SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.43 issue2Analysis on the food source of Panstrongylus megistus (Hemiptera, Reduviidae, Triatominae) and its present importance as a vector for Trypanosoma cruzi, in the State of Minas GeraisReverse hybridization and sequencing for genotyping the hepatitis C virus author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Abstract

PRATA, Aluízio et al. Comparação entre achados clínicos e ultrassonográficos no diagnóstico da fibrose periportal em uma área endêmica de esquistossomose no Brasil. Rev. Soc. Bras. Med. Trop. [online]. 2010, vol.43, n.2, pp.129-134. ISSN 0037-8682.  http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822010000200005.

INTRODUÇÃO: Neste estudo, se comparou os achados da palpação abdominal e do ultrassom em pacientes de área endêmica de esquistossomose que foram acompanhados por 27 anos no Brasil. MÉTODOS: Em 2004, 411 pacientes de Brejo do Espírito Santo, no estado da Bahia, após consentimento informado e por escrito foram selecionados para o presente estudo. Baseando-se no exame clínico eles foram divididos em 3 grupos: 41 (Grupo 1) com evidência de fibrose hepática no ano de 2004; 102 (Grupo 2) com evidência de fibrose hepática no passado (1976-1989) mas não em 2004; e 268 (Grupo 3) sem evidência de fibrose hepática em 27 anos de seguimento. Todos foram submetidos a exame ultrassonográfico do abdome em que o examinador não sabia o resultado do exame clínico. Os dados foram armazenados em banco de dados. RESULTADOS: A prevalência de fibrose periportal ao ultrassom foi de 82,9%, 56,9% e 13,4% nos Grupos 1, 2 e 3, respectivamente. Na presença de fígado duro, nodular ou lobo esquerdo proeminente e baço palpável duro, o ultra-som revelou fibrose periportal em 70,9%. Porém, fibrose periportal foi diagnosticada através do ultrassom em 25,4% dos pacientes, na ausência de evidência clínica de envolvimento hepático. Assim, o ultrassom diagnosticou fibrose periportal 3,1 vezes mais frequentemente que o exame clínico. CONCLUSÕES: O exame clínico tem importância na avaliação da morbidade da esquistossomose mansônica em áreas endêmicas, mas o ultrassom mostra-se mais preciso quando se pretende diagnosticar o envolvimento hepático e a fibrose periportal.

Keywords : Esquistossomose; Ultrassom abdominal; Exame clínico; Fibrose periportal.

        · abstract in English     · text in English     · English ( pdf )

 

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License