SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.19 issue1Juizados especiais cíveis do Paranoá: pessoalidade e impessoalidade nos interstícios do estadoSobreviver na prisão: relações informais e clientelistas author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Sociedade e Estado

Print version ISSN 0102-6992

Soc. estado. vol.19 no.1 Brasília Jan./June 2004

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922004000100022 

RESUMOS DAS TESES E DISSERTAÇÕES DEFENDIDAS NO PPG-SOL/UnB DE JANEIRO A JUNHO DE 2004
DISSERTAÇÕES

 

Indivíduos "fora de lugar": o caso dos(as) docentes negros(as) nas relações de trabalho na Universidade de Brasília

 

 

Verônica Maria da Silva Gomes

Curso: Mestrado em Sociologia
Data de defesa da dissertação: 10 de março de 2004
Orientadora: Profª Drª Maria Salete Kern Machado

 

 

RESUMO

Tendo como campo a Universidade de Brasília (UnB) – onde menos de 1% do pessoal docente é negro – esta pesquisa qualitativa buscou verificar como um grupo de 14 docentes negros, atuando em um locus onde raramente são encontrados em posição de prestígio, vivenciam as experiências de discriminação; como reagem a elas na sua vida cotidiana e no ambiente de trabalho e se existe mobilização de estratégias individuais e/ou coletivas de defesa que os auxiliem a superar o sofrimento decorrente dessas experiências de discriminação nas relações de trabalho. Essas estratégias passariam pela construção de mecanismos defensivos individuais para enfrentamento da discriminação racial no dia-a-dia acadêmico e fariam parte das estratégias ligadas à organização do trabalho.
A análise qualitativa desse objeto gerou as seguintes considerações: 1) alvo de estigma negativo presente no imaginário social brasileiro, os docentes negros enfocados nesta pesquisa, situam-se "fora de lugar", fora do locus em que a sociedade os aceitaria mais facilmente; 2) buscaram resgatar as suas próprias identidades, superando o susto, o medo e a vergonha, introjetando uma auto-estima positiva que os estimulou a prosseguir e a transpor barreiras; 3) para superar o sofrimento nas relações de trabalho, engendraram mecanismos estratégicos de defesa individuais para estabeleceram o mínimo de convivência e serem respeitados nesse lugar "proibido".
Dentre as formas mais comuns de estratégia de defesa desenvolvidas pelos(as) docentes, encontram-se: a resposta defensiva antecipada; o retraimento ou a reação de forma agressiva que pode resultar em respostas indesejáveis e no estabelecimento de uma interação violenta. Para este grupo, não existem estratégias defensivas coletivas. Suas diferenças são diluídas pelo sistema, que cria o anonimato e os individualiza no sofrimento.

Palavras-chave: docentes negros(as), problemática racial brasileira, discriminação racial, discriminação nas relações de trabalho, sofrimento nas relações de trabalho, mobilização de estratégias individuais de defesa.