SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.30 número4Determination of the peel color scale and juice yield of yellow passion fruits in different harvest seasonsPreharvest calcium sprays were not always needed to improve quality of 'gala' apples in Brazil índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Revista Brasileira de Fruticultura

versión impresa ISSN 0100-2945

Resumen

HAMM, Tauê Bozzeto Ebert et al. Manejo do resfriamento e da classificação de pêssegos cv granada na ocorrência de podridões e qualidade de consumo. Rev. Bras. Frutic. [online]. 2008, vol.30, n.4, pp. 885-891. ISSN 0100-2945.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-29452008000400008.

A perda de qualidade em pêssegos, após a colheita, está associada às alterações indesejáveis no metabolismo, aos danos mecânicos, à redução da firmeza de polpa, às desordens fisiológicas e às podridões. Em pêssegos do cultivar Granada, a ocorrência de podridões é a principal causa de perdas pós-colheita. Para amenizar esse problema, estudou-se o manejo na pós-colheita, avaliando-se as características e a vida útil dos frutos, através de dois experimentos: 1) colheita e resfriamento prévio ao transporte refrigerado em caminhão com carroçeria baú e simulação de comercialização à temperatura de 23±2°C e UR de 75%±5%, e 2) colheita, resfriamento e armazenamento refrigerado por 15 dias, seguido de classificação em equipamentos que deslocam os frutos, com ou sem o auxílio de água, com ou sem aplicação de cera. Na seqüência, os frutos foram transportados sob refrigeração e submetidos à simulação de comercialização nas mesmas condições do primeiro experimento. A vida de prateleira, nos dois experimentos, foi estudada através da quantificação de frutos com podridão e da aavaliação da coloração, da firmeza da polpa e da análise sensorial, com tratamento estatístico dos resultados. Os menores percentuais de frutos com podridão foram observados em pêssegos resfriados em câmara fria, seguido de transporte refrigerado e simulação de comercialização, contrapondo-se aos frutos não-resfriados previamente ao transporte refrigerado. Referente à classificação, após o armazenamento refrigerado (AR), verificou-se que o equipamento de classificação com água, em comparação com a classificação em equipamento sem água, favorece o aumento de podridão, caso a comercialização exceda três dias após o transporte refrigerado. A aplicação de cera na classificação, em equipamento sem água, melhora a aparência dos frutos e contribui para a prevenção de podridão.

Palabras llave : Prunus persica L.; conservação; podridão-parda; comercialização; vida útil.

        · resumen en Inglés     · texto en Portugués     · pdf en Portugués