SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38 número5Técnicas de pulverização e imersão com distintos desinfetantes sobre ovos incubáveisAnálise física, sensorial e microbiológica de geléias de manga formuladas com diferentes níveis de cascas em substituição à polpa índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Ciência Rural

versão impressa ISSN 0103-8478

Resumo

ABREU, Janessa Sampaio de; SANABRIA-OCHOA, Ana Isabel; GONCALVES, Flávio Daolio  e  URBINATI, Elisabeth Criscuolo. Respostas de estresse de matrinxã (Brycon amazonicus) juvenil após transporte em sistema fechado sob diferentes densidades de carga. Cienc. Rural [online]. 2008, vol.38, n.5, pp. 1413-1417. ISSN 0103-8478.  http://dx.doi.org/10.1590/S0103-84782008000500034.

Neste estudo, foram investigadas as densidades de carga adequadas para transporte de matrinxãs juvenis em sistema fechado com sacos plásticos. O transporte de 4h foi feito com peixes (23,5±0,4g; 11,6 (0,08cm) em jejum por 24h, em densidades de 83g L-1 (D1), 125g L-1 (D2), 168g L-1 (D3) e 206g L-1 (D4). Os peixes foram amostrados antes do transporte (AT), logo após o transporte (chegada) (DT) e 24h depois. A qualidade da água foi monitorada antes da captura dos peixes nos tanques de depuração, após o transporte nos sacos plásticos e nos tanques de recuperação. O oxigênio da água diminuiu para valores inferiores a 4mg L-1 em D2, D3 e D4, a temperatura esteve em torno de 32°C, pH 6,5-6,78, a amônia total foi de 1,09-1,7mg L-1, a amônia não-ionizada foi de 3,58-9,33 x 103mg L-1 e alcalinidade 134-165mg CaCO3 L-1. O cortisol plasmático e a glicose sanguínea aumentaram após o transporte nos peixes em todas as densidades ensaiadas, voltando aos valores controle 24h depois. Os valores de osmolaridade não mudaram logo após o transporte, mas aumentaram 24h depois de modo igual em todas as densidades. O cloreto plasmático diminuiu na chegada, de modo inversamente proporcional à densidade de carga. O hematócrito diminuiu 24h depois da chegada dos peixes, em todas as densidades testadas, mas não houve diferença no número de eritrócitos. Não houve mortalidade até uma semana após o transporte. O matrinxã mostrou ser uma espécie tolerante a altas densidades de carga em embalagens para transporte além de suportar baixos níveis de oxigênio na água.

Palavras-chave : estresse; densidade; transporte; qualidade da água; Brycon amazonicus.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês