SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 número2Benefícios e riscos da prática de atividade física recreativa e/ou esportiva por pessoas com epilepsia índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Fisioterapia em Movimento

versão On-line ISSN 1980-5918

Resumo

FOLTRAN, Fabiana Almeida; SILVA, Luciana Cristina da Cunha Bueno; SATO, Tatiana de Oliveira  e  COURY, Helenice Jane Cote Gil. Qual modelo de eletrogoniômetro é mais adequado para avaliar movimentos do punho?. Fisioter. mov. (Impr.) [online]. 2011, vol.24, n.2, pp.357-366. ISSN 1980-5918.  https://doi.org/10.1590/S0103-51502011000200017.

INTRODUÇÃO: O eletrogoniômetro é utilizado em contexto ocupacional para registro dos movimentos do punho. No entanto, diferentes tamanhos de sensores são utilizados, o que pode dificultar a comparação entre os resultados. OBJETIVO: Avaliar dois sensores de tamanho diferentes para verificar o desempenho de ambos em uma amostra com variáveis antropométricas definidas. MATERIAIS E MÉTODOS: Participaram 13 sujeitos (7 mulheres e 6 homens; idade 23 ± 2,6 anos; massa 57 ± 3,8 kg e altura 1,63 ± 4,1 m). Foram utilizados dois sensores com 65 e 110 mm de comprimento (XM65 e XM110, respectivamente) e um dispositivo de aquisição de dados (Datalog, Biometrics). Medidas antropométricas dos participantes foram registradas. Cada indivíduo realizou movimentos de flexão/extensão e desvios ulnar/radial, atingindo amplitude máxima, na posição pronada do antebraço. A ordem de realização dos movimentos e colocação dos sensores foi aleatorizada. Os dados foram analisados descritivamente e estatisticamente (análise multivariada). Foi calculada a variação entre as tentativas (variabilidade intraindividual) e entre os sensores por meio do valor RMS (root mean square). RESULTADOS: Não houve diferença significativa entre os sensores para todos os movimentos. A variabilidade intraindividual máxima foi de 2,2º. Houve diferença significativa entre os gêneros para a flexão e o desvio ulnar, sendo as mulheres as que apresentam valores maiores que os homens. A variabilidade máxima entre os sensores foi de 7,1º. CONCLUSÃO: Apesar de não identificar diferença significante entre os sensores, verificou-se que o sensor XM110 sofria abaulamento durante a extensão. Portanto, para indivíduos com altura até 1,8 m, os dados obtidos pelos diferentes sensores são comparáveis.

Palavras-chave : Movimento; Prevenção primária; Antropometria; Amplitude de movimento articular.

        · resumo em Inglês     · texto em Português     · Português ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons