SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.54 issue4Epidural caudal block: evaluation of length of analgesia with the association of lidocaine, fentanyl and clonidineEvaluation of residual neuromuscular block and late recurarization in the post-anesthetic care unit author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Anestesiologia

Print version ISSN 0034-7094

Abstract

GEIER, Karl Otto. Bloqueio pleural bilateral: analgesia e funções pulmonares em pós-operatório de laparotomias medianas. Rev. Bras. Anestesiol. [online]. 2004, vol.54, n.4, pp. 506-517. ISSN 0034-7094.  http://dx.doi.org/10.1590/S0034-70942004000400007.

JUSTIFICATIVA E OBJETIVOS: Não obstante o bloqueio pleural ter sido convertido quase numa panacéia analgésica, resultados contraditórios foram publicados. O objetivo deste estudo foi observar o desempenho analgésico e espirométrico das funções pulmonares no pós-operatório imediato de 21 pacientes com o bloqueio pleural bilateral em laparotomias medianas de urgência. MÉTODO: Bloqueio pleural bilateral foi realizado em decúbito dorsal horizontal em 21 pacientes com 20 ml de bupivacaína a 0,375% com adrenalina a 1:400.000 administrados por cateter em cada hemitórax durante o pós-operatório imediato. Soluções aleatórias de bupivacaína e de solução fisiológica foram administradas por residentes ou enfermeiras que desconheciam o conteúdo das seringas, e seus desfechos analgésicos avaliados de acordo com a escala de dor Prince Henry ao comparar os valores pré e pós-bloqueio pleural bilateral. Em função da dor pós-operatória, testes espirométricos das funções pulmonares também foram determinados mediante espirômetro portátil. RESULTADOS: Analgesia pós-operatória, com duração média de 247,75 ± 75 minutos foi constatada em todos os pacientes com a bupivacaína, embora tenha persistido dor residual de menor intensidade na região suprapúbica em cinco pacientes (8%) e em dois pacientes na apófise xifóide (3,2%). Nenhum efeito analgésico foi obtido com solução fisiológica. Face à dor pós-operatória, as funções pulmonares, avaliadas antes e após os bloqueios, registraram melhora com a bupivacaína na CVF (p < 0,0367), e no FEV1 (p < 0,0051), e nenhuma no PEF (p < 0,059) e quociente FEV1/CVF (p < 0,1263). CONCLUSÕES: No presente estudo, o controle da dor pós-operatória pelo bloqueio pleural bilateral em laparotomias medianas de urgência foi considerado nulo com solução fisiológica. No entanto, com a bupivacaína o resultado da analgesia não foi  totalmente efetivo em todos os pacientes, durante a movimentação no leito e à respiração profunda. O bloqueio pleural parece não ter o mesmo desfecho analgésico em todos os pacientes.

Keywords : ANALGESIA [pós-operatória]; CIRURGIA [Abdominal]; TÉCNICAS ANESTÉSICAS [Regional]; TÉCNICAS ANESTÉSICAS [bloqueio interpleural]; ANALGESIA [postoperative]; ANESTHETIC TECHNIQUES [Regional]; ANESTHETIC TECHNIQUES [interpleural block]; SURGERY [Abdominal].

        · abstract in English | Spanish     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese