SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.20 issue2EditorialComputerized dynamic posturography in the assessment of body balance in individuals with vestibular dysfunction author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Audiology - Communication Research

On-line version ISSN 2317-6431

Audiol., Commun. Res. vol.20 no.2 São Paulo Apr./June 2015

https://doi.org/10.1590/S2317-64312015000200001559 

Editorial Convidado

Potenciais relacionados a eventos em pesquisa clínica: diretrizes para eliciar, gravar, e quantificar o MMN, P300 e N400

Ana Carla Leite Romero1  2 

Simone Fiuza Regacone1  2 

Daiane Damaris Baptista de Lima1  2 

Pedro de Lemos Menezes1  2 

Ana Cláudia Figueiredo Frizzo1  2 

1Programa de Pós-Graduação, Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista Paulista “Júlio de Mesquita Filho” – UNESP – Marília (SP), Brasil e

2Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas – UNCISAL – Maceió (AL), Brasil.


Os Potenciais Relacionados a Eventos (PRE) referem-se a respostas elétricas geradas pelo tálamo, córtex auditivo e por áreas de associação corticais e envolvem tarefas de discriminação, integração e atenção. Além disso, consistem em uma série de picos positivos e negativos, que acontecem a partir de 50 ms após o início do estímulo e podem ser úteis na investigação dos mecanismos neurais relacionados à percepção auditiva(1,2).

O objetivo deste trabalho foi discutir o uso dos Potenciais Relacionados a Eventos (PRE) em pesquisa clínicas em distúrbios psiquiátricos e neurológicos.

Técnicas de aquisição, registro e análise das respostas do P300, MMN e N-400 são apresentados no artigo, com destaque para a aplicação de cada um desses potenciais na investigação de patologias do sistema nervoso central.

Os autores concentram esforços em fornecer subsídios para a recomendação e padronização clara e segura das metodologias empregadas, para facilitar a comparação entre os laboratórios e fortalecer as pesquisas na área. Por isso, constitui um material de relevância aos pesquisadores brasileiros interessados no uso desses métodos.

Os PRE refletem a recepção e o processamento das informações sensoriais relacionadas à atenção seletiva, atualização de memória, compreensão semântica e outras atividades cognitivas(3). Sua latência informa o tempo de curso da atividade de processamento em milissegundos e a amplitude indica a extensão da alocação dos recursos neurais envolvida nos processos cognitivos.

O Mismatch Negativity (MMN), um dos seus componentes, é eliciado por qualquer mudança discriminável na estimulação auditiva e pode ser obtido na ausência da atenção do participante, o que o torna útil na avaliação de crianças ou adultos com alterações cognitivas e linguísticas, como esquizofrenia, alzheimer, acidente vascular encefálico, dislexia e em monitoramento do estado de coma.

Esse potencial é gerado a partir do córtex auditivo bilateral, com contribuições do córtex frontal direito, e extraído da discrepância de caracterísiticas acústicas de dois sons. É registrado a partir da diferença de forma de onda, obtida pela subtração da média do estímulo padrão pela média do estímulo desviante. Para seu registro, em geral, são usados de 5-10 eletrodos ativos posicionados em Fz, Cz, C3, C4, e mastoide, com o eletrodo referência posicionado no nariz.

Outro potencial, o P300, é utilizado para investigar condições nas quais a cognição é prejudicada e é utilizado com mais freqüência na pesquisa clínica, já que traz informações sobre a discriminação dos estímulos quando um processo está ativo e operante. Tem se mostrado útil na avaliação das demências, esquizofrenia, transtornos psiquiátricos, transtorno do déficit de atenção e hiperatividade e dislexia.

Esse potencial é um grande e amplo componente positivo com picos de 300 ms, ou mais, após o aparecimento de um estímulo raro em meio a uma série de estímulos frequentes. Tem distribuição centroparietal no couro cabeludo e eletrodos em Fz, Cz e Pz, com referência ao lóbulo da orelha ou ao processo mastoide.

O N400, o último componente descrito nesse artigo, é um componente negativo, que atinge o seu pico de amplitude aproximadamente 400 ms após o início do estímulo. Tem distribuição ampla no couro cabeludo, com amplitudes máximas na linha média central e parietal e amplitudes menores nas regiões frontais e laterais. Esse potencial é gerado no lobo temporal esquerdo, com pequena contribuição do lobo temporal direito, e sua distribuição parece ser mais frontal em crianças do que em adultos.

O conjunto de sua gravação compreende Fpz, Fz, Cz, Pz, Oz e dois pares laterais sobre o lobo temporal anterior e posterior. Além disso, gravações visuais horizontais e verticais devem ser realizadas.

O N400 tem sido utilizado para examinar a sensibilidade a características lexicais e contextuais e os substratos neurais relativos à linguagem. Além disso, tem sido promissor para obter respostas sobre a natureza específica das desordens cognitivas, já que é uma ferramenta não invasiva e, por isso, empregada em pacientes com transtornos de aprendizagem e dislexia.

De acordo com os autores, participantes de estudos clínicos devem ser selecionados segundo critérios de diagnóstico claros e bem estabelecidos e as amostras devem ser tão homogêneas quanto possível(1). Sugerem que os controles selecionados nas pesquisas devem diferir do grupo clínico apenas quanto à variável de interesse e que os medicamentos de uso dos sujeitos devem ser documentados. Destacam, ainda, a existência de diferenças altamente significativas, robustas e replicáveis entre sujeitos de grupos clínicos e grupo controle. Entretanto, chama a atenção que a variabilidade envolvida na medida ainda não nos permite uma classificação precisa e generalizada, e, por isso, a utilidade de diagnóstico de distúrbios clínicos, empregando-se o PRE, ainda é limitada.

Por outro lado, estudos realizados com PRE precisam ser mais discutidos e empregados na prática clínica, também no Brasil, já que, cada vez mais, a literatura tem mostrado a utilidade desse teste para a investigação dos diversos distúrbios clínicos.

REFERÊNCIAS

1 Ventura LMP, Alvarenga KF, Costa Filho OA. Protocol to collect late latency auditory evoked potentials. Braz J Otorhinolaryngol. 2009;75(6):879-83. http://dx.doi.org/10.1590/S1808-86942009000600018 [ Links ]

2 Zhang F, Anderson J, Samy R, Houston L. The adaptive pattern of the late auditory evoked potential elicited by repeated stimuli in cochlear implant users. Int J Audiol. 2010;49(4):277-85. http://dx.doi.org/10.3109/14992020903321759 [ Links ]

3 Picton TW, Bentin S, Berg P, Donchin E, Hillyard SA, Johnson R Jr et al. Guidelines for using human event-related potentials to study cognition: recording standards and publication criteria. Psychophysiology. 2000;37(2):127-52. [ Links ]

Creative Commons License This is an Open Access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution Non-Commercial License, which permits unrestricted non-commercial use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.