SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.27 número2Características epidemiológicas e das lesões bucais associadas ao HIV observadas em pacientes de uma cidade sul-brasileira índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Artigo

Indicadores

Links relacionados

  • Não possue artigos similaresSimilares em SciELO

Compartilhar


Revista Odonto Ciência

versão On-line ISSN 1980-6523

Resumo

LEME, Marina Severi; BARBOSA, Taís de Souza  e  GAVIAO, Maria Beatriz Duarte. Avaliação das funções orais em crianças brasileiras por meio do Nordic Orofacial Test-Screening (NOT-S). Rev. odonto ciênc. [online]. 2012, vol.27, n.2, pp. 108-114. ISSN 1980-6523.  http://dx.doi.org/10.1590/S1980-65232012000200003.

OBJETIVO: A função orofacial é resultado de atividades complexas integradas ao Sistema Nervoso Central e ao Sistema Neuromuscular. A disfunção orofacial pode comprometer ações vitais, como a respiração, a mastigação, a deglutição e as expressões faciais. O objetivo deste estudo foi traduzir o protocolo do Nordic Orofacial Test-Screening (NOT-S), que avalia disfunção orofacial, para o Português do Brasil e aplicá-lo à uma amostra de crianças e adolescentes (8 a 14 anos). METODOLOGIA: A versão brasileira do NOT-S foi aplicada em 197 meninas e 135 meninos na faixa etária de 8 a 14 anos. Estes foram examinados clinicamente considerando as fases da dentição e características da oclusão. Para avaliar a reprodutibilidade do NOT-S foi aplicado o teste-reteste em 50 indivíduos aleatoriamente selecionados da amostra 15 dias após a primeira avaliação. Estatística descritiva, qui-quadrado, os testes Mann-Whitney e Kappa foram aplicados para análise dos dados, com nível de significância de α=0.05. RESULTADOS: Os escores variaram de 0 a 7; o escore 0 apresentou frequência de 5% e o escore médio foi 2,64. Os domínios III (Hábitos) e IV (Mastigação e Deglutição) foram os mais frequentes e apresentaram taxa de 70 e 50%, respectivamente. Não houve diferença entre os gêneros em relação à disfunção orofacial, porém os escores do NOT-S foram maiores na dentição mista quando comparada à dentição permanente. A taxa de concordância intra-examinador foi de 97,8% comparando a primeira aplicação com a do re-teste. CONCLUSÃO: Não houve diferença entre gêneros, mas nos indivíduos na dentição mista e aqueles com mordida aberta anterior a disfunção orofacial foi mais presente. A versão brasileira do NOT-S foi considerada adequada para aplicação em indivíduos brasileiros.

Palavras-chave : Criança; avaliação da deficiência; reprodutibilidade dos testes; estudos de validação.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · pdf em Inglês