SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.55 suppl.1WATER-PERFUSED HIGH-RESOLUTION ANORECTAL MANOMETRY (HRAM-WP): THE FIRST BRAZILIAN STUDYSHORT-TERM RESULTS OF MINIMALLY INVASIVE TREATMENT OF GASTROESOPHAGEAL REFLUX DISEASE BY RADIOFREQUENCY (STRETTA): FIRST BRAZILIAN SERIES OF CASES author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Gastroenterologia

Print version ISSN 0004-2803On-line version ISSN 1678-4219

Abstract

PINTO, Rodrigo Ambar et al. Análise funcional e anatômica anorretal de pacientes femininas portadoras de esclerodermia em um centro universitário de referência em desordens do assoalho pélvico. Arq. Gastroenterol. [online]. 2018, vol.55, suppl.1, pp.47-51.  Epub Oct 04, 2018. ISSN 0004-2803.  http://dx.doi.org/10.1590/s0004-2803.201800000-49.

CONTEXTO:

Esclerodermia ou esclerose sistêmica progressiva caracteriza-se por um processo inflamatório crônico com proliferação e fibrose do tecido conjuntivo e uma deposição excessiva de colágeno e matriz extracelular na pele, musculatura lisa e vísceras. A musculatura lisa mais envolvida é a esofágica e a disfagia é o sintoma mais comumente relatado. Entretanto, o esfíncter anal interno também pode ser acometido por essa degeneração e fibrose ocasionando incontinência anal nos pacientes portadores de esclerodermia. Isso pode ser omitido pelo paciente, exceto quando questionado de forma direta.

OBJETIVO:

Analisar a função e anatomia anorretal através do escore de incontinência anal de Cleveland Clinic Florida, manometria anorretal e ultrassom endoanal em pacientes do sexo feminino portadoras de esclerodermia e sintomas de incontinência anal atendidas no ambulatório de Fisiologia Colorretoanal no Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP).

RESULTADOS:

Treze pacientes do sexo feminino foram avaliadas com média de idade de 55,77 anos (±16,14; 27-72 anos) e duração média da doença de 10,23 anos (±6,23; 2-23 anos). O índice de incontinência anal teve variação de 1-15, sendo que sete (53,8%) pacientes apresentavam índice inferior a 7; três (23,1%) entre 8 e 13; e três (23,1%) superior a 14, correspondendo à incontinência anal leve, moderada e grave, respectivamente. Dez (76,92%) pacientes apresentavam hipotonia do esfíncter anal interno. O estudo da ultrassonografia endoanal de três dimensões demonstrou afilamento com atrofia do esfíncter anal interno em seis casos e defeito muscular em três pacientes.

CONCLUSÃO:

O prejuízo funcional e anatômico do complexo esfincteriano anorretal é um importante fator a ser analisado em pacientes portadores de esclerose sistêmica progressiva e isso não pode ser subestimado.

Keywords : Escleroderma sistêmico; Incontinência fecal; Manometria; Ultrassonografia.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )