SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34“CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS” COMO ACONTECIMENTO DISCURSIVO E DISPOSITIVO DE PODER/SABERO QUE PENSAM AS EQUIPES DIRETIVAS ESCOLARES SOBRE O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO (AEE) índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Educação em Revista

versão impressa ISSN 0102-4698versão On-line ISSN 1982-6621

Resumo

SOUSA, MARCIO BARRADAS  e  BARBOSA ALBUQUERQUE, MARIA BETÂNIA. BENZER, ORAR E EDUCAR: PERCURSOS DE UMA CURADORA DA AMAZÔNIA. Educ. rev. [online]. 2018, vol.34, e183866.  Epub 12-Abr-2018. ISSN 0102-4698.  http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698183866.

O artigo analisa a benzedura como prática educativa a partir da experiência de uma curadora evangélica, cuja prática se assenta no enfrentamento de doenças físicas e espirituais, no ensino de terapêuticas e da doutrina evangélica. O quilombo de Abacatal no Pará é o lócus de seu atendimento, espaço de circulação de saberes. A experiência de Dona Dionéia revela a benzedura como premissas para pensarmos o processo educativo sobre o qual assenta sua prática. Teoricamente, o artigo situa-se na interface entre educação e antropologia. Caracteriza-se como um estudo de natureza qualitativa do tipo etnográfico sob a metodologia da História oral. A prática educativa de Dona Dionéia mobiliza saberes ambientais, medicinais, espirituais e corporais. Assim, homens e mulheres aprendem a partir da observação que fazem do rito de cura, na escuta das orações e terapêuticas, na imitação da técnica de produção e (re)criação do remédio, configurando uma pedagogia do cotidiano.

Palavras-chave : Educação; Benzedura; Saberes.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )