SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.67 número1Anthropic effects on the fish community of Ribeirão Claro, Rio Claro, SP, BrazilNiche differences between two sympatric whiptail lizards (Cnemidophorus abaetensis and C. ocellifer, Teiidae) in the restinga habitat of northeastern Brazil índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Brazilian Journal of Biology

versión impresa ISSN 1519-6984versión On-line ISSN 1678-4375

Resumen

FRANCA, FGR.  y  ARAUJO, AFB.. Existem padrões de coocorrência que estruturam comunidades de serpentes no Brasil Central?. Braz. J. Biol. [online]. 2007, vol.67, n.1, pp.33-40. ISSN 1519-6984.  http://dx.doi.org/10.1590/S1519-69842007000100005.

Os processos que levam à estruturação de comunidades animais neotropicais têm sido sujeito de ampla discussão em ecologia de comunidades. Usou-se um conjunto de modelos nulos para investigar a existência de estrutura em comunidades de serpentes presentes no Cerrado do Brasil Central, em relação à coocorrência de espécies e de guildas relacionadas a recursos específicos. As localidades utilizadas para as análises representam fragmentos de habitats dentro do Distrito Federal e em municípios vizinhos. Apesar da recente colonização humana da região, datada para o final da década de 50, a intensidade da modificação e fragmentação dos habitats no Brasil Central têm sido enorme. Sessenta e três espécies de serpentes estão presentes no Distrito Federal. As análises dos padrões de coocorrência tanto para as espécies quanto para guildas relativas à dieta e ao uso do ambiente sugeriram ausência de organização. A homogeneidade dos ambientes no Brasil Central e a baixa importância de efeitos ecológicos podem levar ao arranjo randômico.

Palabras clave : serpentes; Brasil Central; comunidade; modelos nulos; Cerrado.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · Inglés ( pdf )

 

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons