SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.23 número1Método não-destrutivo para estimar área foliar e pigmentos foliares em feijoaMétodos hierárquicos e de otimização na caracterização de genótipos de tomateiro índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental

versão impressa ISSN 1415-4366versão On-line ISSN 1807-1929

Resumo

RIBEIRO FILHO, Jacques C. et al. Particionamento da chuva pelo processo de interceptação vegetal no semiárido nordestino. Rev. bras. eng. agríc. ambient. [online]. 2019, vol.23, n.1, pp.21-26. ISSN 1807-1929.  https://doi.org/10.1590/1807-1929/agriambi.v23n1p21-26.

A compreensão do comportamento hidrológico e da distribuição da vegetação em um ambiente semiárido é fundamental para o desenvolvimento de técnicas e estratégias para a convivência com as secas. Objetivou-se com esse trabalho, quantificar o particionamento da precipitação pela vegetação caracterizada como Mata Atlântica Nordestina bem como suas relações com as características da precipitação. O estudo foi desenvolvido na Bacia da Bica, em Portalegre - RN. O trabalho foi realizado durante o ano de 2017, foram monitorados a precipitação interna, escoamento pelos caules das árvores e perda por interceptação em uma área de 10 x 20 m. Com o auxílio de uma estação meteorológica realizou-se as medidas da precipitação pluvial (PPT) e a velocidade do vento e estimada a evapotranspiração (ETo). Com base nessas informações, calculou-se a intensidade (I) de cada evento, energia cinética (EC) e as intensidades em intervalos de 5, 10, 20, 30, 45 e 60 min (I5, I10, I15, I20, I30, I45 e I60 respectivamente). No período de estudo foram registrados 20 eventos de chuvas. A vegetação reteve 44,9% da precipitação do total, enquanto 52,9% contribuiu com a precipitação interna e 2,2% escoou pelos troncos. Com o auxílio de Análises das Componentes Principais, foram formadas três Componentes Principais (CP) explicando mais de 84% da variância total. Nas CP1, CP2 e CP3 foram enquadradas, respectivamente, variáveis relacionadas ao poder energético da chuva em ultrapassar a barreira física da vegetação, fluxo de entrada e saída e variáveis que mudam de acordo com o tempo de duração da chuva.

Palavras-chave : caatinga; hidrologia; semiárido; análise de componente principal.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )