SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.45 issue2A nursing team's approach to users of a mental health emergency roomSocial companies and solidary economy: perspectives for the work inclusion of individuals with mental disorders author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista da Escola de Enfermagem da USP

Print version ISSN 0080-6234

Abstract

LAMINO, Daniela de Araújo; MOTA, Dálete Delalibera Correa de Faria  and  PIMENTA, Cibele Andrucioli de Mattos. Prevalência e comorbidade de dor e fadiga em mulheres com câncer de mama. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2011, vol.45, n.2, pp. 508-514. ISSN 0080-6234.  http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342011000200029.

O estudo analisou a prevalência e a comorbidade de dor e fadiga em mulheres com câncer de mama. Trata-se de estudo transversal, com amostra, não probabilística de 182 mulheres em tratamento ambulatorial para câncer de mama, entrevistadas no período de julho 2006 a março de 2007. Fadiga, avaliada pela Escala de Fadiga de Piper, foi dividida em duas categorias (escore 0,1-4,9 e >5-10). Dor, avaliada pela escala de 0-10, foi categorizada do mesmo modo que fadiga. Fadiga ocorreu em 94 mulheres (51,6%), sendo >5 em 44 (46,8%) delas. Dor ocorreu em 86 mulheres (47,2%), sendo >5 em 50 (58,1%). Fadiga e dor correlacionaram-se (r=0,38, p=0,003) e a comorbidade fadiga e dor foi de 38,3%. Dor intensa acentuou a fadiga (p=0,089) e fadiga intensa acentuou a dor (p=0,016). Tais dados são inéditos em nosso meio, confirmam a existência de um cluster de sintoma e dos prejuízos decorrentes dessa comorbidade.

Keywords : Neoplasias da mama; Fadiga; Dor; Cuidados paliativos.

        · abstract in English | Spanish     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese