SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.12 issue4Effect of prior consumption of carbohydrate on the glycaemia and performanceDietetic profile, nutritional status and prevalence of central obesity in recreative soccer practitioners author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista Brasileira de Medicina do Esporte

Print version ISSN 1517-8692

Abstract

AQUINO, Cecília Ferreira de; GONCALVES, Gabriela Gomes Pavan; FONSECA, Sérgio Teixeira da  and  MANCINI, Marisa Cotta. Análise da relação entre flexibilidade e rigidez passiva dos isquiotibiais. Rev Bras Med Esporte [online]. 2006, vol.12, n.4, pp. 195-200. ISSN 1517-8692.  http://dx.doi.org/10.1590/S1517-86922006000400006.

INTRODUÇÃO: Rigidez e flexibilidade são propriedades musculares freqüentemente consideradas como sinônimas na literatura, apesar de apresentarem diferenças com relação as suas definições. OBJETIVO: Investigar a contribuição da medida de flexibilidade dos isquiotibiais para a rigidez passiva deste grupo muscular. MÉTODOS: A rigidez e a flexibilidade foram avaliadas em 33 indivíduos saudáveis. Um dinamômetro isocinético registrava o torque passivo oferecido pelos isquiotibiais durante a extensão passiva do joelho, à velocidade de 5º/s. Durante os testes, foi feita a monitoração da atividade muscular para garantir silêncio eletromiográfico. A inclinação da reta torque x ângulo foi utilizada para determinar a rigidez total dos isquiotibiais. A amplitude de teste foi dividida em três porções para calcular a rigidez do 1º, 2º e 3º terços do movimento angular. A flexibilidade foi avaliada através do ângulo articular do joelho em que o movimento da alavanca foi interrompido pelo examinador ao perceber resistência à movimentação adicional e o participante relatar sensação de desconforto pelo alongamento dos isquiotibiais. Como tratamento estatístico, foram utilizadas análises de regressão simples. RESULTADOS: Análises de regressão demonstraram valores de correlação r = -0,48 (R2 = 0,23; p = 0,005), r = -0,54 (R2 = 0,29; p = 0,001), r = -0,46 (R2 = 0,21; p = 0,007) e r = -0,45 (R2 = 0,20; p = 0,008) entre flexibilidade e rigidez passiva total, 1º, 2º e 3º terços, respectivamente. CONCLUSÃO: Apesar de as associações entre as variáveis terem sido significativas, uma percentagem pequena da variabilidade da medida de rigidez passiva pode ser explicada pela flexibilidade. Conclui-se que essas propriedades não são sinônimas e devem ser analisadas de forma independente.

Keywords : Músculo; Energia; Lesão.

        · abstract in English | Spanish     · text in English | Portuguese     · pdf in English | Portuguese