SciELO - Scientific Electronic Library Online

 
vol.4 número1-2PROLEGÔMENO ÀS REVOLUÇÕES RELIGIOSAS NA AMÉRICA LATINADOMESTICAÇÃO E DOMESTICIDADE: A Construção das Exclusões índice de autoresíndice de assuntospesquisa de artigos
Home Pagelista alfabética de periódicos  

Serviços Personalizados

Journal

Artigo

Indicadores

Links relacionados

Compartilhar


Tempo Social

versão impressa ISSN 0103-2070versão On-line ISSN 1809-4554

Tempo soc. vol.4 no.1-2 São Paulo jan./dez. 1992

http://dx.doi.org/10.1590/ts.v4i1/2.84934 

Artigos

REFLEXÕES SOBRE AS CONDIÇÕES SOCIAIS DE PRODUÇÃO DA SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO: Primeiras Aproximações*

Luiz Antonio Cunha* 

*Sociólogo, professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal Fluminense.

RESUMO

A despeito do notável desenvolvimento da pesquisa universitária no Brasil dos anos recentes, a educação é muito pouco valorizada como objeto de pesquisa e de especialização temática pelos sociólogos brasileiros. A situação já foi diferente, tendo sido a Sociologia da Educação campo fecundo de produção de conhecimento nos anos 1950 e 60. O artigo procura pôr o problema dessa desvalorização, de forma a tentar explicá-la a partir das condições sociais de produção imediatamente universitárias, ligadas à organização interna do ensino e da pesquisa, à "nova" divisão social do trabalho acadêmico resultante da Reforma Universitária de 1968 patrocinada pelo regime militar, que criou as Faculdades de Educação. No decorrer da explanação, o autor enfatiza, como problema correlato, o diletantismo docente.

Palavras-Chave: educação; Sociologia da Educação; Universidade; reforma universitária; pesquisa acadêmica; diletantismo docente

ABSTRACT

Despite the remarkable development of academic research in Brazil in recent years, Brazilian sociologists have given little importance to education as a subject of research and thematic specialization. Formerly, the situation was different, when, in the fifties and sixties, Educational Sociology benefitted from production of knowledge. The article tries to broach the issue of this underrating, in the attempt to explain it from the social framework of direct university production, correlated to the internal organization of teaching and research, the "new" social division of academic work brought about by the University Reform of 1968 fostered by the military regime, which institude the Faculties of Education. As a related problem and throughout the explanation, the autor emphasizes dilletantism in teaching.

Key words: education; Sociology of Education; university; university reform; academic research; dilletantism in teaching

Texto completo disponível em PDF.

*Texto apresentado no Seminário de Estudos sobre Sociologia da Educação, em homenagem à Profa. Dra. Aparecida Joly Gouveia, promovido pelos departamentos de Sociologia (FFLCH) e de Metodologia do Ensino e Educação Comparada (Faculdade de Educação), da Universidade de São Paulo, e pelo Departamento de Metodologia do Ensino (Faculdade de Educação) da Universidade Estadual de Campinas, realizado na USP, em 21/3/91.

Received: June 1992

Creative Commons License Este é um artigo publicado em acesso aberto (Open Access) sob a licença Creative Commons Attribution NonCommercial, que permite uso, distribuição e reprodução em qualquer meio, sem restrições desde que sem fins comerciais e que o trabalho original seja corretamente citado.