SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.34 issue1Effect of cage volume on productivity of tambaqui (Colossoma macropomum) during second growth phaseSand fly faune (Diptera: Psychodidae) in forest fragments around housing complexes in the Manaus municipality, Amazonas Brazil: II. Horizontal stratification author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

  • Portuguese (pdf)
  • Article in xml format
  • How to cite this article
  • SciELO Analytics
  • Curriculum ScienTI
  • Automatic translation

Indicators

Related links

Share


Acta Amazonica

Print version ISSN 0044-5967On-line version ISSN 1809-4392

Acta Amaz. vol.34 no.1 Manaus  2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0044-59672004000100015 

ZOOLOGIA

 

Ocorrência de Tuthillia cognata Hodkinson, Brown & Burckhardt, 1986(Hemiptera: Homoptera, Psyllidae) em plantios experimentais de camu-camu Myrciaria dubia (H.B.K.) Mc Vaugh em Manaus (Amazonas, Brasil)

 

Occurrence of Tuthillia cognata Hodkinson, Brown & Burckhardt, 1986 (Hemiptera: Homoptera, Psyllidae) in experimental plantations of camu-camu Myrciaria dubia (H.B.K.) Mc Vaugh in Manaus (Amazonas, Brazil)

 

 

Márcio Luís Leitão BarbosaI; Agno Nonato Serrão AcioliI; Arlem Nascimento de OliveiraII; Neliton Marques da SilvaII; Sônia Luzia Oliveira CantoII

IINPA/CPEN. Caixa Postal 478, 69.011-970, Manaus, AM, Brasil. E-mail: marciolb@inpa.gov.br; acioli@inpa.gov.br
IIUFAM. Av. General Rodrigo Otávio Jordão Ramos, 3000, 69.077-000, Manaus, AM, Brasil E-mail: nmarques@ufam.edu.br, arlem@inpa.gov.br, scanto@ufam.edu.br

 

 


RESUMO

O cultivo de camu-camu Myrciaria dubia (H.B.K.) Mc Vaugh tem apresentado inúmeros problemas fitossanitários, dentre os quais, Tuthillia cognata Hodkinson et al. (Hemiptera: Homoptera, Psyllidae), que constantemente é citada como praga secundária. Os objetivos deste estudo foram determinar o nível e a intensidade de infestação (%) por T. cognata e estudar aspectos do ciclo biológico e do comportamento de T. cognata, em plantios experimentais de camu-camu. Foram selecionados, de forma aleatória, 17 e 14 exemplares nos plantios I e II, respectivamente. Para cada uma das variáveis estudadas, foram calculados a média aritmética, o desviopadrão, a variância e a amplitude de variação. Foi verificado um nível de infestação de 82% (plantio I) e 57% (plantio II), uma intensidade de infestação de 94% (plantio I) e 75% (plantio II) e uma média de seis ninfas/folha em cada plantio, o que indica que T. cognata representa uma das pragas-chave dessa cultura. Foram observados adultos de Chrysoperla sp. (Neuroptera: Chrysopidae) e ninfas de Reduviidae (Hemiptera: Heteroptera), que podem atuar como prováveis agentes de controle biológico de T. cognata.

Palavras-chave: Camu-camu, Myrciaria dubia, Tuthillia cognata, Psyllidae, praga.


ABSTRACT

The cultivation of camu-camu Myrciaria dubia (H.B.K.) Mc Vaugh has presented countless phytosanitary problems, among them, Tuthillia cognata Hodkinson et al. (Hemiptera: Homoptera, Psyllidae), which often is noticed as a secondary pest. This study aimed to determine the level and the intensity of infestation (%) for T. cognata, as well as to study the biological cycle and behavioural aspects of T. cognata, in experimental plantation of camu-camu. 17 and 14 specimens from plantation I and II, respectively, were randomly selected. The arithmetic average, the standard deviation, the variance and the total amplitude were calculated for each studied variable. A level of infestation of 82% (plantation I) and 57% (plantation II), an intensity of infestation of 94% (plantation I) and 75% (plantation II) and an average number of six nymphs/leaf in each plantation were found, indicating that T. cognata is one of the key pest on this culture. Adults of Chrysoperla sp. (Neuroptera: Chrysopidae) and nymphs of Reduviidae (Hemiptera: Heteroptera), which can to be considered as probable biological control agents for T. cognata, were found in the plantations.

Key words: Camu-camu, Myrciaria dubia, Tuthillia cognata, Psyllidae, pest.


 

 

INTRODUÇÃO

O camu-camu Myrciaria dubia (H.B.K.) Mc Vaugh está entre as principais frutíferas tropicais com potencial econômico que vêm sendo pesquisadas na região. Esta planta é uma frutífera pertencente à família Myrtaceae, cujos frutos são semelhantes à jabuticaba, porém, com a polpa ácida, de ótimo sabor, possuindo alto conteúdo de vitamina C, além da vitamina A, glicose, frutose, amido, pectina e minerais como o fósforo, o nitrogênio e o potássio (Ferreyra, 1959; Roca, 1965; Gutierrez-Ruiz, 1969; Andrade, 1987; Andrade et al., 1991; Andrade, 1992; Zapata & Dufour, 1993).

Em seu estado natural, o camu-camu é pouco atacado pelos insetos, no entanto, o estabelecimento de plantações comerciais tem favorecido o aparecimento de insetos fitófagos, com potencial para se tornarem pragas (Couturier et al., 1994). Dentre os principais insetos-praga que atacam a cultura do camu-camu, tem importância destacada Tuthillia cognata Hodkinson, Brown & Burckhardt, 1986 (Homoptera: Psyllidae), causadora de deformações e secamento das folhas jovens. Entretanto, revendo a literatura, foram constatados poucos trabalhos relacionados à biologia, ao comportamento das ninfas e adultos de T. cognata e aos danos causados pelo inseto ao camu-camu, não havendo trabalhos sobre o nível e a intensidade de infestação em plantios de camu-camu (Hodkinson et al., 1986; Burckhardt & Couturier, 1988; Couturier, 1992; Couturier et al., 1992, 1994). Levando em consideração a escassez de informações na literatura relacionadas a T. cognata na Amazônia brasileira e a expressão econômica que este inseto possui, o presente trabalho objetivou determinar o nível e a intensidade de infestação (%) por T. cognata e estudar aspectos do ciclo biológico e do comportamento das ninfas e adultos de T. cognata, em plantios experimentais de camu-camu, no Município de Manaus (AM).

 

MATERIAL E MÉTODOS

Área de estudo

O estudo foi desenvolvido em campo, nos meses de janeiro e fevereiro/2000, na Estação Experimental de Hortaliças (EEH) do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), localizada no Km 14 da rodovia AM 010, em Manaus, Amazonas. A Estação experimental apresenta solo do tipo Podzólico Vermelho-Amarelo, álico de textura arenosa, de baixa fertilidade, e o clima local é caracterizado como Afi na classificação de Köppen, registrando precipitação de 2.450 mm anual. Nesta região, a estação seca ocorre no período de julho a setembro (Ribeiro, 1976). No período de realização deste estudo, a cultura se encontrava na fase de frutificação.

Desenho experimental

Nesta área existem dois plantios experimentais de camu-camu, aqui denominados, por conveniência, de plantios I e II, distanciados entre si cerca de 50 m e com 141 e 157 plantas, respectivamente. Ambos os plantios têm a mesma idade, estando em pleno sol e com o espaçamento de 5 x 2 m. Os plantios são constituídos por plantas bastante heterogêneas quanto ao porte e originárias de várias localidades, expressando grande variabilidade genética. É importante ressaltar que, no período deste estudo, as linhas do plantio I estavam cobertas por ervas daninhas, enquanto as do plantio II estavam roçadas, configurando dois tipos de agroecossistemas.

Para estabelecer a metodologia adequada para este estudo, foi feita uma visita a campo onde foi avaliado o estado de infestação das plantas pela praga. E como foi constatado que a distribuição da praga nos plantios era homogênea, as plantas a serem examinadas foram selecionadas aleatoriamente. Assim, foram sorteadas e marcadas, com fita colorida, um total de 31 árvores, 17 no plantio I e 14 no II.

Levantamento dos parâmetros analisados

Primeiramente, foram verificados, dentre as plantas selecionadas, o número de árvores isentas de pragas e o de árvores infestadas, sendo assim obtido o nível de infestação da cultura (% de plantas atacadas). Em seguida, foram examinadas somente as plantas infestadas, nas quais foi avaliado, através de contagem direta, o número de ramos atacados. Para os ramos atacados, foram contados o número de folhas alteradas, o número de folhas atacadas e o número de ninfas de T.cognata/folha, sendo obtido dessa forma a intensidade de infestação da plantação (% de ramos atacados, número de folhas alteradas/planta, número de folhas alteradas/ramo, número de folhas atacadas/planta, número de ninfas de T. cognata/folha).

Registro de alguns dados biológicos e comportamentais

Foram coletadas folhas de camu-camu infestadas por T. cognata no campo e levadas para o laboratório do Curso de Pós-graduação em Entomologia - INPA, para serem examinadas. Nestas folhas, foram observados ovos de T. cognata, os quais foram contados e descritos com o auxílio do estereomicroscópio. Estas folhas também continham galhas de Dasineura sp. (Diptera, Cecidomyidae), outra praga encontrada no camu-camu. Para facilitar a observação, essas galhas foram abertas com o auxílio de estiletes entomológicos, e examinadas sob estereomicroscópio.

Os dados de comportamento das ninfas e adultos foram obtidos através de observações de campo.

 

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Nível e intensidade de infestação

No plantio I, foi verificado alto nível de infestação por T. cognata nas plantas de camu-camu. De um total de 17 plantas analisadas, 14 foram atacadas pela praga, representando um nível de infestação de 82%. É importante salientar que das árvores isentas de praga, duas eram muito pequenas e uma tinha 2 m de altura, mas apenas um ramo. Considerando o alto nível de infestação nesse plantio, as plantas mencionadas não sofreram ataque pela praga, possivelmente, em função do número reduzido de folhas disponíveis para o seu desenvolvimento.

No plantio II, o nível de infestação foi menor (57%) quando comparado com o plantio I. De um universo de 14 plantas, oito foram atacadas pela praga. Provavelmente, isso foi devido ao fato deste plantio ter recebido um manejo mais adequado, o que resultou no melhor desenvolvimento vegetativo das plantas. Já no plantio I, as ervas daninhas, apesar de favorecerem o aparecimento de inimigos naturais, podem levar as plantas de camu-camu a um desequilíbrio nutricional acentuado, tornando-as mais suscetíveis ao ataque pela praga.

Quanto à intensidade de infestação dos ramos, no plantio I, foi constatado que, dos 37 ramos amostrados, 35 foram atacados pela praga, correspondendo a 94% dos ramos analisados. Foi observado ainda, que das 14 plantas infestadas, 12 (85%) evidenciaram os sintomas de ataque em 100% de seus ramos. Com relação ao plantio II, foi verificado que, de 28 ramos analisados, 21 foram atacados por T. cognata, correspondendo a 75% dos ramos amostrados. Também é importante salientar que, das oito plantas infestadas, cinco (62%) apresentaram 100% de seus ramos prejudicados pela praga.

Segundo Couturier et al. (1994), é importante manter as plantações em boas condições fisiológicas, pois os ataques são mais fortes em plantações debilitadas. O plantio I, constituído por plantas mais debilitadas, apresentou valores maiores para o nível (% de plantas atacadas) e a intensidade da infestação (% de ramos atacados). Por outro lado, em relação ao número de folhas alteradas/ramo, número de folhas alteradas/planta e número de folhas atacadas por T. cognata, o plantio I apresentou uma intensidade de infestação menor (Tabela 1). Provavelmente, em decorrência da presença de possíveis inimigos naturais ou, até mesmo da indisponibilidade de folhas propícias ao ataque.

 

 

Registro de Biologia e Comportamento de T. cognata

Os ovos são brancos, alongados e com extremidades afiladas. São colocados em grupos de 3 a 8 sobre a região abaxial e na base do pecíolo das folhas mais jovens, localizadas nas extremidades dos galhos. Os ovos também foram encontrados na região abaxial das folhas e no interior das galhas provocadas por outra praga do camu-camu, Dasineura sp. (Diptera, Cecidomyidae). Esses ovos estavam sempre reunidos em massas de 12 a 60 unidades. É possível que as fêmeas de T. cognata, ao ovipositarem nas galhas, aproveitem o microambiente criado por Dasineura sp. para proteger seus próprios ovos.

As ninfas de T. cognata foram encontradas principalmente nas folhas apicais e nos galhos médios, os quais parecem terem sido infestados antes de sua ramificação. Quando perturbadas nas folhas, as ninfas realizam movimentos laterais com a extremidade abdominal, provavelmente caracterizando uma forma de defesa ou fuga contra os seus inimigos naturais. As ninfas secretam fios de seda que as revestem de pulverulência de coloração branca e vivem em colônias de 10 a 20 indivíduos nas folhas deformadas. Podem ocorrer várias colônias/ramo atacado (Burckhardt & Couturier, 1988; Couturier et al., 1994). No entanto, neste estudo, foi verificado uma variação de 1 a 34 ninfas de T. cognata/folha. Todavia, numa mesma folha foram encontradas ninfas em diferentes estádios, além de adultos recém emergidos, o que sugere a ocorrência de superposições de gerações e indica que o inseto realiza todo o seu ciclo biológico abrigado na folha (Figura 1).

 

 

O estabelecimento da colônia ocorre em um grupo de folhas reunidas num ramo atacado por T. cognata (Burckhardt & Couturier, 1988). Pelas observações neste estudo, é possível inferir que, a cada período reprodutivo, a fêmea disperse seus ovos em várias folhas que formarão a futura colônia. Isto pode ser uma estratégia de dispersão e colonização da prole. Por outro lado, parece mais provável que cada fêmea ponha seus ovos numa única folha, de forma que o desenvolvimento das colônias ocorra isoladamente, ou seja, cada colônia fica restrita a uma única folha.

As ninfas provocam deformações importantes nas folhas jovens impedindo o crescimento dos brotos. No começo do ataque, as folhas ficam amplamente alargadas, dobrando-se ao nível da nervura principal, e pouco a pouco vão amarelando, secando em seguida (Couturier et. al., 1992). Essa é a principal característica do sintoma de ocorrência dessa praga, constatada no presente trabalho (Figura 2). Tuthillia cognata provoca uma alteração fisiológica nas plantas atacadas, impedindo a ramificação de alguns galhos e aumentando a de outros. As folhas verdes e secas com sintoma de ataque pelas ninfas do inseto, mas que não estão sendo mais utilizadas por este, servem de abrigo para formigas e aranhas.

 

 

Os adultos ficam posicionados sobre as folhas e ramos em ângulo de aproximadamente 45º com o corpo voltado para baixo, corroborando Couturier et al. (1994). Porém, ainda na fase adulta, o inseto pode ser facilmente observado caminhando ao longo dos ramos, contrariando, assim, as observações de Couturier et al. (1994), de que os adultos são pouco visíveis (Figura 3).

 

 

Com relação às observações referentes ao movimento, foi verificado que os adultos de T. cognata caminham por um pequeno percurso sobre os galhos, em seguida param e abrem uma das asas anteriores fazendo um movimento elíptico, e quando essa asa retorna a sua posição original, imediatamente a outra faz o mesmo movimento, mantendo dessa forma um movimento sincronizado, porém alternado. Após cada parada, o adulto realiza de um a quatro movimentos completos de abertura e fechamento das asas. Algumas dessas paradas são longas. Neste momento, os adultos aproximam o aparelho bucal dos ramos e folhas, sugerindo que neste intervalo, estejam sugando a seiva do hospedeiro.

A larva de Syrphidae (Ocyptamus sp.) observada por Couturier et al. (1992) não foi encontrada neste trabalho. Entretanto, nos plantios estudados, foram observados ovos e adultos de Chrysoperla sp. (Neuroptera: Chrysopidae) e ninfas de Reduviidae (Hemiptera: Heteroptera), considerados predadores naturais. Foram observados ainda Formicidae (Insecta: Hymenoptera) e Araneae (Chelicerata), coabitando com as ninfas de T. cognata nas folhas infestadas.

 

CONCLUSÕES

Este trabalho acrescenta informações sobre T. cognata. Entretanto, estudos adicionais precisam ser realizados de modo a subsidiar estratégias de manejo desse inseto, visando seu controle.

Apesar do plantio I ter apresentado um maior número de plantas e ramos comprometidos, o nível e a intensidade de infestação por T. cognata foram altos para os dois plantios de camu-camu, sugerindo que este psilídeo é uma das pragas-chave desta cultura. Além disso, Chrysoperla sp. (Neuroptera: Chrysopidae) e Reduviidae (Hemiptera: Heteroptera) possivelmente poderão se constituir em dois importantes agentes de biocontrole para T. cognata.

 

AGRADECIMENTOS

Agradecemos ao Dr. Kaoru Yuyama, responsável pelo plantio de camu-camu do Setor de Hortaliças do INPA, pela oportunidade de realizarmos a pesquisa nessa área. Ao companheirismo e auxílio no campo de Augusto Quaresma e Shirlane Pantoja. Ao Dr. Tobby Vincent Barret, da Coordenação de Pesquisas em Ciências da Saúde do INPA, pela leitura e correção do Abstract. Este estudo contou com o apoio logístico do Programa de Pós-Graduação em Biologia Tropical e Recursos Naturais (INPA/UFAM).

 

BIBLIOGRAFIA CITADA

Andrade, J. S. 1987. Caracterização química e nutricional do camucamu Myrciaria dubia (H.B.K.) Mc Vaugh produzido em terras firmes da Amazônia. In: I Congresso Nacional da Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição. São Paulo.         [ Links ]

Andrade, J. S. 1992. Caracterização física e química do camucamu Myrciaria dubia (H.B.K.) Mc Vaugh. In: XIII Congresso Brasileiro de Ciência e Tecnologia de Alimentos. Sociedade Brasileira de Ciência e Tecnologia de Alimentos. São Paulo. p. 17.        [ Links ]

Andrade, J. S.; Galeazi, M. A. M.; Aragão, C. G.; Chaves-Flores, W.B. 1991. Valor nutricional do camu-camu (Myrciaria dubia (H. B. K.) Mc Vaugh) cultivado em terra firme da Amazônia Central. Rev. bras. Frutic., 13(3): 307-311.        [ Links ]

Burckardt, D.; Couturier, G. 1988. Biology and taxonomy of Tuthillia cognata (Homoptera: Psylloidea), a pest on Myrciaria dubia (Myrtaceae). Annals. Soc. ent. Fr. (N.S.), 24(3): 257-261.        [ Links ]

Couturier, G. 1992. Conociemiento y manejo de los insectos y plagas de los frutales de la Amazonia. Folia Amazônica, 4: 29-37.        [ Links ]

Couturier, G.; Inga, H.; Tanchiva, E. 1992. Insetos fitofagos que vivem em Myrciara dubia (Myrtaceae) frutal amazônico en la region de Loreto Peru. Folia Amazonica, 4(1): 19-29.        [ Links ]

Couturier, G.; Tanchiva, E.; Cárdenas, R.; Gonzales, J.; Inga, H. 1994. Los insectos plaga del camu camu (Myrciaria dubia H.B.K) y del araza (Eugenia stipitata Mc Vaugh). Identificación y control. Série Informe Técnico nº 26, Programa de Investigación em Cultivos Tropicales. INIA, Lima Peru. 28p.        [ Links ]

Ferreyra, R. 1959. Camu camu, nueva fuente nacional de vitamina c. Bol. Exp. Agropecuária, 7(4): 28.        [ Links ]

Gutierrez-Ruiz, A. 1969. Espécies nativas de la selva del Peru Estudio botánico y de propagación por semillas. Tese para optar el Titulo de Ingeniero Agronomo, Universidad Nacional Agraria La Molina. Lima, Peru. p. 37-9        [ Links ]

Hodkinson, I.D.; Brown, R.G.; Burckhardt, D. 1986. Tuthillia, a new Neotropical psyllid genus (Homoptera: Psylloidea). Systematics Ent., 11: 53-60.        [ Links ]

Ribeiro, M.N.G. 1976. Aspectos climatológicos de Manaus. Acta Amazonica, 6(2): 229-233.        [ Links ]

Roca, N.A. 1965. Estudio químico-bromatológico de la Myrciaria paraensis Brg. Tesis Química, Universidad Nacional Mayor San Marcos. Lima, Peru. 51p.        [ Links ]

Rodrigues, J.M.G.; Pinto, V. G. S. 1997. A entomologia agrícola na Amazônia Central. In: Noda, H.; Souza, L. A. G.; Fonseca, O. J. M. (Eds.). Duas décadas de contribuições do INPA à pesquisa agronômica no trópico úmido. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus, Amazonas. p. 147-178.        [ Links ]

Zapata, S.M.; Dufour, J-P. 1993. Camu-camu Myrciaria dubia (HBK) Mc Vaugh: chemical composition of fruit. J.Sci. Food. Agric., 61, 349-351.        [ Links ]

 

 

Recebido em 08/11/2002
Aceito em 05/11/2003

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License