SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.35 issue4Parâmetros da reação de transesterificação etílica com óleo de milho para produção de biodieselOptimization and validation of analytical methodology for determination of 1-hydroxypyrene in urine of sugar cane workers author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Journal

Article

Indicators

Related links

Share


Eclética Química

Print version ISSN 0100-4670

Eclet. Quím. vol.35 no.4 São Paulo  2010

http://dx.doi.org/10.1590/S0100-46702010000400014 

ARTIGO

 

Determinação de coeficiente de expansão térmica do biodiesel e seus impactos no sistema de medição volumétrico

 

Determination of coefficient of thermal expansion of biodiesel and their impacts on system volumetric measurement

 

 

Douglas Queiroz Santos; Daniela Franco Vieira

Universidade Federal de Uberlândia - Avenida Engenheiro Diniz, 1178 - Caixa Postal: 593 - CEP 38.400-902 - Uberlândia - Minas Gerais - Brasil - e-mail douglasqueiroz@petrobras.com.br; danielafranco.tecline@petrobras.com.br

 

 


RESUMO

O objetivo deste trabalho foi determinar o coeficiente de expansão térmica do biodiesel a partir de dados experimentais de densidade em função da temperatura. Para tanto, foram utilizados alguns fundamentos da termodinâmica. O valor obtido para o coeficiente de expansão térmica após regressão linear para o biodiesel foi de 8,49 × 10-4 ºC-1, com um coeficiente de correlação igual a 0,9978.

Termos para indexação: Coeficiente de expansão térmica, dilatação térmica, biodiesel


ABSTRACT

The purpose of this study was to determine the coefficient of thermal expansion of the biodiesel from the experimental data of density as a function of temperature. For this, we used some fundamentals of thermodynamics. The value obtained for the coefficient of thermal expansion after the linear regression for biodiesel was 8.49 × 10-4 ° C-1, with a correlation coefficient equal to 0.9978.

Index terms: Coefficient of thermal expansion, thermal expansion, biodiesel


 

 

Introdução

O aumento da demanda mundial por combustíveis líquidos, aquecimento global, segurança energética, vontade política por desenvolvimento nos campos agrícola, social e também energético são pontos que abrem novas áreas de interesse e oportunidades para pesquisas e desenvolvimento na Academia e na indústria, pois são as forças motoras responsáveis pelo renovado interesse na produção de biocombustíveis [1,2].

Com a inclusão do biodiesel na matriz energética do Brasil se faz necessário conhecer a magnitude do coeficiente de expansão, já que este é de extrema importância no calculo do faturamento do biodiesel nas indústrias e/ou bases de carregamento.

Cada material reage diferentemente a uma variação de temperatura [3]. Alguns materiais apresentam uma grande variação nas suas dimensões com o aumento da temperatura, enquanto outros praticamente não mudam suas dimensões [4], tal fato é explicado pelo coeficiente de expansão volumétrica [5].

Uma área promissora de estudos para caracterizar este bio-material é a medida das suas propriedades térmicas. Estas propriedades revelam informações importantes sobre o comportamento físico-químico no material e certamente pode ser um caminho adicional nas metodologias de caracterização de biodiesel [6].

O coeficiente de expansão térmica (β) também chamado de coeficiente de expansão volumétrica ou expansividade volumétrica indica a variação de volume (V) provocada pela variação da temperatura (T) enquanto a pressão (P) permanece constante [4,7]:

O coeficiente de expansão térmica (β) também chamado de compressibilidade isobárica [8,9], uma vez que a pressão é constante. Entre o coeficiente de expansão térmica e a energia de ligação química entre os átomos existe uma boa correlação, onde materiais em que as ligações químicas são fortes apresentam o coeficiente de expansão térmica baixo. Isto porque a dilatação térmica está associada à variação assimétrica da energia (ou força) de ligação com a distância entre os átomos. Ou seja, durante o aquecimento os átomos do material aumentam a freqüência e a amplitude de vibração e como as forças de repulsão são sempre maiores que as de atração, a distância média entre os átomos também aumenta [7].

 

Material e Métodos

Durante os meses de abril, maio, junho e julho do ano de 2009 coletaram-se amostras de biodiesel das seguintes Empresas Agrosoja, Fiagril, Caibiense, Bracol, Binatural, Caramuru, Granol, Biopar e Fertibom. Com essas empresas de acordo com a ANP, temos biodiesel de rota etilíca e metílica com origem vegetal e animal, ou seja, temos uma grande variabilidade nas origens.

A tabela 1 indica os dados experimentais de densidade do biodiesel em função da temperatura, nestes dados foi aplicado os testes de Chauvenet, Dixox e Grubbs para verificação de outliers. Após este procedimento, os dados foram aplicados à equação (viii) onde foi possível determinar o coeficiente de expansão térmica a partir da análise de regressão linear, sendo o coeficiente angular da reta obtida pelo gráfico de ln (d0/d) versus (T-T0) corresponde numericamente ao valor do coeficiente de expansão térmica para o biodiesel. Nos cálculos, consideraram-se como T0 as temperaturas de 10,0ºC e d0, as densidades dos biodiesel nesta temperatura.

 

Resultados e Discussão

Conforme figura 1 a análise de regressão linear forneceu como resultado para o coeficiente de expansão térmica (β) do biodiesel o valor de 8,49 × 10-4 ºC-1, com um coeficiente de correlação igual a 0,9978.

 

 

O coeficiente de correlação tem por objetivo avaliar a "qualidade" do ajuste. Assim para um coeficiente de correlação mais próximo a 1, melhor a "qualidade" do ajuste da função aos pontos do diagrama de dispersão.

Observa-se na figura 2 que não existe padrão de comportamento, podendo-se concluir que a variância dos erros é constante.

 

 

Pela figura 3 podemos observar que os erros de ajustamento estão independentes e normalmente distribuídos em torno da reta. Quanto mais próximos os pontos experimentais estiverem da linha contínua, mais válida a suposição de normalidade dos resíduos.

 

 

Conclusões

A utilização de dados experimentais de densidade em função da temperatura associada a alguns conceitos da termodinâmica permitiu predizer o coeficiente de expansão térmica do biodiesel, parâmetro este de extrema importância para estimar outras propriedades físico-químicas entre elas a entalpia de vaporização [5,10]. Considerando que o coeficiente de expansão térmica do biodiesel é 8,49 × 10-4 ºC-1, para um aumento de temperatura de 10,0ºC, o aumento no volume do biodiesel é da ordem de 8,5 litros para cada mil litros.

Sendo assim o volume ocupado pelo biodiesel no interior de tanques sofre forte influência da temperatura e para viabilizar o comércio destes produtos e valorizar todas as operações comerciais e estabelecer os preços com os volumes referidos à temperatura de 20,0ºC, temperatura de referência no Brasil, se faz necessário corrigir o volume à temperatura ambiente para a temperatura de referência, sendo necessário para isso o coeficiente de expansão térmica neste trabalho.

 

Referências

[1] I. P. Lôbo, S. L. C. Ferreira, R. S. Cruz, Química Nova 32(6) (2009) 1596-1608.         [ Links ]

[2] M. J. Dabdoub, J. L. Bronzel, M. A. Rampin, Química Nova 32(3) (2009) 776-792.         [ Links ]

[3] F. Cabral, A. Lago, Fícica 2. Harbra, São Paulo, 2002, p.17-21.         [ Links ]

[4] W. D. Callister, Ciência e Engenharia de Materiais: uma introdução, Livros Técnicos e Científicos Editora, Rio de Janeiro, 2002, p.450.         [ Links ]

[5] E. C. Elizondo, G. Lutz, J. F. M. Segreda, Jornal of Phisical Organic Chemistry 19(1) (2006) 744-747.         [ Links ]

[6] L. M. R. Antón, C. Aparicio, B. Guignon, P. D. Sanz, ScienceDirect 87(1) (2008) 1934-1940.         [ Links ]

[7] A. F. Padilha, Materiais de Engenharia: microestrutura e propriedades, Hemus, São Paulo, 1997, p. 289-301.         [ Links ]

[8] F. W. Schimidt, R. E. Henderson, C. H. Wolgemuth, Introdução às Ciências Térmicas: Termodinâmica, Mecânica dos Fluidos e Transferência de Calor, Edgard Blücher, São Paulo, 2001, p. 50-51.         [ Links ]

[9] J. M. Smith, H. C. V. Ness, Introdução à Termodinâmica da Engenharia Química, Guanabara Dois, Rio de Janeiro, 1985, p. 53-57.         [ Links ]

[10] R. E. Sonntag, C. Borgnakke, G. J. V. Wylen, Fundamentos da Termodinâmica, Edgard Blücher, São Paulo, 1998, p.57.         [ Links ]

Creative Commons License All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License