SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.67 número1Mating system of the amazonian cichlid angel fish, Pterophyllum scalareBiological aspects of Hylesia metapyrrha (Lepidoptera; Saturniidae; Hemileucinae), in laboratory índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Brazilian Journal of Biology

versión impresa ISSN 1519-6984versión On-line ISSN 1678-4375

Resumen

POLO, PA. et al. Evidências comportamentais e neurofarmacológicas de que a serotonina atravessa a barreira hematoencefálica em Coturnix japonica (Galliformes; Aves). Braz. J. Biol. [online]. 2007, vol.67, n.1, pp.167-171. ISSN 1519-6984.  http://dx.doi.org/10.1590/S1519-69842007000100023.

Este estudo foi desenvolvido objetivando ampliar as evidências comportamentais e neurofarmacológicas da permeabilidade da barreira hematoencefálica (BHE) à serotonina administrada sistemicamente em codornas. A serotonina injetada por via parenteral (250-1000 µg.kg-1, sc) produziu uma seqüência de eventos relacionados com um estado semelhante ao sono. Comportamentos semelhantes ao sono começaram com o eriçamento das penas, movimentos orais rápidos, piscadelas e finalmente agachamento e fechamento dos olhos. A administração prévia do antagonista do receptor 5-HT2C, LY53857 (3 mg.kg-1, sc) reduziu significativamente os episódios de eriçamento das penas e movimentos orais rápidos, mas não alterou a freqüência de piscadelas e fechamento dos olhos. Tratamento com o antagonista do receptor 5-HT2A/2C, quetanserina (3 mg.kg-1, sc) não afetou nenhuma das respostas evocadas pela serotonina. A quipazina (5 mg.kg-1, sc), um agonista dos receptores 5-HT2A/2C/3, induziu intensa hipomotilidade e longos períodos de comportamentos semelhantes ao bocejo e ao sono. O tratamento prévio com quetanserina suprimiu as reações de bocejo e reduziu a hipomotilidade, os movimentos orais rápidos e as piscadelas, mas foi sem efeito para as demais respostas induzidas pela quipazina. Os resultados mostraram que, diferentemente dos mamíferos, a serotonina atravessa a BHE e ativa mecanismos hipnogênicos em codornas. Estudos com agonistas serotoninérgicos e antagonistas revelaram que, entre as ações da serotonina, o eriçamento das penas, os movimentos orais rápidos e o comportamento semelhante ao bocejo foram originados pela ativação de receptores 5-HT2, enquanto o piscar e o fechamento dos olhos possivelmente requereu outros subtipos de receptores.

Palabras clave : serotonina; barreira hematoencefálica; ação hipnogênica; sono; bocejo; codornas.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · Inglés ( pdf )

 

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons