SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.46 issue5Extra-articular fracture of the medial end of the clavicle associated with type IV acromioclavicular dislocation: case reportSynovial chondromatosis of the knee: case report author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Services on Demand

Article

Indicators

Related links

  • Have no similar articlesSimilars in SciELO

Share


Revista Brasileira de Ortopedia

Print version ISSN 0102-3616

Rev. bras. ortop. vol.46 no.5 São Paulo Sept./Oct. 2011

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-36162011000500020 

RELATO DE CASO

 

Fratura supra e intracondiliana exposta de femur em atleta de motocross: relato de caso

 

Supra and intracondylar open fracture of the femur in a motocross athlete: case report

 

 

Jorge Sayum FilhoI; Jorge SayumII; Rogério Teixeira de CarvalhoI; Alexandre NicoliniI; Marcelo Mitsuro MatsudaI; Wu Tu ChengIII; Moisés CohenIV

IMédico Assistente do Centro de Traumatologia do Esporte (CETE), Departamento de Ortopedia e Traumatologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) - São Paulo, SP, Brasil
IIMédico Chefe do Departamento de Ortopedia e Traumatologia do Hospital e Maternidade Assunção (HMA) - São Bernardo do Campo, SP, Brasil
IIIMédico Assistente do Departamento de Ortopedia e Traumatologia do Hospital e Maternidade Assunção (HMA) - São Bernardo do Campo, SP, Brasil
IVProfessor Livre-Docente do Departamento de Ortopedia e Traumatologia - Unifesp; Chefe do Centro de Traumatologia do Esporte (CETE) - São Paulo, SP, Brasil

Correspondência

 

 


RESUMO

Os autores apresentam o relato de um caso de uma paciente (atleta amador de motocross) que sofreu uma queda durante uma competição e teve fratura supra e intracondiliana exposta de fêmur direito.

Descritores: Fraturas do Fêmur; Fraturas Expostas; Atletas


ABSTRACT

The authors report the case of a patient (amateur motocross competitor) who suffered a fall during a motocross competition resulting in a supra and intracondylar open fracture in the right femur.

Keywords: Femoral Fractures; Fractures, Open; Athletes


 

 

INTRODUÇÃO

O fêmur distal compreende a região do terço distal deste osso. Inicia quando o canal femoral se alarga e a cortical fica fina e se estende até a articulação.

A fratura de fêmur distal possui uma incidência bimodal, sendo de alta energia em adultos masculinos jovens e de baixa energia no sexo feminino em idosas. Representam 6% das fraturas femorais, sendo que 20% dos casos são lesões isoladas e quase 50% das fraturas articulares são expostas.

 

RELATO DO CASO

Paciente do sexo masculino, 30 anos, branco, atleta amador de motocross, natural e procedente de São Paulo, procurou o serviço do CETE (Centro de Traumatologia do Esporte) do Departamento de Ortopedia e Traumatologia (DOT) da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) com queixa de dor no joelho e coxa direita há, mais ou menos, uma hora após ter sofrido uma queda da moto durante uma competição.

O paciente referia que a coxa e o joelho direitos começaram a doer há uma hora, quando caíra da moto após um salto de um obstáculo. Devido à dor intensa e à incapacidade de se levantar, fora retirado da pista de motocross pelo resgate.

Ao exame físico ortopédico a paciente apresentava: ferimento corto contuso de 4cm em região anterior de joelho e coxa direitas; deformidade na coxa e sangramento intenso; incapacidade funcional devido à dor; presença de tala fix; boa perfusão distal; pulsos periféricos palpáveis 4+/4+ e sensibilidade de difícil avaliação devido à dor.

As equipes da clínica e cirurgia avaliaram o paciente de acordo com os princípios do ATLS (Advanced Trauma Life Support) e deram alta para o mesmo. A equipe da vascular avaliou o caso e após a realização de um ultrassom doppler também deu alta. A ortopedia solicitou radiografias do joelho e coxa direitos que mostraram a fratura de fêmur. Para uma melhor avaliação da fratura foi realizada também tomografia computadorizada. Assim, foi realizado o diagnóstico de fratura supra intracondiliana exposta de fêmur direito de classificação: Gustillo 2,33C-3 (segundo a classificação AO).

Foi optado pelo tratamento cirúrgico que foi realizado em caráter de urgência. O paciente foi submetido à raquianestesia e permaneceu em decúbito horizontal dorsal. Foi optado pela via anterior devido ao ferimento da exposição ser em cima da via. Com auxílio da escopia e após limpeza cirúrgica exaustiva foi realizada redução da fratura articular, e, após o mesmo realizado, osteossíntese das fraturas articulares e sequencialmente das metafisárias e diafisárias com auxílio de uma placa LCP de fêmur.

O paciente permaneceu internado por cinco dias para antibioticoterapia endovenosa (ciprofloxacino), sem imobilização. Os pontos foram retirados com 14 dias, a carga parcial e progressiva foi permitida com duas semanas e a fisioterapia que iniciara no segundo dia pós-operatório continuou por oito meses quando o paciente teve alta e retornou ao esporte.

 

DISCUSSÃO

Segundo a literatura, a fratura de fêmur distal possui uma incidência bimodal sendo de alta energia em adultos masculinos jovens e de baixa energia em idosas do sexo feminino. Representam 6% das fraturas femorais, sendo que 20% dos casos são lesões isoladas e quase 50% das fraturas articulares são expostas. Em relação às lesões associadas, encontramos: lesões vasculares em 3%, nervosas em 1%, lesões associadas de patela em 15% e lesões ligamentares e patologias articulares de 20 a 70%(1-4).

A suspeita diagnóstica deve ser clínica, sendo essencial o exame neurovascular meticuloso. O ultrassom doppler e a angiografia podem ser necessárias. A ressonância e a tomografia não são essenciais, mas podem ser necessárias para uma melhor avaliação da fratura(2,4-6).

As classificações mais utilizadas são: de Gustillo para as fraturas expostas e a AO para as fraturas de fêmur.

O tratamento conservador só é justificado para pacientes sem condições cirúrgicas, debilitados e fraturas incompletas e sem desvio. O tratamento de eleição é o cirúrgico, que possui como objetivos: reconstrução anatômica das superfícies articulares, restauração do alinhamento axial e rotacional, fixação estável dos côndilos à diáfise e cuidados funcionais imediatos. A redução anatômica articular deve ser realizada antes da osteossíntese da metáfise diafisária. Segundo a AO, a abordagem lateral é a mais recomendada, mas a abordagem anterior mediana também pode ser realizada. Como osteossíntese podem ser utilizadas diversas matérias de síntese, entre elas: placas LCP, Lâminas, DCS, LISS, fixadores externos, parafusos canulados, entre outros(5-7).

As classificações que existem são: desalinhamento axial e rotacional, genu recurvatum, desabamento em varo, deiscência de ferida operatória, rigidez, perda de arco de movimento, infecção, pseudartrose, trombose, síndrome de compartimento, entre outras(7).

Por tudo isso, foi relatado um caso de uma fratura supra intracondiliana de fêmur exposta em um atleta de motocross que foi diagnosticado e tratado de acordo com a literatura (Figuras 1, 2 e 3).

 

 

 

 

 

 

REFERÊNCIAS

1. Lindvall EM. Distal Femur Fractures. In: Scott WN. Surgery Of The Knee. Philadelphia, United States of America: Churchill Livingstone; 2006. p. 1119-32.         [ Links ]

2. Lidge RT, Problems and complications in arthroscopy. In: Casscells SW. Arthroscopy:diagnostic and surgical practice. Philadelphia: Lea & Febiger; 1984. p.102-9.         [ Links ]

3. Sprague NF.Complications in arthroscopy. New York: Raven Press; 1989.         [ Links ]

4. Tovey C, Wyatt S. Diagnosis, investigation, and management of deep vein thrombosis. BMJ. 2003;326(7400):1180-4.         [ Links ]

5. Kearon C. Natural history of venous thromboembolism. Circulation. 2003;17;107(23 Suppl 1):I22-30.         [ Links ]

6. Stassen JM, Arnout J, Deckmyn H. The hemostatic system. Curr Med Chem. 2004;11(17):2245-60.         [ Links ]

7. Fitzmaurice DA, Murray E. Thromboprophylaxis for adults in hospital. BMJ. 2007;19;334(7602):1017-8.         [ Links ]

 

 

Correspondência:
Rua França Pinto, 186, apto. 61, Vila Mariana
04016-001 - São Paulo, SP.
E-mail: jorgesayumfilho@hotmail.com

Trabalho recebido para publicação: 25/07/2010
Aceito para publicação: 03/11/2010

 

 

Trabalho realizado no Centro de Traumatologia do Esporte (CETE) do Departamento de Ortopedia e Traumatologia (DOT) da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).
Os autores declaram inexistência de conflito de interesses na realização deste trabalho / The authors declare that there was no conflict of interest in conducting this work