SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.126 issue5Metabolic syndrome in patients with prostate cancerAssociation between obesity and asthma among teenagers author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Sao Paulo Medical Journal

Print version ISSN 1516-3180

Abstract

TREVISANI, Virgínia Fernandes Moça et al. Teriparatida (hormônio recombinante humano da paratireóide 1-34) para mulheres com osteoporose pós-menopausa: revisão sistemática. Sao Paulo Med. J. [online]. 2008, vol.126, n.5, pp. 279-284. ISSN 1516-3180.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802008000500007.

CONTEXTO E OBJETIVO: A osteoporose é definida como uma doença caracterizada por baixa massa óssea e deteriorização da microarquiquetura do tecido ósseo. O paratormônio estimula a formação e a ação dos osteoblastos responsáveis pela formação dos ossos, promovendo ganho de tecido ósseo. O objetivo foi determinar a efetividade e a segurança da teriparatida no tratamento da osteoporose pós-menopausa. MÉTODOS: Foi realizada uma revisão sistemática da literatura de acordo com a metodologia da Colaboração Cochrane. RESULTADOS: 1) Teriparatida 20 µg ou 40 µg versus placebo: benefício da teriparatida considerando os desfechos redução do número de novas fraturas vertebrais e não-vertebrais, aumento da densidade mineral óssea corporal total, lombar e do fêmur. 2) Teriparatida 40 µg versus alendronato 10 mg/dia por 14 meses: não houve diferença estatística em relação a incidência de novas fraturas vertebrais ou não-vertebrais, porém, no grupo que recebeu a teriparatida, houve maior ganho de densidade mineral óssea corporal total, na coluna lombar e no fêmur (região intertrocantérica e triângulo de Wards). 3) Estrogênio mais teriparatida 25 µg versus estrogênio: houve benefício do estrogênio associado a teriparatida considerando os desfechos redução do número de novas fraturas vertebrais, aumento da densidade mineral óssea corporal total, lombar e do fêmur ao final dos três anos do estudo. CONCLUSÕES: A teriparatida, quando administrada em baixas doses e de forma intermitente, reduz as fraturas vertebrais (67%) e não vertebrais (38%) e aumenta a densidade mineral óssea na coluna lombar e no fêmur. Há necessidade de estudos de maior tempo de observação para permitir conclusões sobre a segurança e a duração dos efeitos terapêuticos.

Keywords : Osteoporose; Fraturas ósseas; Pós-menopausa; Teriparatida; Revisão.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English