SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.24 issue2Reduction of risks from the perspective of the practitioners of barebacking: opportunities and challengesWhat do you mean by "teacher"?psychological research on teacher professional identity author indexsubject indexarticles search
Home Pagealphabetic serial listing  

Psicologia & Sociedade

Print version ISSN 0102-7182

Psicol. Soc. vol.24 no.2 Belo Horizonte May/Aug. 2012

http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822012000200011 

ARTIGOS

 

Docência e subjetivação: cartografia das forças que criam um corpo-masculino-menor

 

Teaching and subjectivity: mapping the forces that create a body-male-less

 

 

Rogério Machado Rosa

Faculdade Capivari, Capivari de Baixo, Brasil

 

 


RESUMO

Discutir como professores de Ensino Médio, que não correspondem ao modelo de masculinidade hegemônico vigente em nossa sociedade, constroem e experienciam seus corpos e suas masculinidades na relação com atividade docente: nisso constituiu-se o objetivo deste texto. Analiso excertos narrativos, obtidos em entrevistas semiestruturadas, de cinco professores (Coringa, Davi, Dionísio, Híbrido e Ricardo) para tecer considerações que sugerem que os corpos e as masculinidades não hegemônicos dos professores são potencializados em seu processo constitutivo, nos encontros que estabelecem com os discentes. A sala de aula e outros espaços da escola tornam-se pontos de encontros onde ocorrem trocas de saberes, experiências e afetos que produzem transformações nos corpos e nos modos de ser homem desses sujeitos. A relação pedagógica entre alunos/as e professores torna-se um espaço produtor de heterotopias: forças desejantes e criativas que incidem sobre a construção de corporeidades-masculinas-docentes, isto é, neles instaura uma nova estética da existência.

Palavras-chave: corpo; masculinidades; docência; estética da existência.


ABSTRACT

Discuss how school teachers, who do not correspond to the existing hegemonic model of masculinity in our society, build and experience their bodies and their masculinities in relation to teaching activity: therein was-if the objective of this text. Analyze narrative excerpts, obtained in semi-structured interviews, five teachers (Coringa, Davi, Dionísio, Híbrido end Ricardo) to make considerations suggest that the bodies and non-hegemonic masculinities of the teachers in question are enhanced in the process of incorporation in establishing meetings with the students. The classroom and other spaces of school-points are make meetings where occur exchange of knowledge, experience and affections producing transformations in bodies and modes of being human these subjects. The relationship between students/pedagogical and teachers, makes a space-producer: heterotopias desire and creative forces which relate to the construction of corporities-male-teachers, that is, in them introduces a new aesthetics of existence.

Keywords: body; masculinities; teaching; aesthetics of existence.


 

 

(In)tensões

Esta escritura corresponde a uma passagem da minha dissertação de mestrado, onde trago para a arena o debate sobre a criação do corpo-masculino-docente. A partir de narrativas obtidas sob forma de entrevista, ergo problematizações em torno de acontecimentos biográficos narrados por cinco (5) professores e que por eles são associados ao processo de invenção de seus corpos e masculinidades. Procuro compreender como esses professores ─ que do ponto de vista da masculinidade hegemônica não estão integrados ─ constroem e experienciam corpos-masculinos-menores1 na relação com o exercício da docência no Ensino Médio.

Ao longo do texto, utilizo como objeto de reflexão excertos das falas concedidas por educadores em atividade e identificados pelos seguintes pseudônimos: Coringa, Davi, Dionísio, Híbrido e Ricardo. A docência parece ser escolhida como lócus onde criam heterotopia para si. Ali o corpo-masculino-docente "esquizoafetado" e as novas formas de sociabilidade ganham formas e expressões. Além de clamarem, permanentemente, pelo seu devir-nomádico2.

O corpo-masculino-menor é aqui entendido como aquele que borra as fronteiras da masculinidade hegemônica, pois agrega em si gestos estilizados, formas, movimentos, traços, adornos e contornos que contestam uma suposta univocidade em termos de experimentação e expressão do corpo e do gênero. Nessa direção, Oliveira (2004) argumenta que a eclosão do que hoje chamamos de pós-modernidade, marcada pela desconstrução das grandes promessas, por intercâmbios culturais e pelo desmanche de fronteiras identitárias, abala as referências instituídas no período moderno, deflagrando, dentre outras coisas, uma espécie de pulverização da noção de masculinidade. Gradativamente a clássica representação social do masculino hegemônico ─ homem másculo, viril e provedor ─ começa a ganhar flexibilidade e comportar outros modos de expressão.

Trago para cena excertos de narrativas docentes que apontam para a potência (re)criativa que os encontros, particularmente os que ocorrem no ambiente escolar, instaura sobre os corpos e sobre as masculinidades de professores. O estudo foi inspirado, inicialmente, pela minha experiência como professor de Psicologia da Educação num curso de Magistério. Em conversas informais com alunos e professores e em discussões em sala acerca da temática "corpo, gênero e sexualidade na escola", fui reunindo depoimentos, observações e inquietações relativas ao tema, que, posteriormente, impulsionaram a proposição e o desenvolvimento de uma pesquisa em nível de mestrado que buscou compreender os movimentos de (des)construção da corporeidade masculina de docentes situados na contramão do modelo de homem reverenciado socialmente. 

 Entrevistei cinco (05) professores de idade entre 28 e 47 anos de idade e atuantes na docência em nível de Ensino Médio, com a intenção de conhecer como percebem o processo de constituição de seus corpos e de suas masculinidades na relação com o exercício profissional. Privilegiei o uso da Análise do Discurso para compor as reflexões e as sínteses explicativas referentes às narrativas dos sujeitos entrevistados.

Assim, o movimento de criação e recriação dos corpos e das masculinidades desses sujeitos é tomado pelo que tem de mais singular, isto é, uma potência transformacional engendrada pelo encontro com os discentes no ambiente pedagógico. Trata-se de certa atmosfera artística, política e po(é)tica que, surgida das afecções mobilizadas pelo estar juntos dos docentes e discentes,  desloca as corporeidades masculinas das referências hegemônicas do gênero lançando-as para um processo de hibridização.

 

Corpo-masculino-docente: lugar de acontecimentos

"Presença que foge do controle. Um corpo que se dissolve. Uma masculinidade que voa para longe de si... Redes neurais que ganham formas e logo se dispersam. Espaços onde vejo afluir experiências...", diz o professor Híbrido ao final de sua "entrevista-conversa". Ele parece falar de certa plasticidade no modo como experiencia e percebe seu corpo e sua masculinidade. Sua narrativa chama a atenção para um jeito fluido de experimentar o corpo e o gênero. Esse mesmo aspecto já havia aparecido nos depoimentos da maioria dos professores entrevistados, inclusive no do próprio professor Híbrido, entretanto faz questão de, ao final de seu depoimento, dar mais uma vez ênfase à relação entre corpo, gênero, docência e liberdade. Ele anuncia um corpo e uma masculinidade docente em processo de libertação, pois se ergue de maneiras improváveis nos enredos sociais por onde transita. São lugares, tempos, encontros e acontecimentos que, forçosamente, criam linhas de fugas para a experiência da corporeidade masculina. Um corpo em dissolução. Uma masculinidade para além dos limites de sua história. Redes em movimentos que, simultânea e paradoxalmente, conectam-se, "ganham forma e logo se dispersam", porque feitas na dobra: limite tênue entre o "fora" e o "dentro". Lugar onde, num lapso de tempo, a corporeidade-masculina-docente "é", e logo deixa de ser, pois é feita de experiências que têm o poder de libertá-la. Assim, movida pelo desejo de liberdade, flui, se dispersa, (des)conecta-se e transforma-se.

Estaria o professor Híbrido narrando a experiência do nomadismo em torno do gênero e da corporeidade? O nomadismo pressupõe a experiência do deserto de si, do lugar fora do lugar, da viagem sem destino e do perpétuo vir-a-ser. Deleuze (1990) observa que a experiência nomádica é, necessariamente, o germe da revolução de qualquer tempo e de qualquer corpo. Sobremaneira, adverte-nos para a revolução no futuro das gentes:

Se os nômades nos têm interessado tanto, é porque eles são um vir-a-ser e não fazem parte da história; são dela excluídos, mas se metamorfoseiam para reaparecer de outra maneira, sob formas inesperadas, nas linhas de fuga de um campo social. (p. 209)

Os devires que pulsam no corpo e na masculinidade do professor Híbrido parecem acontecimentos que se cravam na história presente do campo de sentidos da masculinidade e da corporeidade hegemônicas. O corpo que foge ao controle e a masculinidade que se desintegra são expressões de devires que reclamam sua irredutibilidade e com isso constroem para si "a mínima diferença" em espaços fora dos lugares comuns. Nessa mesma direção também segue o depoimento do professor Davi: "Me experimento como um ser fora da história e do tempo comum. Um ser diferente porque não escolheu o lugar comum. O dito mundo dos machos como morada". E também o professor Jorge:

Eu não gosto de me repetir. Não gosto de ser o mesmo sempre. Esse tempo pra mim já passou. Aqui na escola eu me repetia muito. Deve ser por causa da repressão sexual [risos...]. Mas hoje eu me espalho e não to nem aí.

Os corpos e as masculinidades docentes apresentam-se nessas narrativas, como campos de fluxos e intensidades que nos fazem duvidar de toda verdade que para si são traçadas. Tencionam limites. Fissuram estruturas. Fendem sentidos e rompem com a linearidade que os interpela. Nesse movimento, recriam traços e confundem suas imagens. Fazem de si um lugar de acontecimentos. Lugares que se erguem em oposição ao sedentarismo anunciado pela norma. Há um movimento inescapável que faz suas presenças fruírem: a força do desejo pela libertação e pelo direito à pluralidade.

Trata-se de uma força produtora de um intenso movimento que produz pequenos espaços de passagem por onde nasce a diferença: "as minorias, os devires, as 'gentes' ... são os devires que escapam ao controle, as minorias que não cessam de ressuscitar e de fazer enfrentamentos" (Deleuze 1990, p. 208). São corpos e masculinidades insanos, insaciáveis e incessantes, pois não desejam ser assimilados ou mesmo integrados ao mundo dos "homens de verdade". Diferentemente disso, parecem assumir o não lugar como morada, ou seja, o lado de fora da masculinidade e da corporeidade hegemônicas como campo de batalha e espaço de contestação capaz de intensificar a produção das diferenças. Investem, portanto, na criação de novos sentidos e formas de ser homem. Uma busca pela pluralidade do corpo masculino? Vejamos o que diz Connell (1995) a esse respeito:

O modelo hegemônico, "normal", de masculinidade é tão predominante que muitos crêem que as características e condutas associadas ao mesmo sejam "naturais". Na realidade, não há a construção de uma única, mas de masculinidades. Reconhecer a possibilidade dos vários tipos de masculinidade não significa tornar essas variâncias fixas, mas oferecer aos homens atuais a possibilidade teórica de diferenciarem e legitimarem as suas masculinidades entre si. ... O que se entende por masculinidade? Deixem-me oferecer uma definição – breve, mas razoavelmente precisa. A masculinidade é uma configuração de práticas em torno da posição dos homens na estrutura das relações de gênero. Existe, normalmente mais de uma configuração desse tipo em qualquer ordem de gênero de uma sociedade. Em reconhecimento desse fato, tem-se tornado comum falar de "masculinidades". (p. 188)

Nesse caso, então, os corpos e as masculinidades docentes que alçam voo para desconhecidos planos não visam caracterizar aquilo que são, mas, seguindo linhas de fragilidades, procuram detectar por onde e como o que são poderia deixar de ser. Num processo de desterritorialização, assumem o movimento como característica singular. Para Foucault (1994a), o deslocamento é visto como uma espécie de "fratura virtual que abre um espaço de liberdade concreta, isto é, a transformação possível" (p. 449).

 

Docência masculina e artistagem: po(é)ticas da sensibilidade

Esses homens da docência destacam-se justamente por serem uma espécie de subtração do poder normatizante, pois violam os códigos consagrados e ousam viver a diferença tecida nas margens ─ do lado de fora da vida prescrita, do amor perfeito e do desejo canonizado. São, portanto, corpos e masculinidades docentes por onde "afluem experiências" e de onde testemunhamos a assunção de sensibilidades ético-políticas. A narrativa do professor Ricardo parece apontar para essa direção:

Eu sempre fui uma criatura que nunca fui muito incisivo na minha vida e nunca fui determinista. Eu acho que bem poucas vezes eu fui determinista na minha vida. Então eu sempre usei muito da diplomacia nos relacionamentos. Eu sempre procurei tratar as pessoas de modo a fazer com que elas tivessem uma boa impressão de mim, eu sempre gostei muito de amigos, nunca menosprezei ninguém por pior que essas pessoas pudessem parecer, pra mim e para os outros. Busco, sempre, dentro das minhas possibilidades, é claro, compreender o movimento de cada um. Como chegam a ser quem são. E me esforço, sempre, para não julgar ninguém. Talvez eu esteja falando exatamente do que faço comigo mesmo. É como eu te falei, sou contra o preconceito e sou a favor da liberdade, então nos meus discursos e na minha prática profissional acaba aflorando isso. Eu acabo colocando pra elas, para eles... Eu digo: meninas, não sejam submissas e dependentes dos homens. Rapazes, não banquem os durões e insensíveis. Respeitem-se reciprocamente. Sabe, essa coisa da emoção é algo muito forte em mim. Não sou determinista em minhas posições, mas sou emocionalmente intenso nelas. É por aí que vejo minha diferença como homem e como professor. Penso que é por isso que me considero uma pessoa aberta e sensível ao outro e às suas diferenças.

É pertinente sublinhar que estamos refletindo sobre corpos e masculinidades docentes em estilhaço. Ou melhor, o que está em cena são processos de subjetivação em recessão. Isso porque se apresentam como linhas de fuga que subvertem e/ou rompem com as verdades dominantes; não desejam o centro, tampouco aspiram para si uma definição precisa. São subjetividades nômades que passam, que alterizam, que vibram e constroem para si e em si espaços po(é)ticos e artísticos de constituição. Percorrem caminhos irregulares e instáveis, apresentando-se, por fim, de modo sensivelmente surpreendente. Suas dimensões são sempre múltiplas e heterogêneas. Tocados pelos fluxos moventes, pelas conexões e linhas de fugas, esses sujeitos inauguram novos sentidos e rabiscam suas cartografias. Parecem se lançar para fora de si e/ou buscar o além-do-homem, para lembrarmos Nietzsche/Zaratustra (1986):

Eu vos ensino o além-do-homem. O homem é algo que deve ser superado. Que fizeste para superá-lo? Todos os seres, até agora, criaram algo para além de si mesmos. Quereis antes ser a vazante dessa grande maré cheia e retroceder ao animal, em vez de superar o homem? Que é o macaco para o homem? Um riso ou uma dolorosa vergonha. E mesmo isso deve ser o homem para o além-do-homem: um riso ou uma dolorosa vergonha. ... Vede, eu vos ensino o além do homem. O além do homem é o sentido da terra. Vossa vontade diria: "o além do homem seria o sentido da terra". (p. 3)

A compreensão nietzschiana do além-do-homem como "sentido da terra" incita-nos a pensar o que é e quem é o homem, seu corpo e sua masculinidade, por exemplo, na sua posição de natureza. As subjetividades nômades dos professores em questão parecem ilustrar bem a ideia de Nietzsche, pois para ele "o homem não é um ser que possua uma essência imutável, mas um estar-a-caminho, uma transição, jamais um fim em si mesmo: o homem é uma corda esticada entre o animal e o além-do-homem. Uma corda sobre o abismo" (1986, p. 4). Numa aproximação com Foucault, o além-do-homem presente em Zaratustra corresponde aos processos de subjetivação, pois neles os sujeitos põem-se em movimento, alteram-se e, por vezes, transpõem a si mesmos. Nos depoimentos dos professores, narrativas de si, ficam evidentes os movimentos de produção de sentidos inerentes aos processos de subjetivação. A experiência de si, que Foucault chamou de "subjetivação", torna-se o lugar onde o sujeito se constitui e, paradoxalmente, se desfaz.

Um processo de subjetivação está para as forças assim como na passagem de um rio forma-se remansos que são como que riachos dentro de um rio maior. Riachos com suas próprias correntezas, muitas vezes divergentes com relação à corrente maior. Diz-se que esses remansos de forças são excessos do rio, pois são remoinhos que se formam em função da corrente principal. Mas são eles igualmente recessos do rio, onde acontece algo inédito, isto é, os remansos de subjetivação funcionam como portas pelas quais forças entram ou são perdidas para um rio maior. (Cardoso Jr., 2005, p. 188)

O professor Coringa chama-nos a atenção para o movimento de tensão gerado no encontro com os alunos e que o faz refletir sobre si, no que se refere ao seu modo de ser professor e homem. Vejamos:

Hoje encontramos nas escolas um novo perfil de aluno. Esse novo público desestabiliza aqueles professores que estavam acostumados com alguém que era apenas ouvinte e bem comportado. A geração que nós temos hoje na educação, no Ensino Médio principalmente, já começa a votar com dezesseis anos, então quer dizer, ela já tem vida política, ela já tem vida sexual ativa, porque isso começa muito mais cedo do que a geração anterior. Eu vivi e ainda vivo o impacto dessa diferença toda. Toda essa força, essa beleza, vai te levando e te transformando. Só precisamos nos permitir.

O transbordamento desse encontro com o estrangeiro ─ esse corpo que vem de fora, o/as alunos/as ─ convoca o corpo docente ao estrangeirismo. À saída do lugar comum. O convite parece seduzir o professor referido à partida para uma viagem (processo de subjetivação) para fora de qualquer espaço, história ou geografia conhecida. Um processo de subjetivação que subtrai da realidade e põe o pensamento em dívida, em dúvida. O encontro com o quem vem de fora possibilita o roubo de si: a experiência de saída de si. É possível aqui lembrar Blanchot (1959), que diz: "o que é primeiro não é a plenitude do ser, é a fenda e a fissura, a erosão e o espaçamento, a intermitência e a privação mordente: o ser não é o ser, é a falta de ser, a falta vivente que torna a vida desfalecente, inapreensível e inexprimível" (p. 59).

As forças que vêm de fora, os alunos e alunas com "novo perfil", conforme argumenta o professor, clamam por novos espaços na escola, e, por que não dizer, por novas formas de sociabilidade. Essa potência que vem de fora advoga por um novo futuro para si e, simultaneamente, produz impactos sobre os corpos dos outros. Abrem novas possibilidades de futuro para o corpo do outro. O encontro com o que vem de fora se converte em um movimento de resistência e de inventividade, pois, segundo Deleuze (1998), a força de fora é a vida.

Nesse caso, a vida como força que vem de fora e lança o pensamento para fora é vista como potência criadora. Uma força nomádica que convida às viagens sem destinos e, portanto, ao abandono de antigos territórios e moradas.

Comenta o professor Dionísio:

Então eu me vejo tendo que falar de relação sexual na sala de aula, de afetividade, de diferenças e preconceitos. Eu percebo que a abertura para esse tipo de discussão também abre para possibilidade de uma nova relação professor-aluno. Hoje eu acho bem tranquilo da minha parte. Consigo fazer bem. Quando tu ganha o aluno afetivamente, de algum modo, tu também vai te resolvendo afetivamente. Tu também vais te conquistando. E te perdendo também [risos], para usar uma linguagem mais poética [risos]. E quanto mais tu és bem resolvido, entre aspas, na tua afetividade, na tua sexualidade, mais tu vais ser acolhido pelos alunos e mais eles te darão retorno, entendeu? Acho que isso faz diferença, principalmente, por se tratar de um professor homem. Tu se tornas uma referência masculina diferenciada para eles. Mas o mais curioso é que, na relação com eles, tu se transforma. Talvez até mais do que eles. Nesse jogo tu vai te conquistando e se perdendo, sempre".

Que territórios são esses para onde migram os professores dessa história? Seria possível mapeá-los e/ou cartografá-los? Para onde voam seus corpos? Para onde vão suas masculinidades? Que mistério é esse produzido no encontro com o outro ─ os alunos e alunas ─ e que os lança para "campos de refugiados, campos de exilados, campos de deslocados, campos de detenção", mas que, no entanto, "uma vez mais, faz com que se criem a partir de um movimento centrífugo dos regimes de poderes e verdades" (Vilela, 2001, p. 236)? Que lugares e movimentos seriam esses? Algumas pistas até aqui encontradas nas narrativas docentes indicam que estamos falando de lugares e movimentos intermináveis, ou seja, as heterotopias.

 

O encontro pedagógico como potência criativa

Os corpos e masculinidades dos docentes referendados miram rotas oblíquas, horizontes inalcançáveis e territórios ainda sem nome. Buscam a construção de espaços em si e fora de si, que parecem deslizar para fora de todo lugar demarcado e/ou instituído: heterotopias. Elas "são lugares fora de todos os lugares inda que absolutamente localizáveis", reitera Foucault (2003, p. 27). Podemos pensá-las ainda como resíduos, estilhaços ou elementos estranhos que mudam a forma e os movimentos de um corpo ou de um lugar comum. São atravessamentos e investimentos rebeldes e insistentes que operam nos lugares instituídos e engendram novos acontecimentos.

Seriam corpos e masculinidades de passagem? Irredutíveis à expressão de um movimento de busca por aquilo que ainda não tem nome, nem identidade e nem lugar localizável, embora, paradoxalmente, localizável? Corpos às margens. Masculinidades rebeldes. Corpos que excedem. Masculinidades que excedem. Seria o encontro com os outros, o lugar de construção de heterotopias? Um espaço de liberdade onde os professores e também os/as alunos/as experienciam a criação? Seriam essas algumas das revelações que os personagens dessa trama tentam nos contar, ou seja, narram a experiência de corpos e de masculinidades errantes e refugiadas que arquitetam heterotopias de si? Corpos sangrentos e masculinidades sedentas que, nas dobras, experienciam o sopro da vida e a agonia da morte? Como responder a tais perguntas sem cair nas armadilhas que fundamentam os jogos de poder e de verdades3? Seria mesmo necessário responder a elas? Talvez o mais prudente seja deixarmos a palavra do outro em aberto, para que multipliquem seus sentidos e perpetuem seu mistério. Uma narrativa misteriosa de onde brotam novas perguntas, porque expressa a realidade de corpos e de masculinidades contingenciais, (in)dizíveis, portanto.

Os corpos e as masculinidades dos professores parecem dançar sob o embalo dos sons e ritmos que o jogo das multiplicidades inaugura. Ao que parece, são corpos peregrinos e masculinidades dançarinas que celebram a possibilidade de busca e, quem sabe, conquista de novos sentidos e geografias. Entre chegadas, encontros e partidas, narram suas aventuras, dizem de suas paixões, de seus medos, de suas dores e alegrias. Em bando (sob a luz da lua?), embriagam-se de mistério e criam para si imagens do porvir.

Estaríamos falando de uma comunidade do porvir? Seria a docência o ponto de intersecção por onde se cruzam diferentes tribos ou mesmo viajantes solitários e que, ali, mesmo que por um lapso de tempo, constroem suas subjetividades e criam novos espaços de subjetivação? Num movimento contra o tédio, quem sabe, esses locais sejam pontos estratégicos onde, aquecidos pela fogueira acesa para o encontro, banhados pela luz do luar e embriagados do prazer produzido pelo encontro e pelas trocas de experiências pagãs, reabastecem-se de ânimo e seguem em suas andanças rumo ao encontro de lugares, culturas, saberes, emoções e modos de vida desconhecidos. Seguem criando outros lugares em si, outros sentidos, gestos e movimentos para si, outra e qualquer outra possibilidade que permita a construção da mínima diferença. 

Subjetividades nômades. Identidades inconclusas, ambas, à beira de si. À beira dos caminhos os conduzem a si, e, contraditoriamente, os distanciam de si. "À beira", espaço de fora, periférico. Lugar onde a vida ganha potência. Espaço para onde se deslocam os "docentes peregrinos" para o descanso, para a farra, para a bebedeira e para a profanação da ordem vigente, isto é, aquilo que é sacro aos corpos dos "homens de verdade". Tudo isso para pluralizar o corpo e a masculinidade; incorporar diferentes performances à masculinidade hegemônica e contestá-la; inventar inéditos modos de vida e afetar-se por eles; multiplicar, pluralizar, hibridizar. Seriam os espaços da docência, para esses personagens, ambientes micropolíticos seminais onde a vida escapa aos desígnios do controle normativo e advoga a liberdade?

Corpos e masculinidades plurais: corporeidades e masculinidades, no plural, portanto. O espaço da docência parece configurar-se como um lugar anárquico onde se engendra uma política pedagógica capaz de abalar as estruturas das políticas, das práticas e dos sentidos "generificantes" que estão a serviço de uma economia do corpo, do gênero e também da própria sexualidade. Isso nos possibilita pensar, portanto, que os corpos e as masculinidades docentes, gestadas na heterogeneidade do contexto do encontro pedagógico, são e podem muito mais do que deles podemos dizer ou supor, pois são fabricados em campos de guerrilha e, paradoxalmente, lugares festivos e criativos. Por isso mesmo são corpos e masculinidades que se fundem, forjam-se e confundem-se com espaços onde acontecem. Esses espaços, berços onde são gestados e paridos corpos e masculinidades híbridos, são heterotopias:

lugares reais, lugares afetivos, lugares que são desenhados na instituição mesma da sociedade, e que são espécies de contra lugares, espécies de utopias afetivas realizadas, nas quais os lugares reais ... são, por sua vez, representados, contestados e invertidos, espécies de lugares que estão fora de todos os lugares. (Foucault, 2003, p. 63)

Em razão disso, talvez possamos falar em corpos e masculinidades heterotópicos e, por isso, legitimamente marginais. Os professores entrevistados, de diferentes maneiras, falam de uma busca pela liberdade que está ligada à abertura para novas experiências com os outros e consigo mesmos. Para eles, a possibilidade de transgredir ou mesmo escapar dos códigos que demarcam o corpo-masculino-hegemônico encontra-se no viajar. Suas viagens são inúmeras: às vezes partem para destinos conhecidos, outras vezes para terras estrangeiras. Ora sozinhos, ora acompanhados. Entretanto, também viajam sem sequer sair do lugar. Eles falam de suas excursões pedagógicas e dos efeitos que elas produzem sobre seus modos de ser e de existir.

Com a mesma intensidade com que são negados pelas normas regulatórias do gênero, eles reagem a esse poder, e, num movimento de fuga, desafiam a ordem prescrita, vazando para o exterior ─ lugar onde se afirmam como sujeitos plurais. O espírito nômade desses sujeitos rejeita as interpelações institucionais que aspiram colocá-los no centro e/ou nos lugares comuns, pois o que querem é o movimento, a troca constante de posição e de referenciais, não se deixando reduzir nem ao um e nem ao múltiplo, mas mantendo aberta a possibilidade de estarem sempre no meio - atmosfera onde nascem para as diferenças.

 Isso caracteriza uma busca ativa pela ampliação de suas possibilidades de intervenção no mundo. Uma busca que está intimamente associada ao desejo de manter abertos e vivos os espaços de criação e experimentação da liberdade de si e da relação com o outro, atuando, como sugere Foucault (1994b), "como aqueles que combatem tudo que liga o indivíduo a si mesmo e assegura, assim, sua submissão às verdades dos outros" (p. 227). Assim, frutos de uma espécie de "incerteza nomádica", no lado de fora, esses homens experimentam o trânsito como estilo de subjetivação, conquistando para si uma política migratória que os caracteriza como sujeitos de passagem em que tudo que são revela apenas momentos do seu ser. São, portanto, corpos-masculinos-docentes em trânsito.

 

Notas

1 Deleuze e Guattari, na obra Kafka - por uma literatura menor, desenvolvem o conceito de "literatura menor" como dispositivo para analisar a obra de Kafka. Os textos de Kafka são considerados subversivos e revolucionários porque representam uma atitude de resistência à própria língua alemã. São uma espécie de literatura menor. Deleuze e Guattari (1997), afirmam que "é a de uma língua menor, mas antes o que uma minoria faz em uma língua maior" (p. 25). É dessa perspectiva que extraio a ideia de "corpo-masculino-menor".

2"O nômade não é forçosamente alguém que se movimenta: existem viagens num mesmo lugar, viagens em intensidade, e mesmo historicamente os nômades não são aqueles que se mudam à maneira dos migrantes; ao contrário, são aqueles que não mudam, e põem-se a nomadizar para permanecer no mesmo lugar, escapando dos códigos. ... E mesmo se a viagem for imóvel, mesmo se for feita num mesmo lugar, imperceptível, inesperada, subterrânea, devemos perguntar quais são nossos nômades de hoje" (Deleuze & Guattari, 1996, p. 328).

3 Em Vigiar e Punir, Michel Foucault (1989), compreendendo a via genealógica da articulação entre o conhecimento e a verdade, adota a perspectiva do corpo; a relação íntima e singular que ocorre entre o saber e o poder é definida sob uma tecnologia política do corpo, pela qual este surge como alvo predileto do processo de racionalização instrumental. Ao criticar a racionalidade bio-técnico-política característica da Modernidade, o autor visa delinear a genealogia do indivíduo moderno enquanto objeto. Assim, parece enfatizar, cada vez mais, a íntima relação entre verdade.

 

Referências

Blanchot, M. (1959). Le livre à venir. Paris: Gallimard.         [ Links ]

Cardoso Jr., H. R. (2005). Foucault e Deleuze em co-participação no plano conceitual. In M. Rago, L. B. Orlandi, & A. Veiga Neto (Orgs.), Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzschianas (2ª ed., pp. 185-197). Rio de Janeiro: DP&A.         [ Links ]

Connell, R. W. (1995). Masculinities. Cambridge: Polity Press.         [ Links ]

Deleuze, G. (1998). Lógica dos sentidos. São Paulo: Perspectiva.         [ Links ]

Deleuze, G. (1990). Pourparlers. Paris: Minuit.         [ Links ]

Deleuze, G. & Guattari, F. (1996). Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia (Vol. 3, A. G. Neto et al., Trad.). São Paulo: Ed. 34.         [ Links ]

Deleuze, G. & Guattari, F. (1997). Kafka: por uma literatura menor. Rio de Janeiro: Imago.         [ Links ]

Foucault, M. (1989). Vigiar e punir. Petrópolis, RJ: Editora Vozes.         [ Links ]

Foucault, M. (1994a). A sociedade da verdade. Ditos e escritos. Rio de Janeiro: Zahar.         [ Links ]

Foucault, M. (1994b). Ditos e escritos. São Paulo: Forense Universitária.         [ Links ] 

Foucault, M. (2003). Ditos e escritos. São Paulo: Forense Universitária.         [ Links ] 

Nietzsche, F. (1986). Assim falou Zaratustra – um livro para todos e para ninguém (M. Silva, Trad.). Rio de Janeiro: Civilização Brasiliense.         [ Links ]

Oliveira, P. P. (2004). A Construção Social da Masculinidade. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: IUPERJ.         [ Links ]

Vilela, E. (2001). Corpos inabitáveis: Errância, filosofia e memória. In J. Larrosa & C. Skliar (Orgs.), Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença (pp. 233-253). Belo Horizonte: Autêntica.         [ Links ]

 

 

Recebido em: 16/02/2011
Revisão em: 09/04/2012
Aceite em: 10/04/2012

 

 

Rogério Machado Rosa é Psicólogo. Mestre em Educação e Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina. Professor de Psicologia da Educação da Faculdade Capivari de Baixo – FUCAP. Técnico em Educação na Faculdade de Educação – FAED da Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC. Endereço: Rua Mário Coelho Pires, nº 701/602. Campinas. São José/SC, Brasil. CEP 88101-280. Email: rogeriomachado6@yahoo.com.br