SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.21 número1Desempenho de três cultivares de almeirão sob cultivo protegidoEstimativa de parâmetros genéticos em palmeira real australiana por meio de modelo misto de reprodução índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Horticultura Brasileira

versão impressa ISSN 0102-0536

Resumo

MARTINS, Cibele C.; BOVI, Marilene L. A.  e  NAKAGAWA, João. Efeitos da dessecação sobre a germinação e o vigor de sementes de palmeira real australiana. Hortic. Bras. [online]. 2003, vol.21, n.1, pp. 88-92. ISSN 0102-0536.  http://dx.doi.org/10.1590/S0102-05362003000100019.

Determinou-se a tolerância ao dessecamento de sementes de Archontophoenix alexandrae (Wendl. & Drude) e identificou-se o teste de vigor mais sensível para avaliar a deterioração de sementes nessa espécie. Frutos maduros foram colhidos na coleção de palmeiras do Instituto Agronômico em Campinas. Os frutos despolpados foram transportados em embalagem impermeável para a UNESP em Botucatu, onde as sementes foram secas a diferentes intervalos de tempo. Foram avaliados teor de umidade, germinação, comprimento da plântula e condutividade elétrica. Os resultados sugerem que sementes de A. alexandrae são recalcitrantes, com alta porcentagem de germinação (acima de 67%) quando não desidratadas (47% de umidade). Teores de água inferiores a 31,5% reduziram significativamente a taxa de germinação (<52,5%). Perda total da capacidade germinativa foi observada em sementes com 15,1% de umidade. Dentre os testes de vigor empregados, aquele que avalia a condutividade elétrica da água de embebição foi o mais sensível para a identificação da deterioração da semente em resposta à dessecação progressiva do lote em estudo.

Palavras-chave : Archontophoenix alexandrae; seafortia; palmeira real australiana; recalcitrante; deterioração de sementes; condutividade elétrica; umidade crítica; umidade letal.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês