea and T. subulata. The taxonomic treatment includes an identification key, descriptions, illustrations and comments about the taxa.

Key words: Caatinga vegetation; floristics; Brazilian northeastern; Piriqueta; Turnera

Introdução

Turneraceae é uma família predominantemente tropical com 12 gêneros e 229 espécies distribuídas na América e África (Arbo 2007). Turneraceae s.s., juntamente com Malesherbiaceae e Passifloraceae s.s., encontra-se circunscrita a Passifloraceae s.l., na ordem Malpighiales (APG IV 2016). Entretanto, estudos filogenéticos as sustentam como independentes (Thulin et al. 2012; Tokuoka 2012). Por esta razão, neste estudo considerou-se a circunscrição tradicional de Turneraceae, conforme Cronquist (1981).

No Brasil, Turneraceae está representada 158 espécies, distribuídas em dois gêneros: Piriqueta Aubl., com 39 espécies, e Turnera L., com 120 espécies (BFG 2015; Arbo 2015). Ocorrem em todas as regiões e domínios fitogeográficos, especialmente no Cerrado e Caatinga, os quais representam os principais centros de diversidade da família (Arbo & Mazza 2011). Apesar de tratar-se de um grupo bem estudado do ponto de vista taxonômico (Arbo 1995a, 1997, 2000, 2005, 2008), ainda é pouco representado em floras locais, principalmente na região Nordeste do Brasil (Arbo 1995b; Agra et al. 2009; Rocha et al. 2012; Arbo 2013; Souza et al. 2013). O estudo de Arbo (2013) para o estado de Sergipe corresponde a uma importante contribuição para o conhecimento da flora da Região de Xingó, porém as espécies do estado de Alagoas têm permanecido desconhecidas, estando restritas a menções em listas florísticas (p. ex.Arbo 2006).

Através deste estudo, objetivou-se inventariar e caracterizar morfologicamente as espécies de Turneraceae da Região de Xingó, abrangendo parte dos estados de Alagoas e Sergipe, além de prover chave de identificação, descrições, ilustrações e dados atualizados acerca da distribuição dos representantes desta família no domínio da Caatinga, dando continuidade ao projeto "Flora da Região de Xingó: Alagoas e Sergipe" (Melo et al. 2009a, b; Santos et al. 2009; Silva et al. 2010; Machado-Filho et al. 2012).

Material e Métodos

A Região de Xingó está situada no Nordeste brasileiro (9º30'-10º0'S, 37º30'-38º0'W), na confluência dos estados de Alagoas, Bahia, Pernambuco e Sergipe, com predominância da vegetação de caatinga [Savana Estépica Arborizada - IBGE (2012)]. A Região é cortada pelo rio São Francisco e se destaca como uma importante unidade geográfica e sociocultural no Brasil. A área estudada se localiza entre os estados de Alagoas (municípios de Olho d'Água do Casado, Pão de Açúcar e Piranhas) e Sergipe (municípios de Canindé do São Francisco, Nossa Senhora da Glória, Poço Redondo e Porto da Folha) (Fig. 1).

Figura 1 Mapa de localização da Região de Xingó, evidenciando a área estudada em cinza-escuro (Canindé do São Francisco, Nossa Senhora da Glória, Olho d’Água do Casado, Pão de Açúcar, Piranhas, Poço Redondo e Porto da Folha). Fonte: IBGE 2012

Figure 1 Xingó Region location map, showing the study area in dark-grey (Canindé do São Francisco, Nossa Senhora da Glória, Olho d’Água do Casado, Pão de Açúcar, Piranhas, Poço Redondo and Porto da Folha). Font: IBGE 2012

Foram analisadas as coleções dos herbários ASE, CTES, HUEFS, IPA, PEUFR, RB e UFP, além de espécimes coletados nos municípios supracitados, durante os anos de 1999 e 2002, através do projeto "Flora da Região de Xingó: Alagoas e Sergipe". As identificações foram realizadas com base em literatura especializada (Arbo 1995a, 1997, 2000, 2005, 2008). A terminologia morfológica se baseou em Radford et al. (1974) e Harris & Harris (1994), enquanto os tipos de indumentos se fundamentaram em Payne (1978) e González & Arbo (2004). As coordenadas dos municípios foram obtidas através da ferramenta GeoLoc (CRIA 2005). Os comentários referentes aos aspectos ecológicos e coloração das pétalas se basearam nas informações das etiquetas de herbário.

Resultados e Discussão

Para a Região de Xingó foram registradas nove espécies distribuídas em dois gêneros: Piriqueta, com três espécies, e Turnera, com seis espécies. De modo geral, são espécies de ampla distribuição no Nordeste brasileiro, ocorrendo principalmente em áreas de caatinga aberta, por vezes associadas a áreas antrópicas. Os caracteres que se mostraram mais úteis para a separação das espécies foram: a composição do indumento, coloração das pétalas e forma das bractéolas e sementes.

Tratamento Taxonômico

Turneraceae Kunth ex DC., Prodr. 3: 345 (1828), nom. cons.

Ervas a arbustos, anuais ou perenes. Folhas alternas, simples; geralmente com pares de nectários extraflorais basilaminares, circulares; venação broquidódroma. Estípulas 2, desenvolvidas ou rudimentares. Inflorescências cimosas, unifloras e axilares, raro formando um racemo terminal. Flores actinomorfas, bissexuais, hipóginas, homostilas ou heterostilas; pedúnculo livre ou adnato ao pecíolo (flor epifila); com ou sem pedicelo; brácteas presentes ou ausentes; bractéolas (profilos) 2, geralmente opostos, às vezes ausentes; sépalas 5, porção basal gamossépala, prefloração quincuncial; pétalas 5, dialipétalas, alternissépalas, prefloração contorta; unha conata ao tubo calicino, constituindo um tubo floral; corona ausente ou presente e, neste caso, localizada na unha das pétalas e base das sépalas; estames 5, alternipétalos, livres entre si, por vezes, adnatos pelas margens ou porção basal ao tubo floral; anteras bitecas, dorsifixas, deiscência longitudinal, introrsas; ovário 3-carpelar, gamocarpelar, unilocular, placentação parietal; estiletes 3; estigmas penicelados. Cápsulas loculicidas, 3-valvares. Sementes com arilo desenvolvido.

Chave para as espécies de Turneraceae da Região de Xingó, Alagoas e Sergipe (Brasil)

  • 1. Caules com tricomas tectores simples, estrelados, estrelados-porrectos, às vezes glandulares setiformes; flores com bractéolas rudimentares; corona presente.

    • 2. Corola salmão; epicarpo granuloso, tricomas glandulares setiformes........2. Piriqueta guianensis

    • 2'. Corola amarela; epicarpo liso, tricomas tectores simples.

      • 3. Flores reunidas em um racemo terminal; sementes lunadas................ 3. Piriqueta racemosa

      • 3'. Flores solitárias; sementes obovoides....................................................1. Piriqueta cistoides

  • 1'. Caules com tricomas tectores simples ou estrelados, às vezes glandulares microcapitados, capitado-estipitados ou capitado-sésseis; flores com bractéolas desenvolvidas, 4-13 mm compr.; corona ausente.

    • 4. Nectários extraflorais presentes.

      • 5. Indumento com tricomas tectores simples e estrelados.

        • 6. Subarbustos; flores com pedúnculo adnato ao pecíolo; filetes glabros; sementes oblongas, epiderme lisa.......................................................................... 7. Turnera hermannioides

        • 6’. Arbustos; flores com pedúnculo livre do pecíolo; filetes pilosos; sementes obovoides, epiderme papilosa............................................................................ 5. Turnera cearensis

      • 5'. Indumento apenas com tricomas tectores simples.

        • 7. Caules tomentoso-hirsutos; flores homostilas; corola amarela, base amarelo-alaranjada; epicarpo liso; sementes lunadas, retículo proeminente..................... 8. Turnera pumilea

        • 7’. Caules estrigosos; flores heterostilas; corola creme, base castanho-escura; epicarpo verrucoso; sementes obovoides, retículo plano................................ 9. Turnera subulata

    • 4'. Nectários extraflorais ausentes.

      • 8. Tricomas glandulares capitado-estipitados; estípulas rudimentares; bractéolas subuladas; corola creme, base púrpura...................................................................................................6. Turnera chamaedrifolia

      • 8’. Tricomas glandulares capitado-sésseis; estípulas desenvolvidas, ca. 4 mm compr.; bractéolas espatuladas; corola branca, base amarelo-clara....................................................................4. Turnera calyptrocarpa

1. Piriqueta cistoides (L.) Griseb., Fl. Brit. W.I.: 298. 1860.

Subarbustos ca. 1 m alt.; caules esparso-hirsutos, tricomas tectores simples, estrelados e estrelado-porrectos, ferrugíneos, tricomas glandulares ausentes. Estípulas rudimentares. Folhas com pecíolo até 3 mm compr.; nectários ausentes; lâmina 0,5-3,3(-4) × 0,1-1,2 cm, cartácea, discolor, lanceolada, base cuneada, ápice agudo, margens denticuladas, discretamente revolutas; face adaxial hirsuta, face abaxial tomentoso-velutina. Flores axilares, solitárias, heterostilas; pedúnculo 1-2 cm compr., livre do pecíolo; brácteas e bractéolas ausentes; pedicelo 3-5 mm compr.; cálice 4-7 mm compr.; corola 9-10 mm compr., amarela; corona amarela; filetes glabros, base brevemente adnata ao tubo floral; anteras com ápice curvo; estiletes glabros. Cápsulas com epicarpo liso, esparso-piloso, tricomas tectores simples. Sementes ca. 1,5 × 1 mm, obovoides, discretamente curvas, reticuladas; epiderme lisa, retículo plano.

Iconografia: Arbo (1995a: 57a-f e 58a-r).

Material examinado: SERGIPE: Canindé de São Francisco, Monumento Natural Grota do Angico, 11.V.2010, fl. e fr., A.C.C. Silva 216 (ASE).

Material adicional examinado: SERGIPE: Neópolis, Pindoba, margens do rio São Francisco, 19.II.2014, fl. e fr., E. Melo et al. 12476 (HUEFS).

Ruderal, amplamente distribuída na América (Arbo 1995a). Ocorre na maioria dos estados brasileiros (BFG 2015). São reconhecidas duas subespécies: P. cistoides subsp. cistoides (L.) Griseb. e P. cistoides subsp. caroliniana (Walt.) Arbo (Arbo 1995), apenas esta última ocorre na Região de Xingó. Foi encontrada na caatinga, em afloramentos rochosos, florescendo e frutificando em maio.

Piriqueta cistoides subsp. caroliniana pode ser reconhecida pelas flores heterostilas, axilares, solitárias, corola amarela e sementes discretamente curvas com retículo plano; a subespécie típica diferencia-se principalmente pelas flores homostilas e hábito herbáceo (Arbo 1995a). Assemelha-se a P. racemosa, a qual se diferencia pelas flores reunidas em racemo terminal e sementes lunadas.

2. Piriqueta guianensis N.E. Br., Trans. Linn. Soc. London, Bot. ser. 2, 6: 30. 1901. Fig. 2a-c

Figura 2 a-c. Piriqueta guianensis – a. ramo reprodutivo; b. parte de uma flor longistila, com duas pétalas seccionadas, corona, 2 estames e gineceu; c. semente (Moura 1085). 

Figure 2 a-c. Piriqueta guianensis – a. reproductive branch; b. part of a long-styled flower, with 2 sectioned petals, corona, 2 stamens and gynoecium; c. seed (Moura 1085). 

Subarbustos 0,4-1 m alt.; caules esparso-pilosos a tomentosos, tricomas tectores estrelado-porrectos ferrugíneos e glandulares setiformes. Estípulas rudimentares. Folhas com pecíolo 0,5-6 mm compr.; nectários ausentes; lâmina 1-4 × 0,4-0,7 cm, menor no ápice dos ramos, cartácea, discolor, ovada, elíptica a lanceolada, base atenuada, ápice agudo a obtuso, margens serreado-crenadas, revolutas; face adaxial tomentosa, face abaxial tomentoso-velutina. Flores axilares, solitárias, heterostilas; pedúnculo 1,4-2,4 cm compr., livre do pecíolo; brácteas ausentes; bractéolas rudimentares; pedicelo 4-8 mm compr.; cálice 1-1,3 cm compr.; corola 1,5-2 cm compr., salmão, base amarela; corona roxa; filetes glabros, base brevemente adnata ao tubo floral; anteras com ápice curvo; estiletes glabros. Cápsulas com epicarpo granuloso, hirsuto, tricomas glandulares setiformes de base hialina. Sementes ca. 2 × 0,8-1 mm, estreito-obovoides, discretamente curvas, reticuladas; epiderme lisa, retículo plano.

Iconografia: Rocha & Moreira (2014: fotos 13-14); Arbo (1995a: 52f-i).

Material examinado selecionado: SERGIPE: Canindé do São Francisco, fazenda Jerimum, 24.III.1999, fl. e fr., R.A. Silva & D. Moura 916 (UFP); Fazenda Baixa Verde, 2.VI.1999, fl. e fr., D. Moura 304 (UFP); Fazenda Poço Verde, 3.III.2000, fl. e fr., D. Moura & R.A. Silva 1085 (PEUFR, UFP).

Apresenta distribuição disjunta, sendo registrada na Guiana, na região Norte (Roraima) e na maioria dos estados do Nordeste brasileiro (BFG 2015), onde ocorre ruderalmente. São reconhecidas duas subespécies: Piriqueta guianensis subsp. guianensis e P. guianensis subsp. elongata (Urb. & Rolfe) Arbo (Arbo 1995a); apenas esta última ocorre na Região de Xingó. Foi encontrada na caatinga, tabuleiros, em áreas abertas, às vezes antrópicas, crescendo em substratos argilosos e arenosos; floresce e frutifica praticamente durante o ano todo.

Piriqueta guianensis subsp. elongata é endêmica do Nordeste brasileiro, podendo ser reconhecida principalmente pela corola salmão, com base amarela, e pela corona roxa, além da presença de tricomas glandulares setiformes de base hialina no epicarpo. A subespécie típica ocorre apenas nas Guianas e Roraima, diferenciando-se pelos estiletes pilosos (vs. glabros), sementes de 1,5-1,8 mm compr. (vs. 1,9-2,3 mm compr.) e nervuras secundárias com ângulo de divergência de 22-45º (vs. 18-30º) (Arbo 1995a).

3. Piriqueta racemosa (Jacq.) Sweet, Hort. Brit.: 1: 154. 1826.

Ervas 20-30 cm alt.; caules hirsutos, tricomas tectores simples, estrelados e estrelado-porrectos ferrugíneos, tricomas glandulares ausentes. Estípulas rudimentares. Folhas com pecíolo até 1 cm compr.; nectários ausentes; lâmina 2,2-5,2 × 0,7-2,5 cm, reduzida na porção terminal dos ramos, cartácea, discretamente discolor, ovada, base cuneada, ápice agudo, margens serreado-crenadas, discretamente revolutas; face adaxial denso-pilosa, face abaxial tomentoso-velutina. Flores axilares, reunidas em um racemo terminal, heterostilas; pedúnculo 0,7-2(-3,3) cm compr., livre do pecíolo; brácteas e bractéolas ausentes; pedicelo 2-5 mm compr.; cálice 4-5(-7) mm compr.; corola ca. 9 mm compr., amarela, base amarelo-escura; corona amarelo-escura; filetes glabros, base brevemente adnata ao tubo floral; anteras com ápice curvo; estiletes glabros. Cápsulas com epicarpo liso, esparso-hirsuto, tricomas tectores simples. Sementes ca. 1,7 × 1 mm, lunadas, reticuladas; epiderme papilosa, retículo proeminente.

Iconografia: Rocha & Moreira (2014: fotos 16-17); Arbo (1995a: 59a-f).

Material examinado selecionado: ALAGOAS: Piranhas, Fazenda Baixa da Légua, 10.VIII.1999, fl. e fr., D. Moura & R.A. Silva 554 (UFP). SERGIPE: Canindé do São Francisco, Fazenda Jaburu, 10.XI.1999, fl. e fr., R.A. Silva & D. Moura 1225 (UFP); Poço Redondo, Serra da Guia, 21.IX.2009, fl. e fr., W.J. Machado & J.B. Jesus 25 (ASE).

Ruderal, ocorre principalmente na América do Sul e Velho Mundo (Arbo 1995a). No Brasil, ocorre na maioria dos estados do Nordeste (exceto Maranhão) e Sudeste (Espírito Santo, Minas Gerais e Rio de Janeiro) (BFG 2015). Na Região de Xingó, foi encontrada na caatinga em áreas abertas, antrópicas; floresce e frutifica durante o ano todo.

Pode ser reconhecida pelas flores reunidas em racemos terminais e sementes lunadas com retículo proeminente. Assemelha-se a Piriqueta cistoides, a qual se diferencia pelas flores solitárias e sementes discretamente curvas com retículo plano.

4. Turnera calyptrocarpa Urb., Jahrb. Königl. Bot. Gart. Berlin 2: 128. 1883.

Subarbustos ca. 70 cm alt.; caules esparso-pilosos, tricomas tectores simples e glandulares capitado-sésseis. Estípulas ca. 4 mm compr., subuladas. Folhas com pecíolo 1-5 mm compr.; nectários ausentes; lâmina 0,7-2 × 0,4-0,8 cm, cartácea, discretamente discolor, obovada, base cuneada, ápice obtuso, margens serreado-crenadas, revolutas; face adaxial esparso-pilosa, face abaxial pilosa. Flores axilares, solitárias, heterostilas; pedúnculo ca. 2 mm compr., livre do pecíolo; brácteas ausentes; bractéolas 4-5 mm compr., espatuladas; pedicelo ausente; cálice 6-8 mm compr.; corola 0,8-1 cm compr., branca, base amarelo-clara; corona ausente; filetes pilosos, base brevemente adnata ao tubo floral; anteras com ápice reto; estiletes esparso-pilosos na porção média. Cápsulas com epicarpo tenuamente granuloso, piloso, tricomas tectores simples. Sementes ca. 2 × 1 mm, obovoides, discretamente curvas, reticuladas; epiderme papilosa, retículo plano.

Iconografia: Rocha & Moreira (2014: foto 34); Arbo (2000: 16a-h).

Material examinado selecionado: ALAGOAS: Olho D'Água do Casado, Fazenda Capelinha, 21.I.2002, fl. e fr., L.M. Cordeiro 667 (PEUFR). SERGIPE: Canindé do São Francisco, Fazenda Brejo, 31.VIII.2000, fl. e fr., R.A. Silva & D. Moura 1756 (RB); Poço Redondo, Fazenda Charco, 2.IV.2008, fl. e fr., J.E. Nascimento-Junior & D.S. Melo 312 (ASE); Nossa Senhora da Glória, povoado Boa Sorte, 27.VII.2011, fl. e fr., G.M.A. Matos 20 (ASE).

Ocorre apenas no Brasil, no Nordeste (exceto Maranhão) e Sudeste (Minas Gerais) (BFG 2015). Na Região de Xingó, foi encontrada na caatinga, em áreas antrópicas como trilhas ou pasto, crescendo sobre substratos argilosos ou pedregosos; floresce e frutifica praticamente durante o ano todo.

Pode ser reconhecida pelas flores com bractéolas espatuladas, corola branca com base amarelo-clara, além das folhas às vezes congestas, formando braquiblastos no ápice dos ramos. Assemelha-se a Turnera diffusa Willd. ex Schult., não ocorrente na área estudada, a qual se diferencia pelas flores com bractéolas subuladas e corola amarela.

5. Turnera cearensis Urb., Jahrb. Königl. Bot. Gart. Berlin 2: 100. 1883.

Arbustos 50-70 cm alt.; caules pilosos a tomentosos, tricomas tectores simples e estrelados, tricomas glandulares ausentes. Estípulas 1-2 mm compr., subuladas. Folhas com pecíolo 1,1-10 mm compr.; 1-2 pares de nectários, basilaminares; lâmina 2,5-5,4 × 0,9-1,2 cm, cartácea, discolor, ovada, raro obovada, base cuneada, ápice agudo, margens crenadas, discretamente revolutas; face adaxial pilosa a tomentosa, face abaxial tomentoso-velutina. Flores axilares, solitárias, heterostilas; pedúnculo ca. 4 mm compr., livre do pecíolo; brácteas ausentes; bractéolas 5-9 mm compr., linear-lanceoladas; pedicelo ausente; cálice 9,5-10 mm compr.; corola ca. 1,1 cm compr., amarela; corona ausente; filetes pilosos, margens ca. 3 mm adnatas à unha das pétalas, formando sacos nectaríferos entre cada estame e a sépala oposta; anteras com ápice reto; estiletes pilosos. Cápsulas com epicarpo granuloso, piloso a tomentoso, tricomas tectores simples. Sementes ca. 3 × 1 mm, obovoides, discretamente curvas, estriado-reticuladas; epiderme papilosa, retículo plano.

Iconografia: Rocha & Moreira (2014: fotos 38-40); Arbo (2005: 12a-j).

Material examinado selecionado: ALAGOAS: Olho d'Água do Casado, Fazenda Capelinha, 21.I.2002, fr., L.M. Cordeiro et al. 670 (PEUFR). SERGIPE: Canindé do São Francisco, 29.XI.2000, fl. e fr., L.M. Cordeiro et al. 286 (PEUFR); Poço Redondo, Serra da Guia, trilha acima do olho d'água, 26.IV.2009, fl. e fr., A.P. Prata et al. 1651 (ASE).

Ocorre apenas no Brasil, no Nordeste e Sudeste (Minas Gerais) (BFG 2015). Na Região de Xingó, foi encontrada na caatinga e brejos de altitude; floresce e frutifica durante o ano todo.

Pode ser reconhecida pelas flores solitárias, pedúnculos desenvolvidos, livres do pecíolo, bractéolas linear-lanceoladas e corola amarela. Assemelha-se a Turnera blanchetiana Urb., não ocorrente na área estudada, a qual se diferencia pelas flores bracteadas, dispostas em capítulos.

6. Turnera chamaedrifolia Cambess., in Saint-Hil., Juss.& Cambess., Fl. Bras. Merid. 2: 221. 1829.

Subarbustos 0,3-2,5 m alt.; caules pilosos, tricomas tectores simples e glandulares capitado-estipitados. Estípulas rudimentares. Folhas com pecíolo 2-9 mm compr.; nectários ausentes; lâmina 0,9-3 × 0,5-1,6 cm, cartácea, discretamente discolor, ovada a obovada, base atenuada, ápice agudo, margens serreado-crenadas, discretamente revolutas; face adaxial esparso-pilosa, face abaxial pilosa. Flores axilares, solitárias, heterostilas; pedúnculo 4-9 mm compr.; livre do pecíolo, às vezes brevemente adnato; brácteas ausentes; bractéolas 6-10 mm compr., subuladas; pedicelo ausente; cálice 8-15 mm compr.; corola 1,3-1,5 cm compr., creme, base púrpura; corona ausente; filetes glabros, base brevemente adnata ao tubo floral; anteras com ápice curvo; estiletes glabros. Cápsulas com epicarpo verrucoso, tomentoso-hirsuto, tricomas tectores simples. Sementes ca. 2 × 1 mm, obovoides, retas ou curvas, reticuladas; epiderme lisa, retículo ligeiramente proeminente.

Iconografia: Rocha & Moreira (2014: fotos 41-42) Arbo (2000: 20a-f).

Material examinado selecionado: ALAGOAS: Olho d'Água do Casado, 22.XI.1999, fl. e fr., R.A. Silva & D. Moura 1315 (PEUFR); Piranhas, área urbana, 20.IV.1999, fr., D. Moura & M. Sales 77 (PEUFR). SERGIPE: Canindé do São Francisco, Fazenda Xingó, 3 km da divisa com a Bahia, 25.IV.2001, fl. e fr., R.M. Harley et al. 54307 (CTES, HUEFS); Poço Redondo, Serra da Guia, 17.I.2010, fl. e fr., W.J. Machado et al. 146 (ASE); Porto da Folha, povoado Lagoa Grande, Fazenda São Pedro, 18.X.2011, fl. e fr., D.G. Oliveira et al. 330 (ASE).

Ruderal, ocorre apenas no Brasil, no Nordeste (exceto Maranhão) e Sudeste (Minas Gerais e Rio de Janeiro) (BFG 2015). Na Região de Xingó, foi encontrada na caatinga, em áreas abertas e antropizadas; floresce e frutifica praticamente durante o ano todo.

Pode ser reconhecida pelo indumento com tricomas glandulares capitado-estipitados, flores com pedúnculos livres do pecíolo e corola creme com base púrpura. Assemelha-se a Turnera calyptrocarpa, a qual se diferencia pelas flores com bractéolas espatuladas e corola branca com base amarelo-clara. Também é similar a Turnera asymmetrica Arbo, endêmica da Bahia, a qual se diferencia principalmente pelo indumento com tricomas capitado-sésseis e flores com bractéolas ovadas e assimétricas (Arbo 2000).

7. Turnera hermannioides Cambess., in Saint-Hil., Juss. & Cambess., Fl. Bras. Merid. 2: 218. 1829.

Subarbustos ca. 70 cm alt.; caules tomentosos, tricomas tectores simples e estrelados, tricomas glandulares ausentes. Estípulas rudimentares. Folhas com pecíolo 1-3 mm compr.; nectários 2, basilaminares; lâmina 0,7-3,5 × 0,5-2 cm, cartácea, discretamente discolor, ovada a obovada, base atenuada, ápice agudo, margens serreado-crenadas, planas; face adaxial denso-pilosa, face abaxial tomentosa. Flores axilares, solitárias, heterostilas; pedúnculo 3-4 mm compr., adnato ao pecíolo (flores epifilas); brácteas ausentes; bractéolas 5-7 mm compr., subuladas; pedicelo ausente; cálice ca. 7 mm compr.; corola ca. 1,5 cm compr., amarelo-clara, raro creme, base às vezes amarelo-escura; corona ausente; filetes glabros, margens ca. 3 mm adnatas à unha das pétalas, formando sacos nectaríferos entre cada estame e a sépala oposta; anteras com ápice reto; estiletes pilosos. Cápsulas com epicarpo verrucoso, denso-hirsuto, tricomas tectores simples. Sementes 2,3-2,5 × ca. 1 mm, oblongas, discretamente curvas, reticuladas; epiderme lisa, retículo plano.

Iconografia: Rocha & Moreira (2014: fotos 52-53); Arbo (2005: 28a-g).

Material examinado: SERGIPE: Canindé do São Francisco, 24.VIII.1999, fl. e fr., D. Moura 639 (PEUFR).

Material adicional examinado: BAHIA: Licínio de Almeida, subida para área do Saco da Onça, 14º44'44"S, 42º34'23"W, 932 m, 5.IV.2013, fl. e fr., L. Rocha et al. 399 (ALCB, HUEFS).

Ocorre apenas no Brasil, nas regiões Centro-Oeste (Goiás), Nordeste (Bahia, Piauí, Pernambuco, Sergipe), Norte (Tocantins) e Sudeste (Espírito Santo e Minas Gerais) (BFG 2015). Na Região de Xingó, foi encontrada na caatinga, com flores e frutos em agosto.

Pode ser reconhecida pelo indumento com tricomas estrelados e sementes oblongas. Assemelha-se a Turnera scabra Millsp., não ocorrente na área estudada, a qual se diferencia pelo indumento apenas com tricomas simples e sementes estreito-obovoides, claviformes.

8. Turnera pumilea L., Syst. Nat. ed. 10, 2: 965. 1759.Fig. 3a,c

Figura 3 a,c. Turnera pumilea – a. ramo reprodutivo (Rocha 383); b. T. subulata – flor epifila, evidenciando nectário extrafloral (Silva 1316); c. semente (Rocha 383). 

Figure 3 a,c. Turnera pumilea – a. reproductive branch (Rocha 383); b. T. subulata – epiphyll flower, showing extra-floral nectary (Silva 1316); c. seed (Rocha 383). 

Ervas 10-15 cm alt.; caules tomentoso-hirsutos, tricomas tectores simples, tricomas glandulares ausentes. Estípulas rudimentares. Folhas com pecíolo até 4 mm compr.; 1 par de nectários, basilaminares; lâmina 1,5-2 × 0,8-1 cm, cartácea, discretamente discolor, ovada, base cuneada, ápice agudo, margens crenadas a serreado-crenadas, planas; face adaxial esparso-pilosa, face abaxial hirsuta a denso-hirsuta. Flores axilares, solitárias, homostilas; pedúnculo 3-4 mm compr., adnato ao pecíolo (flores epifilas); brácteas ausentes; bractéolas 5,5-7 mm compr., lineares; pedicelo ausente; cálice ca. 5 mm compr.; corola ca. 7 mm compr., amarela, base amarelo-alaranjada; corona ausente; filetes glabros, base brevemente adnata ao tubo floral; anteras com ápice reto; estiletes glabros. Cápsulas com epicarpo liso, base glabra, ápice hirsuto a denso-hirsuto, tricomas tectores simples. Sementes ca. 2 × 1 mm, lunadas, reticuladas; epiderme ornamentada, retículo proeminente.

Iconografia: Rocha & Moreira (2014: fotos 86-88); Arbo (2008: 66-67).

Material examinado: SERGIPE: Canindé do São Francisco, 19.III.1999, bt., fr., R.A. Silva 895 (PEUFR).

Material adicional examinado: BAHIA: Morro do Chapéu, BA-052, a 18 km de Morro do Chapéu, 11º55'S, 41º15'W, 28.I.2013, fl., L. Rocha & B.S. Gregório 383 (HUEFS).

Ruderal, amplamente distribuída, principalmente na América Central e do Sul (Arbo 2008). No Brasil, ocorre em quase todas as regiões (exceto Sul) (BFG 2015). São reconhecidas duas variedades: T. pumilea var. pumilea e T. pumilea var. piauhyensis Urb., apenas a primeira ocorre na Região de Xingó. Foi encontrada na caatinga, com botões e frutos em março.

Turnera pumilea var. pumilea pode ser reconhecida pelas folhas geralmente congestas em rosetas apicais, flores homostilas, cápsulas hirsutas a denso-hirsutas apenas no ápice, além das sementes lunadas, com epiderme ornamentada apresentando cera epicuticular filiforme, conferindo aspecto piloso à superfície. T. pumilea var. piauhyensis se diferencia principalmente pelas flores heterostilas (Arbo 2008). Quando estéril, pode ser confundida com indivíduos jovens de T. subulata, a qual se diferencia pelo caule com indumento estrigoso e folhas regularmente dispostas nos ramos.

9. Turnera subulata Sm., in Rees, Cycl. 36(2): 441. 1817.Fig. 3b

Subarbustos 15-70 cm alt.; caules estrigosos, tricomas tectores simples e glandulares microcapitados. Estípulas rudimentares. Folhas com pecíolo 0,3-1,5 cm compr.; 1 par de nectários, basilaminares; lâmina 1-12,1 × 0,3-5 cm, cartácea, discretamente discolor, ovada, obovada a lanceolada, base atenuada a cuneada, ápice agudo a obtuso, margens serreadas a serreado-crenadas, planas; face adaxial estrigosa, face abaxial denso-estrigosa. Flores axilares, solitárias, heterostilas; pedúnculo 2-4 mm compr., adnato ao pecíolo (flores epífilas); bractéolas 9-13 mm compr., subuladas a lanceoladas; pedicelo ausente; cálice 7-2,9 mm compr.; corola 3,5-3,8 cm compr., creme, base castanho-escura; corona ausente; filetes glabros, margens ca. 1,5 mm adnatas à unha das pétalas, formando sacos nectaríferos entre cada estame e a sépala oposta; anteras com ápice reto; estiletes glabros. Cápsulas com epicarpo verrucoso, esparso-piloso, tricomas tectores simples. Sementes 2-3 × ca. 1 mm, obovoides, discretamente curvas, reticuladas; epiderme lisa, retículo ligeiramente proeminente.

Iconografia: Rocha & Moreira (2014: fotos 93-95); Arbo (2005: 56f-j).

Material selecionado: ALAGOAS: Olho d'Água do Casado, Fazenda Picos, 22.XI.1999, fl. e fr., R.A. Silva & D. Moura 1316 (PEUFR, RB, UFP); Piranhas, 14.X.1999, fl. e fr., R.A. Silva 1136 (PEUFR). SERGIPE: Canindé do São Francisco, Fazenda Poço Verde, 21.VIII.2000, fl. e fr., R.A. Silva et al. 1717 (RB); Pão de Açúcar, 22.VI.2002, fl. e fr., R.P. Lyra-Lemos et al. 6853 (HUEFS); Poço Redondo, Monumento Natural Grota do Angico, 22.IX.2009, fl. e fr., J.E. Nascimento-Junior & T. Dantas 619 (ASE, CTES); Porto da Folha, povoado Lagoa Grande, Fazenda São Pedro, 19.IV.2011, fl. e fr., D.G. Oliveira et al. 152 (ASE).

Ruderal, ocorre principalmente na América do Sul, mas também pode ser encontrada na Ásia (Arbo 2005). No Brasil, é amplamente distribuída, ocorrendo em todas as regiões (BFG 2015). Na Região de Xingó, foi encontrada na caatinga, crescendo sobre substratos argilosos e arenosos; floresce e frutifica durante o ano todo.

Pode ser reconhecida pelas flores heterostilas com corola creme de base castanho-escura. Assemelha-se a Turnera scabra Millsp., sendo o material seco de difícil separação, pode ser diferenciada principalmente pela corola amarela com base amarelo-escura.

Editor de área: Dr. Marccus Alves

Agradecimentos

Aos curadores dos herbários citados, por proporcionarem acesso às coleções e ao suporte para os estudos morfológicos. À CAPES (Coordenadoria de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), a bolsa de Doutorado concedida a L.R. Aos revisores e editores, as importantes sugestões para a melhoria do manuscrito. A Naron Silva Tanzillo, a confecção do mapa. J.I.M. Melo agradece ao CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), a bolsa de Produtividade em Pesquisa (PQ - Proc. n. 303867/2015-9).

Referências

Agra, M.F.; Kiriaki, N.S.; Costa-Silva, R. & Gomes-Costa, G. 2009. Turneraceae. In: Alves, M.; Araújo, M.F.; Maciel, J.R. & Martins, S. (eds.). Flora de Mirandiba. Associação Plantas do Nordeste, Recife. Pp. 344-347. [ Links ]

APG IV (Angiosperm Phylogeny Group). 2016. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Botanical Journal of the Linnean Society 181: 1-20. [ Links ]

Arbo, M.M. 1995a. Turneraceae. Parte I. Piriqueta. Flora Neotropica 67: 1-156. [ Links ]

Arbo, M.M. 1995b. Turneraceae. In: Stannard, B.L. (ed.). Flora of the Pico das Almas, Bahia-Brasil. Royal Botanic Gardens, Kew. Pp. 615-619. [ Links ]

Arbo, M.M. 1997. Estudios sistemáticos en Turnera (Turneraceae). I. Series Salicifoliae y Stenodictyae. Bonplandia 9: 151-208. [ Links ]

Arbo, M.M. 2000. Estudios sistemáticos en Turnera (Turneraceae). II. Series Annulares, Capitatae, Microphyllae y Papilliferae. Bonplandia 10: 1-82. [ Links ]

Arbo, M.M. 2005. Estudios sistemáticos en Turnera (Turneraceae). III. Series Anomalae y TurneraBonplandia 14: 115-318. [ Links ]

Arbo, M.M. 2006. Turneraceae. In: Barbosa, M.R.V.; Sothers, C.; Mayo, S.; Gamarra-Rojas, C.F.L. & Mesquita, A.C. (eds.). Checklist das plantas do nordeste Brasileiro: Angiospermas e Gymnospermas. Ministério da Ciência e Tecnologia, Brasília. Pp. 150-151. [ Links ]

Arbo, M.M. 2007. Turneraceae. In: Kubitzki, K.; Rhower, J.B. & Bittrich, V. (eds.). The families and genera vascular plants. Vol. 9. Springer, Heidelberg. Pp. 458-466. [ Links ]

Arbo, M.M. 2008. Estudios sistemáticos en Turnera (Turneraceae). IV. Series Leiocarpae, Conciliatae y SessilifoliaeBonplandia 17: 107-334. [ Links ]

Arbo, M.M. 2013. Turneraceae. In: Prata, A.P.N.; Amaral, M.C.E.; Farias, M.C.V. & Alves, M.V. (orgs.). Flora de Sergipe. Vol. 1. Gráfica e Editora Triunfo, Aracajú. Pp. 533-549. [ Links ]

Arbo, M.M. 2015. Turnera confertiflora (Turneraceae), especie nueva del "cerrado" de Tocantins (Brasil). Bonplandia 21: 23-26. [ Links ]

Arbo, M.M. & Mazza, S.M. 2011. The major diversity centre for Neotropical Turneraceae. Systematics and Biodiversity 9: 203-210. [ Links ]

BFG. 2015. Growing knowledge: an overview of seed plant diversity in Brazil. Rodriguésia 66: 1085-1113. [ Links ]

CRIA. 2005. Geoloc. Disponível em <http://splink.cria.org.br/geoloc>. Acesso em 10 dezembro 2015. [ Links ]

Cronquist, A. 1981. An integrated system of classification of flowering plants. The New York Botanical Garden, Columbia University Press, New York. 1261p. [ Links ]

González, A.M. & Arbo, M.M. 2004. Trichome complement of Turnera and Piriqueta (Turneraceae). Botanical Journal of the Linnean Society 144: 85-97. [ Links ]

Harris, J.G. & Harris, M.W. 1994. Plant identification terminology: an illustrated glossary. Spring Lake Publishing, Utah. 216p. [ Links ]

IBGE. 2012. Manual técnico da vegetação brasileira. 2ª ed. Disponível em <ftp://geoftp.ibge.gov.br/documentos/recursos_naturais/manuais_tecnicos/manual_tecnico_vegetacao_brasileira.pdf >. Acesso em 10 dezembro 2014. [ Links ]

Machado-Filho, H.O.; Melo, J.I.M. & Sales, M.F.S. 2012. Flora da Região de Xingó, Alagoas-Sergipe: Portulacaceae sensu lato. Biotemas 25: 103-108. [ Links ]

Melo, J.I.M.; Silva, M.J. & Sales, M.F. 2009a. Flora da Região de Xingó, Alagoas e Sergipe: Onagraceae Juss. Sitientibus Série Ciências Biológicas 9: 106-109. [ Links ]

Melo, J.I.M.; Silva, M.J. & Sales, M.F. 2009b. Flora da Região de Xingó, Alagoas e Sergipe: Loasaceae Juss. Sitientibus Série Ciências Biológicas 9: 110-113. [ Links ]

Payne, W.W. 1978. A glossary of plant hair terminology. Brittonia 30: 239-255. [ Links ]

Radford, A.E.; Dickison, W.C.; Massey, J.R. & Bell, C.R. 1974. Vascular plant systematics. Harper & Row Publishers, New York. 891p. [ Links ]

Rocha, L. & Moreira, H.J.C. 2014. Turneraceae of Bahia, Brazil. Chicago: The Field Museum (Rapid Color Guide). Disponível em <http://fm2.fieldmuseum.org/plantguides/guideimages.asp?ID=649>. Acesso em 10 dezembro 2015. [ Links ]

Rocha, L.N.G.; Melo, J.I.M. & Camacho, R.G.V. 2012. Flora do Rio Grande do Norte, Brasil: Turneraceae Kunth ex DC. Rodriguésia 63: 1085-1099. [ Links ]

Santos, J.S.; Melo, J.I.M.; Abreu, M.C. & Sales, M.F.S. 2009. Verbenaceae sensu stricto na Região de Xingó: Alagoas e Sergipe, Brasil. Rodriguésia 60: 985-998. [ Links ]

Silva, M.J.; Melo, J.I.M. & Sales, M.F.S. 2010. Flora da Região de Xingó, Alagoas e Sergipe: Acanthaceae A. Juss. Revista Caatinga 23: 59-67. [ Links ]

Souza, I.; Coutinho, K.; Melo, E. & Arbo, M.M. 2013. Turneraceae. In: França, F.; Melo, E.; Souza, I. & Pugliesi, L. (orgs.). Flora do Morro do Chapéu. Vol. 1. Print Mídia, Feira de Santana. Pp. 221-235. [ Links ]

Thulin, M.; Razafimandimbison, S.G.; Chafe, P.; Heidari, N.; Kool, A. & Shore, J.S. 2012. Phylogeny of the Turneraceae clade (Passifloraceae s.l.): Trans-Atlantic disjunctions and two new genera in Africa. Taxon 61: 308-323. [ Links ]

Tokuoka, T. 2012. Molecular phylogenetic analysis of Passifloraceae sensu lato (Malpighiales) based on plastid and nuclear DNA sequences. Journal of Plant Research 125: 489-497. [ Links ]

Recebido: 06 de Junho de 2015; Aceito: 26 de Outubro de 2016

5 Autor para correspondência: lamarck_rocha@hotmail.com

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que o trabalho original seja corretamente citado.