SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.57 issue4Probable Rasmussen's syndrome: case reportAutogenic bone plug to seal burr holes: technical note author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Arquivos de Neuro-Psiquiatria

Print version ISSN 0004-282X

Arq. Neuro-Psiquiatr. vol.57 n.4 São Paulo Dec. 1999

http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X1999000600024 

COMPARAÇÃO DAS AVALIAÇÕES NEUROPSICOLÓGICAS EM MENINA COM DOENÇA CEREBROVASCULAR BILATERAL (MOYAMOYA) ANTES E APÓS A INTERVENÇÃO CIRÚRGICA

 

SYLVIA MARIA CIASCA*, HÉLVIO LEITE ALVES**, INÊS ELCIONE GUIMARÃES***, ANA PAULA CASTRO TERRA***, M. VALERIANA L. MOURA-RIBEIRO****, EDWALDO E. CAMARGO***** ELBA SÁ CAMARGO ETCHEBEHERE******, ALLAN DE OLIVEIRA SANTOS******

 

 

RESUMO ¾ A doença de moyamoya é anormalidade cerebrovascular crônica e progressiva identificada através das características angiográficas; estão presentes no quadro clínico episódios isquêmicos transitórios, cefaléia, crises convulsivas, hemiparesia, que podem desaparecer após tratamento cirúrgico. Nós descrevemos o caso de uma menina com características clássicas da doença, comparando-o em dois momentos, antes e depois da cirurgia, através de avaliações neurológicas, neuropsicológicas, e exames complementares.

PALAVRAS-CHAVES: moyamoya, doença cerebrovascular, criança, avaliação neuropsicológica, SPECT.

 

Comparison of the neuropsychological assessment in a girl with bilateral cerebrovascular disease (moyamoya) before and after surgical intervention

ABSTRACT ¾ Moyamoya is a chronic progressive cerebrovascular disease with characteristic angiographic findings and a clinical picture with episodes of transient ischemic attacks, headache, seizures, hemiparesis, which may resolve after surgical treatment. We describe the case of a girl with the typical findings of the disease, comparing them before and after surgery with the use of neuropsychological tests, neurological examination and laboratory tests.

KEY WORDS: moyamoya, cerebrovascular disease, child, neuropsychological assessment, SPECT.

 

 

A doença cerebrovascular moyamoya é descrita como doença crônica e progressiva com características angiográficas típicas. O termo moyamoya tem origem japonesa e significa "algo nebuloso, como cortina de fumaça". Em sua maior parte, os casos descritos na literatura são do Japão. Entretanto, a doença tem distribuição universal. Metade dos casos descritos é de crianças, muitas delas na idade pré-escolar1. Nesta doença ocorre oclusão bilateral das artérias carótidas internas e, pelo fato de a oclusão ser lenta e progressiva, surgem anastomoses múltiplas que se formam entre as artérias carótidas internas e externas, compostas pelas colaterais das artérias coroidais anterior e posterior, artéria basilar, além de artérias meníngeas2,3. A etiologia é desconhecida e a maioria dos casos não apresenta fator predisponente. Porém, a hereditariedade é defendida , pois há estudos que mostram incidência familiar em 7% dos casos4. O quadro clínico é caracterizado por episódios isquêmicos transitórios, cefaléia, crises convulsivas, hemiparesia que pode ter involução parcial ou total. A criança fica letárgica, comatosa, sendo algumas vezes detectadas hemianopsia, hemianestesia e afasia. Algumas crianças têm coréia de face e de membros1.

Na doença de moyamoya, o estudo angiográfico fornece o diagnóstico, envolvendo estenose de vasos do circuito arterioso e colaterais tálamo-estriados, com aspecto característico de estrias esfumaçadas1,4,5. Zonas de infarto parenquimentoso podem ser observadas nos exames de tomografia computadorizada e ressonância magnética. O SPECT cerebral mostra áreas de hipoperfusão, e no EEG observa-se o aparecimento de ondas de alta voltagem um minuto após o término da hiperpnéia, além de alentecimento hemisférico ou generalizado da atividade elétrica cerebral. O Doppler transcraniano é procedimento útil, com a constatação dinâmica das modificações do fluxo sanguíneo regional4,6,7. O tratamento é cirúrgico, dirigido no sentido de promover novas anastomoses entre os territórios carotídeos extra e intra-cranianos e apresenta resultados positivos em mais de 50% dos casos. O prognóstico é pobre e a maioria dos casos continua a apresentar fraqueza crônica de um ou de ambos os lados, epilepsia e retardo mental em graus variados.

Neste estudo, procurou-se correlacionar os dados obtidos através das avaliações neurológica, funcional e neuropsicológica de um quadro clínico da doença cerebrovascular bilateral (moyamoya), em dois momentos: pré-cirúrgico (1a avaliação) e pós-cirúrgico (2a avaliação). A realização das avaliações proporcionou uma análise qualitativa da produção da criança conseguindo elementos para pesquisa de praxias, gnosias, linguagem, memória e processos intelectuais 8.

 

MÉTODO

Criança do sexo feminino, nível sócio-econômico médio, com 9 anos e 7 meses na 1a avaliação (pré-cirúrgica), frequentando a 2a série do 1o grau, em Escola Pública da região de Campinas, apesar de não ser alfabetizada. Na 2a avaliação (pós-cirúrgica) a criança tinha 10 anos e 4 meses, e havia sido transferida para classe especial em outra Escola Pública da mesma região, continuando sem alfabetização completa.

Nas duas avaliações realizadas utilizaram-se: a) Escala Wechsler de Inteligência para Criança (WISC), com o objetivo de medir quantitativamente e qualitativamente o nível cognitivo geral; b) Teste Guestáltico Viso-Motor (Bender), para avaliação do grau de amadurecimento perceptivo viso-motor; c) Bateira Luria Nebraska para Criança (BLN), com o objetivo de avaliar dez áreas neuropsicológicas relacionadas com áreas corticais específicas; d) Exame Neurológico Tradicional (ENT); e) Angiografia Carotídea; f) Single Photon Emission Computed Tomography (SPECT), com imagens cerebrais obtidas após injeção venosa de 20mCi de HMPAO-99mTc para avaliar fluxo sanguíneo cerebral.

A coleta de dados foi realizada em três fases:

1) Realizou-se a primeira avaliação no Ambulatório de Distúrbio de Aprendizagem da FCM/UNICAMP, com cinco consultas, duração média de 50 minutos, para aplicação dos instrumentos avaliativos antes da cirurgia.

2) Técnica cirúrgica: auto-transplante de omento vascularizado para região intracraniana. A paciente foi submetida a incisão coronariana fronto-temporal esquerda com preservação da artéria temporal superficial em toda a sua extensão, seguida de craniotomia fronto-temporal. Procedeu-se à dissecção microcirúrgica desta artéria numa extensão de 20 mm. Concomitantemente, o cirurgião pediátrico realizou minilaparotomia, retirando porção ampla do omento maior junto à grande curvatura do estômago, contendo a artéria gastroepiplóica. Realizou-se, então, arteriotomia na parede lateral da artéria temporal superficial anastomosando-se esta artéria à extremidade da artéria gastroepiplóica (anastomose término-lateral) usando-se fios de nylon 10-0, com microscópio cirúrgico. Observando-se a patência da anastomose diretamente e através da extremidade sangrante do omento, procedeu-se à eletrocoagulação destes vasos em suas porções distais. Após dissecção microcirúrgica ampla da aracnóide que reveste a cisterna silviana e o córtex fronto-temporal adjacente, acomodou-se o omento vascularizado por sobre esta área. A seguir procedeu-se ao fechamento da dura-mater, recolocação do retalho ósseo, e fechamento da pele9.

3) A criança foi submetida à segunda avaliação neuropsicológica com os mesmos instrumentos, utilizados na primeira avaliação, seis meses após o procedimento cirúrgico, no Ambulatório de Distúrbio de Aprendizagem da FCM/UNICAMP.

 

RESULTADOS

A criança é a primeira filha de um casal jovem, não consanguíneo. Gestação e nascimento sem intercorrências. Desenvolvimento neuropsicomotor pregresso adequado para a idade e sono tranquilo. Quando iniciou na pré-escola, a professora percebeu que a criança apresentava uma pressão muito forte na coordenação motora fina. Aos 7 anos começou apresentar dificuldades de coordenação motora e alteração da marcha; seguindo, teve alteração na linguagem, crises convulsivas, mudança de comportamento, humor e labilidade emocional.

Os dados obtidos referentes as condições pré-cirúrgica (1a avaliação) e pós-cirúrgica (2a avaliação) demonstraram:

Rendimento Intelectual - Significativa perda cognitiva entre uma avaliação e outra, tendo a Escala Verbal maior comprometimento do que a Escala Execução (Tabela 1 e Fig 1).

 

 

 

 

Bateria Luria Nebraska - Observou-se melhora significativa pós-cirúrgica nas áreas que envolvem habilidade motora no hemicorpo contralateral à hemiparesia e da linguagem expressiva. Houve perda de desempenho real, significativa nas provas de ritmo, em torno de 47%, seguida de memória imediata para aprendizagem (17%, em relação à primeira avaliação). Na percepção-motora, os escores foram abaixo dos esperados para sua faixa etária, caracterizando incapacidade de reprodução ou cópia de modelo visual. Aplicando-se provas que envolvem características básicas para aquisição das habilidades de leitura, escrita e raciocínio matemático compatíveis com o nível escolar da criança, notou-se perda de desempenho de raciocínio matemático em torno de 33%, o mesmo não acontecendo nas habilidades necessárias para leitura e escrita. (Tabela 2).

 

 

Os resultados do SPECT (20-novembro-1997 e 20-agosto-1998) mostraram discreta melhora pós-cirúrgica (Tabela 3 e Figs 2 e 3).

 

 

 

 

 

 

DISCUSSÃO

Em nosso estudo os resultados obtidos mostraram maior comprometimento no que se refere às habilidades cognitivas, quando correlacionados os dados obtidos através das avaliações neuropsicológicas anterior e posterior à cirurgia. Porém foi possível constatar melhora em provas que envolvem habilidade motora e linguagem expressiva, cujas áreas foram beneficiadas pela conduta cirúrgica de promoção de novas anastomoses do território carotídeo.

A atividade cortical da memória pode estar alterada quando ocorre uma mudança cerebral geral; observa-se portanto queda nos escores relacionados à memória imediata, possivelmente como resultado de tal atividade, confirmando que lesões na região parietal do hemisfério esquerdo podem produzir dificuldades na memória verbal auditiva de curta duração10.

Os baixos resultados nas provas raciocínio matemático podem estar relacionados ao fato de a criança não estar alfabetizada, uma vez que o quadro sintomático da doença teve início concomitantemente com o processo de alfabetização. Além disso, devido aos comprometimentos motores e de linguagem, a criança foi afastada do contexto escolar, retornando posteriormente a um nível de ensino inferior ao início da escolarização (classe especial).

As dificuldades verificadas na reprodução de estruturas e adaptação a ritmos implica em possível disfunção do lobo temporal, e a incapacidade de reproduzir ou copiar um modelo visual nas tarefas perceptivas, podem estar associadas a lesão ou disfunção parieto-occipital do hemisfério direito.

No primeiro SPECT cerebral, foi possível constatar, nos cortes transversal e sagital do exame pré-cirúrgico, extensa área de ausência de concentração de radiofármaco nos lobos temporal e parietal esquerdos (Fig 2), correlacionadas com as áreas de défict descritas. No segundo exame, verificou-se discreta melhora da perfusão no lobo parietal esquerdo (Fig 3) concordante com a melhora da função da linguagem expressiva, e habilidades motora conforme a bateria utilizada.

Torna-se claro através dos resultados obtidos que a melhora em determinadas funções não é necessariamente concomitante com o fator cognitivo geral, uma vez que inteligência requer não só adequação das áreas e funções, mas integração geral de capacidades diversas, exigindo interação de diversos fatores físicos e ambientais, entre outros.

A associação das avaliações neuropsicológica, neurológica e exames complementares por imagem possibilitou maior compreensão e clareza do diagnóstico, permitiu intervenção mais adequada para melhorar a aprendizagem geral e o prognóstico da paciente.

 

REFERÊNCIAS

1. Gherpelli JLD. Afecções vasculares cerebrais. In Diament A., Cypel S. Neurologia Infantil. 3Ed. São Paulo: Atheneu, 1996:1211-1212.

2. Fenichel GM. Neurologia pediátrica. 2Ed. Gadia C; Vissoky J, tradutores: Porto Alegre: Artes Médicas, 1995: 281-282.

3. Fodstad H, Bodosi M, Forssel A, Perricone D. Moyamoya disease in patients of Finno-Ugric origin. Br J Neurosurg 1996;10:179-186.

4. Ganesan V, Isaac E, Kirkham FJ. Variable presentation of cerebrovascular disease in monovular twins. Developl Med Child Neurol 1997;39:628-631.

5. Siqueira-Neto JI, Silva GS, Castro JDV, Santos AC. Neurofibromatose associada a arteriopatia de moyamoya e aneurisma fusiforme. Arq Neuropsiquiatr 1998;56:819-823.

6. Moura-Ribeiro MVL. Doença cerebrovascular em crianças e adolescentes. In Gagliardi RJ, Reimão R. Clínica neurológica. Sao Paulo. Lemos Editorial, 1998:97-102.

7. Muttagin Z. Cerebral circulation in moyamoya disease: a clínical study using transcranial Doppler sonography, Surg Neurol 1993;40:306-313.

8. Lefèvre BH. Neuropsicologia infantil. São Paulo: Sarvier, 1989.

9. Touho H, Karasawa J, Tenjin H, Ueda S. Omental transplantation using a superficial temporal artery previously used for encephaloduroarteriosynangiosis. Surg Neurol 1996;45:550-558.

10. Xavier GF. Memória: correlatos anátomo-funcionais. In Nitrini R, Caramelli P, Mansur L. Neuropsicologia: das bases anatomicas à reabilitação. São Paulo: Clínica Neurológica do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, 1996.

 

 

Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP): *Professor Assistente; **Neurocirurgião; ***Aprimoranda; ****Professor Adjunto, Disciplina de Neurologia Infantil; *****Professor Dr. Diretor do Serviço de Medicina Nuclear; ******Assistente, Serviço Medicina Nuclear. Aceite: 5-agosto-1999.

Dra. Sylvia Maria Ciasca - Praça XV de Novembro 40/41 - 13024-180 Campinas SP - Brasil.

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License