SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.51 issue6Effects of combined clonidine and 0.5% hyperbaric bupivacaine on spinal anesthesiaThe effect of preemptive intravenous morphine on postoperative analgesia and surgical stress response author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Abstract

NOVAES, Marcus Vinícius Martins; FRANCISCO, Carlos Roberto Lopes; PIMENTA, Karina Bernardi  and  LAVINAS, Paulo Sérgio Gomes. Estudo comparativo entre bupivacaína a 0,25% e ropivacaína a 0,2% em anestesia peridural para cirurgia torácica. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2001, vol.51, n.6, pp. 493-502. ISSN 0034-7094.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942001000600004.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: A anestesia peridural associada à anestesia geral tem sido usada em várias especialidades cirúrgicas. Em cirurgia torácica seu uso é pouco discutido na literatura. Este estudo teve como objetivo avaliar os efeitos hemodinâmicos e ventilatórios da anestesia peridural torácica com bupivacaína a 0,25% e ropivacaína a 0,2% associada à anestesia geral em pacientes submetidos à toracotomia. MÉTODO: Participaram deste estudo prospectivo, comparativo e aleatório quarenta pacientes divididos em dois grupos de vinte. Cada grupo recebeu um volume de 10 ml de anestésico local, por via peridural torácica. Grupo B (Bupivacaína 0,25%) e o Grupo R (Ropivacaína 0,2%). O bloqueio peridural foi realizado com os pacientes em decúbito lateral, punção paramediana e cateter para injeção dos fármacos A seguir todos os pacientes receberam anestesia geral com IOT. Foram analisados parâmetros hemodinâmicos e ventilatórios em 9 momentos. RESULTADOS: A pressão arterial sistólica foi menor no momento 5 e pressão arterial diastólica nos momentos 1 e 5, ambas no grupo B. A necessidade de efedrina para corrigir hipotensão arterial foi de 8/20 no grupo B, contra 6/20 no grupo R. A pressão de pico nas vias aéreas superiores foi sempre mais elevada no grupo R e os valores da CAM do isoflurano foram mais elevados nos momentos 5 e 6 também no Grupo R. CONCLUSÕES: A técnica combinada peridural torácica e anestesia geral mostrou-se eficaz e segura nos pacientes submetidos à toracotomia. Quando se utilizou bupivacaína, a diminuição da pressão arterial foi maior e a pressão máxima nas vias aéreas foi menor do que quando foi utilizada ropivacaína.

Keywords : ANESTÉSICOS, Local [bupivacaína]; ANESTÉSICOS, Local [ropivacaína]; TÉCNICAS ANESTÉSICAS, Regional [Peridural torácica].

        · abstract in English | Spanish     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese