SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.16 número3Clarificação de polpa de camu-camu por microfiltraçãoPropriedades da embalagem e controle de L. monocytogenes em mortadela por filmes celulósicos incorporados com pediocina índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Brazilian Journal of Food Technology

versão On-line ISSN 1981-6723

Resumo

TRINDADE, Marco Antonio; VILLANUEVA, Nilda Doris Montes; ANTUNES, Catharine Vendemiatto  e  FREIRE, Maria Teresa de Alvarenga. Cordeiro em embalagem ativa com sachê absorvedor de oxigênio/emissor de gás carbônico: estabilidade físico-química e microbiológica durante armazenamento refrigerado. Braz. J. Food Technol. [online]. 2013, vol.16, n.3, pp.216-225. ISSN 1981-6723.  https://doi.org/10.1590/S1981-67232013005000027.

A carne de cordeiro é comercializada no Brasil quase que exclusivamente na forma congelada, em função da maior vida útil fornecida pelo armazenamento congelado quando comparada à vida útil do armazenamento refrigerado. No entanto, devido à tendência de aumento da demanda por produtos de conveniência, surge a necessidade de mais estudos para permitir a comercialização da carne ovina na forma refrigerada. O objetivo deste estudo foi avaliar a contribuição da tecnologia de embalagens ativas na extensão da vida útil de lombos de cordeiro (Longissimus lumborum) armazenados sob refrigeração (1±1 ° C), em comparação com a embalagem tradicional a vácuo. Para tanto, dois tipos de sachês foram empregados: sachê absorvedor de oxigênio e sachê absorvedor de oxigênio/emissor de gás carbônico. Foram avaliados três tratamentos: 1) Vácuo (controle), 2) Vácuo  +  sachê absorvedor de oxigênio e 3) Vácuo  +  sachê absorvedor de oxigênio/emissor de gás carbônico. Durante 28 dias, foram realizadas semanalmente análises microbiológicas (contagens de psicrotróficos anaeróbios, coliformes a 45 ° C, estafilococos coagulase positiva, Salmonella e bactérias láticas) e físico-químicas (substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico, cor objetiva, valor de pH, perdas no cozimento e força de cisalhamento). Os experimentos foram repetidos três vezes para todos os tratamentos. Os resultados demonstraram que a carne de cordeiro embalada nos três diferentes sistemas manteve-se estável, durante todo o período de armazenamento, em relação à maioria dos parâmetros físicos e químicos avaliados, e dentro dos padrões estabelecidos pela legislação brasileira para microrganismos patogênicos. No entanto, todos os tratamentos apresentaram contagens elevadas de microrganismos psicrotróficos anaeróbios e bactérias láticas, atingindo valores superiores a 107 UFC/g, aos 28 dias de armazenamento. Assim, nas condições testadas, nenhum dos dois tipos de sachês avaliados (sachê absorvedor de oxigênio e sachê absorvedor de oxigênio/emissor de gás carbônico) foi capaz de estender a vida útil do lombo de cordeiro, quando incorporados a essa carne embalada a vácuo.

Palavras-chave : Cordeiro; Embalagem a vácuo; Embalagens ativas; Microbiologia; Oxidação.

        · resumo em Inglês     · texto em Inglês     · Inglês ( pdf )

 

Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons