SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.72 número1Frugivory and seed dispersal of Miconia theaezans (Bonpl.) Cogniaux (Melastomataceae) by birds in a transition palm swamp: gallery forest in Central BrazilFeeding behavior of the invasive bivalve Limnoperna fortunei (Dunker, 1857) under exposure to toxic cyanobacteria Microcystis aeruginosa índice de autoresíndice de materiabúsqueda de artículos
Home Pagelista alfabética de revistas  

Servicios Personalizados

Revista

Articulo

Indicadores

Links relacionados

Compartir


Brazilian Journal of Biology

versión impresa ISSN 1519-6984

Resumen

GAZULHA, V; MANSUR, MCD; CYBIS, LF  y  AZEVEDO, SMFO. Impactos da filtração do bivalve invasor Limnoperna fortunei (Dunker, 1857) sobre cianobactérias solitárias, coloniais e filamentosas. Braz. J. Biol. [online]. 2012, vol.72, n.1, pp.33-39. ISSN 1519-6984.  http://dx.doi.org/10.1590/S1519-69842012000100004.

O comportamento alimentar do bivalve invasor Limnoperna fortunei na presença de cianobactérias solitárias, coloniais e filamentosas foi testado em experimentos laboratoriais, para avaliar os efeitos do tamanho e da forma na alimentação dos mexilhões. A primeira hipótese sustenta que o mexilhão dourado filtra as partículas menores com maior eficiência, como as células solitárias de Microcystis, as quais seriam assimiladas mais facilmente. A segunda hipótese sustenta que L. fortunei filtra com mais eficiência as colônias arredondadas, como Microcystis, que seriam mais facilmente ingeridas do que os filamentos longos, como Planktothrix. As taxas de filtração do mexilhão dourado na presença das cianobactérias solitárias, coloniais e filamentosas foram semelhantes. No entanto, houve uma grande diferença nas taxas de ingestão e produção de pseudofezes. As células solitárias foram amplamente aceitas como alimento, enquanto as cianobactérias filamentosas e coloniais foram massivamente expulsas sob a forma de pseudofezes. Os resultados confirmaram a primeira hipótese, a de que o mexilhão dourado prefere ingerir partículas menores. A segunda hipótese foi rejeitada, pois os filamentosos de Planktothrix foram preferencialmente ingeridos em relação às colônias de Microcystis. O mexilhão dourado apresenta potencial para remover células tóxicas de cianobactérias (Microcystis); entretanto, esse potencial ficaria reduzido em eventos de floração, em que as formas coloniais, preferencialmente rejeitadas por L. fortunei, são predominantes. Nesse caso, a presença do bivalve no ambiente poderia ainda potencializar a ocorrência da floração via rejeição das cianobactérias coloniais e filamentosas nas pseudofezes.

Palabras clave : Mexilhão dourado; Microcystis; Planktothrix; taxas de filtração; espécies exóticas.

        · resumen en Inglés     · texto en Inglés     · Inglés ( pdf )

 

Creative Commons License Todo el contenido de esta revista, excepto dónde está identificado, está bajo una Licencia Creative Commons