SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.129 issue5Prevalence of breast cancer in the city of Goiânia, Goiás, Brazil, between 1988 and 2002Canonical and noncanonical Wnt pathways: a comparison between endometrial cancer type I and atrophic endometrium in Brazil author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Sao Paulo Medical Journal

Print version ISSN 1516-3180

Abstract

REGINATO, Thiago José Buer et al. Características do líquido ascítico de pacientes com suspeita de peritonite bacteriana espontânea nas unidades de emergência de um hospital terciário. Sao Paulo Med. J. [online]. 2011, vol.129, n.5, pp. 315-319. ISSN 1516-3180.  http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802011000500006.

CONTEXTO E OBJETIVO: Peritonite bacteriana espontânea (PBE) é uma complicação da ascite, especialmente na cirrose. Líquido ascítico com 250 ou mais neutrófilos/mm3 é um critério aceitável para o diagnóstico, mesmo com cultura bacteriana negativa. Os objetivos foram estimar a frequência de PBE em pacientes atendidos na sala de emergência, baseando-se no critério celular e avaliar o perfil bioquímico desses líquidos peritoneais. TIPO DE ESTUDO E LOCAL: Estudo retrospectivo em hospital público terciário. MÉTODOS: Foram avaliados registros laboratoriais de pacientes com ascite atendidos no setor de emergência entre novembro de 2001 e novembro de 2006, cujas amostras de líquido ascítico foram encaminhadas ao laboratório por suspeita de PBE. As 691 amostras incluídas foram divididas em grupo A (PBE presumida: > 250 neutrófilos/mm3; n = 219; 31.7%) e grupo B (Ausência de PBE presumida: < 250 neutrófilos/mm3; n = 472; 68.3%). Também foram avaliados sexo e idade dos pacientes além de características dos líquidos ascíticos: número de neutrófilos, leucócitos e células nucleadas; bacteriologia; e concentrações de proteínas, desidrogenase láctica, adenosina deaminase e glicose. RESULTADOS: Das amostras cultivadas do grupo A, 63 (33,8%) tiveram cultura bacteriana positiva com crescimento de patógenos comumente associados à PBE. O total de amostras do grupo A exibiu maiores níveis de desidrogenase lática que as do grupo B. Este último demonstrou predomínio de linfócitos e macrófagos. CONCLUSÃO: Dos líquidos ascíticos com suspeita clínica de PBE, 31.7% preencheram o critério diagnóstico celular. O isolamento bacteriano foi positivo em 33.8% das amostras cultivadas no grupo PBE presumida

Keywords : Líquido ascítico; Infecção; Paracentese; Citologia; Peritonite.

        · abstract in English     · text in English     · pdf in English