SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.76 número2As relações entre memória episódica visual-espacial, velocidade de processamento e funções executivas são estáveis ao longo do ciclo vital?Tratamento farmacológico do traumatismo cranioencefálico: recomendações índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Arquivos de Neuro-Psiquiatria

versão impressa ISSN 0004-282Xversão On-line ISSN 1678-4227

Resumo

HUBNER, Lilian Cristine et al. Nomeação e aprendizagem verbal na doença de Alzheimer, no comprometimento cognitivo leve e no envelhecimento sadio com baixa escolaridade. Arq. Neuro-Psiquiatr. [online]. 2018, vol.76, n.2, pp.93-99. ISSN 1678-4227.  https://doi.org/10.1590/0004-282x20170190.

A linguagem tem se mostrado uma ferramenta eficiente para diferenciar grupos de idosos saudáveis dos com deficiências cognitivas. O artigo objetiva discutir o impacto do nível educacional na nomeação, na aprendizagem verbal (AV) com pistas semânticas e no MEEM no envelhecimento saudável em três níveis de escolaridade (muito baixa: 0-3 anos, baixa: 4-7 anos e alta: >8 anos) e em dois grupos clínicos de escolaridade muito baixa e baixa (Doença de Alzheimer – DA – e Comprometimento Cognitivo Leve - CCL), comparados a controles saudáveis. Participaram 101 controles, 17 CCL e 19 DA. Comparações entre grupos saudáveis demonstraram um efeito da escolaridade no MEEM, mas não nas tarefas de nomeação e de AV. Considerando as comparações entre os grupos clínicos, tanto a nomeação quanto a AV os diferenciaram. Os resultados corroboram a pressuposição de que a tarefa de AV com pistas semânticas é válida para diagnosticar CCL e DA, não sendo influenciada pela escolaridade.

Palavras-chave : aprendizagem verbal; doença de Alzheimer; disfunção cognitiva.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )