SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.38 issue6Regression of hepatic fibrosisEnteroparasitosis prevalence in food handlers, Florianópolis, SC author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical

Print version ISSN 0037-8682

Rev. Soc. Bras. Med. Trop. vol.38 no.6 Uberaba Nov./Dec. 2005

http://dx.doi.org/10.1590/S0037-86822005000600014 

RELATO DE CASO CASE REPORT

 

Colelitíase associada ao uso de ceftriaxona

 

Cholelithiasis associated with the use of ceftriaxone

 

 

Dorcas Lamounier CostaI; Marcílio Diogo de O. BarbosaII; Márcio Tiago de O. BarbosaII

IDepartamento Materno-Infantil da Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI
IIDepartamento de Medicina da Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI

 

 


RESUMO

Criança de sete anos recebeu ceftriaxona para o tratamento de meningite, evoluindo com dor em hipocôndrio direito associada a cálculo na vesícula biliar. Após três meses, a ultrassonografia abdominal foi normal. O conhecimento de que a ceftriaxona pode levar ao surgimento de colelitíase pode evitar intervenções cirúrgicas desnecessárias.

Palavras-chaves: Ceftriaxona. Colelitíase. Litíase.


ABSTRACT

A seven-year-old boy treated with ceftriaxone for meningitis who presented a right upper quadrant abdominal pain associated with cholelithiasis. After three months he was symptom-free and abdominal ultrasonography was normal. Awareness of this phenomenon is highly important and can save many unnecessary cholecystectomies.

Key-words: Ceftriaxone. Cholelithiasis. Lithiasis.


 

 

A ceftriaxona possui uma baixa absorção pelo trato gastrointestinal e deve ser administrada por via parenteral, sendo amplamente distribuída. Atinge concentrações adequadas no líquor, motivo pelo qual é efetiva no tratamento de meningites bacterianas15.

Diferente da maioria das outras cefalosporinas, a ceftriaxona possui uma alta afinidade pelas proteínas, porém, o deslocamento da bilirrubina dos sítios de ligação protéicos é controverso15. A longa meia-vida da ceftriaxona, aproximadamente 6 a 9 horas nos adultos e 5 a 18 horas em crianças, possibilita a administração da droga em apenas 1 ou 2 doses diárias2 15 21.

A principal forma de eliminação da ceftriaxona é renal, e em 40% pela via biliar, alcançando concentrações na bile de 20-150 vezes maiores que no sangue12.

A ceftriaxona pode induzir à formação de lama biliar ou colelitíase em adultos e crianças, que usualmente é assintomática e tem involução completa após o término da medicação, sendo por isso, chamada de pseudocolelitíase8. Foi primeiramente descrita por Schaad em 198611. Desde então, vários relatos se seguiram relacionando o uso de ceftriaxona com a calculose biliar e a lama biliar 3 11 12 13 16 19 21 sem relação com achados bioquímicos anormais, exceto pelos níveis séricos elevados de gama-glutamiltransferase 8 13 e de fosfatase alcalina8.

Como o tema é pouco diagnosticado em nosso meio, apresentamos o relato de um caso.

 

RELATO DO CASO

Menino de 7 anos de idade, com história de febre baixa, vômitos esporádicos e cefaléia, recebeu o diagnóstico de meningite aguda e foi iniciado o tratamento com 3,5g/dia (135mg/Kg/dia) de ceftriaxona, divididos em duas doses diárias, administradas em bolus, durante 8 dias. No segundo dia de antibioticoterapia, apresentou dor intensa, tipo cólica, no hipocôndrio direito, sendo realizada ultrassonografia abdominal que revelou colelitíase (Figura 1).

 

 

O tratamento foi mantido e, do quinto ao sétimo dia de uso do antibiótico, a criança apresentou febre e vômitos biliosos, além do quadro doloroso. Foi encaminhada ao cirurgião pediátrico que indicou a colecistectomia após a melhora clínica. Recebeu alta hospitalar após a resolução da meningite e foi encaminhado ao ambulatório de infectologia pediátrica, onde levantou-se a hipótese de litíase biliar transitória associada ao uso de ceftriaxona, decidindo-se então acompanhar o quadro de forma expectante. A criança relatava apenas dores abdominais leves e inespecíficas. Após 3 meses, a ultrassonografia abdominal de controle revelou uma vesícula livre de cálculos (Figura 2).

 

 

O paciente encontra-se assintomático e sem evidências de doença de vias biliares após 4 meses da internação.

 

DISCUSSÃO

Vários estudos demonstraram que 12 a 45% dos pacientes tratados com ceftriaxona desenvolveram colelitíse, caracterizada por imagens ecogênicas com formação de sombra acústica posterior1 5 13 19.

O mecanismo de formação da lama biliar ou cálculo biliar deve-se à grande afinidade da ceftriaxona pelo cálcio, formando sais que podem precipitar3.

Estes efeitos são mais prevalentes em crianças, que recebem doses da droga proporcionalmente mais elevadas que os adultos9. O tema tem sido pouco estudado pela literatura gastroenterológica e cirúrgica21. Porém, é de fundamental importância, pois as características deste tipo de litíase a transformam numa entidade clínica que necessita ser reconhecida precocemente, a fim de evitar intervenções cirúrgicas desnecessárias9 14.

O cálculo geralmente aparece em torno do 4º ao 22º dia de tratamento (média de 9 dias), mas há descrições de cálculos após 2 dias de terapia1, como é o caso do presente relato. Os pacientes geralmente são assintomáticos10. O prognóstico em geral é bom, e o cálculo desaparece espontaneamente 8 9 17 20 em um período de 2 a 63 dias (média de 15 dias) após a retirada da droga13 18. No entanto, é possível que estes pacientes, especialmente as crianças, possam desenvolver cálculos permanentes de ceftriaxona cálcica14. Sugere-se o acompanhamento clínico e ultrassonográfico até a resolução completa do quadro, ao final do tratamento, a fim de detectar colelitíase6.

Entre os fatores de risco para a litíase biliar estão o jejum prolongado, história familiar de litíase biliar ou renal19 e a administração de ceftriaxona em infusão rápida18. Um estudo prospectivo incluiu 81 crianças em uso da medicação e destacou a idade como um fator de risco significativo: os pacientes com pseudolitíase possuíam uma idade média de 7,5 anos, ao contrário dos pacientes com imagens ecográficas normais, que possuíam uma idade média de 3,1 anos. Entretanto, a causa desta diferença ainda é desconhecida11 18.

As complicações biliares têm sido raramente descritas em pacientes tratados com este antibiótico, mas há relatos de sintomas clínicos e de complicações cirúrgicas, daí a importância da avaliação ultrassonográfica durante e após o uso de ceftriaxona7 13 18. Famularo cols4 descreveram, em 1999, um caso de colecistite e pancreatite agudas relacionadas ao uso de Ceftriaxona, onde a colecistectomia foi indicada e o paciente recuperou-se completamente4. Deve-se, portanto, considerar que este antibiótico seja uma causa de dor abdominal e elevação das concentrações de amilase e lipase22. É aconselhável, assim, que todo indivíduo em uso de ceftriaxona que apresente dor abdominal seja avaliado através de ecografia e que, encontrando-se imagens compatíveis com litíase biliar, considere-se a possibilidade de se trocar a ceftriaxona por outro antibiótico.

A fim de se minimizar estes efeitos adversos, que embora benignos tenham o potencial de complicações e iatrogenias, recomenda-se observar a dose e administrar a medicação em infusão durante 30 minutos1.

Apesar de ser um quadro bem definido, é pouco reconhecido em nosso meio. Encontramos, nas principais bases de dados da Internet, apenas um estudo sobre o tema em língua portuguesa14.

Em resumo, a ceftriaxona associa-se freqüentemente ao aparecimento de imagens ecográficas de litíase biliar, geralmente assintomática e que habitualmente desaparecem após 2 meses do término da medicação. Outras vezes, porém, pode-se acompanhar de cólica biliar que deve ser reconhecida a fim de se evitar intervenções cirúrgicas desnecessárias, resguardando-as apenas para os casos de complicações graves.

 

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Alvarez-Coca González J, Cebrero García M, Vecilla Rivelles MC, Alonso Cristobo M, Torrijos Roman C. Transient biliary lithiasis associated with the use of ceftriaxone. Anales Españoles de Pediatría 53:366-368, 2000.         [ Links ]

2. Bradley JS, Compogiannis LS, Murray WE. Pharmacokinetics and safety of intramuscular injection of concentrated ceftriaxone in children. Clinical Pharmacokinetics 11:961-964, 1992.         [ Links ]

3. Bustos BR, Barrientos Olorena, Fernández RP. Pseudolitiasis biliar inducida por ceftriaxona: a case report. Revista Chilena de Pediatría 72:40-44, 2001.         [ Links ]

4. Famularo G, Polchi S, De Simone C. Acute cholecystitis and pancreatitis in a patient with biliary sludge associated with the use of ceftriaxone: a rare but potentially severe complication. Annali Italiani di Medicina Interna 14:202-204, 1999.         [ Links ]

5. Heim-Duthoy KL, Capeton EM, Pollock R, Matzke GR, Enthoven D, Peterson PK. Apparent biliary pseudolithiasis during ceftriaxone therapy. Antimicrobial Agents and Chemotherapy 34:1146-1149, 1990.         [ Links ]

6. Kim YS, Kestell MF, Lee SP. Gall-bladder sludge: lessons from ceftriaxone. Journal of Gastroenterology and Hepatology 7:618-621, 1992.         [ Links ]

7. Lopez AJ, O'Keefe P, Morrisey M, Pickleman J. Ceftriaxone induced cholelithiasis. Annals of Internal Medicine 115:712-714, 1991.         [ Links ]

8. Maccherini M, Borlini G, Branchi M, Barbonetti C, Moretti P, Bonora G. Ceftriaxone-induced cholelithiasis. Pediatria Medica e Chirurgica 20:341-343, 1998.         [ Links ]

9. Mendez J, Painceira D, Brown A, Martinez J. Transient biliary pseudolithiasis associated with ceftriaxone. Archivos Argentinos de Pediatría 92:242-244, 1994.         [ Links ]

10. Palanduz A, Yalçin I, Tonguç E, Güler N, Ones U, Salman N, Somer A. Sonographic assessment of ceftriaxone-associated biliary pseudolithiasis in children. Journal of Clinical Ultrasound 28:166-8, 2000.        [ Links ]

11. Papadopoulu F, Efremidis S, Karyda S. Incidence of ceftriaxone-associated gallbladder pseudolithiasis. Acta Paediatrica 88:1352-1355, 1999.         [ Links ]

12. Park HZ, Lee SP, Schy AL. Ceftriaxone-associated gallbladder sludge. Identification of calcium-ceftriaxone salt as a major component of gallbladder precipitate. Gastroenterology 100:1665-1670, 1991.         [ Links ]

13. Pigrau C, Pahissa A, Grooper S, Sureda D, Vazquez JMM. Ceftriaxone-associated biliary pseudolithiasis in adults. Lancet 7:165, 1989.         [ Links ]

14. Rebello CM, Rossi FS, Troster EJ, Ramos JLA, Leone CR. Ceftriaxone associated biliary lithiasis in newborns: report of two cases. Journal of Pediatrics 70:113-114, 1994.         [ Links ]

15. Roche Laboratories. Product information. Rocephin. Nutley, New Jersey. January 1996.         [ Links ]

16. Robertson FM, Crombleholme TM, Barlow SE. Ceftriaxone choledocholithiasis. Pediatrics 98:133-135, 1996.         [ Links ]

17. Sahni PS, Patel PJ, Kolawole TM, Malabarey T, Chowdhury D, el-Rashed Gorish M. Ultrasound of ceftriaxone-associated reversible cholelithiasis. European Journal of Radiology 18:142-145, 1994.         [ Links ]

18. Schaad UB, Wedgwood-Krucko J, Tschaeppeler H. Reversible ceftriaxone associated biliary pseudolitiasis in children. Lancet 2:1411-1413, 1988.         [ Links ]

19. Stabile A, Ferrara P, Marietti G, Maresca G. Ceftriaxone-associated gallbladder lithiasis in children. European Journal of Pediatrics 154:590, 1995.         [ Links ]

20. Wanic-Kossowska M, Strzyzewska-Rózewicz M, Baczyk P, Czekalski S. Reversible cholelithiasis in patients with chronic renal failure treated by ceftriaxone. Polski Merkuriusz Lekarski 6:276, 1999.         [ Links ]

21. Yuk JH, Nightingale CH, Quintiliani R. Clinical pharmacokinetics of ceftriaxone. Clinical Pharmacokinetics 17:223-235, 1989.         [ Links ]

22. Zimmermann AE, Katona BG, Jodhka JS, Williams RB. Ceftriaxone-induced acute pancreatitis. Annals of Pharmacotherapy 27:36-37, 1993.         [ Links ]

 

 

Recebido para publicação em 5/4/2004
Aceito em 27/7/2005

 

 

Endereço para correspondência: Ddo. Marcílio Diogo de Oliveira Barbosa. Rua Des. Adalberto Correia Lima 2576, Planalto Ininga, 64049- 680 Teresina, PI.
E-mail: marciliodiogo@bol.com.br